Agostinho Dos Santos E Yansã Quarteto (1967)

Muito bom dia e ano a todos os amigos cultos e ocultos! Começamos aqui o ano de 2012 com a esperança de continuar levando um pouco mais dessa luz, que é a música popular brasileira, que FOI a produção fonográfica brasileira e que é a parte mais rica da nossa história musical. Começo batendo na mesma tecla, lembrando o quanto o desinteresse de muitos e o oportunismo de poucos levaram a produção fonográfica brasileira ao sucateamento, ao desmantelamento e consequentemente ao esquecimento. Volto a afirmar o quanto anarquismo ‘cibernético’, ‘digital’ ou qualquer outro nome que vocês queiram dar, favoreceu à retomada e resgate do que foi levado embora ou se perdeu na música popular do Brasil ao longo das três últimas décadas. O surgimento de blogs como o Toque Musical, principalmente no Brasil, foi de suma importância, mesmo sendo visto com um grito marginal ou criminoso. Digo isso porque o Brasil foi um dos maiores produtores de discos no mundo! A melhor música popular do mundo está aqui! Aliás, como dizia o Aloysio de Oliveira, está aqui, em Cuba e nos Estados Unidos. A brasileira, para mim, é a melhor porque traz em si elementos genuínos e também os da música cubana e americana. Não é por acaso que todos querem e amam esse produto nacional. Observem que tudo que de bom neste nosso país acaba sendo adquirido e usufruído pelos de fora. Vejam o nosso café, o nosso ouro, a nossa mata… é tudo deles! Daí fica a pergunta, quem vendeu o Brasil? Resumidamente eu diria que foram os burros, os ingênuos encantados com espelhinhos brilhantes trazidos de fora, gente sem visão, sem coração, mas com muita fome de grana! Continuo mantendo a teoria da conspiração fonográfica, ‘trama do esfacelamento da produção fonográfica nacional’, do seu verdadeiro roubo, que tanto prejudicou grande parte dos artistas brasileiros e principalmente o acesso do nosso povo. A MPB deveria ser considerada um patrimônio cultural imaterial brasileiro, se é que isso é possível. É claro que sabemos o quanto é difícil, num país como no nosso, tentar gerenciar toda essa produção, que começa desde de quando o primeiro disco foi gravado por aqui. Não temos o mesmo poder dos americanos, europeus e japoneses, que sempre souberam valorizar seus produtos (e os nossos, claro!). Faltou-nos educação e investimento na cultura em geral. Faltou empenho por parte daqueles que estiveram sempre no poder. Agora, quando temos a oportunidade de rever isso, de mudar um pouco esse quadro, enfrentamos barreiras, que em outras palavras é o mesmo que dizer, estamos comprando de volta e pagando caro por aquilo que vendemos a preço de banana. Um disco, por exemplo, como muitos postados aqui, vocês só tiveram a oportunidade de conhecê-lo porque alguém, como eu, se deu ao trabalho de trazer de volta, de compartilhar e fazê-lo ser ouvido novamente. Podemos observar também que a maior quantidade de blogs que compartilham músicas, se concentram no Brasil e isso, eu creio que não é apenas porque não existe aqui de fato uma lei reguladora, com punições severas. A verdade é que ainda vale a pena manter o ‘anarquismo’ em prol do sucateamento, do resto do tesouro perdido pelas gravadoras, mas guardado com carinho nos lares brasileiros. À medida em que vamos soltando nossos discos, esses vão sendo novamente incorporados à lista de direitos autorais exclusivos. Como um termômetro, se alcança um bom nível de interesse e procura, logo nos será censurado e talvez relançado a preço de dólar. Diante à cruz ou à caldeirinha, melhor é continuarmos pondo nossos discos para rodar. A gente vai pagar mais caro por um cd ou uma faixa no iTunes, mas pelo menos vamos ter certeza de que a nossa música foi preservada, mesmo não tendo mais direito algum sobre ela.

E por falar em bater na mesma tecla, em discos raros e coisa e tal… Eu inicio o ano com este disco que é uma pérola negra. Um álbum realmente muito raro, tanto assim que até hoje nem em outros blogs vocês irão encontrar. Temos aqui o ‘lendário’ lp gravado pelo cantor Agostinho dos Santos acompanhado pelo Yansã Quarteto, um grupo instrumental pernambucano, berço primeiro do percussionista Naná Vasconcelos. Este álbum foi lançado em 1967 pela fábrica de discos pernambucana Rozenblit, através de seu selo Tecla. Trata-se na verdade de fonogramas lançados em três discos – EPs de sete polegadas – um formato diferente e raro com três furos (nem me perguntem, pois eu nunca vi um). Essas gravações foram feitas em Portugal (tá explicado), quando por um feliz acaso do destino, o Yansã Quarteto se encontrou em Lisboa com o Agostinho, que por lá passava suas férias. Contam que Agostinho já conhecia Naná Vasconcelos dos programas da TV Jornal, de Recife, quando o cantor se fez acompanhado várias vezes pelo percussionista nessas apresentações. Em Lisboa, Agostinho e o quarteto, se juntaram para diversas apresentações e as gravações, que se extenderam até em Angola. Este álbum, que eu saiba, nunca chegou a ser relançado. Quem sabe agora, ao verem ele todo lindão aqui? 🙂 Se virar REPOST, podem ter certeza, dentro em breve será relançado no mercado (internacional).
Não deixem de conferir… 😉
vem ouvir o mar
vem chegando a madrugada
tristeza
brisa
mona ami zeca
carnaval iolo buá
em luanda saudade de luanda
mulata é noite
a banda
canção triste
outra vez
aprende a viver

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta