Albertinho Fortuna – Seleção 78 RPM do Toque Musical Vol. 136 (2015)

Nesta quinzena, o Grand Record Brazil, em sua edição de número 136, focaliza um grande nome da música popular e do rádio no Brasil: Albertinho Fortuna.
Batizado com o nome de Alberto Fortuna Vieira de Azevedo,  o cantor nasceu em Portugal, mais precisamente em Vila Nova de Gaia, no dia 28 de outubro de 1922. Ele e sua família mudaram-se  para Niterói, litoral do Rio de Janeiro, quando Albertinho estava  com apenas seis meses de nascido. Residiam no bairro de Santa Rosa, e o futuro astro estudava no Colégio  Salesiano, destacando-se no coro da instituição de ensino. Aos oito anos, convidado por um amigo da família, foi cantar na Rádio Mayrink Veiga.  Agradou tanto ao público que retornaria várias vezes à emissora, já pedindo um cachê de dez mil-réis. Albertinho prosseguiu seus estudos no Instituto de Humanidades, cujo diretor era o jornalista e compositor Gomes Filho. Ele também dirigia a Rádio Sociedade de Niterói, que estava inaugurando, e Albertinho acabaria sendo,  em 1936, um dos pioneiros dessa estação. Ainda nesse ano, Zezé Fonseca providenciou seu retorno à Mayrink Veiga, solicitando ao seu então diretor artístico, César Ladeira, que o testasse. Albertinho foi devidamente aprovado e contratado pela Mayrink, por um salário mensal de quatrocentos mil-réis, além de receber, também de Ladeira, o slogan de “O garoto que vale ouro”. Estava então na plenitude de seus treze anos de idade, e apresentou-se várias vezes ao lado da maior estrela da Mayrink nesse tempo:  nada mais nada menos que Cármen Miranda!
Albertinho parou de cantar em virtude da mudança de voz, inevitável com o avanço da idade, e após dois anos inativo,  em 1938, retornaria à cena, agora na PRG-2, Rádio Tupi, “o cacique do ar”. Depois de uma temporada na mesma, transferiu-se para a Rádio Educadora do Brasil, a convite de Saint-Clair Lopes e Luiz Vassalo. Em 1940, ingressa na lendária PRE-8, Rádio Nacional, e três anos mais tarde passa a integrar, ao lado de Nuno Roland e Paulo Tapajós, o Trio Melodia, criado para apoio do superprograma “Um milhão de melodias”. Dada sua impressionante qualidade, o trio fez inúmeras gravações em disco, inclusive acompanhando inúmeros cantores famosos de sua época. As carreiras individuais de seus integrantes, paralelamente, prosseguiam sem qualquer problema.  Albertinho fez sua primeira gravação como solista em 1944, na Victor, ao lado das Três Marias, interpretando o samba clássico “Ai, que saudades da Amélia”, de Ataulfo Alves e Mário Lago. No ano seguinte, faz nova gravação, agora pela Continental, interpretando a valsa “Meu coração te fala” de Pedro Raimundo,que também o acompanhou ao acordeom e numa declamação. Foi um sucesso! De volta à Victor, obtém êxito no carnaval de 1947 com “Marcha dos gafanhotos”, incluída nesta edição. Entre 1948 e 1951 gravou na Star, futura Copacabana, fixando-se de vez na Continental em 1952.
Albertinho Fortuna tem sua trajetória na MPB marcada pelo repertório de cunho romântico, em especial versões de tangos, que cantava como ninguém. Tanto é assim que, por vários anos, os tangos gravados por Albertinho seriam bastante executados nos programas de rádio das madrugadas,por todo o Brasil.
Albertinho Fortuna morreu em sua cidade adotiva, Niterói, no dia primeiro de julho de 1995, aos 72 anos. Nesta edição do GRB, uma pequena-grande amostra de sua arte e de seu trabalho musical, em doze gravações. Abrindo a seleção desta quinzena, temos “Abraça-me”, bolero de Almeida Rego e Antônio Correia, originalmentre lançado por Anísio Silva,em 1962, e que Albertinho incluiu no LP “Prelúdio…”, de 1963, pela Continental. Em seguida,o tango clássico “Cristal”, de Marianito Mores e José Maria Contursi, em versão de Haroldo Barbosa. A música surgiu em 1944, e suas primeiras gravações argentinas foram feitas pelas orquestras típicas de Anibal Troilo, Oswaldo Fresedo e Francisco Canaro. Vencedora do concurso de tangos “Mejoral”, da Rádio Belgrano de Buenos Aires, “Cristal” teve sua primeira gravação em português por Francisco Alves, em 1945. O registro de Albertinho Fortuna é do LP de 10 polegadas “Tangos inesquecíveis”, lançado pela Continental em 1957. Desse mesmo LP é a faixa seguinte, “Garoa”, versão de Lourival Marques para “Garua”, de Anibal Troilo e Enrique Cadícamo, que a Continental lançaria também em 78 rpm, em janeiro-fevereiro de 1958, sob número 17523-B, matriz C-4078. “Lua do rio” é a versão brasileira do clássico romântico”Moon river”,  balada composta por Henry Mancini para o filme “Bonequinha de luxo  (Breakfast at Tiffany’s)”, produzido pela Paramount em 1961 e nele interpretada por sua atriz principal, Audrey Hepburn.  Abrasileirada pelo grande João “Braguinha” de Barro, foi gravada por Albertinho Fortuna em 1963, na Continental, disco 78-227-A, sendo também faixa do LP “Prelúdio…”.  “Mano a mano”, tango clássico de Carlos Gardel, José Razzano e Celedonio Flores, ganhou letra brasileira de Giuseppe Ghiaroni, que Albertinho interpreta ao lado do Trio Madrigal e de seus companheiros no Trio Melodia, com suporte orquestral de Radamés “Vero” Gnattali. A gravação saiu pela Continental  em maio-junho de 1952, sob número 16582-B, matriz C-2866. Da parceria Carlos Gardel-Alfredo Le Pera é  “Morro abaixo (Cuesta abajo)”, que Gardel interpretou num filme também chamado “Cuesta abajo”, subintitulado no Brasil “O amor obriga”. É outra versão de Ghiaroni, gravada na Continental por Albertinho Fortuna em 18 de junho de 1954, com lançamento em julho seguinte sob n.o 16996-B,matriz C-3405. Mostrando que tangos eram mesmo o seu forte, Albertinho também brilha em “Percal”, de Homero Expósito e Domingo Federico, em versão de Haroldo Barbosa. Sua primeira gravação argentina deu-se em 1943, pela típica de Anibal Troilo, com vocal de Francisco Fiorentino. A versão brasileira foi gravada pela primeira vez por Francisco Alves,em 1944, e o registro de Albertinho saiu pela Continental em maio-junho de 1958 no 78 rpm n.o 17557-A, matriz C-4091, sendo também faixa de abertura do LP de 10 polegadas “Tangos inesquecíveis”. Desse LP também consta “Uno”, outra versão de Haroldo Barbosa, subintitulada “Rosa vermelha”, para mais um clássico da parceria Marianito Mores-Enrique Santos Discépolo. Anibal Troilo, com sua típica, e estribilho de Alberto Marino, lançou “Uno” em 1943, e um ano dpeois, Francisco Alves fez a primeira gravação desta versão. O registro de Albertinho, claro, também saiu em 78 rpm pela Continental, em janeiro-fevereiro de 1958, sob n.o 17523-A, matriz C-4077. Em seguida mais um clássico da parceria Carlos Gardel-Alfredo Le Pera, com letra brasileira de Ghiaroni, “Voltar (Volver)”, gravada por Albertinho para o LP de 10 polegadas “Meus velhos tangos” (Continental, 1955).  “Caminito”,de Juan de Diós Filiberto e Gabino Coría Peñaloza,  abre esse mesmo LP, também em versão de Ghiaroni. A Continental, claro, também disponibilizaria a gravação em 78 rpm, sob número 17356-A, em novembro-dezembro de 1956, matriz C-3893. “Gira, gira (Yira, yira)”, de Discépolo sem parceiro, em outra versão de Ghiaroni, também está no LP de 10 polegadas “Meus velhos tangos”, e, em 78 rpm, é o lado B de “Caminito”, matriz C-3894. Para finalizar, um dos primeiros hits de Albertinho  Fortuna:  a “Marcha dos gafanhotos”, de Eratóstenes Frazão e Roberto Martins, uma das campeãs do carnaval de 1947. Foi imortalizada por Albertinho na Victor em 22 de outubro de 46, com lançamento um mês antes da folia, em janeiro,disco 80-0489-A,matriz S-078631. Um fecho realmente de ouro para esta retrospectiva do GRB, prestando justa homenagem ao eterno Albertinho Fortuna!
Texto de Samuel Machado Filho

 

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta