Carlos Lacerda – O Caminhão do Povo (1958)

Olá, amigos cultos e ocultos! Embora o nosso blog aqui se chame Toque Musical, eventualmente, procuro postar também outros tipos de discos como os de poesias, documentários, propaganda e também política. As vezes fico achando que o nome do blog deveria ser outro, afinal nem só de música se faz o nosso toque. Hoje, por exemplo, vamos falar de outros registros sonoros lançados em lp que não são necessariamente música. Aproveitando que ainda estamos na onda da curiosidades fonográficas e mais ainda, vivendo um momento político complicado, vou postando aqui três lp raríssimos, onde poderemos perceber o quanto as histórias na política brasileira se repetem. Qualquer semelhança não será apenas coincidência. Apenas uma comprovação de que a política e os tempos mudam, mas os políticos continuam os mesmos. Teremos para hoje e nos próximos dias os três discos gravados pelo polêmico Carlos Lacerda, um político carioca que atuou neste cenário durante as décadas de 40. 50 e 60. Sua trajetória política e recheada de histórias. Foi um combatente feroz da política populista de Getúlio Vargas, sendo ele um dos principais mentores da desestabilização deste governo. Era um político da UDN. Tinha muita força e poder porque era também um jornalista, dono do jornal Tribuna da Imprensa, seu principal palanque para os discursos e aquela dosezinha de veneno, que ajudou o Brasil a cair na fase mais negra, a ditadura militar. Carlos Lacerda era oposição, mas não era de esquerda. Aliás, ele não era nem de direita. Ao longo de sua vida política se posicionou de acordo com o que lhe era mais interessante, útil e conveniente. Era um homem inteligente, letrado… um intelectual, Mas qualidades como essas não fazem de um homem um bom político. Como exemplo, temos o contemporâneo Fernando Henrique Cardoso, que não nos deixa mentir. Se preferirem, temos algo melhor, José Sarney. Contudo, achar uma classificação para o Carlos Lacerda é coisa que eu não me atrevo sem conhecer ao certo toda a sua história. Porém, através de discos como este, dos seus discursos em áudio, somados a sua ‘multifacetagem pública’, podemos entender o quanto complexo foi esse personagem. Durante a segunda metade dos anos 50, após o suicídio de Vargas, seu alvo de ataques passou a ser Juscelino Kubischek. Ele usava os meios de comunicação (rádio, tv e jornais) para difamar o governo de JK. Em resposta, o Governo baixou uma portaria na qual proibia a transmissão de programas que ofendessem autoridades. Dessa forma, Lacerda perdeu sua maior arma, não tendo mais como escrachar com JK e seu governo. Como alternativa, passou a andar pelas ruas do Rio discursando em caminhão aberto que servia como palanque móvel, acompanhado por outros políticos da UDN. Limitado em suas ações, teve a brilhante ideia de distribuir seus discursos também em disco de vinil, os quais eram vendidos ao preço de 200 cruzeiros. Cara esperto. Imaginem ele hoje, o que não faria pelo PSDB? (hehehe…)
Mas enfim, neste primeiro lp vamos ouvir os discursos improvisados do ‘caminhão do povo’, discurso no meio da rua e trechos de seu discurso na Câmara. Um registro histórico que vale para ‘petralhas’, ‘coxinhas’ e todos os demais brasileiros. Confiram

.

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta