Baiano E Os Novos Caetanos (1974)

 Indiscutivelmente, Chico Anysio (Francisco Anysio de Oliveira Paula Filho, Maranguape, CE, 12/4/1931-Rio de Janeiro,  23/3/2012) foi um verdadeiro mestre do humor, um desses talentos múltiplos que não têm substituto.  Na televisão, no rádio, na imprensa, no teatro, no cinema, na literatura e, claro, também na música, Chico mostrou toda a sua criatividade e versatilidade, tornando-se um dos maiores e mais respeitados humoristas do Brasil. E muitos de seus personagens permanecem até hoje na memória popular, como o Professor Raimundo, o locutor de rádio Roberval Taylor (inspirado em Hélio Ribeiro), Pantaleão, Lingote, Véio Zuza, Tavares, Bozó, Painho, Azambuja, a velhinha Salomé, o galã temperamental Alberto Roberto, o político corrupto Justo Veríssimo e tantos outros.  Na época em que fazia o programa “Chico City”, um dos muitos humorísticos que protagonizou na Rede Globo de Televisão em mais de quarenta anos, o genial artista cearense juntou-se a Arnaud Rodrigues, o “Paulinho Boca de Profeta” (Serra Talhada, PE, 6/12/1942-Lajeado, TO, 16/2/2010), e criou um “grupo” que satirizava o tropicalismo e o universo hippie: Baiano e os Novos Caetanos (nome que, evidentemente, parodiava Caetano Veloso e os Novos Baianos).  Suas canções traziam letras divertidas e engajadas, com belos arranjos e uma cobertura instrumental de primeira linha, incluindo, violões, sanfonas, cavaquinhos, etc. O sucesso de Baiano e os Novos Caetanos, evidentemente, chegaria ao disco. Em seu auge, gravariam pela CID, empresa carioca que existe até hoje, dois LPs. E é exatamente o primeiro deles,  lançado em 1974, que o TM oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados, o que, por certo, irá reavivar as lembranças de tantos quantos se divertiram com esse “grupo”.  Com produção de Orlandivo (um dos reis do “sambalanço” nos anos 1960) e do próprio Arnaud Rodrigues, sob a direção artística de outro “cobra”, Durval Ferreira, é um álbum primoroso, bem feito, e hoje um indiscutível clássico da chamada “música de humor”.  A faixa de abertura, o samba-rock “Vô batê pa tu” (em que Chico Anysio também interpreta o personagem Lingote, aquele do bordão “Faloooooooou!”), ganhou de imediato as rádios e o público, e tratava, de maneira disfarçada, das delações acontecidas na ditadura militar. O “milagre econômico” brasileiro também não escapou , e é denunciado na faixa “Urubu tá com raiva do boi”, assinada por Geraldo Nunes e Venâncio.  Entre as dez faixas do disco, destacam-se também  “Véio Zuza” (em que Chico interpreta o dito cujo), “Nêga”, “Ciranda” e a belíssima canção “Folia de Rei”, trabalho primoroso e emocionante, que também alcançou merecido sucesso.  Enfim, este disco é antológico, raro, histórico, e o TM o aqui apresenta com muita alegria e satisfação, matando, por certo, a saudade de muitos fãs desses dois notáveis artistas que foram Chico Anysio e Arnaud Rodrigues (que morreu de forma trágica, durante um naufrágio, dois anos antes de Chico).  Eles ainda gravariam um segundo LP como Baiano e os Novos Caetanos, em 1975, e voltariam a se encontrar nos álbuns “A volta”, de 1982, e “Sudamérica”, de 1985. Ainda são creditados à dupla os LPs “Azambuja & Cia.” e “Chico Anysio ao vivo” (um show de comédia “stand up” do humorista cearense, com textos de Arnaud). Com este primeiro disco de Baiano e os Novos Caetanos, a diversão está garantida!

vô batê pá tú
nêga
cidadão da mata
urubu tá com raiva do boi
aldeia
ciranda
folia de rei
véio zuza
selva de feras
tributo ao regional
dendalei
.
* Texto de Samuel Machado Filho

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta