Carlos Augusto – Juro (1961)

Nosso álbum de hoje já estava na web (até eu mesmo já baixei, não me lembro bem de que blog).  Ainda assim, o Toque Musical decidiu também oferecê-lo a seus amigos cultos, ocultos e associados, pois se trata de um produto de qualidade, além de ser bastante raro.  Trata-se de um LP lançado pela Odeon, em 1961, apresentando um dos maiores cantores brasileiros de sua época: Carlos Augusto. Na pia batismal, este nosso cantor chamava-se Carlos Antônio de Souza Moreira. Veio ao mundo em Fortaleza, capital do Ceará, no dia 10 de julho de1933. Foi em sua cidade natal que começou a cantar, na Rádio Iracema. Em 1950, mudou-se para a então Capital da República, o Rio de Janeiro, a fim de estudar no tradicionalíssimo Colégio Pedro II. Nessa ocasião, recebe convite para cantar na orquestra da Boate Night and Day. Pouco tempo depois, fez uma excursão pela região Nordeste do país, como parte de uma caravana de artistas que incluía, entre outros, a eterna “Favorita”, Emilinha Borba, então grande estrela da Rádio Nacional, que contrataria em seguida o nosso Carlos Augusto. Em maio de 1952, sai o primeiro 78 do cantor, pela Sinter, trazendo o fox “Meu sonho de amor” , de Paulo César, e o samba-canção “Briguei com você”, dos irmãos Haroldo e Hianto de Almeida.  Seu primeiro LP, de 10 polegadas, é lançado pela mesma gravadora em 1954, intitulado “O trovador  moderno”. Gravou mais de 40 discos  em 78 rpm, além de 7 LPs como solista, 4 compactos duplos, e participações em álbuns coletivos, sobretudo carnavalescos. Deixou sucessos inesquecíveis, tais como “Icaraí”, “Cigarro sem batom”, “Canção da eterna despedida”, “Negue”, “Esta noite ou nunca”, “Pecado ambulante”, “Vitrine”,  “Noite de saudade”, “Seria tão diferente” e outros mais. Infelizmente, Carlos Augusto morreria de forma trágica, em acidente automobilístico, no ano de 1968, quatro anos após gravar seu último disco, um compacto duplo, na Polydor/Philips. Este “Juro”, que o TM oferece hoje, vem a ser o sétimo e último LP-solo de Carlos Augusto, e depois dele o cantor só lançou compactos. A faixa-título é de Adelino Moreira, que, além de compor para Nélson Gonçalves, também criava números especialmente para outros cantores,como nosso Carlos Augusto. Adelino também comparece com “É mentira” (parceria com Oswaldo França), “Deus sabe o que faz” e “Seria tão diferente” (este, em parceria com Antônio Luna, nessa ocasião também gravado por Núbia Lafayette), todos sambas-canções românticos. Ele regrava aqui “Cigarro sem batom”, de Fernando César, por ele próprio lançado em 1955 como valsa,  em ritmo de bolero no presente LP,  e também revive “Boneca de pano”, expressivo samba de Assis Valente, originalmente lançado em 1950 pelos Quatro Ases e um Coringa. Composições de Ricardo Galeno (“A dor que mais dói”, “Deixa falar”, “Quem dá ordens sou eu”, “O sol da verdade”), Paulo Borges (“Cigarra”) e Cyro de Souza (“Volta”, também gravado na mesma ocasião por Marco Antônio) completam o disco, sem dúvida um dos melhores trabalhos fonográficos do inesquecível Carlos Augusto!
a dor  que mais dói
cigarra
deixa falar
é mentira
juro
quem dá ordens sou eu
boneca de pano
seria tão diferente
cigarro sem baton
o sol da verdade
deus sabe o que faz
volta
.
* Texto de Samuel Machado Filho

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta