Dorival Caymmi – Sambas (1955)

Olá, amigos cultos e ocultos! Entre tantos discos que já postamos aqui, alguns são realmente essenciais e se nunca chegaram a ser publicados, um dia acaba acontecendo… Os discos de Dorival Caymmi são um bom exemplo. E no caso deste grande artista, a vontade é de ter por aqui toda a sua discografia, mesmo que apresentada em doses homeopáticas 🙂 É sempre um grande prazer postar no Toque Musical discos e artistas dos quais sou realmente fã. E aqui, no caso, tenho este pequeno lp, maravilhosa e original edição em dez polegadas, lançada pela Odeon, em 1955. “Sambas de Caymmi” é um disco clássico, onde encontramos um repertório praticamente quase todo inédito e que inevitavelmente faria o maior sucesso. Aqui está ele, o exemplar que ganhei de um vizinho. O álbum está muito bem conservado, apenas com uma avaria na contracapa. Mas o que me chama a atenção é que nele veio um encarte trazendo as letras das canções. Coisa rara de se ver nesses albinhos dos aos 50. Eis aí um exemplar que merece o nosso toque musical. Como sempre, arquivo completo, podem conferir no GTM 😉
 
sábado em copacabana
não tem solução
nunca mais
só louco
requebre que eu dou um doce
vestido de bolero
vizinha do lado
roda morena
 
.
 

Os Cinco Crioulos – Samba No Duro Vol. 2 (1968)

Boa noite, meus caríssimos amigos cultos e ocultos! Era para começarmos pelo primeiro volume, mas nem sempre conseguimos seguir essa ordem. Eis aqui Os Cinco Crioulos e o “Samba no duro”, volume 2. Este lendário grupo, com cinco feras do samba carioca: Jair do Cavaco, Nelson Sargento, Elton Medeiros, Mauro Duarte e Anescarzinho do Salgueiro surgiu em 1967, gravando o primeiro volume dos três que se seguiram, em 1967. Todos os três discos foram lançados pela Odeon. É certo que no primeiro volume, no lugar de Mauro Duarte havia Paulinho da Viola. Mauro entra a partir deste segundo disco. Realmente, um time fantástico de sambistas e uma seleção musical exemplar, não foi atoa que rendeu três disco. Neste volume 2 vamos encontrar…
 
primeira escola
lavadeira
arrasta a sandália
juro
quanta dor
bom conselho
abre a janela
grande dor
vaidosa
eu só voltarei
desculpar não desculpei
eu e o samba
 
 
.

Brasília Ritmos – Ritmos Do Brasil (1959)

Salve, salve… amigos cultos e ocultos! Aqui vamos nós trazendo mais um grande toque musical. Desta vez temos o intitulado conjunto “Brasília Ritmos”, nome dado a um grupo de artistas que excursionou pela Europa, em 1959, dentro de um projeto cultural destinado a promover a cultura e a música popular brasileira. Esta foi a segunda excursão promovida por uma lei federal, que no ano anterior levou um outro grupo, chamado de “Os Brasileiros” e que fez lá fora muito sucesso, o que levou a essa segunda investida. Tanto a grupo da primeira viagem, quando este segundo tiveram registros em discos pela Odeon. Inclusive, os discos chegaram a ser lançados também lá fora, através do selo Parlophone, inclusive em compacto de 45 rpm. Curiosamente, também, este lp teve outros relançamentos com algumas diferenças na capa, criada por Cesar Vilela, com foto do Chico Pereira. O conjunto Brasília Ritmos dessa excursão trazia nomes como Waldir Azevedo, Sivuca, Jorge Santos, Tião Marinho, Trio Fluminense e outros mais. Na contracapa temos um texto de Humberto Teixeira detalhando melhor essa produção. O repertório é cheio de samba, choro e até frevo, clássicos imortais da nossa canção popular. Disco realmente maravilhoso que por certo, não poderia faltar por aqui. Vamos conferir?
 
vê se gostas
mangiricão
sivuca no frevo
delicado
na glória
eu não morro sem ver paris
é luxo só
brasileirinho
mulata assanhada
o apito no samba
sinfonia do café
copacabana
 
 
.

Steve Bernard – Interpretações De Steve Bernard (1958)

Boa noite a todos amigos cultos e ocultos! Nosso encontro de hoje é com o organista Steve Bernard, figura que já esteve presente aqui em coletâneas da Odeon, onde este artista gravou seus primeiros discos no Brasil. Steve Bernard era um músico romeno que fugindo da guerra na Europa, veio parar por aqui, onde acabou se tornando conhecido como músico, tocando em rádios, televisão e também fazendo apresentações em algumas casas noturnas. Steve Bernard acompanhou Edith Piaf, Yves Montand e outros grandes nomes da música internacional. Seu instrumento era o orgão Hammond e aqui neste pequeno lp de dez polegadas temos ele acompanhado por um conjunto, numa seleção musical dançante, mista, com temas famosos, nacionais e internacionais. Sinceramente, me atraiu mais pela capa, mas isso é uma questão pessoal. Posso dizer que boa parte do que postei até hoje no Toque Musical, necessariamente, não é o meu gosto pessoal. Ou por outra, eu diria, tudo em sua hora. O que não pode faltar é qualidade ou algo de especial ou diferente, que valha estar aqui em nosso Toque Musical. E nesse sentido, este lp não foge a regra. Confiram no GTM…
 
love is a many splendored
moriat
stardust
lisboa antiga
ninguém me ama
nosso adeus
só pode ser você
corcovado
 
.

Conjunto Brasil Sonoro – Uma Aventura Em Ritmos Brasileiros (1956)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Aqui vai mais um disco de 10 polegadas, e também uma boa raridade, dessas que a gente só encontra nos blogs musicais e no Mercado Livre, sempre com preços absurdos como cabe aos especuladores. Para se ter uma ideia, tem maluco vendendo este disco por 800 pratas! Sem dúvida se trata de uma raridade, mas mesmo um colecionador de verdade não pagaria tanto, creio eu. Digo isso por se tratar de um título muito específico e um gênero musical que hoje em dia pouco interessa ao público consumidor de vinil. Só mesmo o colecionador e esse quando o é de verdade, só paga caro se for o único e item que falta para fechar coleção. Enfim, cada um vende e compra da forma que quiser, “o importante é que a nossa emoção sobreviva”, já dizia o poeta.
Mas então, temos aqui o Conjunto Brasil Sonoro, um disquinho de dez polegadas produzido e encabeçado pelo flautista Altamiro Carrilho que comanda o time de músicos deste conjunto instrumental. Segundo informações, após gravarem este disco, no ano seguinte, a Odeon estaria lançando um segundo lp, desta vez em disco de doze polegadas, na linha dançante, e desta vez destacando o nome de Altamiro na capa. Aqui, neste primeiro disco o Conjunto Brasil Sonoro procura nos mostrar um repertório com músicas de diferentes gêneros existentes no Brasil. Tem choro, samba, baião, polca, maracatu e tango, tudo muito bem produzido e buscando nuances sonoras originais. Bem bacana e diferente para a época. Vale muito conhecer…
 
candolé
elegante
festa popular
não é bem isso
polquinha do realejo
viva o samba
maracatu
fazenda da boa união
 
.

Sua Excelência O Samba Canção (1957)

Olá, a todos os amigos cultos e ocultos! Segue o toque… Hoje é dia de dez polegadas e aqui temos um disquinho da Odeon, uma coletânea na qual ela apresenta oito de seus artistas em oito momentos musicais. E em se tratando de Odeon o time aqui não é qualquer um: Sylvia Telles, Dorival Caymmi, Heleninha Silveira, Roberto Luna, Trio Irakitan, Orlando Silva, Dalva de Andrade e Isaura Garcia. Todos defendendo uma só bandeira, a do samba canção, verdadeira excelência e riqueza da nossa música popular. E nesta seleção musical não há como errar, é ligar o som e cantar junto 😉
 
foi a noite – sylvia telles
só louco – dorival caymmi
molambo – roberto luna
não diga não – heleninha silveira
prece – dalva de oliveira
contando estrelas – isaura garcia
braza – orlando silva
siga – trio irakitan
 
 
.

Dalva De Oliveira – A Voz Sentimental Do Brasil (1953)

Bom dia, boa madrugada a todos amigos cultos e ocultos! E enquanto houver estoque, vamos nessa dobradinha de postagens, alternando com discos de 10 e 12 polegadas. 
Aqui um exemplar do primeiro lp gravado por Dalva de Oliveira em 33 rpm e também um dos primeiros lps lançados no Brasil, este, da Odeon, em 1953. Nele temos Dalva de Oliveira e orquestra interpretando uma seleção musical com sete sambas e uma toada, um repertório de sucessos, algumas dessas músicas já gravadas por ela. Mas aqui ganham mais personalidade, a marca oficial do ‘Rouxinol do Brasil’ ou ainda, ‘A Voz Sentimental do Brasil’, a inesquecível Dalva de Oliveira.
Vamos conferir no GTM…
 
ave maria
poeira do chão
senhor do bonfim
palhaço
segundo andar
errei sim
calúnia
esta noite serenou
 
 
.

Suplemento Antecipado – Novidades Em Long-Plays (1967)

Salve, salve… amigos cultos e ocultos! Olha só que disco bacana eu tenho aqui. Na verdade, trata-se de um álbum duplo não comercial, lançado pela Odeon. Digamos que este é um super catálogo da gravadora que reuniu aqui nada mais, nada menos que uma amostra de seus vinte lançamentos para o ano de 1967. Eis aqui um álbum realmente curioso e interessante destinado como já informam na capa, aos revendedores de rádio e televisão, disc-jockeys e cronistas especializados. Como se pode ver aqui pelas imagens temos músicas extraídas de discos de Agnaldo Timóteo, Altemar Dutra, Wilson Simonal, Deny e Dino, Elza Soares e Miltinho, Geraldo Vandré, Quarteto Novo, Eduardo Araújo, Coro Odeon, Lyrio Panicali, Los Cubanacans, Ed Maciel, Meireles e Orquestra, Banda dos Coroas e ainda sobra espaço para artistas internacionais como Franck Pourcel, Montavani, The Outsiders, Bobbie Gentry e The Beach Boys. Não me recordo da Odeon ou outra gravadora fazer uma coletânea promocional como esta. Está aí, mais um álbum raro que muito colecionador corre atrás. Vamos conferir no GTM…
 
quem será – agnaldo timóteo
eu sou aquele – agnaldo timóteo
dedicatória – altemar dutra
minha oração – altemar dutra
agora é cinza – wilson simonal
vesti azul – wilson simonal
volta amanhã – hebe camargo
frevo – hebe camargo
o ciúme – deny e dino
pra ver você chorar – deny e dino
boogie woogie na favela – elza soares e miltinho
ventania – geraldo azevedo
o ovo – quarteto novo
alta tensão – eduardo araújo
combustão lenta – eduardo araújo
canta brasil – coro odeon
só vou gostar de quem gosta de mim – lyrio panicali
l’important c’est la rose – ed maciel
a little bit me a littel bit you – ed maciel
mas que nada – meirelles e sua orquestra
caderninho – banda dos coroas
this is my song – franck pourcel
the shadows of your smile – montavani
i’m not tryin to hurt you – the outsiders
ode to billie joe – bobbie gentry
 
 
.

Eduardo Gudin (1973)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Seguimos nossa trilha fonomusical, desta vez trazendo e mais uma vez o compositor Eduardo Gudin em seu álbum clássico, o primeiro disco solo, gravado em 1973 pelo selo Odeon, onde viria ainda a  gravar mais três discos. Este lp é genial e curiosamente ainda pode ser encontrado por um bom preço, ainda não entrou no grupo dos especulados. Um trabalho totalmente autoral e com a presença de seu habitual parceiro, Paulo Cesar Pinheiro. Os arranjos e orquestração Gudin divide com o maestro José Briamonte e Hermeto Pascoal. Confiram no GTM…
 
olha o que ela fez
a velhice da porta-bandeira
labirintos
sozinho
sem jeito
desperdício
dia de muito é véspera de nada
nem réu nem juiz
choro do amor vivido
deixa teu mal
 
.

Francisco Moraes – O Baile Da Menina Moça (1960)

Boa noite, meus amigos cultos e ocultos! Na sequencia de nossas postagens, hoje temos “O Baile da Menina Moça”, disco com o maestro e pianista Francisco Moraes e seu conjunto traçando um repertório para embalar as festas de adolescentes daquele começo de década de 60. Aqui tem um pouco de tudo, samba, bossa, cha-cha-cha, rock… Disquinho realmente muito gostoso de ouvir e também, porque não? Dançar… 🙂 Vamos ao baile do água e palito!
 
menina moça
camelo
fechei a porta
romântica
banho de lua
pillow talk
marina
luna de miel en puerto rico
lua azul
leva-me contigo
carinho e amor
tome continha de você
 
 
.

Agnaldo Timóteo – Obrigado Querida (1967)

Olá, amigos cultos e ocultos. Para a nossa tristeza, hoje lá se foi o Agnaldo Timóteo. Mais um grande artista que estamos perdendo, mas que fica também para sempre na memória da música popular brasileira. Um cantor controverso, polêmico, mas acima de tudo de um grande caráter. 
Fica aqui a nossa homenagem a ele em um de seus discos de maior sucesso, o “Obrigado Querida”. Neste temos uma série de músicas inesquecíveis, versões de ‘hits’ estrangeiros que fizeram sucesso em sua interpretação. Um disco também com clima de Jovem Guarda, porque não? Vale a pena relembrar… Grande Agnaldo Timóteo! Agora cantando no Céu. Confiram no GTM…
 
meu grito
livre (born free)
não pensa em mim (non pensare a mi)
se tu não fosse tão linda (se tu non fossi bella come sei)
creio sim (non credo)
junto a ti eu terei paz (fais-la rire)
mamãe estou tão feliz (mamma)
não me deixe mais
os verdes campos da minha terra (green green grass of home)
l’amour toujours l’amour
obrigado querida (mercy cherie)
quando não me quizeres mais  (quando vedro)
 
 
.
 

Gazineo (1973)

Boa tarde, meus amigos cultos e ocultos! Não sou muito fã de discos de 7 polegadas sem capa, infelizmente esses disquinhos a gente quase nunca encontra com capa e quando encontra é com uma capinha genérica, aquela com o furo no meio para se ver o selo. E quase sempre, quando estão com essa capinha, está sempre trocada. Disquinhos assim, a gente só consegue avaliar colocando para tocar. E eu tenho uma porção desses discos que ainda preciso descobrir. Só mesmo promovendo esses ‘períodos temáticos’ para me fazer mexer nos arquivos físicos e explorar aqueles discos que ainda não tive tempo de ouvir. Aqui um bom exemplo… Este é um compacto do cantor baiano Carlos Gazineo, um artista que tem estado presente na cena da MPB desde o final dos anos 60. Só mesmo quem é da área, quem é baiano, talvez, conheça ou se lembre dele. Um cantor premiado em vários festivais, cantou nos mais diversos programas de televisão e casas de shows, além dos jingles para a JS Discos. Sua primeira aparição está no no lp “I Festival do Samba da Bahia, de 1967 (disco este já apresentado aqui no Toque Musical), ao lado do Inema Trio e também no compacto duplo com músicas do sambista Batatinha, onde aparece em duas faixas. Nos primeiros anos da década de 70 ele foi contratado pela Odeon como sambista e grava então este que foi seu primeiro compacto e talvez o seu disco de maior sucesso. Nele ficou registrado “Liso, leso e louco”, composição da dupla Antonio Carlos e Jocafi, que também cuidaram da sua produção. Do outro lado, o samba “Falsa cabrocha”, de Luiz Berimbau. “Liso leso e louco” tocou muito nas rádios e chegou a ser conhecida internacionalmente. Essas duas músicas seriam, na sequencia, lançadas em uma coletânea de sambas da gravadora (Só Sucessos Vol. 12). Gazineo seguiria sua carreira de sucesso gravando outros compactos. Seu primeiro e único lp ele só veio a gravar em 1984, “Cantando sorrindo”, uma produção independente na qual ele aparece como Carlos Vicente. Depois disso viriam os cds e trabalhos com produção. Hoje, parece, está aposentado, curtindo a vida dentro de uma piscina, pelo menos é o que mostra o seu perfil no Facebook. Confesso que quase desisti desta postagem quando vi no Facebook a sua postura política. Enfim, ainda bem que estamos falando do passado. Melhor beber o vinho do que falar do vinagre.
 
falsa cabrocha
liso leso e louco
 
 

Orquestra Disneyland E Aloysio De Oliveira – Perri (1959)

Olá, prezados amigos cultos e ocultos! Prosseguindo sua mostra de compactos, o TM apresenta uma autêntica raridade. Trata-se de um 45 rpm que a Odeon lançou sob o selo Disneyland, provavelmente em 1959, reunindo quatro músicas de um filme de Walt Disney chamado “Perri”, de 1957, rebatizado no Brasil como “No coração da floresta”. Misto de documentário e ficção, e de elementos de “Bambi” com fotografia da natureza, o filme conta as aventuras de um esquilo fêmea, a Perri do título original, durante as quatro estações do ano. E a vida dela na floresta é cheia de perigos. Quando não está fugindo de seu inimigo natural, o Martes, Perri se apaixona por um esquilo macho que considera um príncipe. O filme ganhou, em 1958, o Urso de Ouro de melhor documentário no Festival Internacional de Cinema de Berlim. As orquestrações deste disco são originais americanas, com canto coral em português e narração de Aloysio de Oliveira, ex-integrante do Bando da Lua, que por certo também verteu as músicas para o nosso idioma. Em suma, um filme pouco lembrado dos estúdios Disney, do qual o TM apresenta parte de sua trilha sonora. Mais um tesouro raro que vocês poderão conferir no GTM. 
 
sonho de perri
a primavera
cai o dia
a dormir
 
 
*Texto de Samuel Machado Filho

Miltinho (1974)

Bom dia a todos os amigos cultos e ocultos! Para não dizer que não gosto e que ninguém aqui também não gosta, vamos aqui com mais um disco desse intérprete genial, o grande Miltinho. Aqui temos ele novamente neste disco lançado em 1974, pela Odeon. Produção de Milton Miranda e direção musical do Maestro Gaya. Um disco dos mais agradáveis em sua fase nos anos 70, como sempre recheado de sambas e toda essa malemolência que só o Miltinho tinha, caracterizado também pela voz anasalada, sua marca registrada. Muito bom.. É só conferir no GTM…
 
namorada madrugada
retalhos de cetim
mulher
minhas lágrimas
ninguém é de ninguém
quero morrer de sambar
dois estranhos
reconciliação
nova esperança
louca
 
.

Vários – Dance Com Os Ases (1959)

Que tal iniciar 2021 dançando? Pois é esta a proposta do álbum que o TM oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos. O disco chama-se “Dance com os ases”, foi lançado pela Odeon em 1959, e reúne doze músicos, à frente de suas orquestras e conjuntos (Gaya, Luiz Arruda Paes, Oswaldo Borba, Astor Silva, Mário Gennari Filho, Luiz Arruda Paes etc.), executando um repertório variado, de músicas nacionais e internacionais. O cardápio deste disco nos oferece, sem dúvida alguma, o melhor do que havia em música de dança na época: samba, samba-canção, bolero, fox, mambolero (no caso, “Singapura”, composto por Quincas e executado por ele e Os Copacabana) e até mesmo um maxixe, “Ao pé da letra”, concebido e executado pelo acordeonista Mário Gennari Filho. Como se pode observar, é um disco de excelente qualidade técnica e artística, reunindo ases diversos, sendo, por isso, mais um digno merecedor de nosso Toque Musical. E aí, dá-me o prazer desta contradança?
 
l’ederai  –  oswaldo borba e sua orquestra
la goualante du pauvre jean  –  gaya e sua orquestra
sábado em copacabana – astor e sua orquestra
my special angel – hector lagna fietta e sua orquestra
maria – luiz arruda paes e sua orquestra
singapura – quincas e os copacabana
o relógio do vovô – conjunto melвdico norberto baldauf
eclipse – irany e seu conjunto
blue moon – orlando silveira e seu conjunto
o paito no samba – steve bernard e seu conjunto
dora me disse – sexteto rex
ao pé da letra – mаrio gennari filho e seu conjunto
 
 
*Texto de Samuel Machado Filho

Delora Bueno – Cânticos Brasileiros (1955)

Olá amiguinhos cultos e ocultos! Nadando de braçada nas heranças fonomusicais vindas de finados sítios, vamos assim finalizando esse ano de 2020. Consegui, enfim, alcançar a meta das 365 postagens do ano, muito por conta da quarentena que me deu tempo para fazer as coisas direitinho. Espero que no ano que está vindo a gente possa continuar mantendo a regularidade diária.
Hoje o nosso encontro é com a cantora Delora Bueno. Um nome, talvez, pouco lembrado nos dias atuais. Delora foi uma cantora que nasceu nos Estados Unidos, filha de mãe americana e pai brasileiro. Nasceu em Iowa, Estados Unidos’, mas cresceu no Brasil. Viveu aqui até os 19 anos, quando então foi morar de vez na América. Por lá se casou e a a partir de então teve uma carreira de estaque como cantora, animadora de palco e professora de canto, atuando tanto na América quanto no Brasil. Era considerada pela imprensa americana como a embaixadora da canção popular brasileira. Gravou vários discos, tanto aqui quanto lá fora. Entre seus trabalhos temos aqui este disco de 1955, lançado pela Odeon, “Cânticos Brasileiros”, uma celebração a nossa música popular e folclórica. Confiram no GTM…
 
tambatajá
oia o sapo
toca-toca
pingo d’água
cobra grande
maringá
tayeiras
casinha pequenina
upa upa meu trolinho
 
 
.

Eugenio E Seu Quarteto – O Sucesso E Outras Bossas (1966)

Olá, amigos cultos e ocultos! Dando sequencia a nossa mostra musical, hoje temos a presença de Eugênio e Seu Quarteto, disco raro, lançado pela Odeon em 1966. Eugênio Oscar Galende foi um pianista argentino que atuou no Brasil nos anos 50 e 60 como músico da noite, em São Paulo e Rio de Janeiro. Infelizmente, não existe na rede nenhuma informação sobre esse artista. Se checarem no Google, o máximo que acharão é esse mesmo disco postado em um blog gringo e no Mercado Livre, onde um maluco, aproveitando de ser o único no pedaço, está vendendo um exemplar por 1390 reais. Curioso esse preço, mas tem doido pra tudo. O lp do Eugênio e Seu Quarteto é, sem dúvida, um disco interessante, mas  só mesmo outro maluco, como o vendedor, para compra-lo por esse preço. Esses vendedores de discos, em sua maioria, não entendem nada de música, de discos ou da história dos discos, focam apenas na especulação, esperando que alguém mais idiota que eles entre nessa onda. Desde que o vinil voltou a ser procurado, o comércio desse produto se tornou uma fonte rentável. Mas o que a maioria desses doidos não sabem é que quem valoriza mesmo vinil é colecionador e esses são poucos, são expertos e só pagam caro não havendo outra alternativa. Aliás, o grande barato do colecionismo não está em si na coleção, mas na incessante busca. O prazer está no encontro, no achado…
Mas, voltando ao disco do Eugênio e Seu Quarteto, que na verdade não parece ser quarteto, pois na contracapa só estão descrito o Eugênio nos teclados, Tião Marinho no contrabaixo e Reisinho (Durval dos Reis) na bateria. Pode ser que fora do disco ele tocava em quarteto, mas aqui só se ouve piano e orgão, bateria e baixo. Mas isso pouca diferença faz. Curioso também é o repertório, totalmente de temas internacionais, inclusive com cinco músicas dos Beatles, tudo em arranjos jazzísticos e com muita bossa. Disco bacana, mas para valer mais de mil pratas, só se for banhado a ouro.
 
the shadow of your smile
all my loving
la playa
somehow it got to be tomorrow
love letters
a hard day’s night
il mondo
the more i see you
and i love her
girl
i’m happy just to dance with you
tonight
 
 
.
  

Déo Rian – Choros De Sempre (1974)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Segue o barco do choro… Hoje numa postagem que agrada em cheio. Temos aqui “Choros de sempre”, lp de 1974, de Déo Rian, virtuoso instrumentista, com mais de 40 anos de carreira, grande bandolinista, sendo um dos mais importantes solistas brasileiros. “Choros de sempre” é um típico e hoje, clássico disco de chorinho. Aqui temos uma seleção de choros famosos onde Déo esbanja o seu talento. Disco maravilhoso onde vale cada faixa e anda falta…
 
mistura e manda
helena
lamento
vou vivendo
queixumes
julieta
noites cariocas
primas e bordões
soluçando
tristezas de um violão
sentimento oculto
tatibitate
 
 
.
 

 

Quarteto Novo (1967)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Após mais de uma década postando diariamente um disco, chega uma hora em que a gente perde um pouco a noção do que já foi publicado e também o que não foi. Entre os muitos que ainda não postei, eis aqui essa joinha, este disco que é simplesmente maravilhoso e que, claro, não poderia faltar aqui em nosso acervo. Finalmente, chegou a vez dele, o Quarteto Novo! E para quem não o conhece, vamos lá… O Quarteto Novo foi um conjunto de música instrumental formado em 1966, em São Paulo. Inicialmente, como um trio, o Trio Novo, concebido para acompanhar o cantor e compositor Geraldo Vandré em gravações e apresentações. Inclusive estão presentes no belíssimo “Canto Geral”. O trio era formado, nada mais, nada menos, por Theo de Barros (contrabaixo e violão), Airto Moreira (bateria e percussão) e Heraldo do Monte (viola e guitarra). Mas logo viria o quarto elemento, Hermeto Pascoal, incrementando o grupo com uma flauta.. Estava formado o super grupo, o Quarteto Novo. E foi logo aí, em 67 que ele gravou pela Odeon este disco que hoje é uma das mais bonitas obras da música instrumental brasileira. Um disco realmente e literalmente único e na minha concepção, um trabalho que merecia maior atenção e divulgação. Nunca voltou a ser reeditado a não ser em 1973 e já com uma outra capa. Se tornou um disco raro, cobiçado por colecionadores e principalmente para negociantes que hoje veem no comércio do vinil uma excelente fonte de renda. Infelizmente, o quarteto não durou muito tempo, em 69 ele se desfez. Cada um de seus membros já tinha lá um caminho a seguir. Este álbum também se tornou cobiçado por conta do interesse internacional, estava ali pela primeira vez um disco de música instrumental brasileira com elementos da música regional nordestina. Um disco instigante, sofisticado e com arranjos cuja sonoridade tem influenciado compositores de várias partes do mundo. Taí uma razão pela qual este lp não poderia nos faltar. Por certo, boa parte do nosso público amigo, culto o oculto, já deve conhecer. Mas, o que é bom a gente sempre quer de novo, ainda mais esse Quarteto Novo, não é mesmo? Confiram no GTM…

o ovo
fica mal com deus
canto geral
algodão
canta maria
síntese
misturada
vim de santana
 
 
.

Uccio Gaeta – Musicas Italianas Em Bossa Nova (1964)

Olá, prezados amigos cultos e ocultos! Hoje apresentamos um álbum do cantor e acordeonista Matteo Gaeta, que adotou o pseudônimo de Uccio Gaeta. Italiano de Salerno, nascido em 2 de janeiro de 1932, radicou-se no Brasil em meados da década de 1950, ingressando como cantor na Rádio Gazeta de São Paulo. Em 1966, trabalhou como ator no programa “TV de comédia”, da extinta TV Tupi, tendo sido dirigido por Geraldo Vietri. Logo depois ganhou seu próprio programa na antiga TV Cultura, então coligada da Tupi. Em 1969, ainda na Tupi, trabalha como ator na novela “Nino, o italianinho”, também sob a direção de Geraldo Vietri (também autor da novela, estrelada por Juca de Oliveira e Aracy Balabanian), e ainda teve uma música sua na trilha sonora, “Un baccio”. Em 1976, também na Tupi, atuou na novela “Canção para Isabel”. No início dos anos 1980, atuou como cantor e músico na trilha sonora de outra novela de sucesso, “Os imigrantes”, da Rede Bandeirantes, hoje conhecida por Band. Uccio Gaeta gravou no Brasil oito LPs e onze discos de 78 rpm. Dessa discografia, o TM foi buscar um álbum que a Odeon lançou em 1964. Trata-se de “Músicas italianas em bossa nova”, apresentando doze sucessos da “canzone” italiana no ritmo consagrado por João Gilberto. Entre eles, encontraremos “Anema e cuore”, “Piove” (“Ciao, ciao, bambina”…), “Nel blu dipinto di blu” (“Volare”), “Scapricciatiello” e “Tintarella di luna”, aliás “Banho de lua”, como ficou conhecida no Brasil através da versão de Fred Jorge que Celly Campello consagrou. Disco muito bom, digno merecedor de nosso Toque Musical. É ir ao GTM e conferir.

guaglione

non ti scordar di me

anema e core

romantica

nel blu dipinto diblu

vurria

maruzzella

pione

scapricciatiello

tintarella di luna

come sinfonia

fenesta che lucive

*Texto de Samuel Machado Filho 

Carlos Galhardo – E O Destino Desfolhou (1973)

Bom dia a todos os amigos cultos e ocultos! Um dos artistas mais procurados aqui no Toque Musical é, sem dúvida, o cantor Carlos Galhardo. Temos aqui um público fiel e é para esses que estamos trazendo mais um de seus discos. Aqui está o lp “E o destino desfolhou”, álbum lançado em 1973 pela Odeon. Este disco foi seu primeiro lp gravado pela Odeon. Ele já havia gravado antes por este selo, na fase dos bolações, mas ao longo de toda a sua carreira Carlos Galhardo sempre gravou pela RCA Victor. O álbum que aqui apresentamos tem um sabor especial, uma roupagem nova, principalmente por conta do arranjos e orquestração do maestro Gaya. Repertório bonito e com músicas já conhecidas do grande público. Não deixem de conferir… 

meus tempos de criança

bodas de prata

porque cantam os passarinhos

arrependimento

valsa do meu subúrbio

cruel destino

pedrinhas de cor

e o destino desfolhou

a rosa

infeliz amor

malandrinha

será

.

Antenógenes Silva – Recordar É Viver (1959)

Olá, amigos e ocultos! O Toque Musical oferece hoje mais um disco de Antenógenes Silva, o inesquecível mago do acordeão, considerado, no auge de sua época, o maior acordeonista de oito baixos do mundo. É “Recordar é viver”, lançado pela Odeon em 1959. Neste álbum, como era de costume, um repertório totalmente autoral, e quase todas as músicas eram, até então, inéditas em disco, inclusive a faixa-título. A única regravação é a da polca “Pescando lambari”, de 1939, erroneamente rotulada no selo como toada. Aliás, vale ressaltar que este disco já havia aparecido no blog “Forró em vinil”, em sua reedição de 1970, com o selo Imperial. Ainda assim, aparece aqui no TM com sua capa e contracapa (escrita por um entusiasmado Fernando Lobo) originais, e vale a pena ouvir e recordar todo o virtuosismo deste grande acordeonista que foi Antenógenes Silva. Afinal de contas, como diz o próprio título deste trabalho, recordar é viver. Não deixem de conferir no GTM.

vai virando de banda

boogie woogie na roça

qualquer um toca

saudades do meu pai

sanfoneiro apaixonado

recordando os teus beijos

baile da saudade

quando chora o bombardino

flor do campo

pescando lambari

pra você todo o meu amor

abel em paris

 

*Texto de Samuel Machado Filho

Prêmio Cidade De S. Sebastião Do RJ – Os Melhores Do Disco Nacional (1965)

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje o Toque Musical apresenta uma coletânea muito interessante, lançada pela Odeon em 1965, reunindo alguns dos agraciados com o Prêmio Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, idealizado pelo crítico Claribalte Passos, do extinto jornal “Correio da Manhã”, para premiar os melhores do disco no Brasil. É ele quem, inclusive, assina o texto de contracapa deste disco, uma seleção acrescida de aplausos ao final de cada faixa, com o claro objetivo de dar ao ouvinte a sensação de estar no local da premiação, o Teatro Municipal do Rio. O repertório, de fato, merece aplausos, pois tem ótimos momentos pra gente recordar. Entre os premiados escolhidos para este álbum, estão Moreira da Silva (“O rei do gatilho”), Dalva de Oliveira (“Rancho da Praça Onze”), João Gilberto (“Desafinado”), o grande Wilson Simonal (apresentando um pot-pourri de bossa nova), Elza Soares (“O samba brasileiro”) e Dorival Caymmi (“Saudade da Bahia”). Abrindo o disco, uma composição do próprio Claribalte Passos, “Rio, eterna capital”, executada por orquestra. E, encerrando com chave de ouro, o “Rancho das flores”, com a Banda do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro. Ao ouvirem este disco que merece com todos os méritos o nosso TM, vocês com certeza também terão vontade de aplaudir o repertório aqui incluído. É só ir ao GTM e conferir.

rio eterna capital – orquestra
reza – pery ribeiro
o rei do gatilho – moreira da silva
rancho da praça onze – dalva de oliveira
pot pourri de bossa nova – wilson simonal
última inspiração – luperce miranda
prece – dalva de oliveira
samba de verão – marcos valle
o samba brasileiro – elza soares
desafinado – joão gilberto
saudades da bahia – dorival caymmi
rancho das flores – banda do corpo de bombeiros



*Texto de Samuel Machado Filho

Quem Samba Fica? – Fica. (1974)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Olha só o que temos para hoje… Um autêntico disco de samba e da melhor qualidade. Reunindo cinco grandes nomes do samba carioca: Dona Ivone Lara, Sidney da Conceição, Flávio Moreira, Wilson Moreira e Casquinha. Um arranjo idealizado pelo produtor Adelzon Alves, que escalou os cinco sambistas e também João Donato, que havia recentemente voltado dos Estados Unidos, para cuidar da orquestração e regência ao lado do maestro Gaya. Em 1971 Adelozon produziu o que foi o primeiro volume, disco com o mesmo título e também lançado pela Odeon. Como podemos ver, trata-se de um disco trabalhado, pensado, onde seus produtores procuram captar a verdadeira essência do samba carioca através de seus verdadeiros representantes. A ilustração da capa é uma pintura de Sidney da Conceição, um sambista assim como Heitor dos Prazeres que se dedicava a pintura.  Está aí um disco bem a cima da média e hoje uma raridade, que não pode passar batido. Confira no GTM…

tyê – dona ivone lara
o sonho do escurinho – casquinha
construção de barracão – sidney da conceição
o cansaço da cabrocha – flávio moreira
meu apelo – wilson moreira
mel e mamão com açucar – wilson moreira
outro recado – casquinha
nanaê, nanã, naiana – sidney da conceição
samba e madrugada – flávio moreira
agradeço a deus – dona ivone lara



.

Dalva De Oliveira – Tangos Vol. 2 (1963)

Fala, meus amigos cultos e ocultos! Diante a mais de uma dezena de pedidos para que postássemos aqui outros disco de tango, eis que temos um que atende e não foge a regra. Quer dizer, como estamos numa fase de cantoras, foi sorte ter encontrado para postagem este lp com a Dalva de Oliveira cantando tangos. Aqui temos um lp lançado pela Odeon, o volume 2, em 1963. Uma seleção de tangos clássicos, em versões em português na voz inesquecível de Dalva. Espero que esteja no agrado e logo que possível postaremos também o volume 1.

sem palavras
história de um amor
sonho azul
deixe-me em paz
nostalgias
verde mar
estou enamorada
uma lágrima tua
minha vida
se tu me esperasses
quartinho azul
canção desesperada



.

Elza Soares – Sambas E Mais Sambas (1970)

Olha aí, amiguinhos cultos e ocultos, mais um que ficou na gaveta esperando não sei o quê. É que são tantas as emoções…, como já dizia o Roberto Carlos, que as vezes umas passam batidas…
Taí, então a Elza Soares, em “Sambas e mais sambas”, disco lançado pela Odeon em 1970. Repertório, nem precisa dizer, só sambas com muito swing e da melhor qualidade. Discão bacana que não perde o rebolado, sempre fazendo sucesso. Afinal, é Elza Soares! Confiram essa belezura no GTM…

mas que nada
recado
dá-me tuas mãos
vejam só
pressentimento
mascara na face
tributo a martin luther king
comunicação
maior é deus
tributo a dom fuas
seu josé
meu consolo é você



.

Luiz Bonfá – Ritmos Continentais (1958)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Nosso encontro hoje é com Luiz Bonfá, um dos grandes violonistas brasileiro, também cantor, compositor e arranjador. Um dos mais importantes autores brasileiros. Sua música é conhecida internacionalmente. Como instrumentista promoveu várias inovações técnicas no violão. Gravou uma centena de discos, muitos, inclusive fora do Brasil.
Neste lp, lançado em 1958 pela Odeon, temos o artista interpretando uma série de músicas, nacionais e internacionais, num modelo muito comum da época, discos feitos para dançar. Assim, já de saída temos um desfile com um variado leque musical, interligados como um ‘pot-pourri’ que toma todo o lado A. Uma dezena de músicas dos mais variados ritmos, aqui costuradas com maestria para se dançar. No lado B há outras seis músicas, incluindo duas composições próprias, “Melodiando” e “Swingin em Madrid”. Este disco teve uma segunda edição, com outro nome, “Luiz Bonfá Toca Melodias das Américas”. Na verdade, uma edição que consta boa parte dessas gravações. Confiram os “Ritmos Continentais” no GTM.

you were meant for me 
mister sandman
whisperin
my melancholic baby
cheek to cheek
sweet sue just you
frenesi
quiereme mucho
quizas quizas quizas
speak low
aurora
cai cai
mulher rendeira
não tenho lágrimas
morena boca de outro
vereda tropical
melodiando
eclipse
na baixa do sapateiro
swingin em madrid

.

Violeta Cavalcanti – Exaltação A Bahia (1956)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Seguindo em nosso toque fonomusical, temos para hoje a cantora Violeta Cavalcante, figura que sempre esteve presente em nossas postagens, porém essa é a primeira vez que publicamos um disco inteiramente dela. E para tanto, estamos trazendo esse belíssimo lp de 10 polegadas, lançado pela Odeon, em 1956. Como se pode ver logo de cara, pela capa, trata-se de um disco voltado para a Bahia, ou seja, um repertório com músicas que falam da Bahia e aqui muito bem interpretadas por essa grande cantora. São músicas bem conhecidas do público em geral, sambas, canções de diferentes autores, não apenas baianos. Uma seleção musical que realmente exalta um estado tão rico de tradições, histórias e encantos. A Bahia do Senhor do Bonfim. Disco bacana, que não poderia faltar por aqui. Confiram no GTM.

na baixa do sapateiro
faixa de cetim
você já foi a bahia
vatapá
exaltação a bahia
a preta do acarajé
o que que a baiana tem
eu não sou baiano

 

Zezinho E Seu Conjunto – Mesa De Pista N. 2 (1959)

Olá, amigos cultos e ocultos! Eis aqui mais um álbum dançante, dos muitos lançados pelas gravadoras nos anos 1950/60. É “Mesa de pista número 2”, editado pela Odeon em 1959, com Zezinho e seu conjunto (o primeiro saiu em 1957, com Zezinho à frente dos Copacabana). José Batista da Silva Júnior (seu nome de batismo), também pianista e acordeonista, era pernambucano do Recife, onde fez seus estudos musicais, e veio para o eixo Rio-São Paulo em 1957. Atuou na Rádio Nacional (hoje Globo) de São Paulo como acordeonista do conjunto de ritmos da emissora. Mais tarde, passou a chefiar o conjunto e a dirigir orquestra. Entretanto, devido à mudança de orientação da emissora, a orquestra foi dispensada e Zezinho passou a se apresentar em bailes e boates, além de fazer arranjos para gravações.  O disco, como informa a contracapa, reúne uma seleção das músicas mais executadas pelas casas noturnas da época, a pedido dos próprios frequentadores. Entre as faixas, destaque para “Meu limão, meu limoeiro”, um tema folclórico adaptado por José Carlos Burle, que Wilson Simonal reviveria anos mais tarde, “Calado venci” (única parceria de Ataulfo Alves e Herivelto Martins) e ainda para o clássico “Pra machucar meu coração”, do mestre Ary Barroso. No mais, um disco muito bom, que merece o nosso Toque Musical. A conferir no GTM, sem falta.

blues in the night
slow joe
timbó
vai querer
serenade imn mambo
temptation
cambina briante
meu limão meu limoeiro
quem manda na minha vida sou eu
calado venci
completamente
não tive tempo
champanhota
pra machucar meu coração
apoio moral
 



*Texto de Samuel Machado Filho

Raul De Barros – Sonho E Animação Em Ritmo De Dança (1960)

Sem dúvida um trombonista que marcou época em nossa música popular, Raul de Barros (Rio de Janeiro, 25/11/1915-Itaboraí, RJ, 8/6/2009) volta a bater ponto aqui no Toque Musical. Desta vez, trazemos para nossos amigos cultos e ocultos “Sonho e animação em ritmo de dança”, álbum lançado pela Odeon em 1960. Nele, à frente de seu conjunto, Raul sola clássicos nacionais e internacionais com muita propriedade, provando que era mesmo um trombonista nota 10. No repertório temos, entre outras, “Quiereme mucho”, “No rancho fundo”, “Tudo ou nada”, “Hymne a l’amour” e também um tema erudito, a “Valsa do adeus”, de Chopin, em ritmo de bolero. Conforme diz a contracapa, Raul de Barros se supera neste disco, fazendo dele puro divertimento para nós. É mais um ótimo disco dele que o TM oferece, com a satisfação de sempre. Não deixem de conferir no GTM. 

i’m in the mood for love
quiereme mucho
hymme a l’amoure
a valsa do adeus
temptation
tudo ou nada
perfídia
no rancho fundo
stardust
eu sei que vou te amar
andaluzia
all the things you are
 

*Texto de Samuel Machado Filho .