Doris Monteiro E Lúcio Alves – No Projeto Pixinguinha (1978)

Muito bom dia a tod@s, amigos cultos e ocultos! Aqui começamos as postagens do mês de novembro e para tanto, abrimos com um excelente disco ao vivo. Aqui temos Doris Monteiro e Lúcio Alves numa histórica apresentação, em show dentro do saudoso Projeto Pixinguinha. 
Embora já tenhamos postado aqui vários momentos de shows deste projeto e aqui também falado um pouco sobre ele, achei que seria interessante visitar o site da Funarte e rever aquela riqueza de material por lá publicado, inclusive os áudios integrais de diversos shows que rolaram ao longo de sua existência. Mas, que tamanha decepção… Para não dizer tristeza. O site da Funarte já não é mais o mesmo. Meus deuses, o que fizeram??? Pqp! Cagaram o site todo! Acabaram com tudo. Esse (des)governo está mesmo desmontando a cultura brasileira. Realmente, não tem como não acreditar que isso foi planejado. Estão desmontando e destruindo tudo que foi construído desde a Abertura, na Cultura e Educação. Que infelicidade termos um governo assim. Mais triste ainda é pensar nesse povo que ajudou esse bando de idiotas, gente bandida e desqualificada a assumir o poder. É numa hora dessas que eu me pergunto, de onde saiu toda essa gente tosca? Que regressão… Como faz falta a Educação e Cultura nesse Brasil! Desanimador…
Mas para não broxar de vez, só sendo resiliente, forte e dando um fodas pra essa gente. Sorte minha que antes de desmontarem todo o site da Funarte eu procurei baixar tudo o que era baixável, pois sei que nada dura tanto quanto o Toque Musical. Não dá para confiar em nuvem, em site e nem mesmo no HD do seu computador. Melhor mesmo é ter backup, cópias de tudo e preferencialmente em dois ou três HDs.
Ainda tenho alguns arquivos de áudio extraídos de shows do Projeto Pixinguinha. Numa hora dessas em que eu tiver mais tempo, vou trazer para cá, pois vejo que este é o único lugar onde ainda é possível acessar coisas como essas.
Por hora, ficamos com este registro oficial, lançado em 1978 pela EMI. Aqui, uma dobradinha entre dois talentos, como era o molde do projeto, em um mesmo palco se apresentavam dois diferentes artistas. No caso aqui, até que não, Doris e Lúcio tem muito em comum e esse show deve ter sido mesmo uma maravilha. Disco imperdível, não deixem de conferir no nosso GTM…
 
mudando de conversa – lúcio e doris
pra dizer adeus – lúcio alves
conversa de botequim – doris monteiro
sábado em copacabana – duas contas – lúcio alves
se você se importasse – doris monteiro
razão de viver – lúcio alves
de conversa em conversa – doris e lúcio
é isso aí – alô fevereiro – doris monteiro
garota de ipanema – lúcio alves
dó ré mi – graças a deus – doris monteiro
valsa de uma cidade – lúcio alves
mocinho bonito – doris monteiro
 
 
.

 

Clarisse Grova – Clarisse (1985)

Saudações, amigos cultos e ocultos! Vou aqui fechando a nossa mostra de cantoras, o que não quer dizer que não teremos outras tantas por aqui. Aliás, o que não nos falta são as cantoras, inclusive, na semana passada recebemos uma colaboração (e eu novamente agradeço), mas deixaremos essa para um dos nossos próximos encontros, ok?
Segue aqui então este disco, com uma capa meio conceitual, sei lá…, o primeiro lp da cantora Clarisse Grova, lançado pela EMI em 1985. Este lp que eu consegui, infelizmente não traz o encarte, com informações e letras que sempre nos são muito importantes. Para os que não conhecem, Clarisse é uma cantora e compositora carioca que se iniciou na vida artística nos anos 70. Participou de diversos festivais ao longo dessa década. Fez parte do grupo vocal Arco-Iris. Lançou seu primeiro disco, um compacto, pela Copacabana em 81. A partir dessa década passou a se dedicar totalmente a carreira artística. Tocou em casas noturnas ao lado de grandes nomes como Aécio Flávio, Osmar Milito, Edson Frederico, Luiz Eça e muitos outros. Em 85 ela finalmente lançou este lp, super bem produzido por Renato Corrêa e nele podemos encontrar composições Sueli Costa e Abel Silva, Lô e Márcio Borges, Flávio Venturini, Aécio Flávio e Paulinho Tapajós e outros do mesmo ‘calibre’. Taí uma prova de que se trata de uma cantora de alto nível. De lá pra cá, Clarisse continua na batalha gravando, participando de shows e projetos, inclusive campanhas publicitárias. Passou a integrar o grupo Nós Quatro, ao lado de Márcio Lott, Fabyola e Célia Vaz. Confiram no GTM…

o ano do rato
canção de acordar
viver viver
última noite
capricho
americano
doce doce
mil corações
filhos de verão
terra do fogo (possível canção de amor)



.

Ruban – Vitrine (1986)

Bom dia, amigos cultos, ocultos e associados! É, agora tem mais um para o meu jargão! Eu hoje, finalmente, retirei todos os links de postagens ativos no blog. Agora o terrorismo fica por conta apenas de algumas ameaças anônimas, que não devemos nem dar bola. Como dizia o Roberto Carlos, “daqui pra frente, tudo vai ser diferente…” É isso aí, o Toque Musical continua bombando, fazendo a alegria de quem gosta de música brasileira e também daqueles como eu que escutam música com outros olhos.

Dando sequência à nossa semana pop/rock, ou coisa assim, eu tenho hoje para vocês o cantor e compositor Ruban. Lembram dele? Quem nos anos 80 nunca ouviu “Dancing Days”, que foi sucesso nas vozes das Frenéticas? Música esta feita em parceria com Nelson Motta. Tem também, “Eu sou free”, outra música de muito sucesso, dele e Patrícia Travassos, eternizada através do grupo pop Sempre Livre. Ah, já ia me esquecendo, tem outra, “Cinderela”, hit que fez a cabeça de muitas moçoilas naquela década. Pois é, o tempo passa e parece que as coisas acontecidas à vinte anos atrás estão mais esquecidas que as de quarenta. Ruban é um bom exemplo. O cara sumiu. Se procurar na rede vai ser difícil achar o seu rosto estampado na lista do Google. Mas aí eu me lembrei de verificar no Orkut e Facebook e achei. Lá estava ele, um senhor tipo bonachão, pai de família, rodeado por belos filhos e amigos. Já é até avô! Putz, o tempo passa! Embora eu o tenha encontrado, no Orkut ele não faz menção à sua carreira de músico, produtor e compositor. Deixei por lá um recado, quem sabe ele um dia por aqui apareça para nos contar o que anda fazendo. Enquanto isso a gente vai relembrando…
vitrine
só se for você
vem comigo
trinta anos
essa garota
suite de castanhas
dancing days
cinderela
eu sou free
vitrine (remix)

Zé Rodrix – I Acto (1973)

Zé Rodrix em seu primeiro disco solo após ter deixado o Sá e o Guarabyra. É um álbum maneiro como só o Zé sabe fazer. Suas músicas tem a capacidade de envolver as pessoas, assim como os seu jingles de comerciais. Depois de ouvir o disco pela segunda vez a gente já assimila vários trechos das suas músicas. Este álbum é sem dúvida (para mim) o melhor disco solo do Zé Rodrix. Chamo a atenção para as faixas “Casca de caracol”, “Eu preciso de você pra me ligar” e “Quando você ficar velho”. Para quem tem mais de 40, esse disco é memorável. Escutem! Esse cara é muito bom!