Eduardo Marques (1973)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Hoje eu trago um disco, que por certo, nunca vi postado em outros blogs (no tempo em que haviam blogs). Aliás, nunca vi este disco além da capa, conhecia talvez uma ou outra música. Certamente, ao pesquisarmos no Google as informações aparecem, mas posso dizer, sem dúvidas que este disco passou batido pela mídia recente. Permaneceu no obscurantismo dos nossos holofotes, esquecido entre outras pérolas da música popular brasileira. Observo que este lp, lançado pela Odeon, no ano de 73 segue um padrão de capa ao estilo de outros discos lançados pela gravadora naquela época, como os de Edu Lobo e do Francis Hime. São capas criadas pelo fotógrafo Cafi e pelo compositor Ronaldo Bastos, que naqueles tempos cuidavam das criações visuais da Odeon.
Não fosse a colaboração do meu amigo Fáres, este disco hoje não estaria aqui e talvez continuasse na penumbra, no esquecimento musical. Confesso que me apaixonei de cara logo na primeira faixa e a coisa seguiu de cabo a rabo. Onde eu estava que até então desconhecia essa preciosidade? Tardou, mas não faltou.
Mas afinal, quem é Eduardo Marques? Compositor, instrumentista e cantor carioca. Nasceu em Vila Isabel, zona norte do Rio, no berço do samba, vindo de uma família também musical. Seu avô foi violonista e seu pai cantor, chegando inclusive a gravar um disco com Jacob do Bandolim. Dentro desse ambiente, Eduardo Marques desde a adolescência já frequentava as rodas de samba e no início dos anos 70 começou uma parceria com Hermínio Bello de Carvalho. Suas composições começaram a ser gravadas por gente de peso como Elza Soares, Roberto Ribeiro, Clementina de Jesus, Simone e muitos outros. Apadrinhado por Cartola, Clementina, Carlos Cachaça e outros bambas, gravou este que foi o seu primeiro disco. Na verdade, antes, no mesmo ano de 73, saiu um compacto promocional com duas músicas, “Não esquente a cabeça” e “Jerusalém”.
Vou deixar aqui o relato do próprio artista sobre o lançamento deste belíssimo lp que encontrei em seu blog pessoal. Vale a pena a leitura:
Era o Tempo do “milagre brasileiro”, ano de 1973, na cidade do Rio de Janeiro. Eu mal completara vinte e um anos de idade. O local era o estúdio da gravadora Odeon, que ficava na sobreloja daquela galeria, ali próximo à Praça Paris, no finalzinho da Avenida Rio Branco, no Centro. Então, acontecia a gravação de…meu primeiro disco, um long-play, vulgo “bolachão”, de composições e interpretações minhas, produzido por meu parceiro Hermínio Bello de Carvalho, com arranjos musicais do Maestro Nelsinho do Trombone, e uma única faixa, dentre as doze, intitulada “Casa de Ferreiro”, arranjada por Luizinho Eça, do “Tamba Trio”. Essa faixa já estava gravada, quando recebemos a notícia de que fora vetada, com mais algumas outras, pelo serviço de censura vigente. Por orientação de Hermínio modifiquei letras e rimas, para que não se perdesse de todo o material de base já gravado, e até adotamos recursos, como simplesmente substituir um título original de uma determinada composição, por um outro bem babaca, que não tivesse qualquer sentido. Foi assim que um samba meu e de João de Aquino, originalmente intitulado “30 Moedas”, foi renomeado para “Fica, Amor” , gravado pelo João de Aquino e por Jorginho do Império. Então assim era feito e funcionava. Submetidas novamente à censura, as mesmas letras com títulos alterados eram, por fim, liberadas. As imagens de capa e contracapa do long-play foram das lentes precisas de Cafi e do compositor Ronaldo Bastos, além do traço delicado do pintor Luiz Canabrava, em uma imagem minha para o encarte do disco. O Hermínio preparara um esquemão para a divulgação do disco. Ele convidou para serem meus padrinhos artísticos: Cartola, Paulinho da Viola, Carlos Cachaça, Clementina de Jesus, e o General da Banda de Ipanema Albino Pinheiro. Houve a distribuição de convites, feita também com discos promocionais em formato de compacto simples, também de vinil, com duas músicas em parceria com Hermínio, extraídas do long-play, “Não Esquente A Cabeça” e “Jerusalém”, sendo uma em cada lado da “bolachinha”. A capa do compacto simples era de caricaturas impressas e assinadas pelo cartunista Lan, comigo ao colo de minha madrinha Clementina de Jesus, com meus outros padrinhos, como em um “batizado”, e na contracapa um texto de Hermínio. Os compactos foram endereçados à imprensa, à artistas, críticos, empresários, enfim. Os técnicos de gravação eram Toninho e Nivaldo, com a direção geral do Maestro Gaya. Uma produção vultosa, que me apavorou de tal forma, a ponto de eu me ausentar do “meio artístico”, em longa reclusão, tal me parecia a responsabilidade. O timaço de Músicos participantes nas gravações foi de primeiríssima grandeza: Regional do Canhoto, Maestro Orlando Silveira do acordeão, Chiquito Braga na guitarra elétrica, Hugo Belardi nos teclados, Dino 7 Cordas, Damázio no violão de 6, Luizão Maia no contrabaixo de pau, Luna na bateria, Pedro Sorongo nos efeitos, Erastro, irmão do percussionista Nana Vasconcellos, de berimbau e tambores, Luizinho Eça de piano, e nos vocais o Coral do Joab e d’As Gatas.

eu não digo nada
acostumado
não esquente a cabeça
meu chorinho
roseira
o que eu chorei de amor
toc toc
o solitário
deixa comigo
cumplicidade
casa de ferreiro
jerusalém



.

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.