Sacha’s Piano And Orchestra – Smooth And Gay (1966)

Olá amigos cultos e o ocultos, boa noite! Cheguei já no final da festa, ou melhor do dia. Mas ainda sim, há tempo para um toque musical. Mais uma vez estou eu recorrendo aos meus ‘discos de gaveta’ e desta vez o que eu puxei aqui não foi no acaso. Diria estratégico para os trinta minutos que restam de hoje. Vou apenas copiar e colar como complemento o meu próprio texto em outra e antiga postagem que fiz sobre o mesmo artista. Estamos falando aqui do Sacha Rubin Sacha, uma figura pitoresca, personagem bem conhecida na noite carioca nos anos 50 e 60. Sacha Rubin foi um pianista trazido ao Brasil pelo Barão Max Stukart, empresário austríaco residente no país, ao criar a boate Vogue. A Vogue foi uma casa noturna muito badalada, se tornando um ponto de encontro de figuras das mais importantes da sociedade carioca da época. Foi ao final dos anos 40 que Sacha passou a se apresentar. Segundo contam, Sacha Rubin era de origem turca, mas se fazia passar por francês (que era mais chique, claro). Tocava piano, invariavelmente com um cigarro (americano) no canto da boca e um copo de uísque (escocês legítimo) do lado. Fazia um tipo meio Humphrey Bogart, no filme Casablanca. Gostava de saudar os frequentadores tocando ao piano suas músicas prediletas, logo que esses adentravam no recinto. Provavelmente inspirado no Rick’s Bar de Casablanca ele também criou a sua casa noturna, a Sacha´s, também famosa naqueles tempos.
“Smooth and gay” foi mais um de seus álbuns, lançado em 1966 pelo selo London, da Odeon. No disco iremos encontrar um repertório de sambas de primeiríssima, antigos e atuais da época, com arranjos modernos, a la bossa nova, como manda o figurino. Sacha, no meu entender, floreia muito ao piano, mas o disco ganha a dimensão exata com a presença de uma orquestra impecável. Disco muito legal. Tem que ouvir!

implorar
agora é cinza
aí que saudade da amélia
favela
se você jurar
se acaso você chegasse
chuva
minha namorada
inútil paisagem
samba do avião
primavera
garota moderna
.

Deixe uma resposta