Cristina – Vejo Amanhecer (1980)

Olá, amigos cultos, ocultos e associados! Hoje o TM tem a satisfação de lhes oferecer um álbum de Cristina Buarque, irmã caçula de Chico e também de Miúcha e Ana de Hollanda, todos filhos do historiador Sérgio Buarque de Hollanda e de Maria Amélia Alvim Buarque de Hollanda. Foi em São Paulo que nossa Cristina veio ao mundo, no dia 23 de dezembro de 1950. Sua casa era frequentada por intelectuais amigos de seus pais, como os poetas Mário de Andrade e Vinícius de Moraes. Em 1952, a família Buarque de Hollanda mudou-se para Roma, capital da Itália, onde o patriarca Sérgio Buarque foi lecionar, voltando depois ao Brasil. Por volta de 1965, formou um quarteto vocal com duas irmãs (Ana Maria e Maria do Carmo) e uma amiga (Helena), que se apresentava em shows em colégios de São Paulo e, esporadicamente, em programas de televisão, acompanhando ás vezes o irmão Chico. Cristina estreou em disco em 1967, no álbum misto “Onze sambas e uma capoeira”, dedicado á obra de Paulo Vanzolini, com produção do publicitário Marcus Pereira, interpretando “Chorava no meio da rua”. Um ano depois, gravou com o irmão Chico a música “Sem fantasia”, obtendo relativo êxito. No início dos anos 1970, apresentou-se no Bar Violeiro, no bairro carioca da Barra da Tijuca, ao lado de João do Valle e da irmã Miúcha. Em 1974, grava seu primeiro álbum-solo, sem título, obtendo êxito nacional com “Quantas lágrimas”, samba de Manacéa da Portela. Nessa ocasião, ela começou a resgatar a obra de antigos e grandes sambistas, destacando-se como fiel divulgadora do samba de raiz, o que transparece em praticamente toda a sua discografia. “Vejo amanhecer”, que o TM hoje nos oferece, é o quarto álbum-solo de Cristina Buarque, lançado em 1980 pela então recém-instalada Ariola, com a maior parte dos arranjos assinada por Cristóvão Bastos. A faixa-título é um samba de Noel Rosa e Francisco Alves, refletindo a proposta da intérprete em divulgar e resgatar grandes sambas do passado, o que também é comprovado pelas regravações de “Vá trabalhar” (Cyro de Souza), “Sinhá Rosinha” (Geraldo Pereira e Célio Ferreira), “Ironia” (Paulinho da Viola)  e “Duro com duro” (Ary Barroso). A faixa de abertura é do irmão Chico Buarque, “Bastidores”, música que, por sinal, foi lançada neste disco, mas, como todos sabem, obteria maior êxito como recém-falecido Cauby Peixoto. Trabalhos da dupla Novelli (produtor executivo deste disco)-Cacaso (“Triste Baía da Guanabara”, “Andorinha”, “A madrasta”), Djavan (“Sim ou não”, com arranjo dele mesmo), Godofredo Guedes (“Cantar”)  e da dupla Mílton Nascimento-Fernando Brant (a sempre lembrada “Canção da América”, que encerra o disco) completam o cardápio musical deste primoroso disco de Cristina Buarque, sem dúvida digno de figurar nos acervos de todos aqueles que prestigiam o que é bom.

bastidores

ironia

triste baia da guanabara

sim ou não

vá trabalhar

andorinha

cantar

sinhá rosinha

duro com duro

a madrastra

vejo amanhecer

canção da américa

.

Deixe uma resposta