Jacinto – O Donzelo (1973)

O TM oferece hoje, com muita alegria, este álbum  que vai, por certo, divertir seus amigos cultos, ocultos e associados, com garantia de boas risadas. É o primeiro de uma série lançada pela CBS (selo verde Entré) com o personagem Jacinto, o Donzelo, criado e interpretado pelo comediante Murillo de Amorim Corrêa. Paulista de Campinas, nascido em  19 de dezembro de 1926, Murillo iniciou sua carreira como locutor, na Rádio América de São Paulo, PRE-7.  Depois, transferiu-se para as Emissoras Associadas (Rádios Tupi e Difusora), onde tornou-se ator, especializando-se  em comédias. Era imbatível, por exemplo, na imitação de políticos famosos da época, entre eles Jânio Quadros.  Evidentemente, Murillo também seria um dos pioneiros da televisão brasileira. Ao passar-se para a TV Tupi, atuou em programas de  teleteatros, entre eles o famoso “TV de vanguarda”. Atuou também em novelas da Excelsior (“Mãe” e “Uma sombra em minha vida”, 1964, “A indomável”, 1965, e “Alma de pedra”, 1966), da TV Paulista, futura Globo (“Pedaço de mulher”, 1965) e da Record (“As professorinhas”, 1968). Entretanto, foi no humorismo que Murillo de Amorim Corrêa ganhou fama, participando, ao lado da também comediante Maria Tereza, do quadro “Vitório e Marieta”, um casal de italianos desastrados e, por isso mesmo divertidos, no programa “Praça da Alegria” (depois “A praça é nossa”).  Murillo bateu ponto em quase todas as grandes emissoras de TV do Brasil como humorista, e recebeu várias vezes o Troféu Roquette Pinto, entre outros. No cinema, participou dos filmes “Absolutamente certo” (1957) e “Sabendo usar não vai faltar” (1976). Também interpretou Jacinto, o Donzelo, no rádio, nos programas “A turma da maré mansa” e “Haroldo de Andrade”, e apresentou ainda, na Rádio Bandeirantes de São Paulo, o sertanejo “Discojeca do Jacinto”, que era transmitido nas manhãs de domingo. Murillo de Amorim Corrêa faleceu no dia 13 de maio de 1997, em São Paulo, aos 70 anos, de complicações cardiovasculares. Mas o TM traz de volta, para uns recordarem e outros conhecerem, um pouco de sua arte e talento como humorista, através deste disco produzido pelo sanfoneiro Abdias dos Oito Baixos. Como Jacinto, o Donzelo, o matuto solteirão tímido que veio de Jurumim do Ribeirão, ele interpreta sete divertidas histórias, sendo a primeira uma apresentação do personagem, escritas por Irvando Luiz, então roteirista de humorísticos de televisão, provocando gargalhadas (inclusive dos presentes ao auditório, nas sessões de gravação do LP) com seu bom humor, suas tiradas e suas tentativas frustradas de conquistar mulheres, sempre terminando com o bordão “Eu prego fogo!”.  O sucesso de vendagem deste primeiro álbum fez com que Jacinto, o Donzelo, protagonizasse mais cinco LPs até 1977, quatro pela CBS e um pela Copacabana. Portanto, este disco é um senhor remédio para o mau humor, a tristeza e a depressão. Divirtam-se!

jacinto donzelo

jacinto no baile

o pai é assim

a mulata

garota do parque

jacinto é isso aí

nem gorda escapa

*Texto de Samuel Machado Filho

Deixe uma resposta