Inezita Barroso – Danças Gaúchas (1955)

Olá, moçada culta e oculta! Pelo jeito, a turma lá do Sul anda visitando pouco o nosso blog. Não houve uma manifestação gaúcha durante a semana. Barbaridade, tchê! O jeito vai ser eu encerrar por aqui o meu chimarrão. Mas a gente ainda volta para um passeio nos Pampas 🙂
Para fechar com chave de ouro, deixei para hoje essa obra prima, uma raridade que poucos tem hoje a oportunidade de ouvir. Este lp foi o terceiro disco gravado no Brasil pelo selo Copacabana. Não sei se está incluído entre os 300 discos mais importantes da música popular brasiliera, mas se não estiver, merecia. A própria Inezita afirma ser esse seu melhor trabalho.
Embora um tanto quanto desgastado pelo tempo e bem arranhado, consegui dar uma boa melhorada no som. Temos pois, a grande cantora brasileira ao lado do Grupo Folclórico de Barbosa Lessa. Neste álbum eles interpretam da forma mais pura e tradicional as composições de Barbosa Lessa e seu parceiro de pesquisa Paixão Côrtes. Inezita viria a regravar todas essas músicas seis anos depois, acompanhada de orquestração, no álbum de 12 polegadas com o mesmo título. Falar de tradicionalismo gaúcho sem tocar no nome de Barbosa Lessa, chega a ser até um pecado.
Eu já comentei sobre ele logo nas primeiras postagens. Foi um personagem dos mais importantes para a cultura gaúcha. Reproduzo aqui um texto extraído do site do Governo do Rio Grande do Sul falando sobre ele:
Luiz Carlos Barbosa Lessa nasceu em 13 de dezembro de 1929 e faleceu em 11 de março de 2002. Destacou-se na música popular e na literatura. Entre suas músicas, sempre de cunho gauchesco, estão Negrinho do Pastoreio, Quero-Quero, Balseiros do Rio Uruguai, Levanta, Gaúcho!, Despedida, e as danças tradicionalistas em parceria com Paixão Côrtes. De sua obra literária com mais de 50 títulos, estão os romances República das Carretas e Os Guaxos (prêmio 1959 da Academia Brasileira de Letras), os contos e crônicas de Rodeio dos Ventos, o ensaio indigenista Era de Aré, a tese pioneira O sentido e o Valor do Tradicionalismo, o ensaio Nativismo, um fenômeno social gaúcho, Mão Gaúcha, introdução ao artesanato sul-rio-grandense, o álbum em quadrinhos O Continente do Rio Grande (com desenhos de Flávio Colin) e os didáticos Problemas brasileiros, uma perspectiva histórica, Rio Grande do Sul, pra zer em conhecê-lo, e Primeiras Noções de Teatro. Também há os dois volumes do Almanaque do Gaúcho. Foi fundador do primeiro CTG – Centro de Tradições Gaúchas, o “35”, em Porto Alegre. De 1950 a 1952, com o amigo Paixão Côrtes, realizou o levantamento das danças regionais e produziu a recriação de danças tradicionalistas. Dessa pesquisa, resultou o livro didático Manual de Danças Gaúchas e o disco Danças Gaúchas, na voz da cantora paulista Inezita Barroso. Barbosa foi, também, Secretário Estadual da Cultura e idealizou a Casa de Cultura Mário Quintana. Foi, também, Conselheiro Honorário do MTG – Movimento Tradicionalista Brasileiro.
Taí um disco pelo qual eu tenho certeza, vai levantar não só a gauchada 😉

levante – tirana do lenço
pezinho
quero mana
o anú
balaio
maçanico
chimarrita balão
meia canha serrana
rancheira de carrerinha

Deixe uma resposta