Parada De Sucessos Sinter (1951)

Para justificar a permanência do Toque Musical, eis aqui um disquinho bonito e raro. Coisa que só mesmo os blogs poderiam fazer, pois se depender da indústria fonográfica e seus dirigentes, este disco já teria sido varrido da memória. Na verdade ele já foi. Se você for procurar onde estão os arquivos e memória da Sinter, provavelmente muito pouca coisa irá encontrar. Nossos arquivos sonoros (me refiro às fitas masters), os antigos e mais importantes já foram para o lixo ou estão nas mãos de colecionadores (principalmente japoneses). Quem está por dentro dessa “estória” não fala nada, fica de bico calado, pois já ganhou ou mensalmente ganha o seu quinhão. O Brasil, infelizmente, ainda é um país de vendidos. Nos gabamos da nossa cultura, mas ela já não nos pertence. O que nos sobrou foi migalhas e macaquices. Axé Brasil!

Mas voltando ao disco, este pequeno álbum lançado em 1951 foi o segundo ‘LP’ lançado no Brasil. A Sinter foi a pioneira no lançamento de discos de microsulcos. Até então só se ouvia as famosas bolachas de 78 rpm com apenas duas músicas. O surgimento dos microsulcos permitiram a criação de discos com tempo de execução mais longos e assim foi possível introduzir mais faixas ou músicas, no caso. Para este 10 polegadas a Sinter reuniu alguns de seus artistas de maior sucesso na época. A qualidade do áudio aqui supera as expectativas, considerando os 58 anos do vinil e as milhares de rotações na agulha. Mais um bom trabalho de recuperação do Chris para nós. Confiram a baixo a parada de sucessos.

de papo p’ro á – josé menezes
na baixa do sapateiro – orquestra copacabana
senhora tentação – milita meireles
baionando – carolina cardoso de menezes
tim tim por tim tim – os cariocas
não interessa não – josé menezes
afinal – heleninha costa
pedro do pedregulho – geraldo pereira

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

7 thoughts on “Parada De Sucessos Sinter (1951)

  1. Esse disco é uma jóia, uma preciosidade! Muito obrigada! Só mesmo você para nos dar este presente maravilhoso!

  2. Pelas palavras escritas no texto de apresentação só mesmo colecionadores apaixonados pela MPB para não deixar nossa memória musical morrer. O clássico “De papo pro á”, de Joubert de Carvalho”, aqui aparece em versão executada por José Menezes ao cavaquinho, portanto sem a letra de Olegário Mariano que Gastão Formenti popularizou em 1931 (original em 78 rpm número 53-B, com um mooooonte de zero na frente! Exagero, não?). Prosseguindo, o clássico do mestre Ary Barroso “Na Baixa do Sapateiro”, aqui executado pela Orquetsra Copacabana (em 78 rpm sob número 43-A). Milita Meireles dá prosseguimento com o bolero “Señora tentación”, do mexicano Agustín Lara (78 rpm 46-A). A inesquecível pianista Carolina Cardoso de Menezes vem com “Baionando”, na verdade um popurri de sucessos da dupla Luiz Gonzaga-Humberto Teixeira (78 rpm 45-A). Prosseguindo, o ótimo e clássico samba “Tintim por tintim”, de Haroldo Barbosa e Geraldo Jacques, na interpretação dos grandes Cariocas, aliás esse foi o único registro que a Universal Music relançou em CD, em 2004, no álbum duplo “Princípios da bossa” (78 rpm 52-A). José Menezes executa com seu conjunto o baião “Não interessa não”, de sua autoria com Luiz Bittencourt, então diretor artístico da Sinter (78 rpm 49-A). A carioca Heleninha Costa (1924-2005), uma cantora hoje esquecida (poucos sabem que ela foi a criadora do clássico samba “Barracão”, de Luiz Antônio e Oldemar Maglhães, regravado mais tarde por Elizeth Cardoso) comparece aqui com “Afinal”, um bolero bem ao gosto da época, assinado por Ismael Neto (então integrante dos Cariocas e seu marido) e Luiz Bittencourt (78 rpm 48-A). Para encerrar, temos Geraldo Pereira em um de seus poucos registros como intérprete: o samba-canção de sua autoria “Pedro do Pedregulho”, uma figura que existiu realmente, era um valente do morro de Mangueira apelidado Pedro Veneno. Segundo o pesquisador José Ramos Tinhorão, esta foi “uma experiência de samba-canção abolerado a que o compositor se entrgeou como tentativa de adaptação ao gosto comercial vigente na década de 1950”. Mesmo assim, é uma obra-prima que alguns incluem entre as melhores criações de Geraldo, que a lançou em 78 rpm em dezembro de 1950 (21-A), sendo portanto a mais antiga gravação deste segundo vinil em 10 polegadas da Sinter.

  3. Caro, tem como respostar esse disco? E os outros com tag Geraldo Pereira que figuram em seu website?
    Obrigado e um abraço

  4. Não é um comentário, sim um questionamento.
    Eu tenho este LP 10 polegadas Parada de Sucessos Sinter 1951, já digitalizei, porém 4 músicas estão com qualidade sofrível:
    Na Baixa do Sapateiro – Orquestra Copacabana
    Senhora tentação – Milita Meireles
    Baionando – Carolina Cardoso de Menezes
    Afinal – Heleninha Costa
    Como fazer pra adquirir estes fonogramas?

Deixe uma resposta