Guaraná & Sua Orquestra – Recordando… (1956)

Iniciando a semana, aqui vou eu com mais um raro exemplar da nossa esquecida e mal cuidada discografia nacional. É uma pena ver tanto desinteresse por parte de quem deveria zelar pelo que produziu. É algo parecido com pais que abandonam seus filhos. Cabe então a sociedade acolher, oferecendo abrigo e proteção. No caso dos discos, a sociedade tem ainda mais obrigação e direito, pois somos nós quem preservamos e fazemos a história acontecer. Somos nós consumidores os verdadeiros defensores da nossa cultura musical. Somos nós, fracionados, quem guardamos em nossas casas, em nossa memória, a história e os objetos que dela fizeram parte. Um dia tudo isso precisa voltar a tona, ser lembrado e ensinado.
Antes que eu acabe me enveredando para outros lados, vamos ao disco do dia. Alguém aqui sabe quem foi Guaraná? Ganha um refrigerante da Antártica quem me falar. Está valendo também para os universitários e catedráticos de plantão. Este vinil foi mais um que eu desenterrei e ainda não consegui descobrir muita coisa sobre o maestro Guaraná. Com sua orquestra ele acompanhou muitos artistas nos anos 40 e 50, foi só o que eu achei sobre o músico. Neste disco lançado pela Polydor em 1956, temos Guaraná e sua orquestra executando obras de Zequinha de Abreu, Eduardo Souto e Ernesto Nazareth. No texto da contracapa, de autoria de Bricio de Abreu, todo dedicado aos compositores, traz apenas uma pequena nota sobre o maestro e forma de sua execução. Outro detalhe curioso são os três retratos que ilustram o texto. Deveria ser Eduardo Souto, Ernesto Nazareth e Zequinha de Abreu. Por alguma razão acabaram incluindo o Guaraná e deixaram de fora o Ernesto Nazareth. Vai entender…
branca (valsa) – zequinha de abreu
despertar da montanha (tango) – eduardo souto
eponina (valsa) – ernesto nazareth
turbilhão de beijos – (valsa) – ernesto nazareth
pintinho no terreiro – (chôro) – zequinha de abreu
do sorriso da nasceram as flôres (valsa) – eduardo souto
tarde em lindoya (valsa) – zequinha de abreu e plinio martins
brejeiro – (chôro) ernesto nazareth

Deixe uma resposta