Nau (1986)

Olá a todos! Estou começando hoje (especialmente) uma série de postagens dedicadas à música pop/rock brasileira nos anos 80. Não serão muitos e nem os mais populares, muito pelo contrário. São grupos alternativos, o som que eu ouvia nos anos 80 :). São discos que já na época eram raros, bandas ‘underground’ e edições limitadas. Sei que esta série poderá causar estranhamento e afugentar alguns de nossos frequentes visitantes mais interessados na “velha guarda” e álbuns antigos. Porém volto sempre a lembrar que o nosso blog não se limita a um estilo ou época. Estou sempre buscando e apresentando variedades, discos raros feitos no Brasil, por artistas brasileiros ou eventualmente estrangeiros quando estes tenham alguma relação com o país. Dessa forma dou início, excepcionalmente hoje, às postagens daquilo que fez a minha cabeça nos ano 80 e possivelmente até os 90.
Abro com chave de ouro: Nau, um super grupo paulista que gravou apenas este excelente lp. Me lembro de tê-los ouvido antes em uma coletânea da Baratos Afins. Depois saiu uma tremenda matéria na revista Veja (de duas páginas) sobre o grupo e o lançamento do lp. A crítica era só elogios. O grupo foi considerado a grande revelação do pop/rock brasileiro naquele ano. Pelo tudo que li dava para imaginar um futuro promissor para aquela Nau. Convencido da genialidade da banda, no dia seguinte comprei o lp. Foi a agulha trilhar os primeiros segundos dos sulcos daquele vinil para eu me apaixonar de cara. Sem dúvida, estava ali uma sonoridade, um conjunto perfeito e inédito até então. Como diz um amigo meu. “sonzeira!”. Realmente um discaço!
A Nau era formada por quatro jovens talentos, entre eles o baixista Beto Bigher que tocou na banda new wave Zero e a vocalista Vange Leonel que depois seguiria em uma inexpressiva carreira solo. Apesar do disco ser uma maravilha e de ter sido bem recebido pela crítica, ele não vendeu bem. Posso dizer que chegou a ser um fracasso. Acho que faltou mais interesse da CBS em colocá-los no mercado, além da sonoridade “heavy” que ia contra o modelo medíocre reinante daqueles anos 80. Talvez por isso mesmo o grupo tenha ficado apenas em um disco. Reafirmando, um excelente disco…

bom sonho
cálculos astronômicos
linha esticada
o que eu quero é você
balada
diva
corpo vadio
barcas
as ruas
novos pesadelos
nada

Deixe uma resposta