Antonio Carlos Jobim – Jobim (Matita Perê) (1973)

Boa tarde trabalhadores cultos, ocultos e sindicalizados do meu Brasil! Hoje estão todos por conta do atoa. Muitas visitas no Toque Musical, comentários e solicitações. É isso aí… estou gostando de ver. Aos poucos vamos retomando o ‘Ibope’ 😉
Para um dia especial, um disco especial. Estou trazendo aqui um Tom Jobim, que com essa capa eu ainda não vi em ‘outras praças’. Trata-se de um álbum importado, a versão europeia (italiano) de “Matita Perê”, disco lançado simultâneamente nos Estados Unidos e Europa, em 1973. Nesta versão, como capa diferente, ilustrada com uma aquarela do filho, Paulo Jobim. Na versão italiana o disco chama-se apenas “Jobim”. As músicas são as mesmas do disco gravado em New York City, sendo que neste álbum temos também “Águas de março” cantada em inglês. No disco lançado no Brasil não temos essa versão. “Jobim/Matita Perê”, como disse, foi gravado nos Estados Unidos, nos estúdios da gravadora Columbia em Dezembro de 1972. O álbum foi produzido e arranjado por um dos mais importantes arranjadores, o alemão polonês naturalizado americano, Claus Ogerman. Como se não bastasse, Tom contou ainda com um time de feras, começando com os músicos brasileiros João Paulma, na bateria e Airto Moreira na percussão. De estrangeiros, foram escalados Richard Davis e Ron Carter nos contrabaixos; George Devens também percussão; Urbie Green no trombone; Jerry Dodgion, Romeo Penque, Phil Bodner, Don Harmmond e Ray Beckenstein nas flautas. Como maestro, Harry Lookofsky. O repertório traz pérolas que se tornaram ainda mais lustrosas. “Águas de março”, por exemplo, uma de suas mais representativas composições, foi lançada neste lp. Esta música saiu inicialmente em um compacto da malfada coleção “Disco de Bolso”, editada por Sérgio Ricardo, que ficou apenas em dois volumes. Esses compactos, inclusive, foram postados aqui no Toque Musical, mas misteriosamente as postagens foram também excluídas do blog, supostamente pela Equipe do Blogger (eles adoram dar uma de censores). Temos também no repertório, em novas versões, músicas das trilhas dos filmes “Tempo do Mar”, de Pedro Moraes e “Crônica Da Casa Assassinada, de Paulo Sarraceni, essas, inclusive, tiveram como assistente de gravação nos filmes, Dori Caymmi. Como podemos ver, temos aqui uma jóia rara, que agora o TM traz para também ouvir 😉
PS.: Só de teimosia, vou repostar os dois compactos da série (que foi sem nunca ter sido) “Disco de Bolso”, mantendo inclusive o texto original. Hoje os meus amigos ‘trabalhadores’ vão passar bem 😉

águas de marco
ana luiza
matita perê
tempo do mar
mantiqueira range
crônica da casa assassinada
um rancho nas nuvens
nuvens douradas
waters of march

Deixe uma resposta