Sacha – No Balaio – Gravado Ao Vivo Vol. 2 (1969)

Olá amigos cultos e ocultos! Nossa postagem para este sábado foi motivada por um trecho de leitura no livro de memórias da Danuza Leão, que por acaso descobri ontem na rede. No livro, em versão digital, ela conta casos dos mais interessantes e possivelmente inéditos do grande público. Foi de lá que eu desenterrei o Sacha, uma figura pitoresca, personagem bem conhecida na noite carioca nos anos 50 e 60. Sacha Rubin foi um pianista trazido ao Brasil pelo Barão Max Stukart, empresário austríaco residente no país, ao criar a boate Vogue. A Vogue foi uma casa noturna muito badalada, se tornando um ponto de encontro de figuras das mais importantes da sociedade carioca da época. Foi ao final dos anos 40 que Sacha passou a se apresentar. Segundo contam, Sacha Rubin era de origem turca, mas se fazia passar por francês (que era mais chique, claro). Tocava piano, invariavelmente com um cigarro (americano) no canto da boca e um copo de uísque (escocês legítimo) do lado. Fazia um tipo meio Humphrey Bogart, no filme Casablanca. Gostava de saudar os frequentadores tocando ao piano suas músicas prediletas, logo que esses adentravam no recinto. Provavelmente inspirado no Rick’s Bar de Casablanca ele também criou a sua casa noturna, a Sacha´s, também famosa naqueles tempos. Sacha Rubin gravou alguns discos, entre eles temos os álbuns gravados ao vivo na boate Balaio, recriando toda aquele atmosfera ‘noir’. Se não me engano, foram gravados três volumes neste estilo e em anos diferentes. O lp que apresento é o volume dois. Nele temos um repertório misto, feito para agradar gregos, troianos e principalmente os frequentes da boate. Para os temas nacionais, Sacha conta com a participação o ‘crooner’ Mano Rodrigues. No disco, devido ao fato do pianista tocar sem parar, não há divisão das músicas por faixas. O sentido aqui é recriar todo o espírito da noite. Mais do que a música, o importante aqui é registrar o momento. (êta povo que falar, sô!)

le bruit des vagues
i love you samantha
people
again
my way of life
num sorriso teu
charminho
for once in my life
isn’t it romantic?
it had to be you
lonely is the name
you’ll never know
the impossible dream
embraceable you
laura
desencontro
bahia de todos os deuses
sei lá, mangueira
la maritza
on a clear day
boo boo baby i’m a spy
manhattan

Deixe uma resposta