Os Famosos Do Choro – Choros Famosos (1971)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Como dizem por aí, o choro é livre. Então, vamos aos choros e lágrimas aqui, só de emoção, ok? Separei aqui alguns discos de chorinho e entre outros, iremos  aos poucos postando. Novembro promete! E já neste segundo dia do mês vamos com este lp, lançado pelo obscuro selo Popular, em 1971. Temos aqui reunidos quatro grandes instrumentistas, Saraiva, Luizinho, Juca do Bandolim e Canhoto do Cavaquinho. Juntos eles formam Os Famosos do Choro e nos brindam com doze clássicos desse gênero tão nosso. Como podemos ver na lista do repertório, as doze músicas se dividem em três para cada solista. Eis aí um disco que agrada em cheio, principalmente a músicos e amantes do choro. Confiram, no GTM…

lágrimas de namorados

corinthiano

é do que há

odeon

flor do abacate

murmurando

doce de côco

carioquinha

brejeiro

chorando baixinho

piraporinha

bole-bole

.

Canhoto E Seu Regional – Noites Brasileiras (1958)

Boa tarde a todos, amigos cultos e ocultos! Para essa nossa terça feira eu trago um disquinho de 10 polegadas que é uma beleza. Temos aqui Canhoto e seu Regional. Frederico Tramontano, mais conhecido como Canhoto do Cavaquinho foi integrante do conjunto de Benedito Lacerda, no início dos anos 50. E é justamente deste grupo que nasce o seu Regional, formado pelos violonistas Horondino Silva e Jayme Florence, Orlando Silveira no acordeon, Carlos Poyares na flauta e Jorge Silva no pandeiro. Com essa mesma formação Canhoto estreia o programa “Noites Brasileiras”, fazendo muito sucesso na rádio Mayrink Veiga. Este disco nos apresenta exatamente um pouco do repertório que se ouvia na rádio nas noites de sexta-feira. Temos aqui os chorinhos, valsas, sambas e maxixes. E para essa gravação Canhoto e seu regional contaram com a participação de outros músicos e entre os quais, o Pedro (Sorongo) Santos, no ganzá. Está aí um disco precioso que a gente não pode deixar passar em branco. Vamos conferir no GTM…

carinhoso

ainda me recordo

clube xv

em que época

uma noite em sumaré

dorinha meu amor

flor do mal

até amanhã

.