Best Of Friends – Daybreak (1971)

Olá, meus amigos cultos e ocultos! E aqui vamos a cada dia com uma surpresa diferente, agradando gregos e troianos. Trago hoje para vocês uma curiosidade, que por certo já é do conhecimento de muitos por aqui, pois já foi postado em outros saudosos e falecidos blogs. Temos aqui o Best Of Friends – Daybreak, álbum produzindo por Roberto Quartin e em seu lendário selo Quartin. Selo este que produziu alguns discos, hoje pura raridade. Daybreak, me parece foi o único com artistas estrangeiros.
Best of Friends, ao que tudo indica foi um grupo seria o nome do grupo formado por artistas americanos e contou com arranjos e participação de Eumir Deodato. O som do grupo é algo próximo do folk pop, bem agradável, por sinal. Segundo contam, teve uma tiragem pequena, assim como outros lançamentos da Quartin, mas logo chegou a ser relançado nos EUA e na Itália, com outras capas e outras pós produções. Disco bem interessante e que aqui, para nós, tem ainda mais curiosidade por conta da presença de Eumir Deodato. Confiram…
 
walking out on yesterday
i’m not forgetting your name
it’s ok
if love’s in season
fenario
love the one you’re with
summer sound
just plain living blues
sail
drifting with the time
 
 
.
 

Eumir Deodato – Os Catedráticos (1966)

Pianista, compositor, arranjador e produtor musical, Eumir Deodato de Almeida nasceu no Rio de Janeiro em 22 de junho de 1943. Participou da bossa nova e da efervescência do samba jazz no início da década de 1960, estabelecendo-se como requisitado arranjador. Em 1964, reuniu vários nomes famosos do samba jazz, como Geraldo Vespar, Wilson das Neves, Dom Um Romão e Ivan Conti (o baterista Mamão) para formar o grupo Os Catedráticos, com quem lança quatro LPs, inclusive este que o Toque Musical traz para seus amigos cultos e ocultos, editado pela Equipe em 1966. Em 1967, radicou-se nos EUA, onde trabalharia com diversos nomes de relevo da música mundial, como Aretha Franklin, Wes Montgomery e Frank Sinatra. Na década seguinte, conseguiu gravar e lançar seus discos internacionalmente, obtendo sucesso também como intérprete, com uma versão da introdução do poema sinfônico “Also sprach Zarathustra”, de Richard Strauss. Trabalhou em quase 500 discos, escreveu trilhas sonoras para vários filmes e recebeu diversos prêmios, entre eles 16 discos de platina e um Grammy, sendo considerado uma personalidade internacional no mercado norte-americano de música. Neste quarto álbum dos Catedráticos, temos músicas bastante conhecidas em ritmo de samba jazz, tais como “Ai que saudade da Amélia”, “Samba de verão” e “Tristeza”, grande sucesso de carnaval em 1966. É mais uma raridade que o TM apresenta com a satisfação de sempre.

ai que saudade da amélia
fora de tempo
samba de verão
começou a brincadeira
os grilos
até de cavalinho
ainda mais lindo
gente
mesmo amor
feitinha pro poeta
tristeza
 

*Texto de Samuel Machado Filho