Claudio Cartier (1982)

Bom dia, prezados amigos cultos e ocultos! Estamos hoje trazendo o compositor e instrumentista Cláudio Cartier, artista carioca que além da música é também um artista gráfico. Seu nome está associado ao de Octávio Burnier (ou chamado de Tavynho Bonfá) com quem fez a dupla Burnier & Cartier, atuando em boa parte dos anos 70. A partir dos anos 80 ele segue em carreira solo e lança este que foi o seu primeiro lp, pela Opus Columbia. É um disco bem bacana onde ele divide as composições com o parceiro Paulo Cesar Feital. Mas há também “Mil atrações” feita em parceria com Aldir Blanc e “Abelhas”, com Heitor de Pedra Azul. Os arranjos são de Cesar Camargo Mariano, que também toca no disco. Há também outros grandes músicos no time, o que valoriza ainda mais o trabalho deste artista. Confiram no GTM…

1789
saudações
deveria
fala geral
mil atrações
abelhas isso não
dois por quatro
última noite
real grandeza
resgate



.

Renato De Oliveira – O Melhor Dos Festivais (1968)

Boa noite, caríssimos amigos cultos e ocultos! Espero que todos estejam bem, em suas casas, ou em qualquer outro lugar, mas seguros, longe de qualquer forma de contágio com esse vírus que está mudando a rotina de todos nós. Sejamos pacientes, resistentes e confiantes. Tudo isso irá passar. Tenhamos fé!
Hoje estamos trazendo um disco para quem gosta de orquestras e também de músicas de festivais. Temos aqui uma produção do selo Copacabana realizada em 1968. Um disco que reúne músicas selecionadas do II Festival Internacional da Canção e do III Festival da Música Popular Brasileira, realizados pela antiga TV Record, de São Paulo. Trata-se de um disco instrumental orquestrado, tendo a frente os arranjos e regência do Maestro Renato de Oliveira. Confiram este lp no GTM…

eu e a brisa
kubatokuê mulata
fala baixinho
per una donna
margarida
roda viva
wenn die liebe kommt
uma dúzia de rosas
travessia
celebration
volta amanhã
carolina
 


.

Zila Fonseca – Sambas Da Saudade Vol 2 (1958)

Iolanda Ribeiro Angarano, aliás Zilá Fonseca (São Paulo, 12/4/1919-Rio de Janeiro, 30/5/1992), bate ponto novamente aqui no Toque Musical. Desta vez, oferecemos a nossos amigos cultos e ocultos um álbum em que ela recorda sambas clássicos de nossa música popular. É “Sambas da saudade – volume 2”, lançado em 1958 pela Columbia, hoje Sony Music, ainda no formato de dez polegadas.  O disco tem um repertório excelente, que dispensa comentários. Estão nele verdadeiras joias do samba brasileiro, tais como “Se acaso você chegasse”, “Agora é cinza”, “Diz que tem” e “Implorar”.  Sem sombra de dúvida, é mais um trabalho que merece figurar em nosso Toque Musical. A conferir no GTM, sem falta. 

se acaso você chegasse
pelo amor que eu tenho a ela
agora é cinza
implorar
o orvalho vem caindo
diz que tem
aperto de mão
choro sim




*Texto de Samuel Machado Filho

Telma Costa (1983)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Já na reta final, vamos aqui com mais um lp de cantoras, para fechar bem o ano. Hoje eu trago Telma Costa, em seu primeiro e único disco solo. Mineira, de Juiz de Fora, iniciou sua carreira ao lado das irmãs, as compositoras Lisieux e Sueli Costa formando o grupo vocal Trieto. No início da década de 70 mudou-se par o Rio de Janeiro e iniciou sua carreira profissionalmente integrando o grupo vocal que participou de shows de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, ao lado das cantoras Miucha, Olívia Hime e Elizabeth Jobim. Participou ao longo dos anos 70 de shows e gravações de vários artistas, se apresentando também em casas noturnas. Em 1983, finalmente lançou este que foi o seu primeiro e único disco. Infelizmente, faleceu prematuramente, aos 36 anos. Telma, além de irmã de duas excelentes compositoras, também é a mãe das cantoras Branca Lima e Fernanda Cunha.
Neste lp, lançado em 1983, Telma vem muito bem assessorada e acompanhada, a começar pela produção de Dori Caymmi, arranjos e regências de Dori, Cesar Camargo Mariano e Alberto Arantes. Participam também diversos artistas de peso, entre esses, Caetano Veloso, Danilo Caymmi, Gilson Peranzetta, Helio Delmiro. Luiz Alves, Robertinho Silva, Maurício Einhorn e muitos outros… Por aí já dá para se ter um ideia do conteúdo musical, dez belas canções de diferentes e consagrados autores. Um trabalho, sem dúvida, muito bonito que merece o nosso toque musical. Confiram no GTM.

coisa feita
lembra
ilusão
fruta boa
não vale mais chorar
certeza da beleza
adoração
espelho das águas
sem dor
chuá chuá

.

Esse Rio Que Eu Amo (1961)

Olá, amigos cultos e ocultos! O Toque Musical apresenta hoje mais um álbum relacionado ao cinema. É a trilha sonora do filme “Esse Rio que eu amo”, produção de 1961 dirigida por Carlos Hugo Christensen (Santiago del Estero, Argentina, 15/12/1914-Rio de Janeiro, 30/11/1999), com roteiro de Millôr Fernandes. Tendo como pano de fundo o carnaval carioca, o filme adapta quatro contos da literatura brasileira: “Balbino, o homem do mar” e “Milhar seco”, ambos de Orígenes Lessa, “A morte da porta-estandarte”, de Aníbal Machado, e “Noite de Almirante”, de Machado de Assis. No elenco, grandes artistas da época: Jardel Filho, Odete Lara, Tônia Carrero, Diana Morel, Wilson Grey e Francisco Dantas, entre outros. No lado A, temos uma regravação da “Sinfonia do Rio de Janeiro”, de Tom Jobim e Billy Blanco, na interpretação de Lana Bittencourt e Haroldo de Almeida, com orquestração e direção de Lírio Panicalli. Tem ainda o samba “Ele é engraxate”, grande sucesso na época, interpretado por coro infantil, e o samba-canção “Dentro da noite”, de Normando e Édison Borges, na voz do próprio Normando. Por último, no lado B, uma seleção de sambas carnavalescos, tipo “Levanta Mangueira”, “Madureira chorou” e “Quero morrer no carnaval”. Em suma, este é mais um disco que merece a postagem do nosso TM, com toda a justiça. Confiram no GTM. 

sinfonia do rio de janeiro
a montanha, o sol, o mar
ele é engraxate
dentro da noite
você passou
levanta mangueira
madureira chorou
no outro carnaval
lágrimas
perdi a esperança
quero morrer no carnaval
foi ela
saudade de cetim



*Texto de Samuel Machado Filho