Teatro Folclorico Brasileiro Brasiliana De Miecio Askanasy – Ritmos Danças E Canções Do Brasil (1955)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Segue aqui um disco dos mais interessantes, colhido aqui mesmo na internet, em um dos muitos blogs de música que já fecharam suas portas, acredito que seja do saudoso Sintonia Musikal. Enfim, temos aqui este lp lançado pelo selo Columbia, apresentando o Brasiliana -Teatro Folclórico Brasileiro, grupo cênico-musical formado no Rio de Janeiro no final dos anos 40. Uma grande companhia, grupo formado por trinta artistas, entre cantores, bailarinos, músicos e atores. Fizeram muito sucesso logo em sua estreia. Logo em seguida partiram para uma turnê vitoriosa e longa, de quatro anos pela Europa. Este lp foi gravado na França e lançado no Brasil logo que o grupo regressou ao Brasil. Neste disco de 10 polegadas encontramos oito temas clássicos do nosso cancioneiro popular. Na contracapa, como se pode ver, temos mais detalhes sobre o disco. Temos como cantor principal Nelson Ferraz. O grupo aqui é acompanhado pela orquestra do francês Leo Chauliac que também cuida dos arranjos juntamente com José Prates e Ary Silva. Sem dúvida, um disquinho dos mais interessantes e raros de se ver e ouvir nos dias de hoje. Confiram no GTM…
 
peguei um ita no norte
roda moenda
vou vender meu barco
carrapato
maracatu
gingando
velha bahia
ninguém me ama
 
.
 

Gallo E Seu Conjunto – Um Galo Dancante (1958)

Olá, amigos cultos e ocultos! O TM está trazendo de volta o maestro e pianista Fernando Gallo, acompanhado de seu conjunto, mais o coral de Severino Filho. Desta vez, apresentamos “Um Galo dançante”, lançado pela Columbia, hoje Sony Music, em 1958. O disco vem com seis faixas, cada uma com três músicas, apresentando, como de costume nesse tempo, uma seleção de sucessos nacionais e internacionais. Portanto, lembra a estrutura dos álbuns de Waldir Calmon, que na época vendiam feito água. A última faixa apresenta três clássicos da MPB em ritmo de rock: “Na Baixa do Sapateiro”, “Aquarela do Brasil” (ambas do mestre Ary Barroso) e “Maracangalha” (esta de autoria de outro mestre, Dorival Caymmi). Este, portanto, é mais um disco que vale a pena ouvir e dançar. É ir ao GTM e conferir.
 
um galo dançante – samba fantástico – samba do galo
when i am with you – chances are – love letters
cachito – night and day – silbando mambo
lamento – nosso samba – casa da loló
mente – haja o que houver – falam meus olhos
na baixa do sapateiro – aquarela do brasil – maracangalha
 
 
*Texto de Samuel Machado Filho

Al Brito E Seu Piano – Arco-íris Musical (1958)

Olá, amigos cultos e ocultos! O TM apresenta hoje mais um LP do compositor e pianista João Leal Brito, o Britinho. É “Arco-íris musical”, lançado pela Columbia em 1958, e que ele gravou sob o pseudônimo de Al Brito. O repertório compõe-se de sucessos nacionais e internacionais de ocasião, compondo um verdadeiro arco-íris musical e, portanto, fazendo jus ao título. Acompanhado de orquestra, Al Brito (ou Britinho) traz ótimas execuções ao piano em faixas como “Besame mucho”, “Nos braços de Isabel”, “Foi a noite”, “All the way” e “Mocinho bonito”. Enfim, um trabalho muito bem elaborado, digno de merecer o nosso Toque Musical. É ir ao GTM e conferir.
 
un angelo e sceso a brooklyn
besame mucho
nos braços de isabel
i’ll close my eyes
foi a noite
podes voltar
il nostro giorno
if should lose you
mocinho bonito
faça de conta
all the way
porque e para quê
 
 
 
*Texto de Samuel Machado Filho 
 

Claudio Cartier (1982)

Bom dia, prezados amigos cultos e ocultos! Estamos hoje trazendo o compositor e instrumentista Cláudio Cartier, artista carioca que além da música é também um artista gráfico. Seu nome está associado ao de Octávio Burnier (ou chamado de Tavynho Bonfá) com quem fez a dupla Burnier & Cartier, atuando em boa parte dos anos 70. A partir dos anos 80 ele segue em carreira solo e lança este que foi o seu primeiro lp, pela Opus Columbia. É um disco bem bacana onde ele divide as composições com o parceiro Paulo Cesar Feital. Mas há também “Mil atrações” feita em parceria com Aldir Blanc e “Abelhas”, com Heitor de Pedra Azul. Os arranjos são de Cesar Camargo Mariano, que também toca no disco. Há também outros grandes músicos no time, o que valoriza ainda mais o trabalho deste artista. Confiram no GTM…

1789
saudações
deveria
fala geral
mil atrações
abelhas isso não
dois por quatro
última noite
real grandeza
resgate



.

Renato De Oliveira – O Melhor Dos Festivais (1968)

Boa noite, caríssimos amigos cultos e ocultos! Espero que todos estejam bem, em suas casas, ou em qualquer outro lugar, mas seguros, longe de qualquer forma de contágio com esse vírus que está mudando a rotina de todos nós. Sejamos pacientes, resistentes e confiantes. Tudo isso irá passar. Tenhamos fé!
Hoje estamos trazendo um disco para quem gosta de orquestras e também de músicas de festivais. Temos aqui uma produção do selo Copacabana realizada em 1968. Um disco que reúne músicas selecionadas do II Festival Internacional da Canção e do III Festival da Música Popular Brasileira, realizados pela antiga TV Record, de São Paulo. Trata-se de um disco instrumental orquestrado, tendo a frente os arranjos e regência do Maestro Renato de Oliveira. Confiram este lp no GTM…

eu e a brisa
kubatokuê mulata
fala baixinho
per una donna
margarida
roda viva
wenn die liebe kommt
uma dúzia de rosas
travessia
celebration
volta amanhã
carolina
 


.

Zila Fonseca – Sambas Da Saudade Vol 2 (1958)

Iolanda Ribeiro Angarano, aliás Zilá Fonseca (São Paulo, 12/4/1919-Rio de Janeiro, 30/5/1992), bate ponto novamente aqui no Toque Musical. Desta vez, oferecemos a nossos amigos cultos e ocultos um álbum em que ela recorda sambas clássicos de nossa música popular. É “Sambas da saudade – volume 2”, lançado em 1958 pela Columbia, hoje Sony Music, ainda no formato de dez polegadas.  O disco tem um repertório excelente, que dispensa comentários. Estão nele verdadeiras joias do samba brasileiro, tais como “Se acaso você chegasse”, “Agora é cinza”, “Diz que tem” e “Implorar”.  Sem sombra de dúvida, é mais um trabalho que merece figurar em nosso Toque Musical. A conferir no GTM, sem falta. 

se acaso você chegasse
pelo amor que eu tenho a ela
agora é cinza
implorar
o orvalho vem caindo
diz que tem
aperto de mão
choro sim




*Texto de Samuel Machado Filho

Telma Costa (1983)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Já na reta final, vamos aqui com mais um lp de cantoras, para fechar bem o ano. Hoje eu trago Telma Costa, em seu primeiro e único disco solo. Mineira, de Juiz de Fora, iniciou sua carreira ao lado das irmãs, as compositoras Lisieux e Sueli Costa formando o grupo vocal Trieto. No início da década de 70 mudou-se par o Rio de Janeiro e iniciou sua carreira profissionalmente integrando o grupo vocal que participou de shows de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, ao lado das cantoras Miucha, Olívia Hime e Elizabeth Jobim. Participou ao longo dos anos 70 de shows e gravações de vários artistas, se apresentando também em casas noturnas. Em 1983, finalmente lançou este que foi o seu primeiro e único disco. Infelizmente, faleceu prematuramente, aos 36 anos. Telma, além de irmã de duas excelentes compositoras, também é a mãe das cantoras Branca Lima e Fernanda Cunha.
Neste lp, lançado em 1983, Telma vem muito bem assessorada e acompanhada, a começar pela produção de Dori Caymmi, arranjos e regências de Dori, Cesar Camargo Mariano e Alberto Arantes. Participam também diversos artistas de peso, entre esses, Caetano Veloso, Danilo Caymmi, Gilson Peranzetta, Helio Delmiro. Luiz Alves, Robertinho Silva, Maurício Einhorn e muitos outros… Por aí já dá para se ter um ideia do conteúdo musical, dez belas canções de diferentes e consagrados autores. Um trabalho, sem dúvida, muito bonito que merece o nosso toque musical. Confiram no GTM.

coisa feita
lembra
ilusão
fruta boa
não vale mais chorar
certeza da beleza
adoração
espelho das águas
sem dor
chuá chuá

.

Esse Rio Que Eu Amo (1961)

Olá, amigos cultos e ocultos! O Toque Musical apresenta hoje mais um álbum relacionado ao cinema. É a trilha sonora do filme “Esse Rio que eu amo”, produção de 1961 dirigida por Carlos Hugo Christensen (Santiago del Estero, Argentina, 15/12/1914-Rio de Janeiro, 30/11/1999), com roteiro de Millôr Fernandes. Tendo como pano de fundo o carnaval carioca, o filme adapta quatro contos da literatura brasileira: “Balbino, o homem do mar” e “Milhar seco”, ambos de Orígenes Lessa, “A morte da porta-estandarte”, de Aníbal Machado, e “Noite de Almirante”, de Machado de Assis. No elenco, grandes artistas da época: Jardel Filho, Odete Lara, Tônia Carrero, Diana Morel, Wilson Grey e Francisco Dantas, entre outros. No lado A, temos uma regravação da “Sinfonia do Rio de Janeiro”, de Tom Jobim e Billy Blanco, na interpretação de Lana Bittencourt e Haroldo de Almeida, com orquestração e direção de Lírio Panicalli. Tem ainda o samba “Ele é engraxate”, grande sucesso na época, interpretado por coro infantil, e o samba-canção “Dentro da noite”, de Normando e Édison Borges, na voz do próprio Normando. Por último, no lado B, uma seleção de sambas carnavalescos, tipo “Levanta Mangueira”, “Madureira chorou” e “Quero morrer no carnaval”. Em suma, este é mais um disco que merece a postagem do nosso TM, com toda a justiça. Confiram no GTM. 

sinfonia do rio de janeiro
a montanha, o sol, o mar
ele é engraxate
dentro da noite
você passou
levanta mangueira
madureira chorou
no outro carnaval
lágrimas
perdi a esperança
quero morrer no carnaval
foi ela
saudade de cetim



*Texto de Samuel Machado Filho