Grande Orquestra Sob Regência De Renato De Oliveira – Fascinação (1957)

Olá amigos cultos e ocultos! Ontem eu acabei furando com vocês. Infelizmente não tive mesmo condições nem para postar um ‘disco de gaveta’. Trabalhei o dia todo. Hoje a situação foi a mesma, ralação em pleno domingo. Não fosse as contas para pagar, eu talvez estivesse em casa descansando e
selecionando discos para postar durante a semana.
Mas vamos ao que interessa. Vamos com a Grande Orquestra Columbia sob a regência do maestro Renato de Oliveira. “Fascinação” é um álbum lançado pela Gravadora Columbia no final dos anos 50. Este disco, de uma certa forma, buscava apresentar ao público o seu novo maestro, o então jovem Renato de Oliveira. O disco traz uma seleção musical, segundo o próprio texto de contracapa de Ary Vasconcelos, ‘de melodias  inesquecíveis do repertório denominado ‘semi-clássico’. Temas internacionais famosos que aqui neste disco ganham ainda mais brilho sob a batuta do maestro Renato de Oliveira. Confiram!

fascinação
serenata
amoureuse
a lenda do beijo
avant de mourir
os milhos de arlecrim
leda
csardas
.

Renato De Oliveira Em Tempo Quente – Made In Brazil (1968)

Boa noite a todos, amigos cultos e ocultos! A partir de outubro o Toque Musical vai mudar. Não mais teremos as costumeiras postagens diárias. Essas, acontecerão de acordo com o meu tempo disponível. Dessa forma também, espero estar mais disponível para atender às centenas de solicitações e pedidos para novo links. Estou planejando, também para breve, algumas mudanças radicais no GTM. Creio que já é hora do Augusto aqui ser remunerado pelo seu trabalho e pela manutenção de seu conteúdo. Em breve, pode ser que eu venha a alterar a forma de associação ao grupo. Penso em cobrar uma anuidade aos associados como forma de cobrir gastos e custos, bem como a manutenção e reposição mais eficiente dos links. A taxa (anual) será quase simbólica, o suficiente para não deixar o Toque Musical continuar me dando prejuízo 🙂 Observo que minhas intensões e propostas continuam sendo as mesmas, divulgar a esquecida produção fonográfica brasileira e seus mais diversos artistas.
Para a noite de hoje eu estou trazendo para vocês um álbum muito interessante, bem a cara dos anos 60, ou do final dele. Temos aqui o maestro, instrumentista e compositor Renato de Oliveira, em tempo quente, desfilando um repertório “made in Brazil”. Uma seleção bem variada que trás alguns temas clássicos da nossa música popular. Na época, músicas consagradas e novos sucessos que mais tarde também se tornariam outros clássicos. Renato de Oliveira é mesmo um mestre e demonstra isso em arranjos surpreendentes que dão a essas músicas uma nova roupagem. Muito bom!

pot pourri:
segura esse samba – ogunhé
bafo de onça
o teu cabelo não nega
cidade maravilhosa
você passa eu acho graça
helena helena helena
marcha da quarta feira de cinzas
fita amarela
canto chorado
brasileirinho
bom tempo
vem chegando a madrugada
zelão
toda colorida
eu e a brisa
modinha
tempo quente
.

Orquestra Cid Gray – Só Samba Sabendo Sambar (1961)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Na brecha do dia, ou melhor, da noite, aqui vou eu com mais um toque musical. Mais uma vez vamos de orquestra para mostrar a todos o quanto a música já foi grande. Hoje, orquestra é coisa rara de ver em discos, sejam sós ou acompanhando algum artista.
Vamos hoje com a Orquestra Cid Gray, muito requisitada em bailes e clubes de dança naquele final dos anos 50 e início dos 60. O álbum que apresento a vocês foi lançado pela Continental em 1961. Antes deste a orquestra já havia gravado outros discos. Foi, porém, neste lp que o público veio a saber que Cid Gray era na verdade um nome adotado pelo maestro Renato de Oliveira, quando este abandona o trabalho em estúdio, indo para São Paulo formar uma orquestra de dança e consequentemente discos de sucesso. Segundo Fernando Cesar, em seu texto na contracapa, “este não é apenas mais um e sim o melhor de todos”. Realmente o álbum traz um repertório muito bom, recheado de ótimos sambas e uma qualidade instrumental de arrepiar. Além, é claro dos ‘arranjos vibrantes’, tipo exportação, hehehe…

palhaçada
boato
eu não sei me repetir
o que faltou
mumúrio
água de beber
deixe de sofrer
que fazer
louca
chorou, chorou
rosa do mato
não sei mais fingir
.

Ovelha Negra – Trilha Original Da Novela (1975)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Aqui estamos, sempre atrasados, mas nunca a ponto de perder o trem. Mineiro é assim, perde a hora, mas não perde o trem. Ô trem bão!
Escolhido no escuro, eis aqui o disco do dia (ou da noite, se preferirem). Um álbum que eu mesmo pouco sei, além das informações nele contidas. Trata-se, obviamente, de um trilha sonora de novela, a qual eu nem sabia da existência. Novela de Walter Negrão e Chico de Assis,  realizada pela extinta TV Tupi em 1975. Na contracapa podemos ver um grandioso elenco, com muitos artistas famosos. Mas confesso, não me lembro dessa novela. E olha que nessa época, lá em casa não se perdia uma novela. O certo é que além de um grande elenco, temos também uma boa e variada trilha, com músicas, algumas, até bem conhecidas. Dois bons instrumentais, “Trenzinho do caipira”, de Villa Lobos, com a Orquestra de Renato de Oliveira e “Abismo de rosas”, de Americo Jacomino, na brilhante interpretação de Radamés Gnattali já valem o disco. Mas temos outros bons destaques como Paulinho Nogueira, Fagner e Rolando Boldrin. Trilhazinha maneira, vale a pena ouvir esse toque 🙂
trenzinho do caipira – orquestra renato de oliveira
palavrão – rolando boldrin
amo-te muito – daisy de souza
casinha – silvio brito
beco dos baleiros (papéis de chocolate) – fagner
mourão da porteira – angelo antonio
dez bilhões de neuronios – paulinho nogueira
abismo de rosas – radamés gnattali
atitude – rolando boldrin
menestrel – angelo antonio
vida mansa – marcelo costa
 .

Silvio Caldas – O Seresteiro (1969)

Olá, amigos cultos e ocultos! Definitivamente, meu super computador acaba de falecer. Desta vez não há quem possa ressucitá-lo. E quer saber,  já foi tarde! Eu já estava mesmo de saco cheio de ficar só no remendo. Agora é hora de renovar. Vou ver se compro um novo no mais tardar até o fim da próxima semana. Nesse meio tempo vou postando o que tenho na gaveta, o que ficou esperando uma melhor hora. A hora é agora e vamos a eles…
Segue aqui um Silvio Caldas de 1969, relançando novamente em 1977. Creio eu que originalmente este lp é ainda mais antigo, talvez do início dos anos 60. Como não tenho tempo para ficar pequisando, fica assim mesmo. O importante é que se trata de um excelente momento do cantor, trazendo um repertório que, ao contrário do que sugere o título, não é exatamente um disco de serestas. Aqui iremos encontrar uma seleção variada e bem incomum frente a outros discos do artista. Ouviremos aqui Custódio Mesquita, Braguinha, Orestes Barbosa, Pixinguinha, Francisco Alves, Luiz Bonfá e outros. Silvio vem acompanhado pela orquestra regida pelo maestro Renato de Oliveira, que também assina uma da faixas e fez os arranjos. Um álbum , sem dúvida, de primeira que vale uma conferida.

rosa de maio
carinhoso
seresta nº 5
manhã de carnaval
canção do eterno adeus
azulão
eterna canção
um cantinho e você
o amor é assim
na casa branca da serra
coração
o balão do amor

Orquestra Entré – Melodias Imortais (1965)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Ao que parece, estamos novamente com problemas no link do Baden Powell. Tenham paciência que tudo se resolve, ok?

Hoje eu tô meio corrido. Vou deixando aqui para vocês a Orquestra Entré, sob direção do maestro Renato de Oliveira.. Um belo disco orquestral com uma das melhores orquestras da época, presente em diversos lançamentos da CBS. Confiram aí que hoje o meu tempo não existe…

avant de mourir

a lenda do beijo

serenata

fascinação

leda

csardas

amoureuse

os milhões de arlequim

A Fábrica – Trilha Original Da Novela (1971)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Ainda na estrada, sem saber direito a que horas eu estarei de volta, vou aproveitar enquanto tomo o café para fazer esta postagem. Hoje iremos com outra trilha de novela, a única que eu tinha à mão, ou melhor, no meu computador.

Vamos com a trilha de “A Fábrica”, novela levada ao ar em 1971. Escrita e dirigida por Geraldo Vietri, teve uma trilha preparada especialmente para o drama e contou para isso com a Grande Orquestra Copacabana e alguns de seus regentes/arranjadores. A trilha é totalmente orquestral com alguns temas criados a partir da música erudita, clássica e outras em arranjos criados pelos maestros Portinho, Leo Peracchi, Renato de Oliveira, Edmundo Vilani, Salinas e Moacyr Portes. Para quem gosta de orquestra, taí um prato cheio. Vão conferindo aí, porque eu aqui já estou de saída.
canção da alegria (baseado no último movimento da 9ª sinfonia, de beethoven
tema da sinfonia nº 40 em sol menor, de mozart
concert for a lover’s ending
cinismo
tema de izabel
nosso primeiro amor
opus nº 3
opus nº 4
a força do amor
or-nan
a canção anti tóxico