Benedito Nunes – Aroldo Santos (1973)

Em outros tempos tínhamos aqui o famosos ‘discos de gaveta’, aqueles que ficam reservados para cobrir qualquer lacuna, ou por outra, qualquer postagem. Na falta de tempo ou de algo melhor o jeito era apelar para aquele arquivos prontos. Hoje eu estou fazendo algo parecido. Semana começa puxada e o tempo tá curto. Então, vamos aí curtir este compacto que é quase promocional da gravadora, a Continental. Digo isso porque é um compacto simples, feito para promover duas músicas de carnaval, o samba, “Amor, amor” cantada por Aroldo Santos e a marchinha maliciosa “Oritimbó com Benedito Nunes. Dois sucessos para gente relembrar,,,
 
oritimbó – benedito nunes
amor, amor – aroldo santos
 
 
.

Waldemar Spilman E Sua Orquestra – Dancando Com Waldemar Spilman E Sua Orquestra (1956) 

Há discos que na hora da escolha para postagem, eu as vezes o faço apenas pela capa, pela estampa. Me chamam a atenção, me pedem para ilustrar o nosso Toque Musical. É mais ou menos o caso deste disco aqui. Capa só em duas cores, mas que dá um show em termos de uma composição em artes gráficas. Acho linda e faz o nosso espaço ficar ainda mais bonito, não acham? 
Pois bem, temos aqui Waldemar Szpilman, músico polonês que veio para o Brasil em 1925. Conforme já nos descreveu sobre ele, nosso saudoso amigo Samuca, em outro disco que já postamos aqui, Spilman tinha uma sólida carreira musical como violonista e também tocava saxofone e clarineta. Era compositor e também foi regente de orquestra. Atuou em casas noturnas e também em bailes, onde era muito requisitado. Também integrou a Orquestra Sinfônica Brasileira e foi programador da Rádio MEC. Segundo contam, era primo do pianista Wladyslaw Szpilman, retratado no filme “O pianista”, de Roman Polaski. Em 1956 a Continental lançava seu primeiro disco, uma bolacha de 78 rpm contendo  as músicas “Penthouse mambo” e “Samba em fantasia”. No mesmo ano sairia então este lp, de 10 polegadas com mais seis músicas, completando assim este disco dançante, com samba, fox, bolero e mambo. 
 
laura
samba em fantasia
sax-cantabile
vamos com calma
dancing in the dark
penthouse mambo
speak low
tenderly
 
 

Risadinha – As Bombas De 1958 (1958)

Passa o Carnaval, mas inevitavelmente ainda ecoa o espírito da coisa nesses velhos discos que a gente insiste em postar 🙂 Eis aqui um autêntico sambista carnavalesco, Risadinha, artista que já apresentamos aqui em diferentes postagens. Agora trazemos ele em um lp completo, lançado pelo selo Continental, no final de 1958. Título, hoje, curioso, “As Bombas de 1958”. Mas naquela época ‘bomba’ era uma gíria e aqui se refere ao estouro nas paradas de sucesso. Depois, acho que ganhou um cunho pejorativo, passou a ser referencia de coisa ruim (claro, não há bomba boa). Mas no caso do nosso disco aqui seria uma injustiça dizer isso. O que temos é uma seleção de músicas que fizeram sucesso naquele ano, não apenas sambas, mas tudo no final bem temperado, na interpretação inconfundível de Risadinha
 
ave maria lola
bom dia café
nêga didi
cabelos prateados
aperta-me em teus braços
fim de estrada
interesseira
nono mandamento
vai, mas vai mesmo
é da banda de lá
chega de saudade
prece ao sol
 
.

Gerson Conrad – GC (1981)

Eis aqui um disco que na época de seu lançamento pode ter passado batido para muita gente. E isso, penso eu, se deve a capa que ilustra uma cena muito ambígua. Num rápido passar de olhos, principalmente numa estante de loja, a capa nos faz imaginar que se trata de alguma coletânea romântica. Não há nenhuma evidência além das iniciais do artista. E se não parar e conferir direito, a taça quebrada, o vinho derramado e o que seria GC, não chega a levantar o disco da caixa e olhar curiosamente sua contracapa. E ainda, se não tomar o trabalho de ler e ficar apenas a observar o rapaz bonito estampado sem o reconhecer, ainda assim é capaz de achar que se trata de algum Julio Iglesias nacional. Certamente, não é nada disso, trata-se apenas da minha suposição. GC é Gerson Conrad, músico paulista que ganhou fama ao lado de João Ricardo e Ney Matogrosso, quando juntos formaram um dos mais importantes grupos da música popular brasileira, o sensacional Secos & Molhados. Depois que o grupo acabou, cada um seguiu seu caminho. GC foi o primeiro álbum solo, lançado em 1981 pelo selo Continental. Antes, ele já havia lançado um outro lp pela Som Livre com a cantora e atriz Zezé Motta. Neste lp de 81 todas as músicas são de sua autoria em parceria com o letrista  Paulinho Mendonça. O que reforça minha ideia da capa ‘ambígua’ está também no fato de que este disco foi relançado em cd com uma outra capa e com o título de uma das canções, “Rosto Marcado”. Direto! Desta vez acertaram a coisa. Sem querer desfazer da arte da capa, acho que do cd ficou mais adequada. Ou não? 🙂 Independente da capa, o conteúdo é o que importa. Vamos a ele…
 
amor amor
rosto marcado
semente
precipício
ave maria
depois da sessão
o tempo
fundo do poço
a sede e a fonte
 
 

Severino Araújo E Sua Orquestra Tabajara – Sorongo Is Sensational (1960)

Vejam vocês que disquinho ótimo para se ouvir neste domingo. Aqui temos um registro dos mais interessantes, coisa que agrada muito dj’s e colecionadores, principalmente os gringos que nessa altura já levaram embora todos os que ainda existiam. Por isso também vale uma baba. Não falta quem pague pra mais de 500 pratas no compacto de 7 polegadas.
Aqui temos (em verdade) a Orquestra Tabajara, de Severino Araújo, acompanhando seu ritmista/percussionista, o genial Pedro Santos (Sorongo). Não sei se é um momento especial de Severino ao amigo Pedro, dando a este a oportunidade de se destacar com suas pesquisas rítmicas, ou se atende ao apelo comercial da época, ao estilos de outras orquestras americanas, que faziam sucesso explorando os chamados ritmos exóticos, tipo Arthur Lyman, Martin Denny… Claro que, sem puxar a sardinha, em termos de ritmos e originalidade e até da competência, “Sorongo” vai além…
Quem ainda não conhece, vale a pena conferir 😉
 
sorongaio
africano
inferno verde
sensação
 
 
.
 

Os 3 Morais (1973)

Boa hora, amigos cultos e ocultos! Hoje o nosso encontro é com o trio vocal, Os Três Morais, grupo formado pelos irmãos Jane, Sidney e Roberto. Iniciaram nos anos 60 gravando jingles para comerciais de rádio e tv. Atuaram na música erudita e depois popular, participando de programas de televisão e se destacaram também nos festivais. Gravaram alguns lps, sendo este o terceiro, quando então Jane sai do grupo para formar dupla com o marido, Herondy Bueno (Jane & Herondy). O trio ainda gravou mais um disco com uma outra cantora. Neste lp temos um repertório bem bacana, inclusive com músicas autorais. Vale a pena conferir 😉
 
além
fim de verão
como el fez en el gaa
rosa poesia poema
marinherio
automóvel
cartas fotografias
sou eu
seleção baden poweçç
seleção noel rosa
 
 
.

Silvio Caldas (1957)

Boa noite, caros amigos cultos e ocultos! Em outros tempos aqui no Toque Musical, no mês de aniversário do blog, a essa altura a gente já estava em festa, tendo diariamente a postagem de discos  especiais, que valesse a data. Com o passar do tempo, acho que esfriamos um pouco e neste ano, mais que especial, dos 15 anos está também complicado ficar por conta de uma produção comemorativa. Se eu conseguir já completar os dias de atraso, já vai estar de bom tamanho.
Temos aqui o grande Sílvio Caldas em um lp de 10 polegadas, lançado em 1957, pela Continental. Sílvio nos apresenta um repertório de samba, valsa, choro e canção. Músicas que também foram lançadas em bolachas de 78 rpm. Algumas das faixas já foram apresentadas, principalmente na série Coleção Grand Record Brazil de 78 rpm. Confiram no GTM…
 
cabelos de prata
minha casa
não pergunte
boa noite amor
pastora dos olhos castanhos
você voltou
nunca soubeste amar
violões no funeral
 
 
.

Nora Ney – Eu Sou Nora Ney E Canto (1957)

.

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Hoje o nosso encontro é com a cantora Nara Ney, presente em nosso Toque Musical já em diversos outros discos. Pensei até que já havia postado este disco e já estava passando batido por aqui, mas felizmente eu confirmei e agora vamos a ele. Por certo, boa parte das músicas contidas neste lp de 10 polegadas já foram apresentadas aqui, principalmente na nossa série exclusiva, Grand Record Brazil, que só findou por conta do falecimento de nosso amigo Samuca, responsável pelos textos. Enfim, temos aqui Nora Ney neste disco que reúne fonogramas extraídos de seus discos em 78 rpm, gravados na Continental. Por certo, um disco cheio de clássicos e definitivamente uma das melhores cantoras da música romântica, de ‘dor de cotovelo’. Belíssimo disco que dentro de um contexto histórico, dá de dez a zero nessas aberrações de ‘sofrença’ que hoje vemos por aí, geralmente, nesse lixo que chamam de música sertaneja-mela-cueca. Coisa que todo novo rico adora. Meus deuses, como faz falta a cultura musical! Como faz falta até mesmo um blog como esse, o nosso Toque Musical. Enfim, como já dizia uma famosa banda punk: “bad music for bad people”. Gosto não se discute, lamenta-se… hehehe… 
 
saudade da bahia
de cigarro em cigarro
é tão gostoso, seu moço
se…
franqueza
chove lá fora
bar da noite
risque
 
 

Francisco Petrônio & Dilermando Reis – Uma Voz E Um Violão Em Serenata (1962)

Boa hora, caros amigos cultos e ocultos! Partido para novas postagens e saindo um pouco dos compactos portugueses, voltamos aos sortidos diários e sem discriminação… Por hora, temos aqui um clássico das serestas, Francisco Petrônio e Dilermando Reis, uma voz e um violão em serenata. Eis aí um lp bem conhecido, que fez bastante sucesso nos anos 60, presente em quase todo compartimento de discos das velhas radiolas daqueles tempos. Uma prova da popularidade do cantor Francisco Petrônio e do violonista Dilermando Reis, que aqui nos apresentam uma seleção clássica para qualquer seresteiro. Músicas bem comuns aqui no Toque Musical, mas como sempre no compasso de diferentes intérpretes. E esses aqui vale a pena ouvir de novo. Confiram no GTM….
 
se ela perguntar
cabelos cor de prata
chão de estrelas
ave maria
malandrinha
meu romance
rapaziada do braz
arrependimento
vidas mal traçadas
tardes de lindóia
amando sobre o mar
saudade de alguém
 
.

Ramoncito Gomes – Boleros (1966)

Boa hora, amigos cultos e ocultos! Em nosso leque de variedades cabe um pouco de tudo, afinal este é o Toque Musical, um blog para quem escuta música com outros olhos. E hoje nosso encontro é Ramoncito Gomes, um artista popular que gravou vários discos entre os anos 60 e 70. Para a grande maioria, era um artista mexicano radicado aqui no Brasil. Cantor e compositor, seu nome na verdade era Júlio Cândido Gomes, também conhecido como Ramón Cariz, nascido no estado do Mato Grosso do Sul e pelo que se sabe, sempre foi um apaixonado pela música espano-americana, em especial a música mexicana. Mas também fazia parte de seu repertório a música caipira, sertaneja. Fazia um estilo meio brega romântico e nessa linha não há nada que se encaixe tão bem quanto os seus boleros. E aqui temos um disco dele que é a essência disso, lp lançado em 1966 pelo selo Continental. Confiram no GTM…
 
ébrio de amor
a voz do amor
não vá embora
pouco a pouco
mato grosso
linda paranaense
porta na cara
nasci pra te amar
pedacinho de gente
sei que és noiva
canarinho prisioneiro
quero comprar teus olhos
 
 
.

Radamés Gnattali – Em Ritmo De Samba (1958)

Boa hora, meus prezados amigos cultos e ocultos! Seguimos aqui desta vez trazendo o mestre Radamés Gnattali, em lp lançado pela Continental, em 1958. Como podemos ver, pela capa, trata-se de um disco dedicado ao samba. Uma seleção de sambas que hoje são verdadeiros clássicos da nossa música. Como já disse, quando houver um texto descritivo na contracapa sobre o trabalho, não irei me estender na ‘resenha’. É o que me pede a preguiça e mais ainda, a falta de tempo. Taí, um belo disco, que vocês não podem deixar de conferir…
 
atire a primeira pedra
fim de semana em paquetá
copacabana
agora é cinza
já é demais o meu sofrer
vem meu amor
duas contas
o morro canta assim
foi a noite
nova ilusão
quem foi que prometeu
esquina da saudade
 
 

 

Paulinho Soares (1978)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Seguimos aqui com o primeiro e único lp do cantor e compositor Paulinho Soares. Foi um artista mais conhecido pelas suas músicas cantadas por outros artistas, como é o caso da Beth Carvalho que, inclusive, é quem escreve o texto de apresentação do artista na contracapa. Paulinho chegou a gravar vários compactos. Algumas de suas músicas, principalmente no início de carreira fizeram sucesso em festivais. Infelizmente, veio a falecer aos 59 anos, vítima de enfarte. Curiosamente, seus discos, lp e compactos, ainda podem ser encontrados em sites com o Mercado Livre e Discogs por um preço honesto. Acho que os “colecionadores especulativos”, ainda não se tocaram das qualidades desse artista. Ainda não havia sido mencionado no Toque Musical. Agora vai… 😉
 
o patrão mandou
quebra cabeça
dificilmente
pára com isso
tira teima
antes ele do que eu
zé maria e conceição
olha eu de novo
as moças
antes
 
 
.

Tatiana – Isso É Coisa De Criança (1987)

Boa hora, caros amigos cultos e ocultos! Fechando o mês de março, aqui vai um disquinho que alegrou a vida de crianças e adultos nos anos 80. Uma produção bem interessante criada por Alberto Rosenblit e José Carlos Costa Neto e voltada para um público infanto-juvenil. São deles também a autoria de quase todas as composições. Um projeto que envolveu gente nova, como a então cantora mirim Tatiana e  também gente de peso como Luis Avellar e Roberto Menescal, responsáveis também pelo arranjos. Lançado originalmente em 1987, teve uma reedição em cd, na qual foi incluída mais uma faixa, “Burocracia”. Divirtam!
 
coisas de criança
pequenos passos
igualzinho você
briga brega
dois meninos
meu vizinho nervosinho
gordonoinha
alerta
forró da rocinha
diário do papagaio
burocracia (bonus)
 
 
 
 

Chuca-Chuca E Seu Conjunto – Uma Noite No Montanha Clube (1965)

Boa hora, amigos cultos e ocultos! Aqui temos hoje, Chepsel Lerner, instrumentista e compositor, conhecido artisticamente como Chuca-Chuca. Com seu conjunto atuou e se destacou nos anos 40 a 60, no rádio, casas noturnas e clubes, fazendo bailes memoráveis. Era pianista e vibrafonista. Fez parte do conjunto Milionários do Ritmo, de Djalma Ferreira. Aqui temos ele e seu conjunto apresentando um repertório com muito balanço, por certo, alegria nas noites do Montanha Clube, um tradicional clube social carioca. Disquinho bem bacana, vale a pena uma conferida…
 
cheat cheat
vivo sonhado
quando vuelva a tu lado
estamos aí
andorinha preta
jogado fora
dans mon ile
motivo e gillespie
cha cha brasília
a onda e o walter
mr lucky
amor de carnaval
 
 
.
 
 

Grandes Sucessos (1981)

Boas horas, amigos cultos e ocultos! Como sempre digo, toda araruta tem seu dia de mingau. E aqui no Toque Musical tem espaço para tudo, inclusive para muitas ‘ararutas’, afinal, gosto e curiosidade é oque não nos falta! E para hoje eu trago uma coletânea da Continental, com vários artistas do seu ‘cast’ do chamado ‘gênero popular’, ou como passou a ser adotado, música brega. E ao contrário de que para muitos o brega é vergonhoso, para outros é motivo de orgulho. E para nós aqui… vamos só observando… e ouvindo, pois nosso lema é ouvir música com outros olhos.
Temos nesta coletânea, que originalmente foi lançada em 1966, quatorze temas populares românticos, nos quais desfilam diversos artistas, entre os quais estão, Cláudio de Barros, Poly e Orlando Dias. Confiram no GTM…
 
cinzas do passado – claudio de barros
tango triste – haroldo josé
alama de boemio – josé orlando
poema – renato guimarães
luar de vial sonia – tito martinez
lembrança – lurdinha pereira
a mamadeira – loiva terezinha
noite cheia de estrelas – poly
teu desperzo – claudio de barros
somente tu – josé orlando
por uma noite ainda – orlando dias
não sabemos – leila silva
capricho cigano – heleu araujo
olá você por aqui – loica terezinha
 
 
.
 

Carlos Pinto (1974)

Bom dia, meus amigos cultos e ocultos! Seguindo em nosso mês de janeiro dedicado ao disco de 7 polegadas, hoje temos aqui este raro disquinho lançado pela Continental, em 1974. Trata-se de um compacto duplo do cantor e compositor pernambucano Carlos Pinto. Um artista que sempre esteve ligado as artes cênicas, desde a adolescência e através dessa veio também a música que, o levou para as capitais, os grandes centros e a conhecer e se envolver com outros artistas também saídos da região nordeste. Quando foi morar na Bahia conheceu a turma dos Novos Baianos e chegou até a tocar com eles no show “Desembarque dos bichos depois do dilúvio universal”. Mas ele só viria para o Rio de Janeiro em 1970 onde se integraria a uma turma de amigos como, Geraldo Azevedo, Naná Vasconcelos, Torquato Neto e outros. E foi com Torquato Neto que Carlos Pinto começa uma parceria musical, depois vem Waly Salomão e por aí vai… Gravou apenas dois compactos pela Continental, um primeiro simples e na sequência este duplo no qual aparecem seus dois grandes sucessos, “Luz do sol”, gravado por Gal Costa e “Todo dia é dia d”, gravado por Gilberto Gil. Carlos Pinto seguiu se apresentando em show e com outros parceiros, mas acabou voltando para o seu nordeste nos anos 90, onde se tornaria um produtor cultural, desenvolvendo vários projetos e programas na áreas das artes e cultura de sua região. Também se tornaria compositor de hinos e marchas de carnaval. Sempre muito atuante também como membro de ONGs. Segundo informações colhidas em outros sites, Carlo Pinto faleceu em 2019, vitimado por um AVC.
 
história de um compositor solitário
luz do sol
depois daquele beijo
todo dia é dia d
 
 
.

The Clevers – Com Hully Gully (1964)

Bom dia, caríssimos amigos cultos e ocultos! Na sequencia de nossa mostra em discos de 7 polegadas, hoje vamos com The Clevers, uma das pioneiras bandas de rock brasileira. Nascida em São Paulo no início dos anos 60, fez bastante sucesso ao longo de sua existência, se transformando em seguida em Os Incríveis, banda que alcançou ainda mais sucesso, ainda nos anos 60 e início dos 70. A história é longa e para quem não conhece eu sugiro pesquisar no Google. Informações não faltam, exceto aqui, tanto pela redundância quanto pele pressa. Como sabem, meu tempo sempre é muito curto 🙂 Mas eis aqui o que podemos considerar como sendo o segundo compacto lançado pelo grupo, em 1964, quando estavam em excursão pela Europa, acompanhando a cantora italiana Rita Pavone. Logo em seguida ao retorno o grupo, cheio de fama, encerra com o empresário Antonio Aguillar e começam uma nova fase como os Incríveis The Clevers. Neste compacto duplo temos quatro ‘roquinhos instrumentais’ que na época estavam em moda como ‘hully gully’, um gênero dançante que agradava bem a juventude. Confiram no GTM…
 
venus
night drivers
the intruder
one more time
 
 
.

Poly E Seu Conjunto – Uma Festa Caipira (1960)

Boa hora, caros amigos cultos e ocultos! Um disquinho meio fora de hora, podia ter entrado no meio do ano, em época de festa junina, mas só agora me lembrei dele. E em se tratando do grande Ângelo Apolônio, ou Poly, excepcional instrumentista que dominava como poucos diferentes instrumentos de cordas, este disquinho é bem vindo a qualquer momento. Como podemos ver, este é um compacto duplo onde Poly nos apresenta quatro temas tradicionais juninos, ou no caso, uma bela festa caipira. Confiram…
 
festa na roça
quadrilha do tamanduá
o sanfoneiro só tocava isso
pau de sebo
 
 
.
 

Tony De Matos – Foi Em Lisboa (1962)

Boa hora, amigos cultos e ocultos! Há tempos eu coloquei aqui que não mais estaria atendendo a pedidos, pois isso se torna um compromisso e a cobrança não fica por menos. Como promessa é dívida, melhor não prometer. Estou dizendo isso porque num outro momento postei aqui um disco deste cantor português, Tony de Matos, que esteve no Brasil durante as décadas de 50 e 60, onde morou e chegou a gravar alguns lps. Recebi na época da postagem alguns e-mails pedindo que postasse mais disco dele. Mais recentemente os e-mails voltaram com novos pedidos e justamente para este disco que agora estou postando aqui. Foi mesmo muita sorte e coincidência pois o disco acabou aparecendo por aqui. Então, para não dizer que não falei de flores, segue aqui mais um disco do lusitano cantor. Lp gravado pela Continental em 1962. Creio que foi o último que Tony de Matos gravou por aqui. Uma seleção de fados, repertório essencialmente português, para a alegria daqueles que por este tanto esperavam. Confiram no GTM…
 
foi em lisboa
o namorado da rita
nostalgia no fado
fado xuxu
o meu alentejo
toiro he toiro
vocês sabem lá
histórias de uma chinela 
menina feia
campino apaixonado
já faz umano
éh pa do fado
 
 
.

Conjunto Época De Ouro – Interpreta Pixinguinha E Benedito Lacerda (1977)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! A medida que o tempo passa por aqui, se eu não seguir pelo index, acabo postando discos repetidos. Foi mais ou menos isso que aconteceu nas últimas semanas, quando tive o trabalho de selecionar alguns discos para as nossas postagens. Verifiquei posteriormente que já os havia publicado aqui no Toque Musical, daí, me vejo obrigado a recorrer aos ‘arquivos de gaveta’, ou ‘discos de gaveta’, aqueles que estão sempre prontos para entrarem numa emergência. E assim vamos nós… E nesta temos aqui, mais uma vez neste ano, o tradicional Conjunto Época de Ouro que vem neste disco, lançado em 1977 pela Continental, trazendo a música de dois grandes, Pixinguinha e Benedito Lacerda. Um repertório, por certo, já bem conhecido de todos, mas que sempre chama a atenção, principalmente quando interpretado pelo mais famoso grupo de choro de todos os tempos. Confiram no GTM…
 
flauta e pandeiro
naquele tempo
sensível
sofres porque queresos 
oito batutas
o rasga
1×0
seresteiro
boneca
doidinho
vasconcelos em apuros
dominante
 
 
.

Woops – Palco Da Vida (1981)

Boa hora, amigos cultos e ocultos! Aqui vou eu de novo explorando os lotes de discos que o meu amigo Fáres me enviou. Há sempre alguma coisa que eu não conhecia e que se encaixa aqui em nosso espaço como uma luva. E se tem uma coisa que a gente gosta aqui no Toque Musical são esses discos obscuros, curiosos e raros. Aqui temos um bom exemplo de um disco que, talvez, poucos conheçam: “Woops – Palco da Vida”, disco lançado em 1981 pela Continental. Eu também não conhecia a banda Woops e para tanto, só mesmo colocando para tocar e procurar na internet maiores informações. Foi o que fiz.. Descobri que esta banda veio do Espírito Santo, um grupo capixaba que surgiu em Vila Velha nos primeiros anos da década de 70. Era um conjunto de bailes e festivais que atuou por mais de dez anos por várias cidades do estado. Inicialmente se chamavam Grupo Wups, mas a partir dos anos 80 passou a se chamar Woops, quando então também tiveram a chance de gravar seu primeiro disco. Ao que parece, a Continental lançou primeiro um compacto com a faixa Palco da Vida e em seguida sairia este lp. Segundo informações, o grupo passou por várias formações, tendo sempre a frente o guitarrista Paulinho que mais para frente adotaria o nome de Paulo Woops, dando sequencia no que restou dos Woops e formando sua banda, Paulo Woops & Megabanda. A sonoridade dos Woops é bem interessante e característico do que ecoava na música pop dos anos 70. Teriam feito mais sucesso se seus produtores tivessem investido mais na banda. Lembra bem um Roupa Nova ainda na época dos Famks. Para quem não conhece, olha a chance aí… Confiram no GTM.
 
palco da vida
deus
novas manhãs
beatriz
pendure um sorriso
venha dançar
criança
raiz da vida
faça a cabeça funcionar
caminhante
 
 
.

Berê (1978)

Olá, caros amigos cultos e ocultos! Nosso toque musical de hoje é para este disco, hoje raro, lançado em 1978 pela Continental, da então estreante, a cantora e compositora Berenice Biachi, ou Berê como adotou em disco. Ela é uma cantora gaúcha que despontou no cenário fonográfico aos 18 anos. Teve a oportunidade de lançar este disco por uma grande gravadora e desta recebeu toda a atenção, sendo na época muito bem divulgada pela área de comunicação da Continental. O álbum, muito bem produzido lá pelas bandas do sul, trás um repertório exclusivo de compositores gaúchos, nomes importantes como Lupcínio Rodrigues, Luiz Coronel, Glenio Fagundes, Galileu Arruda, Marco Aurélio Vasconcelos, Raul Ellwanger e Geraldo Flach. Há também espaço para uma composição própria, “Gaúcho”, em parceria com Luiz Paulo. O lp é realmente muito bom e merece ser lembrando. Contudo, mesmo com toda essa produção o disco de Berê não deslanchou para além das fronteiras sulistas. Curiosamente, parece que a cantora não gravou mais discos, não há na internet informações sobre isso. Mas, ao que parece, Berê acabou seguido outros rumos, se tornou um arquiteta e trabalha nessa área. Ficamos mesmo sem saber é se ela ainda continua cantando. Por hora, vamos apreciar o trabalho…
 
amargo
viagem para o sul
gosto
a triste milonga de leontina das dores a espera de seu homem
cão e gato
escandalosamente maravilhante
nos cantos escuros
leontina dsa dores canta o filho que vai nascer
petiço pipeiro
invernias
gaucho
 
.
 

Moacyr Franco Show (1970)

Boa hora, amigos cultos e ocultos! Vejam vocês… Ao longo de toda a existência do Toque Musical, até hoje eu não havia postado nenhum disco do Moacyr Franco. Uma injustiça, convenhamos, afinal ele foi e ainda é um grande artista. Me lembro muito bem dele, principalmente em programas de televisão onde ele mesclava música e humor. Moacyr Franco nasceu na cidade de Ituiutaba, aqui em Minas Gerais. Cantor, compositor, ator, humorista e (para queimar o filme) político, chegou a ser deputado. Gravou vários discos ao longo de sua carreira e como compositor tem música para todo gosto, sempre foi muito eclético. 
Aqui temos dele o lp “Moacyr Franco Show”, que viria a ser também o nome de seu mais famoso e duradouro programa de televisão. Foi exibido de 1972 até 77, pela Rede Globo. Neste disco temos um repertório variado com temas autorais, versões de músicas internacionais e também de outros compositores, inclusive uma música do Rei do Futebol, nosso grande ídolo, Pelé. O disco é realmente muito interessante e vale a pena relembrar…
 
eu amo tanto tanto
decisão
pior é não ter por quem chorar
canta que passa
vem 
fogos de artifício
balada para um louco
cristina
prelúdio da namorada
olinda dos velhos tempos
hoje
por enquanto adeus
 
 
.

Desafio Das Contas [Soma] (1974)

Bom dia, amiguinhos cultos e ocultos! Saindo um pouco do comum, ou fazendo jus ao nosso lema de ouvir com outros olhos, hoje temos em nossas postagens um disquinho dedicado ao público infantil, o infantil que fomos nós, hoje pessoas adultas. Sim, este disco foi lançado em 1974, pela Continental e para o seu selo Corujinha. Quem está aí por volta dos 50 anos deve se lembrar. Trata-se de um trabalho produzido e de autoria de Nazareno de Brito, com arranjos e regência do maestro Renato de Oliveira. Uma feliz ideia para ensinar as crianças a somar, fazer da matemática uma diversão e um aprendizado fácil, na base da decoreba. Aliás, a melhor maneira de decoreba que eu conheço, pois não há nada melhor que lembrar através da música. Além de ser útil é também divertido e um trabalho musical muito bem produzido. Neste, além dos personagens, temos também um coral no qual se destaca a presença do grupo Titulares do Ritmo e também as vozes femininas de Lurdes, Magda e Judith (seriam As Gatas?). Em resumo, um disquinho divertido que irá agradar até mesmo as crianças de hoje em dia. 
Vamos conferir esta soma no GTM? 🙂
 
abertura
conta do +1
conta do +2
conta do +3
conta do +4
conta do +5
conta do +6
conta do +7
conta do +8
conta do +9
 
 
.

Dilermando Reis – Solista De Violão (1956)

Boa hora a todos, amigos cultos e ocultos! Aproveitando os instrumentistas que já estavam a mão, colhi mais um ‘disco de gaveta’, pois o tempo é curto e eu já estou atrasado… Desta vez selecionei o Dilermando Reis, um dos grandes solistas brasileiros de violão, em disco o qual eu acreditava ainda não tê-lo postado aqui. Na verdade, não foram muitos, mas Dilermando está presente em diversas postagens e inclusive este disco que agora estou postando novamente. E isso faz sentido por três razões. Primeiro por conta da pressa, do tempo que não tenho para digitalizar um outro disco. Segundo, porque, embora seja o mesmo disco, a capa é diferente (o que me fez pensar que ainda não havia sido postado). E terceiro porque a postagem anterior já vai para quase dez anos atrás e em se tratando de Dilermando Reis, mais uma dose sempre cai bem. Assim, aqui vamos novamente com este delicioso lp de dez polegadas, para agradar principalmente os amantes do violão (bem tocado). Confiram no GTM…
 
sons de carrilhões
abismos de rosas
magoado
noites de lua
adelita
tristesse
sonata ao luar
ruas de espanha