Vinícius De Moraes – Compacto (197…)

oa tarde a todos os meus amigos cultos e ocultos! Aqui vamos nós oferecendo a todos um ‘deguste’ para esta a série de compactos, que teremos em março. Hoje vamos com o velho e bom Vinícius de Moraes, em um compacto duplo, lançado em Portugal e Angola, no início dos anos 70. Nele, como podemos ver, temos quatro músicas suas, em parceria com Toquinho e também o italiano Sérgio Endrigo. Nada de novo por aqui, mas essencial para nossa lista. Quem ainda não conhece, chega lá no GTM….
 
o pato pateta
valsa para uma menininha
a casa
o céu é meu chão
 
.
 

Índio – Um Cavaquinho No Choro (1958)

Boa noite, meus caros amigos cultos e ocultos! Nosso encontro hoje é com o choro e em especial com o cavaquinista Edinaldo Vieira Lima, mais conhecido como Índio do Cavaquinho. Instrumentista alagoano, iniciou sua carreira como músico ainda adolescente, fazendo parte de diversos grupos. Tocou ao lado dos maiores nomes da nossa música popular. Trabalhou por muitos anos na Rádio Nacional. Gravou com seu conjunto alguns discos, entre eles este que aqui apresentamos, lançado em 1958 pela Polydor e cujo o repertório é todo de choro, acompanhado por um grupo de músicos também de primeira linha.  O texto na contracapa já dá o recado, por isso não iremos nos estender… Melhor conferir no GTM…
 
passarinho da noite
um chorinho pra aniversário
na glória
comigo é assim
benzinho
gingando
fazendo visagem
numa seresta
macaquinho
sugestivo
uma noite em são borja
convidativo
 
.
 


 

Manoel Da Conceição – Seu Violão E Muito Samba (1963)

Boa noite, meus caros amigos cultos e ocultos! Aqui vamos nós, sempre com uma nova surpresa a cada dia e para hoje temos este raro lp, lançado pela Polydor em 1963, trazendo o guitarrista e violonista autodidata Manoel da Conceição, também conhecido como “Mão de Vaca”. Começou a atuar profissionalmente na música a partir dos anos 50. Fez parte da orquestra de Rui Rey e Radamés Gnatalli,  acompanhou as cantoras Ângela Maria e Elizeth Cardoso e também teve seu conjunto. Fez várias apresentações fora do Brasil e também trabalhou com Chico Anysio. Atuou nas rádios, Nacional nos anos 60 e 70 e depois na rádio MEC, onde tinha um programa.
Neste lp vamos encontrar o violonista desfilando em doze seletos sambas ao lado da orquestra e coro de Severino Filho. Disco bem bacana que os amigos aqui não poderão perder. Confiram no GTM…
 
só danço samba
é a tua vez de sorrir
não vou me afobar
cartão de visitas
na cadência do samba
influência do jazz
samba enganador
pandorga, papagaio pipa
gostoso é sambar
gamação
quero ficar só
 
 
 
.

Alberto Mota E Seu Conjunto – Top-Set (1966)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Mais um disquinho aqui para fechar o ano. Aliás, discão! Um excelente lp do instrumentista e compositor Alberto Mota e seu conjunto, “Top-Set, lançado em 1966 pelo selo Polydor. Este conjunto surgiu em Belém do Pará na década de 50 tendo Alberto Mota a frente com seu piano e solovox. No início dos anos 60 eles já estavam fazendo muito sucesso e acabaram sendo contratados pela Polydor e lançando o primeiro disco em 1961. Nesta época, era um dos mais famosos grupos de baile atuando no Norte e Nordeste. Alberto Mota Gravou mais três discos pela Polydor ao longo dos anos 60, sendo este “Top-Set” o último, um disco com um repertório cheio de sucessos da época, nacionais internacionais, cabendo inclusive a Exaltação à Belém do Pará, música de J. Macedo. 
Alberto Mota e seu grupo atuou até o início dos anos 70, quando então foi aos poucos se limitando a apresentações locais. Hoje só nos restam seus discos, coisa também rara de encontrar. Mas felizmente, na internet, através dos blogs de música ele foi muito divulgado e agora se eterniza aqui no nosso Toque Musical 🙂 Confiram no GTM…
 
a casa do sol nascente
arrastão
você
rosas vermelhas para uma dama triste
hello dolly
brincando gostei
pot pourri de sambas:
vamos balançar
tem que balançar
palpite infeliz
sinfonia do carnaval
na onda do berimbau
samba de verão
exaltação a belém do pará
extase total
garota de ipanema
moscou contra 007
 
 
.
 

K-Ximbinho E Seus Playboys Musicais (1959)

Olá, amigos cultos e ocultos! O Toque Musical tem o prazer de apresentar a vocês mais um disco de Sebastião de Barros, o K-Ximbinho, notável músico que marcou época na MPB. Desta vez, oferecemos “K-Ximbinho e seus Playboys Musicais”, lançado pela Polydor em 1959. O repertório, como de hábito em qualquer álbum do gênero dançante, mistura sucessos nacionais e internacionais da ocasião, inclusive um choro do próprio K-Ximbinho, “Eu quero é sossego”, aliás bastante conhecido até hoje. Tem ainda “Chega de saudade”, “Convite ao samba”, o standard norte-americano “I’ve got you under my skin” (que K-Ximbinho também gravou com seu quinteto para o disco “Em ritmo de dança – volume 3”, já oferecido pelo TM, e aqui está em versão cantada), “Convite ao samba” e “Exaltação à Mangueira”, entre outras. Em suma, um disco ótimo para relembrar bons momentos e curtir músicas como não se fazem mais nos dias de hoje. É ir ao GTM e conferir.
 
deixa por minha conta
de corazon a corazon
exaltação a mangueira
eu quero é sossego
i’ve got you under my skin
carioca 1954
convite ao samba
em meus braços
mistura fina
the song is you
chega de saudade
a woman in love
 
 
 
*Texto de Samuel Machado Filho 

Tito Romero (Britinho) – Boleros Maravilhosos (1959)

Olá, amigos cultos e ocultos! O Toque Musical apresenta hoje, mais um disco entre os muitos gravados pelo maestro e pianista João Adelino Leal Brito, o Britinho, com sua orquestra, aqui com o pseudônimo de Tito Romero. Trata-se de “Boleros inesquecíveis”, lançado em 1959 pela Polydor, reunindo doze faixas realmente inesquecíveis. Uma delas, o clássico “A voz do violão”, foi transformada em bolero, mas nesta faixa há amplo destaque ao violão, como não poderia deixar de ser. As demais onze faixas são boleros consagrados, tais como “Que será?”, “Se a saudade falasse”, “Por que brilham os teus olhos” e “Falas de amor outra vez”. A respeito de Britinho, ou Tito Romero, pouco se sabe. Era gaúcho de Pelotas, nascido em 5 de maio de 1917 e falecido em ano que não se sabe ao certo (entre 1964 e 1966). Sempre ligado à música, começou a estudar violino aos dez anos, e aprofundou seus conhecimentos musicais, por influência dos tios, no Conservatório de sua Pelotas natal. Mais tarde, foi para Porto Alegre, a fim de substituir o pianista Paulo Coelho na Rádio Farroupilha, e em 1939 mudou-se para São Paulo, onde trabalhou na boate Tabu. Dois anos mais tarde, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde são encontrados os maiores registros de sua obra. Aliás, muitos pesquisadores de MPB fazem confusão entre Britinho e seu irmão, Rubens, também pianista na mesma época. O curioso, conforme relata o jornalista e escritor Ruy Castro em seu livro “Chega de saudade”, é que Britinho atua como pianista no primeiro disco de João Gilberto, lançado pela Copacabana em agosto de 1952, trazendo os sambas-canções “Quando ela sai” e “Meia luz”. Outro grande nome da MPB que nutria grande respeito e admiração por João Leal Brito – e por seu irmão, Rubens – era Dorival Caymmi, que o considerava um dos melhores pianistas do Brasil. Portanto, este “Boleros inesquecíveis” é mais um trabalho digno de nosso Toque Musical. É só ir ao GTM e conferir.

vai ver que é
sombras
luar de paquetá
incerteza
hei de querer-te sempre
um tango… uma saudade
vem me buscar
aperta-me em teus braços
mentido
divagando
teu juramento
foi mentira



*Texto de Samuel Machado Filho 

Márcio Greyck (1967)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Como uma coisa sempre leva a outra, saímos do romântico Agnaldo Rayol e vamos para o romântico moderninho Márcio Greyck. De uma certa forma todos os dois também orbitavam pela, então em voga, Jovem Guarda. Tempos de modernidades românticas, por certo!
Aqui temos o cantor mineiro Márcio Greyck em seu primeiro disco, lançado pela Polydor, em 1967, na efervescência a música jovem e em especial, dos Beatles, onde ele se apoia em versões que por aqui chegaram a fazer mais sucesso do que os originais. Convenhamos, muita gente conheceu Beatles foi através de versões. Mas aqui o Márcio Greyck não fica só nos sucessos dos rapazes de Liverpool, tem também outras versões de hits internacionais e também composição própria, autoral. Este disco abriu as portas para o cantor. Além do mais, era um tipo boa pinta, olhos claros, bem ao gosto do padrão comercial. Garantiu desde então seu espaço nessa onda musical. Ao longo de quatro décadas ele esteve sempre muito atuante. Acredito que ainda hoje continue colhendo frutos de seus trabalhos. Pelo que sei, ele atualmente mora em Belo Horizonte. Confiram no GTM…

ela me deixou chorando
se você quiser o meu amor
ela não vem mais
venha sorrido
quero ser livre
gosto de você e você de mim também
minha menina
só sei olhar pra você
sempre vou te amar
como um dia a nascer
penny lane

.

Elizabeth – Olhos Da Noite (1978)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Vamos hoje com mais uma cantora romântica do selo Polydor. Trago para vocês a cantora e compositora Elizabeth, que no Toque Musical só apareceu em umas duas coletâneas. Seu primeiro trabalho em disco foi como cantora de samba, apadrinhada por Braguinha. Mas logo estaria fazendo parte da Jovem Guarda, onde emplacaria seu maior sucesso, “Sou louca por você”. Como compositora, foi gravada por outros grandes artistas, tais como Agnaldo Timóteo, Dóris Monteiro, Erasmo Carlos, José Roberto, Jerry Adriani e muitos outros. Ao longo da carreira gravou uma dezena de lps. Seus discos também fizeram sucesso em Portugal, no México e em outros países de língua latina.
Temos aqui seu lp de 1978, um disco totalmente autoral. Uma fase mais madura, mas com músicas sempre apaixonadas. Alegria para os amantes. Confira mais esse toque musical no GTM.

de vez em quando
quem dera
meu bar
em partes iguais
portões fechados
teia de aranha
a mulher (segundo as três marias)
covarde e violento
olha mãe
altos e baixos
dez a dez
tolices
 
 
.

Diana (1976)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje e mais uma vez temos um lp da cantora Diana. Quem acompanha o Toque Musical sabe, há pouco mais de dois anos, postamos aqui seu lp, de 75, “Uma Nova Vida”, com a sempre brilhante apresentação textual do amigo colaborador, Samuel Machado Filho. Desta vez, trago seu disco de 76, também um lp muito bem produzido, com praticamente quase todas as músicas autorais. Chamo a atenção para os arranjos e o time de músicos. Aliás, mais que um time, um batalhão de feras, entre essas algumas mais conhecidas, tal com, Antonio Adolfo, Luiz Carlos Ramos, Arthur Verocai, Dominguinhos e Jackson do Pandeiro. Deu até vontade de ouvir, né? Pois é, vale a pena… Chega junto lá no GTM. O link tem prazo limitado, ok? 😉

sem barulho
sanguinasis
balanço manuêh
tesouro escondido
hoje que você disse adeus
fato consumado
estado de graça
medo
quebra cabeça
deixe o sol entrar em casa
evolução
tudo vai dar certo



.

Serginho Meriti – Bons Momentos (1981)

Sérgio Roberto Serafim, ou Serginho Meriti, que o Toque Musical põe hoje em foco, é sinônimo de samba. É carioca de Madureira, nascido em primeiro de outubro de 1958, mas foi criado em São João do Meriti, na Baixada Fluminense, onde tomou gosto pela música. O pai, gaúcho, era violonista e boêmio, e a mãe era cantora e compositora de hinos religiosos. Como compositor, tem mais de 370 músicas, gravadas por nomes do porte de Alcione, Bebeto, Neguinho da Beija-Flor, Arlindo Cruz e Zeca Pagodinho. Este último é criador de inúmeras composições de Meriti, entre elas “Deixa a vida me levar”, que se tornou o hino do pentacampeonato mundial de futebol conquistado pelo Brasil, em 2002. Pois o TM apresenta hoje para seus amigos cultos e ocultos o primeiro LP de Serginho como intérprete, “Bons momentos”. Lançado pela Polygram em 1981, tem apenas oito faixas, e nessa ocasião ele estava incursionando pelo suingue à maneira de Jorge Ben Jor. Aliás duas músicas que fez em parceria com Bebeto, e também gravadas por ele, estão neste disco:  “Mona Lisa” e “Batalha maravilhosa”. Em suma, um trabalho que documenta o início de uma carreira bastante promissora. Ouçam e confirmem.

bons momentos
madureira
malandro velho
memórias de um neguinho poeta
neguinho poeta
mona lisa
serjane
tipo help
batalha maravilhosa

*Texto de Samuel Machado Filho

Chiquinho E Sua Orquestra De Danças (1959)

O Toque Musical oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos mais um álbum na linha dançante, desses que eram lançados aos cachos nas décadas de 1950/60, sempre com vendagem garantida. Aqui, quem bate o ponto com sua orquestra de danças é o maestro Chiquinho (Francisco Duarte), também trompetista e compositor. Nasceu no Rio de Janeiro, no bairro da Gamboa, em 3 de dezembro de 1907, e era um dos maestros mais requisitados para os programas de auditório do rádio, pois sua risada, que era engraçadíssima, era utilizada pelos apresentadores como um recurso para contagiar o público presente. Sua simpatia, reconhecida por todos que conviveram com ele, lhe rendeu o slogan de “maestro da simpatia”, conferido pelo apresentador César de Alencar. Chiquinho também era conhecido como “maestro do lenço”, pois tinha mania de usar um lenço na mão enquanto regia, por suar muito nas mãos. O lenço, de dimensão maior que a usual, era colocado na lapela, fazendo dele uma figura de aparência original, fato que lhe deu grande notoriedade. Faleceu em seu Rio natal, em primeiro de novembro de 1983. Neste LP, lançado pela Polydor  em 1959, figuram, como sempre acontecia, sucessos da época, tais como “Ave Maria Lola”, “Ontem e hoje”, “Siete notas de amor” e “Apito no samba”. Tudo com a competência do maestro Chiquinho, em mais uma raridade que o TM nos oferece.

apito no samba
ontem e hoje
ave maria lola
viale d’autunno
padre don josé
trágica mentira
sambando em paris
why wait
vogliamoci tanto bene
calor do samba
siete notas de amor
gostosinho

.
*Texto de Samuel Machado Filho

Erasmo Carlos – Promocional (1982)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Nosso encontro hoje é com o Tremendão, o grande Erasmo Carlos. Olha só… Em 1982, Erasmo estava lançando o álbum “Amar pra viver ou morrer de amor”, um disco que viria a ser um dos mais importantes em sua discografia. Para tanto, a Polygram criou este disco promocional aqui. Feito para o radialista promover o então recente lp do artista. Um lp bem curioso, pois traz um roteiro de entrevista no qual, ao tocar o disco, Erasmo responde, espaçado, as perguntas feitas em off. Basta então o radialista dar aquela personalizada, fazendo por cima as mesmas perguntas. Grande sacada! Todos saem satisfeitos e o disco vende muito bem, obrigado. Taí, façam os seus programas 😉

entrevista com erasmo carlos
mesmo que seja eu
meu boomerangue não quer mais voltar



.

Ronnie Von – A Misteriosa Luta Do Reino De Parassempre Contra O Imperio De Nuncamais (1969)

Ronnie Von é o tipo de cara que tinha tudo para se tornar um grande artista. Era bonito, talentoso e fazia parte de uma turma de jovens interessantes como os Mutantes, de quem ele era muito amigo. O pequeno príncipe nos anos 60 fez sua fama, tendo até um programa de televisão. Eu não consigo entender como ele foi ao poucos se rendendo ao popular, se tornando um artista medíocre e pobre. Virou uma coisa assim meio brega, sei lá… Acho que ele realmente ‘trancou a vida’. De qualquer forma, não há como negar que o moço chegou a fazer alguns trabalhos interessantes e pretenciosos, como é o caso deste álbum que estou postando. Neste temos coisas “Por quem sonha Ana Maria”, “Dindin”, “My cherie amour”, “De como meu heroí Flash Gordon irá levar-me de volta a Alpha do Centauro, meu verdadeiro lar” (convenhamos, com um título desses a música não precisa nem de letra)

Raimundo Sodré – Massa (1980)

Esse baiano apareceu no cenário musical depois de ter classificado sua composição “A massa”, no MPB 80, festival realizado pela Rede Globo. A música foi um tremendo sucesso, abrindo assim a chance do cara de gravar seu primeiro disco. O álbum em questão tem, além da faixa título, outras músicas bem marcantes como “Vai pra casa esse menino, viu?” e “Recado pro pessoal lá de casa”. Ele depois desse, chegou a lançar outros trabalhos. Quem se interessar poderá encontrar outros títulos postados nos blogs de música. Sei que já vi em algum lugar, mas não me lembro onde. Quem souber, dê a dica…