O Grupo Coisa E Tal (1971)

Boa hora, amigos cultos e ocultos! Eis aqui um disco que faltava em nossa coleção. Não sei bem porque razão até hoje eu não o postei. Talvez porque o arquivo estava incompleto. Já tive este disco nas mãos, mas acabei por não fazer o que sempre faço, digitalizar, fotografar capa e selos. Acho que não o postei mesmo por conta de estar faltando a parte interna, este lp, originalmente, era de capa dupla e é justamente no seu interior que vamos encontrar um texto informativo sobre O Grupo e Coisa e Tal… Eu até acreditava que este seria mais um disco de um outro conjunto chamado O Grupo, o qual também já postamos aqui. Mas agora, vejo que estava enganado, nada a ver. Este é outro e aqui no caso, formado por sete elementos: Quartin (orgão, piano e vocal), Renato (baixo e vocal), Roberto (bateria e vocal), Márcio (sax, flauta e clariquete), Carlinhos (guitarra e vocal, Jayme e Maurício (ritmo e vocais). Conforme o texto de apresentação de Sérgio Bitencourt, que também assina duas das faixas do disco, trata-se de um grupo de ocasião, ou seja, um grupo de músicos que se juntam despretensiosamente para gravarem um disco com músicas que eles mesmos escolheram. E em se tratando de artista de alto nível, inevitavelmente oque temos aqui é um repertório da melhor qualidade. como se pode ver na relação a baixo e na contracapa do lp. Confiram, os que ainda não o conhece…
 
socorro
vera verinha
yara bela
la vai ela
canção pra inglês ver
vogue
não te conheço não
senhores do mundo
matilda
bloco da solidão
o problema dela
e coisa e tal
 
 
.

Tico Tico – Tico-Tico No Galho Seco (1963)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Segue o baile… Hoje temos para vocês, “Tico-tico no galho seco”, lp lançado pelo selo Continental, em 1963, trazendo o cavaquinista Tico-Tico em seu primeiro disco. Um álbum muito bem produzido e ao que consta, com o apoio do grande Altamiro Carrilho. São doze músicas, sendo quase todas de autoria do próprio Tico-Tico. Confiram no GTM…
 
a moçada no samba
tragédia de bolso
orgulhosa
cavaquinho transviado
seus olhos
venina
marlene
na corda bamba
harmonioso
18×24
desiludido
doidinho
 
 
.

Paulo Diniz (1967)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Estávamos nos embalos fonomusicais de compactos portugueses, mas resolvi dar uma pausa nessa mostra. Em nova oportunidade eu trarei mais discos dos irmãos portugueses. Por hora ficamos aqui, mas também, ainda num compacto, quero prestar hoje a nossa homenagem ao artista pernambucano Paulo Diniz. Autor de grandes sucessos da música popular brasileira que, infelizmente veio a falecer ontem, dia 22 de junho. Por certo, não vi tanta comoção com a passagem deste artista, oque prova que a cada dia o Brasil perde um pouco da sua memória. O mesmo vale para tantos outros grandes nomes que partiram recentemente, como foi o caso do João Gilberto que teve mais repercussão fora do que dentro do Brasil. Nós aqui do Toque Musical também não fizemos menção ao falecimento do João, porém, ainda estamos programando mais uma postagem para ele, aguardem… Mas hoje, aqui, nossa atenção é para o Paulo Diniz, um artista que já apresentamos, inclusive o seu primeiro lp, no qual constam as músicas deste disquinho compacto. Duas versões, para “Western Union”, aqui chamada de “O telegrama” e “Seria bom”, uma antiga valsa que ganhou letra e virou pop da Jovem Guarda. 
Logo que as coisas folgarem por aqui, vamos trazer um lp do Paulo Diniz. Por hora, apenas essa lembrança, que vocês encontram no GTM.
 
o telegrama
seria bom
 
 
.

Bandinha Do Irio – Quermesse (1957)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Por mais que eu diga que para alguns discos, os que trazem um texto na contracapa, eu não farei apresentações, resenhas e coisa e tal…, acabo me vendo obrigado a ‘pitacar’ algumas palavras, como no caso deste lp “Quermesse”, de 1957, um disco de 10 polegadas lançado pelo selo Copacabana. Conforme o texto, trata-se de uma seleção musical típica das bandinhas de coreto, das quermesses que ainda hoje vemos por aí, em cidades do interior do Brasil. São dobrados e valsas que já embalaram muitas manhãs de domingo em praças por aí. Sobre a Bandinha do Irio, não há nenhuma informação, ficamos sem saber se Irio é o nome do maestro. Apenas são citados os nomes de Irvando Luiz, que é o produtor e idealizador do projeto e Ubaldo de Abreu como arranjador. Por certo, não acrescentamos nada aqui além da dica, do toque musical para este curioso disquinho que de qualquer forma merece a nossa atenção. 
 
quermesse
irmãos querolo
geni silva
aluisio dos santos
capitão barduíno
coronel braulio guimarães
boêmio
marlene
visconde de guarapuava
itu berço da república
 
 

Carmen Costa Nº 2 (1957)

Boa hora, prezados amigos cultos e ocultos! Como já informado, não teremos mais nossas resenhas preguiçosas. Já nem temos mais o amigo Samuca e para piorar, o amigo Augusto aqui nem sempre está disposto e/ou disponível para essa nossa tarefa que busca ser diária. Deixemos as resenhas para discos como este, cuja contracapa não há informações além da lista de músicas.
Aqui temos a grande Carmen Costa, uma cantora que surgiu, apresentada por Francisco Alves e incentivada por Carmen Miranda. Foi vencedora no programa de calouros de Ary Barroso e logo passaria a cantar em dupla com o cantor Henricão. Passou uma boa temporada nos Estados Unidos, onde foi viver, ainda nos anos 40, quando se casou com um americano. Voltou ao Brasil nos anos 50, passando a manter um relacionamento com o compositor Mirabeu Pinheiro, com quem teve uma filha. Gravou dezenas de discos e também participou de outros, tanto aqui no Brasil como fora. Era considerada a Embaixatriz do Samba. Participou do lendário show da Bossa Nova, no Carnegie Hall, em Nova Iorque. Também participou de vários filmes no auge de sua carreira, nos anos 50 e 60.
Neste lp de dez polegadas, o segundo lançado por Carmen através do selo Copacabana, em 1957, temos um repertório extraído de discos de 78 rpm gravados por ela nesta gravadora mais ou menos na mesma época.
 
senhoras e senhores
bairro pobre
devo a vocÊ
só falo de amor
almas irmãs
não uses borracha
vaidade
estrada linda
 
 
.

Luiz Ayrão – Alegria Geral (1984)

Boa tarde, companheiros, amigos cultos e ocultos! Eis um artista que por aqui, até hoje, só postamos músicas individuais presentes em coletâneas. Só vim a dar conta disso, quando o amigo Fáres me pediu sua discografia e para variar percebi que não tinha nada deste compositor, cantor e sambista, a não ser este lp que hoje apresentamos a vocês.
Luiz Ayrão, para quem não sabe, é filho do compositor Darcy Ayrão e sobrinho do saxofonista Juca Azevedo, com quem veio a conhecer grandes nomes da da nossa música e de onde nasceria seu desejo de também se tornar um compositor. Cresceu num ambiente musical, o que lhe garantiu um bom começo. Suas primeiras composições foram gravadas por Roberto Carlos, mas também fez música para muitos artistas da Jovem Guarda. Seu primeiro sucesso veio num compacto lançado em 1973, o samba “Porta aberta”, o que lhe garantiu em seguida o primeiro lp. Daí por diante, Luiz Ayrão se consagraria como cantor e compositor, passando a gravar vários discos e também a lançar vários outros sucessos. Se tornou mais conhecido com um sambista, por conta de suas composições serem quase sempre nesse gênero. “Alegria Geral” foi seu décimo primeiro disco e nele vamos encontrar também muito samba, cabendo também espaço para baião, frevo, choro e canção romântica. Um disco bem honesto, que embora não tenha um sucesso de destaque, traz uma seleção quase toda de composições autorais que agrada em cheio. Confiram no GTM….
 
é da juventude
um sou eu
brisa errante
venho velho
aventureiro
café amigo
dez mandamentos para um povo feliz
cadê iaiá
roqueiro
ausência
gatice
eu o rei você a rainha
 
 

Um Show De Bossa Em Bossa Copa (1965)

Boa tarde a todos, amigos cultos e ocultos! Recentemente nós postamos aqui um compacto do Bossa Trio e chegamos a comentar a respeito do selo, o Bossa-Copa, criado pela gravadora Copacabana no intuito de dar vazão a uma música mais moderna que veio a surgir a partir da Bossa Nova. Para tanto, criou o selo e foi em busca de artistas que se despontavam ao ritmo da Bossa Nova. Lançou, primeiramente, em compactos e na sequência veio este lp, “Um Show de Bossa em Bossa-Copa”, que reúne sete desses artistas, uma coletânea que funcionava como um ‘menu’, onde o ouvinte tem a oportunidade de em um só disco conhecer melhor esses artistas. A ideia, talvez, seria a de posteriormente lançar cada qual em um lp, mas parece que a coisa ficou apenas neste long play e em alguns compactos. No texto de contracapa deste lp vocês irão encontrar uma informação mais detalhada. O certo é que temos aqui um disco dos mais interessantes no qual desfilam em suas faixas Cecy, Lita, Miriam Ribeiro, Jorge Nery, Jorge Eduardo, Carlos Sodré e o Banzo Trio. Este último também acompanha alguns dos artistas aqui citados. Disco bem bacana que talvez poucos conheçam, embora já tenha sido postado em outros blogs e também em outra época. Não deixem de conferir no GTM…
 
garota moderna – banzo trio
terra de ninguém – banzo trio
timbó – jorge eduardo
eu só – cecy e banzo trio
andorinha – carlos sodré
preciso aprender a ser só – jorge nery
gente – banzo trio
menino do sertão – cecy e banzo trio
disa – jorge nery
pot-pourri de sambas – lita e banzo trio
se fosse com você – carlos sodré
zé do talarico – miriam ribeiro e banzo trio
canção do seu olhar – jorge eduardo
 
 
.

Bossa Trio – Compacto (1965)

Boa hora a todos, amigos cultos e ocultos! Olha aí, mais um disquinho raro para colecionadores de Bossa Nova. Eis aqui um compacto de uma série quase obscura, lançada pela Copacabana na primeira metade dos anos 60, o Bossa Copa, um selo destinado exclusivamente a artistas e grupos voltados para a então moderna Bossa Nova. Durante o ano de 1965 foram lançados pela Copacabana vários compactos com diferentes artistas, nomes já na época pouco conhecidos e que ao longo do tempo acabaram esquecidos, assim como foram esses trabalhos, essa série de compactos. Ao que parece, a ideia da gravadora seria inicialmente lançar esses artistas em compactos para depois lançar seus lps individuais. Mas, acabou ficando somente em um disco, no qual reunia toda essa turma, o lp, “Um Show de Bossa em Bossa Copa” editado em 1966. Logo que passar a onda do compactos vou postar esse disco aqui, Por hora, nessa boa hora, vamos com o compacto duplo do Bossa Trio, um autêntico conjunto de bossa-jazz do qual faziam parte Cassiano, seu irmão Camarão e o amigo Amaro, que a partir de 1969 se transformariam em Os Diagonais, mudando do samba jazz para a ‘soul music’. Eles também, nessa época entrariam como banda de apoio de Tim Maia. Confiram o disquinho no GTM…
 
tem dó
bossa trio tema
feio não é bonito
chuva
 
 
.

 

 

Carequinha – Com A Bandinha De Altamiro Carrilho E Coro (1960)

Bom dia, caros amigos cultos e ocultos! Em uma outra mostra de compactos aqui do Toque Musical, postamos um disquinho do palhaço Carequinha, com a promessa de que postaríamos outro numa nova oportunidade. Olha ela aqui… 🙂 Desta vez trazemos um dos seus discos que mais fez sucesso, principalmente por conta da faixa “O bom menino”, música que fez muito sucesso e ainda hoje é lembrada, principalmente pela criançada que hoje está com mais de 50. Mas, neste compacto duplo temos ainda outros sucessos que marcaram época, inclusive no carnaval. As marchinhas que o Carequinha lançava acabavam virando músicas também de carnaval. Neste disquinho, nosso querido palhaço, como de costume, vinha acompanhado pelo grande Altamiro Carrilho e sua bandinha. Altamiro, inclusive é o autor de vários desses sucessos, em parceria com Miguel Gustavo e Irany Oliveira. Este compacto é ainda da fase dos disquinho em 45 rpm, ou seja, dos primeiros fabricados no país, trazendo no centro do selo o furão, típico dos compactos impostados. Certamente, foi lançado em 1960, ou 61. Fica a dúvida… 
 
o bom menino
carnaval do jk
história do gago
fanzoca de rádio
 
 
.

Durval Ribeiro E Seu Conjunto E Odysséa – Daqui E Dali (1959)

Olá, caros amigos cultos e ocultos! Hoje tenho aqui para vocês este raro lp lançado em 1959, pelo selo Copacabana. Trata-se de um disco bem interessante no qual temos o pianista Durval Ribeiro e seu conjunto. Durval trabalhou em rádio e televisão, fez parte de várias orquestra e também tocava na noite (paulista), como era comum a todo músico naqueles tempos. Foi um músico muito atuante nos anos 50 e 60. Aqui temos o que foi o seu primeiro e talvez único lp, ou seja, o disco que ele gravou com este seu conjunto formado especialmente para essas gravações. No álbum também temos como destaque a cantora Odysséa que aqui aparece interpretando quatro das faixas que são cantadas. Odysséa foi uma excelente cantora e isso se percebe em sua interpretação neste disco. Infelizmente, não há na internet mais informações sobre essa cantora, sabemos apenas que ela atuou também em outros discos como crooner para outros conjuntos e orquestra. “Daqui e dali” é um trabalho bem interessante no qual temos  no repertório temas variados, nacionais e internacionais, sendo algumas faixas, músicas de autoria do próprio grupo. Uma boa pedida, um bom toque musical, podem conferir…
 
daqui e dali
sweetly
meu tema
eu sei que vou te amar
garoto travesso
veocê
toselli no samba
hymne a l´amour
mestiça
suas mãos
halen noturno
fita amarela
 
 
.
 

Sylvio Vianna E Seu Conjunto De Dancas (1956)

Muito bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Tenho hoje para vocês um disquinho de 10 polegadas. Um lp que já pela capa nos chama a atenção, no mínimo, muito divertida. Aqui temos Sylvio Vianna e seu conjunto de danças. Sylvio Vianna era um pianista, gaitista e vibrafonista que fez muito sucesso em casas noturnas do Rio de Janeiro. Ele fez parte do conjunto de Dick Farney e posteriormente formou seu próprio conjunto no qual fazia o que todos os músicos/artistas da época faziam, música para dançar. Este foi o primeiro lp que Sylvio Vianna e seu conjunto de danças gravou. No repertório ele traz um leque misto de composições nacionais e internacionais, bem comuns naqueles anos 50 e claro, feito para dançar. O diferencial está mesmo nos arranjos e num conjunto instrumental único. Vale a pena conferir…
 
moritat
fita meus olhos
arrivederci roma
o alegre assobiado
folha morta
love is a many splendored thing
historia de un amor
balão do sino
 
 
.

Waldir Calmon E Seu Conjunto – Chá Dançante (1957)

Boa hora, caros amigos cultos e ocultos! Em outros tempos, tempos de juventude, eu tinha uma preguiça do Waldir Calmon. Aliás, não necessariamente dele, mas desse som dançante de boate dos anos 50 e de uma certa forma o Waldir Calmon representava bem isso. Lá em casa sempre teve muitos discos dele e creio que talvez tenha sido por isso. Eu achava esses discos coisa de velho e na verdade eram. Tem coisas que a gente só descobre quando está maduro. Eis que hoje em dia eu tenho quase que a sua discografia e inevitavelmente aprendi a gostar ouvindo nas minhas digitalizações. E inevitavelmente eles acabam vindo parar aqui. Eis mais um, este de dez polegadas, lançado pela Copacabana em 57, repertório essencialmente de música estrangeira, feita para dançar. Vamos conferir aqui…
 
aimer comme je t’aime
hold my hand
luna rossa
amendoim torradinho
samba do perroquet
caribbean moon
love me or leave me
blem blem blem
hermando’s hideway
 
.
 
 

Dolores Duran – Dolores Viaja (1955)

Muito bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Seguimos nossa viagem musical, desta vez trazendo a grande Dolores Duran que aqui se destaca somente como intérprete, o que nos prova que ela, além de uma excelente compositora era também perfeita como cantora. E neste disquinho, lançado pela Copacabana em 1955 ela não apenas canta muito bem, como também o faz em oito idiomas, ou seja, cada faixa deste disco de dez polegadas ela nos apresenta um tema em uma língua diferente, cabendo inclusive uma canção em esperanto, uma versão da famosa canção portuguesa “Coimbra”. Bem interessante e ao que parece foi a primeira vez que uma música nesta língua foi gravada em um disco comercial. Nos anos 60 foi lançado um disco com vários artistas cantando em esperanto, o qual também nós já postamos aqui. Confiram…
 
sinceridad
ma cabane au canada
kaiser waltzer
no other love
nigraj manteloj
vieni sul mar
ojos verdes
canção da volta
 
 
.

Elizeth Cardoso – Disco De Ouro (1974)

Olá, amigos cultos e ocultos! Uma das cantoras brasileiras que nunca podem faltar por aqui é a Elizeth Cardoso, com certeza! E hoje, ouvindo este seu lp, “Disco de Ouro”, achei oportuno trazê-los para nossa lista. Lançado em 1974, este álbum é mesmo uma joia, uma deliciosa coletânea reunindo algumas das maiores interpretações da cantora ao longo de sua carreira. Destaque para o samba choro, “Naquela mesa”, música de Sérgio Bittencourt, na qual ele interpreta juntamente com Elizeth. 
Um segundo volume foi lançado algum tempo depois, também trazendo mais alguns de seus melhores momentos em discos. Confiram no GTM…
 
nossos momentos
apelo
canção de amor
preciso aprender a ser só
canção da manhã feliz
dá-me a tuas mãos
naquela mesa
sei lá mangueira
barracão
é luxo só
mulata assanhada
na cadência do samba
foi um rio que passou em minha vida
eu bebo sim
 
 

Gary McFarland – Soft Samba Strings (1966)

Boa noite, meus caros amigos cultos e ocultos! Além da ‘dobradinha 10-12’, também continuo postando, em doses homeopáticas, alguns títulos e artistas estrangeiros que de alguma forma tem a ver com a proposta do Toque Musical. E quando isso não ficar muito claro, entendam, é puramente por conta do meu gosto pessoal (hehehe…). Mas fiquem tranquilos, pois o foco aqui ainda é a musicalidade nacional 😉
Assim, hoje trago um lp que tem um pouco disso tudo, é de um artista estrangeiro, é um disco de jazz, é um disco que traz referências da música brasileira e acima de tudo, um disco que eu adoro e sempre o quis aqui em nossas listas. 
“Soft Samba Strings” foi um dos muitos e bons discos lançados nos anos 60 pelo compositor, arranjador, cantor e vibrafonista americano Gary McFarland. Ele foi um importante músico do jazz, gravando para os prestigiosos selos Verve e Impulse! durante os anos 60, período onde esteve mais atuante, sendo considerando um dos feras do chamado ‘jazz orquestral’. Durante essa década ele gravou, produziu e fez arranjos para muitos outros artistas e não somente para o jazz. Também fez trilhas para o cinema. Segundo a crítica, a ascensão de Mcfarland coincidiu com o surgimento da Bossa Nova, a qual muito o influenciou e lhe serviu de base para diferentes projetos. Ele morreu no início dos 70, aos 38 anos, envenenado, depois de tomar uma dose letal de metadona. Essa história nunca ficou bem esclarecida, não se sabe se foi suicídio ou se foi envenenado por alguém.
“Soft Samba Strings” foi gravado em 1966, pelo selo Verve e por aqui foi lançado em 1967, pela Copacabana Discos. Pelo título do disco já dá para imaginar a influência da bossa nova. O repertório traz uma série musical baseada em temas da música clássica, somado ao batido da nossa bossa nova. Há também nesse repertório “Manhã de Carnaval”, de Luiz Bonfá. É descaradamente um disco de Bossa Nova cuja sonoridade é bem familiar para nós brasileiros. Em 1967 McFarland gravou um outro álbum cujo título é “Soft Samba”, o qual eu até gosto mais, pois não é de todo orquestrado e conta com a participação de Antônio Carlos Jobim, no violão. Infelizmente, este é um dos discos dele que eu ainda não tenho. Talvez numa próxima oportunidade eu venha a publicá-lo por aqui também. Mas por enquanto, vamos ao “Soft Samba Strings”, tenho certeza de que vocês também irão gostar. Confiram no GTM…
 
full moon and empty arms
skylark
i know the meaning
manhã de carnaval
the lamp is love
reverie
these are the things i love
theme from 13
once we loved
our love
 
 
.

Suite TransBrasil (1972)

Muito bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Enfim, chegou setembro! Adoro este mês, afinal foi nele quem nasceu o meu criador, o pai do Augusto TM e do Toque Musical (hehehe…). Virginiano gente boa, aliás, qual não é, né? 🙂
Então, entrando num novo mês, seguimos em nossas postagens diárias. Para começar bem, eu trago um disco raro, produção ao que parece encomendada. Pelo visto um lp não comercial, lançado em 1972 pela Copacabana para o Banco do Brasil, certamente como brinde a seus associados, hábito muito comum naqueles tempos.
“Suíte Transbrasil” é um lp que nos traz uma peça de mesmo nome, criada por Omar Fontana com co-autoria de Luiz Vieira e do Maestro Moacyr Portes. Trata-se de uma homenagem a Transamazônica, a estrada federal, transversal, que corta cinco estados do norte e nordeste, com uma extensão de mais de 4 mil quilômetros. Foi ‘inaugurada’ em 1972, mas ainda hoje, em pleno 2021 ela não foi finalizada, tendo boa parte de seu percurso sem pavimento. A Transamazônica, ou BR-230 é bem a cara do Brasil, uma rodovia enorme. sonhada e cantada em versos, mas como o país, sempre eu altos e baixos de acordo com o governo do momento. Mas, na época em que estava sendo criada era mesmo um sonho, uma esperança, principalmente para a região e também era um feito para um governo militar que se gabava de uma obra faraônica que nunca chegou mesmo a se concretizar (literalmente).
Foi mesmo nessa época, quando da criação desta peça musical, que seus autores e pessoas envolvidas no projeto, tiveram a oportunidade de conhecer a Transamazônica e vivenciar de perto a experiência na floresta. Puderam também visitar uma aldeia indígena, que os ajudaram na inspiração desta composição. A Suite Transbrasil é uma peça em três partes (Transamazônica, Tumucumaque e Hino da Integração). Os arranjos e regência dessa peça são de Moacyr Portes. Há também a participação do Coral da Associação Coral de Florianopolis. Aproveitando o espaço-tempo de um lp, os produtores incluíram também outra músicas como “Maria Eugenia” e “Paz do meu amor”, de Luiz Vieira, o “Hino do Sesquicentenário da Independência”, de Miguel Gustavo e também a canção “Gente humilde”, de Chico Buarque e Vinícius de Moraes. Trata-se, sem dúvida, de um trabalho de grande sensibilidade musical, o disco, em si, é perfeito. Contudo, há nele um certo ranço, pois funcionou de peça publicitária do governo durante o regime militar, vendendo um progresso que nunca existiu. 
Em 2011, a artista visual gaúcha Romy Pocztaruk fez um vídeo, o qual se chamava também “Suíte Transbrasil”. Neste vídeo, ela coloca uma vitrola dentro de um aquário, a qual vai tocando a Suíte Amazônica. O observador acompanha a música e a vitrola ser pouco a pouco submersa pela água que vai enchendo o aquário, até se tornar totalmente inoperante. Um trabalho que critica, investiga e questiona o progresso e a decadência da rodovia Transamazônica.
 
transamazônica
tumucumaque
hino da integração
fantasia do ar
maria eugenia
paz do meu amor
hino do sesquicentenário da independência
gente humilde
 
 
.

Carnaval Do Rio (1956)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Nosso disco deste domingo é de carnaval, o carnaval dos anos 50 em um lp de 10 polegadas. “Carnaval do Rio” foi um disco lançado pela Copacabana, em 1956 trazendo um série de marchinhas, hoje, mais ainda, verdadeiros clássicos do carnaval. Para tanto, a gravadora recrutou um time de primeiríssima, a começar pelo ‘chefe da banda’, ninguém menos que Pixinguinha. E interpretando as canções que aqui seguem sem pausa entre elas, temos Gilberto Alves, Carmen Costa, Castro Barbosa, Jorge Veiga e Blecaute. E nessa sessão que mais parece um ‘pot-pourri carnavalesco’ temos…
 
o teu cabelo não nega
carolina
marcha do gago
eu quero é rosetar
vai haver o diabo
touradas em madrid
jardineira
cachaça
aurora
mamãe eu quero
sassaricando
cidade maravilhosa
 
.

Orquestra Milionários Del Rio – A Orquestra Milionários Del Rio Em Hollywood Nº2 (1963)

Muito bom dia a todos os amigos cultos e ocultos! Seguindo em nossa mostra de agosto, dentro do esquema 10-12 polegadas, hoje vamos de 12. E para tanto, eu trago para vocês este interessante lp da Orquestra Milionários Del Rio, comandada pelo maestro Pachequinho e tendo como destaque solista o pianista Chaim Lewak, músico israelense que viveu no Brasil durante um bom tempo, entre os anos 50 e 60, tocou em diversas boates e também gravou vários discos. E segundo comentam, acabou indo morar nos Estados Unidos. Este foi o segundo disco dessa orquestra, sendo que no primeiro o solista era um outro músico, outro pianista gringo, chamado Ronnie Will. Nos dois disco gravados por esta orquestra no início dos anos 60, são apresentados diversos temas que fizeram parte de filmes. Embora o título nos remeta a filmes americanos, de Hollywood, nem todos neste segundo volume são de filmes chamados ‘hollywoodianos’, muitos são filmes europeus. Mas isso pouco importa, oque vale aqui é a música e a competência e performance dessa excelente orquestra. Confiram no GTM…
 
theme from ‘the prize’
guitaras en la noche
it had better be tonight
a place called happiness
where do you run
je m’en fous
rome adventure
addio amore
it’s a mad mad mad mad world
house of sand
the love song of tom jones
the theme frp, lilies of the field
 
 
.

Heleninha Costa – Com Acompanhamento (1957)

Amigos cultos e ocultos, boa noite! Seguindo nessa ‘dobradinha’ dos discos de 10 e 12 polegadas, vamos hoje num de 10. Vamos com a cantora paulista Heleninha Costa. Um dos grandes nomes femininos da chamada ‘Era de Ouro do Rádio”. Atuou como cantora a partir dos anos 40 e já nos 50 era uma cantora famosa. Também foi bailarina, fazendo parte do elenco no Cassino da Urca e também no Cassino Quitandinha. Foi casada com Ismael Neto, do grupo “Os Cariocas”. 
Esta é a primeira vez que postamos aqui um disco inteiramente dela. Seus discos, na maioria, são bolachas de 78 rpm e este lp de dez polegadas foi o primeiro em 33 rpm. Aqui temos uma seleção de sucessos que ela cantava na Rádio Nacional. Disquinho bem bacana que merece nosso toque musical. Confiram no GTM…
 
desespero
quero dizer-te
valsinha do amor
sinfonia do samba
juca
eu já disse
amor brejeiro
o rio amanhecendo
 
 
.

Aloysio e Seu Acordeon – Carnaval No Tango (1957)

Olá, meus amigos cultos e ocultos! Há pouco mais de um mês resgatei um lote de discos de um vizinho, os quais estavam realmente indo para a reciclagem. Sorte foi eu ter interceptado esse descarte a tempo. Um bom lote de disco, onde (graças a Deus) quase tudo é produção nacional. Há discos que eu mesmo nem conhecia e confesso, estou mesmo apaixonado com esses disquinhos, em especial pelas capas, cada uma mais bonita que as outras. Acho que comecei uma nova coleção, com certeza!
E aqui temos mais um para a nossa ‘dobradinha alternada’. Vamos nessa com este interessante e curioso disco de Aloysio e seu acordeon. Estamos falando de Aloysio Figueiredo, pianista, acordeonista e arranjador, o qual já apresentamos aqui em um outro lp. Desta vez ele nos apresenta este disco chamado “Carnaval no Tango”, que nada mais é que uma adaptação de vários sambas carnavalescos clássicos em ritmo de tango. Realmente, ficou um coisa bem interessante. Geralmente, o que vemos são outros gêneros sendo adaptados ao samba, desta vez é ele, o samba, travestido de tango. Vamos conferir?
 
exaltação a mangueira
turma do funil
ressureição
quem sabe, sabe
fala mangueira
vai que depois eu vou
passarinho
obsessão
 
 
 

Ângela Maria – A Rainha Canta (1955)

Boa noite, prezados amigos cultos e ocultos! Tenho andado meio no atraso devido a problemas técnicos em nossa versão WordPress. Mas sempre que uma portinha se abre, olha nós aqui marcando presença 😉
Hoje tenho para você uma artista que há muito (e injustamente) não postamos, nossa querida Angela Maria. E aqui temos ela em seu primeiro lp pela Copacabana, seu primeiro disco de 33rpm. Este disco foi lançado em 1955 e nele as tradicionais oito faixas, sendo quatro relançamentos de versões em 78 rpm e outras quatros inéditas, lançadas. Um repertório praticamente todo de samba canção que ela interpreta acompanhada de orquestra. Confiram…
 
escuta
sempre tu
talvez seja você
foi um sonho
coisas do passado
rua sem sol
caminhos diversos
acordes que choram
 
.

Moacyr Silva E Seu Conjunto – Dançando Com Você (1956)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Enquanto ainda eu encontrar por aqui discos de 10 polegadas, irei nessa ‘dobradinha’ com os de 12′. Um dia um, um dia outro… E hoje é dia de 10 polegadas e aqui está Moacyr Silva, fabuloso saxofonista, o qual nós já tivemos a oportunidade de apresentar aqui no Toque Musical por outras vezes. E nesta, agora, temos ele em seu primeiro lp de 33 rpm. Um disquinho no estilo ‘dancing’. como era comum naqueles tempos, apresentando do lado A temas de sucesso internacional, como temas de filmes e do lado B ele dá lugar a produção de compositores brasileiros com quatro choros também representativos desse autêntico gênero nacional. Confiram no GTM…
 
unchained melody
you belong to me
you you you
hold mu hand
crepúsculo
é isso mesmo
cativante
fazendo visagem
 
.


 

Almir Ribeiro – Spot Light Nº2 (1958)

 
 
 
.
Boa noite aos amigos cultos e ocultos! Olha aí, mais um disco que eu jurava já tê-lo postado aqui no Toque Musical. Mas, assim como o Don Pablo de Havana, acabou ficando mesmo para os tempos de agora. Este também é outro disco que esteve rodando em vários blogues de um passado não muito distante. E para variar, acabei me confundindo e postei o disco errado. Na verdade, eu já havia postado o disco de 10 polegadas do Almir Ribeiro, na boate Cave. Assim, estou fazendo a correção e quem entra é este outro álbum do cantor, no caso, já um lp de 12 polegadas. Este disco foi lançado em 1958, um long play póstumo, pela Copacabana Discos. São gravações feitas para um programa de televisão da época chamado “Spot Light”. Nessas gravações, cujo o repertório é misto, como canções em português e em inglês, Almir vem acompanhado por orquestrações de Luiz Arruda Paes. Confiram no GTM…
 
joão valentão
da cor do pecado
spring is here
folha seca
valsa de uma cidade
with a song is my heart
risque
verão em veneza
hey there
dora
só louco
i believe
 
.

Paulo Alencar E Sua Orquestra – Melodias E Danças Das Américas (1961)

Olá, caríssimos amigos cultos e ocultos! Estou tentando não deixar a peteca cair, fazendo todo possível para não atrasar nas postagens e nessas, nas últimas semanas nos dedicamos a apresentar de maneira alternada, discos de 10 e 12 polegadas. E nessa, temos hoje um disco nota 10, uma bela raridade que enche os olhos e os ouvidos de colecionadores de verdade. Eis aqui um disco do músico, compositor, instrumentista, produtor, narrador e tradutor, Paulo Alencar. Um nome hoje pouco lembrado, mas ele foi um dos maiores divulgadores da música brasileira nos Estados Unidos. Antes, porém, Paulo Alencar foi um violonista clássico, famoso nos ‘States’, tendo tocado na Sinfônica da NBC, sob a regência de Arturo Toscanini. E seu nome verdadeiro era Isaac Feldman. Mas, devido a um acidente no braço direito, se viu impedido de seguir a brilhante carreira. Tornou-se um compositor, produtor, tradutor e narrador dos famosos jornais cinematográficos, como “A Voz do Mundo Paramount”. Para essa nova faceta, mudou também de nome passando a ser conhecido como Paulo Alencar. A história desse músico merecia um livro (se é que já não o fizeram). Mas no texto de contracapa deste lp há mais informações sobre ele. Paulo Alencar gravou outros vários discos, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos, onde vivia. “Melodias e Danças das Américas”, lançado pela Copacabana em 1961, foi um dos disco que ele gravou com sua orquestra, conforme nos esclarece o texto, quando esteve de passagem pelo Rio de Janeiro, em férias, aproveitando o momento para também produzir este disco de ritmos panamericanos, uma espécie de leque musical com diferentes gêneros da música brasileira preparados especialmente para o público americano. Um trabalho que seguia nos moldes de discos de sucesso da época que exploravam sons exóticos, tal como faziam Martin Denny, Arthur Lyman, Les Baxter, Esquivel e outros… É claro que não se trata de uma comparação, até porque, para nós brazucas, esse repertório nada tem de exótico. Mas naquele tempo, esses eram os discos ‘quentes’, apreciados por audiófilos em seus modernos aparelhos estereofônicos. A propósito, como podemos ver estampado na capa, este foi um dos primeiro lps realmente gravados em som estéreo e lançados no Brasil. Algumas das faixas deste disco são hoje em dia muito apreciada por dj’s estrangeiros, em especial “Capoeira na Pituba”, “El baion” e “Mulher rendeira”. Vale muito a pena conhecer este disco. Confiram no GTM…
 
capoeira na pituba
sarambá 
foi a noite
ai ai ai
meu grande amor (suzanne)
el baion
ternura antiga
pasillo colombiano
eterna lembrança
ninguém na rua
oba oba
mulher rendeira
 
.

Ary Barroso – Encontro Com Ary Barroso (1964)

“Meus amigos (cultos e ocultos). Este ‘long-playing’ é um documentário. Quero deixar às futuras gerações alguma coisa que o tempo não destrua. Muita gente, daqui a muitos anos – quem sabe? – irá ouvir falar no compositor popular Ary Barroso. Então, fazendo rodar este disco, poderá ouvir minha voz e meu piano. Não é um piano ‘virtuoso’ e nem uma voz de ouro. É o piano simples que me ajudou a descobrir harmonias. É a voz metálica dos microfones e dos ‘bate-papos’. Se o meu objetivo for estimado, então estarei perfeitamente tranquilo e compensado”.
Assim escreveu Ary Barroso na contracapa deste lp de 10 polegadas, lançado pela Copacabana em 1964. Acredito que este tenha sido um dos últimos discos de 33 rpm lançados no Brasil, pois já nesta época os vinis de 12″ eram a grande sensação e adotados por toda a indústria fonográfica brasileira. Mas este é, sem dúvida, um registro histórico, um disco que nessa altura merece ser colocado em um quadro, como uma lembrança deste que foi um dos maiores compositores brasileiros. Confiram no GTM…
 
trapo de gente
minha mágoa
risque
camisa amarela
na baixa do sapateiro 
rancho fundo
choro brasileiro
nem ela
aquarela brasileira
 
 
.

Betinho e Seu Conjunto – Betinho, Twist e Bossa Nova (1963)

Olá, meus amigos cultos e ocultos! Seguindo em nossa trilha sortida de discos e gravações raras, coisas que se escuta com outros olhos e coisa e tal… Temos mais uma vez em nossas listas, Betinho “o rei da noite” com seu conjunto, em disco do selo Copacabana, lançado em 1963. Sentido as mudanças no campo musical, Betinho e seu conjunto embala no twist e na bossa nova. Taí um disco bacana e diferentão, agrada tanto aos amantes da bossa, mpb, como também a turma do rock. De um lado temos o twist e destreza deste guitarrista que foi, sem dúvida, um dos maiores. Do outro lado ele pega de leve, cai na bossa nova e investe como o cantor. Bacana este disco, vale a pena conhecer.
 
anda
neurastênico
wadiya
twist watch
apache
a cachorrinha da madame
sambalanço bossa
sou feliz
garota sambalanço
beija-me
 

Lafayette E Os Grandes Sucessos (1983)

Boa noite, meus amigos cultos e ocultos! Cá estamos a começar mais um mês de postagens. Deixamos de lado um pouco os compactos, mas eles, assim como os cds, a qualquer hora podem voltar, sem restrições, com certeza! Começamos este mês de abril na mesma tristeza que temos vivido desde o início dessa pandemia, graças a esse maldito que está na Presidência. Mas eu não estou aqui para falar de miliciano genocida, este ainda vai pagar muito caro por tudo que tem nos feito passar. Nossa postagem de hoje, como todos já devem saber é em homenagem ao músico Lafayette, que infelizmente veio a falecer ontem, mais um vitimado pelo Covid-19. Creio que nem precisamos detalhar quem foi Lafayette, um pioneiro do orgão na música pop brasileira, atuou ao lado dos grandes nomes da música brasileira e em especial no período da Jovem Guarda. Sua marca registrada está no arranjo de teclado para o sucesso “Quero que vai tudo pro inferno”, de Roberto Carlos, em 1965. Além de ter acompanhado inúmeros artistas, também gravou muitos discos, boa parte deles pela CBS em sua série “Lafayette Apresenta os Sucessos”, que começou nos anos 60 e se estendeu na década seguinte. Foi redescoberto nos anos 2000 e em 2004, junto com um grupo de músicos e artistas da nova geração formaram o “Lafayette e Os Tremendões”, que era um grupo que fazia releitura das músicas de Roberto Carlos. Gravaram disco e fizeram muitos shows. 
Na falta momentânea de um de seus discos, acabei optando por esse ‘arquivo de gaveta’ que já tinha pronto por aqui. Trata-se de um lp que ele gravou em 1983, desta vez pelo selo Copacabana, uma seleção de sucessos desse período. Como em outros dos seus discos, este também é totalmente instrumental. Confiram no GTM…
 
uni duni tê
too late for goodbyes
whisky a go go
chuva de prata
leva
caminhoneiro
shy moon
careless whisper
nothing’s gonna change my love for you
i just called to say i love you
missing you
coração de estudante
 
.

Grupo Olho Nú (1981)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Os compactos e ‘singles’ são discos, geralmente de 7 polegadas. O nome compacto vem do fato do disquinho ser uma espécie de resumo de uma obra maior, no caso o ‘long play’, porém há disco de 7 polegadas que não são compactos, pois esses são originais, tendo sido criados apenas nesta versão. A indústria fonográfica antigamente usava muito do artifício do compacto para lançar músicas e artistas no mercado. De acordo com a aceitação do público e sucesso do disquinho, acabava virando lp. Porém, muita gente gravou apenas em discos compactos, seja porque não conseguiram o sucesso pretendido pela gravadora, seja por questões de recursos, ou mesmo pelo conceito do projeto. Nessa nossa mostra de disquinhos de 7 poleadas vamos encontrar um pouco de tudo isso. A única coisa que talvez a gente não encontre nos compactos/7 polegadas são informações sobre artistas e conteúdo, pois muitos desses disquinhos mal traziam as informações no próprio selo, pois as capas são genéricas. Mas há também os disquinhos com capa e esses geralmente não são resumos e sim obras originais, contudo e muitas vezes, também passamos pelo problemas de pouca informação. Aqui um bom exemplo, este disquinho do Grupo Olho Nú, lançado em 1981 pela gravadora Copacabana. Vejam vocês, neste caso temos a capinha ilustrada, com a imagem do grupo, nome das duas músicas e registros da fábrica e nada mais. Daí, você vai ao Google, pesquisa pelo nome e não encontra nada, nem no Youtube há referencias musicais. Mesmo assim, na insistência dessa postagem, o que podemos dizer é que se trata de um trabalho interessante que faz lembrar muito a música mineira. Talvez até sejam artistas mineiros, mas infelizmente não há nada onde se apoiar. Quem sabe, uma hora dessas, alguém do grupo nos envia um e-mail contando a história? Daí o Toque Musical reedita este texto. Toda via, o que podemos dizer é que vale a pena conhecer as duas músicas deste disco. Confiram no GTM…
 
estrelas lavadas
se o tempo
 
 
.