Brasil Bi Campeão (1962)

Outro disco curioso e interessante sobre copa do mundo. Desta vez temos uma edição do selo Copacabana sobre a Copa do Mundo de 1962, no Chile, quando então o time do Brasil faturou o bi- campeonato, levantando a lendária taça Jules Rimet. No disco temos registros das narrações transmitida pela Rádio Panamericana e também a marcha de Oswaldo Rodrigues, “Parabéns Bi-Campeões”.Para quem gosta de futebol e de boas recordações, eis aí um raro momento. Confiram…
 

parabéns bi-campeões – oswaldo rodrigues

Eduardo Assad – E As Menestreis Renée E Ederly (1984)

Outra vez marcando presença em nosso Toque Musical, Eduardo Assad em mais um dos muitos lps que gravou. Aqui temos ele com as cantoras Renée e Ederly, as suas novas menestréis, que dão um ar mais pop a essa produção. Disco lançado em 1984 pelo selo Copacabana.
 
miguel de deus
break de amor
swan lake
concerto pour une voix
feelings
tema das bonecas
love is blue
i like chopin
piano
funk samba
polonaise a-dur
 
 

Juventude Em Guarda (1967) 

Seguindo em nossas postagens, aqui mais um lp interessante, editado Copacabana em 1967. Uma coletânea de lançamentos em compactos, aqueles disquinhos de sete polegadas muito comuns no auge do disco de vinil. A Copacabana, assim como todas as grandes gravadoras, investiam no disco compacto como forma de pré-lançamentos e de apresentação de um artista. A forma certa de levar ao público suas novidades. Neste lp temos reunidos cinco conjuntos da fase Jovem Guarda: The Jordans, Os Aranhas, The Jet’s ,The Clevers e The Fellows, todos com seus compactos, como se pode ver na contracapa do disco, lançados talvez naquele mesmo ano de 1967. Uma bela amostragem dos grupos jovens do ‘cast’ da gravadora. É nessa hora que a gente vê que num lp de 12 polegadas se pode ter até seis compactos. 😁
 
winds of barcelona – the jet’s
marionetters – the jordans
porque você não vem – the clevers
snobou – the fellows
susie q – the jordans
brotinho não se iluda – os aranhas
toda noite sonho – os aranhas
la la la – the clevers
cadillac – the jordans
resposta do céu – the follows
vivo só – the jet’s
não quero mais te amar – the clevers
 
 
.
 
 

Ary Fontoura E Odelair Rodrigues – Os Versáteis (1964)

Começando mais um mês de postagem, abril, abrimos as cortinas do nosso palco para os atores, Ary Fontoura e Odelair Rodrigues, figuras que ainda hoje estão presentes em nossa memória, principalmente o Ary, ator ‘global’ que protagonizou diversos personagens de novelas. 
Como cabe sempre ao nosso Toque Musical, aqui postamos todo tipo de curiosidades fonográficas. E hoje temos este lp lançado pelo selo Copacabana, em 1964, onde os dois atores nos apresentam diferentes quadros humorísticos e musicais, coisa bem comum naqueles tempos onde as gravadoras também investiam nesses gêneros. Aliás, as gravações fonográficas também se prestavam a isso, além da música, se vendia em discos humor, histórias, poesia, política e até curso de línguas. Afinal, o disco era então um dos melhores suportes de comunicação, chegando inclusive onde nem o rádio ou a televisão conseguiam chegar. Bastava existir um toca-discos. Hoje a coisa não é mais assim e em disco só se houve música, o suporte clássico que voltou a brilhar.
Mas eis, então, nossa curiosidade, coisa que só teremos a oportunidade de ver, ouvir e conhecer na íntegra em espaços como aqui. Este lp já foi postado em outras ‘praças’ e por certo, não poderia faltar também no Toque Musical. A contracapa do disco já traz todas as informações complementares e ainda assim, se for pouco, basta dar uma ‘googada’ que resto chega até vocês 😉
 
abertura (com orquestra)
traillers
superstição
piadas
deputado
dr. pomposo
conselho da vovó
não importa
discussão
enigma
tudo pra mim é você
mais uma valsa, mais uma saudade
 
 
 
 

Black-Out Com Conjunto (1956)

Hoje vamos com o “General da Banda”, outro apelido para Otávio Henrique de Oliveira também conhecido por “Black-Out”, ‘Blackout” e “Blecaute”, derivações que foram surgindo ao longo da carreira e dos discos deste lendário cantor e compositor que gravou dezenas de discos entre bolachas de 10 polegadas com duas músicas até lps de 10 e 12 polegadas. Teve uma sólida carreira, atuando dos anos 40 até os anos 70. Gravou muitos sambas, boleros, toadas e músicas carnavalescas. Aqui temos dele um dos seus primeiros lps de 10″, trazendo oito músicas originalmente lançadas em bolachas do selo Copacabana, em 1956. 
 
agarradinho
minha senhora
que será
cabrocha
vou me embora sá dona
linguagem do povo
use a cabeça
caridade
 
 
.

Betinho E Seu Conjunto (1955)

Nossas postagens estão um verdadeiro ‘drops sortido’, atirando para todos os lados, agradando gregos e troianos. E desta vez temos aqui Betinho e seu conjunto (Alberto Borges de Barros), um dos pioneiros da guitarra elétrica e por conta disso, associado ao rock’n’roll, o que em parte não deixa de ser uma verdade, pois foi também um dos primeiros a ecoar o ‘balanço’ por aqui. Já tivemos a oportunidade de apresentar outros discos dele no Toque Musical. Agora trazemos este que foi seu primeiro lp, em 10 polegadas, disco este que não passa de uma junção de outros discos anteriores lançados pelo artista ainda em bolachas de 78 rpm, como duas música, como era de costume. Neste, o que temos é uma seleção de baião, mambo, choro e fox, ritmos de sucesso naqueles tempos. Vale conferir no GTM…
 
baião e sobremesa
batuca jojo
burrinho leiteiro
lig-le no baião
betinho no choro
neurastênico
corridinho 1951
 
 

Ismael Carlos (1980) 

A vez do brega… do popular… E aqui, porque não dizer, da curiosidade. Afinal, como entender o brega sem realmente conhecê-lo? Então, temos nesta postagem um compacto do Ismael Carlos, figura que eu só vi uma vez, no programa do Bolinha 🙂 mas sei que ele fez sucesso na década de 80 e lançou alguns discos. Neste compacto temos duas músicas que embalaram o gosto popular tornando-se grandes sucessos, hoje, clássicos do autêntico brega-romântico…
 
fofoqueira
a sogra
 
 
.

Carnaval Do Bom Humor (1961)

Mais uma curiosidade carnavalesca. Desta vez temos aqui uma seleção de cantores-humoristas interpretando 16 marchinhas. Músicas de carnaval, naturalmente, são bem humoradas e neste lp, da Copacabana, lançado para o carnaval de 1961 a ideia era colocar nesta série de marchinhas as vozes de diferentes artistas do riso, seja do circo, do teatro, do rádio, cinema ou televisão. Entre as músicas escolhidas, ressalta o texto, apenas a música “O bom menino”, sucesso do palhaço Carequinha, foi adaptada para marcha. Participam do disco artistas que hoje poucos hão de lembrar, figuras como Carequinha, Arrelia e Pimentinha, Zé Pinguinha, Seu Ouvelindo, Fuzarca e Torresmo, Moacyr Franco e Izabel Camargo.
 
o bom menino
velho bossa nova
mustafá
o que foi que eu fiz?
psicoteste
só tem tan tan
lá em casa todo mundo ó…
obrigado, minhas fãs
a careca do careca
seu ouvelindo
que quero me casar
tá louco seu
tá de colher
dona didi
conta de mentiroso
bicho da cara preta
 
.

Carnaval No Rio (1960) 

Para não haver enganos, aqui vai um outro disco de carnaval com o mesmo título, “Carnaval no Rio”, da postagem anterior. Por certo deve haver outros com o mesmo nome, mas o que muda é o ano, a gravadora e claro, os artistas e repertório. No caso aqui, temos uma seleção carnavalesca de 1960, lançada pela Continental e assim como a Todamerica e outras, ela reúne alguns artistas de seu ‘cast’ para apresentar a seleção daquele ano. Nesse, temos uma seleção muito boa com diversos e alguns raros artistas por aqui…
 
miss petrolina – homero marques
feche a porta – jamelão
naquela base – orlando correa
não quero mais sofrer – risadinha
carnaval na rua – araci costa
na base do amor – bill farr
a tabajara em joão pessoa – orquestra trabajara
me dimira muito – ronald golias
cacareco é o maior – risadinha
favela amarela – araci costa
nesta eu não vou – bill farr
perdi você – jamelão
vai saudade – orlando correa
o crides – ronald golias
 
 
.

Belkiss Carneiro De Mendonça – Panorama Da Música Brasileira Para Piano Vol. II (1977)

três estudos em forma de sonatina – op. 62
toccata
ciranda nº 13
à procura de uma agulha
a prole do bebê nº 2
o boizinho de chumbo
a prole do bebê nº 2
o passarinho de pano
homenagem a arthur rubenstein
lenda sertaneja nº 8
três miniaturas para piano
sonata
 
 
.

O Grupo Coisa E Tal (1971)

Boa hora, amigos cultos e ocultos! Eis aqui um disco que faltava em nossa coleção. Não sei bem porque razão até hoje eu não o postei. Talvez porque o arquivo estava incompleto. Já tive este disco nas mãos, mas acabei por não fazer o que sempre faço, digitalizar, fotografar capa e selos. Acho que não o postei mesmo por conta de estar faltando a parte interna, este lp, originalmente, era de capa dupla e é justamente no seu interior que vamos encontrar um texto informativo sobre O Grupo e Coisa e Tal… Eu até acreditava que este seria mais um disco de um outro conjunto chamado O Grupo, o qual também já postamos aqui. Mas agora, vejo que estava enganado, nada a ver. Este é outro e aqui no caso, formado por sete elementos: Quartin (orgão, piano e vocal), Renato (baixo e vocal), Roberto (bateria e vocal), Márcio (sax, flauta e clariquete), Carlinhos (guitarra e vocal, Jayme e Maurício (ritmo e vocais). Conforme o texto de apresentação de Sérgio Bitencourt, que também assina duas das faixas do disco, trata-se de um grupo de ocasião, ou seja, um grupo de músicos que se juntam despretensiosamente para gravarem um disco com músicas que eles mesmos escolheram. E em se tratando de artista de alto nível, inevitavelmente oque temos aqui é um repertório da melhor qualidade. como se pode ver na relação a baixo e na contracapa do lp. Confiram, os que ainda não o conhece…
 
socorro
vera verinha
yara bela
la vai ela
canção pra inglês ver
vogue
não te conheço não
senhores do mundo
matilda
bloco da solidão
o problema dela
e coisa e tal
 
 
.

Tico Tico – Tico-Tico No Galho Seco (1963)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Segue o baile… Hoje temos para vocês, “Tico-tico no galho seco”, lp lançado pelo selo Continental, em 1963, trazendo o cavaquinista Tico-Tico em seu primeiro disco. Um álbum muito bem produzido e ao que consta, com o apoio do grande Altamiro Carrilho. São doze músicas, sendo quase todas de autoria do próprio Tico-Tico. Confiram no GTM…
 
a moçada no samba
tragédia de bolso
orgulhosa
cavaquinho transviado
seus olhos
venina
marlene
na corda bamba
harmonioso
18×24
desiludido
doidinho
 
 
.

Paulo Diniz (1967)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Estávamos nos embalos fonomusicais de compactos portugueses, mas resolvi dar uma pausa nessa mostra. Em nova oportunidade eu trarei mais discos dos irmãos portugueses. Por hora ficamos aqui, mas também, ainda num compacto, quero prestar hoje a nossa homenagem ao artista pernambucano Paulo Diniz. Autor de grandes sucessos da música popular brasileira que, infelizmente veio a falecer ontem, dia 22 de junho. Por certo, não vi tanta comoção com a passagem deste artista, oque prova que a cada dia o Brasil perde um pouco da sua memória. O mesmo vale para tantos outros grandes nomes que partiram recentemente, como foi o caso do João Gilberto que teve mais repercussão fora do que dentro do Brasil. Nós aqui do Toque Musical também não fizemos menção ao falecimento do João, porém, ainda estamos programando mais uma postagem para ele, aguardem… Mas hoje, aqui, nossa atenção é para o Paulo Diniz, um artista que já apresentamos, inclusive o seu primeiro lp, no qual constam as músicas deste disquinho compacto. Duas versões, para “Western Union”, aqui chamada de “O telegrama” e “Seria bom”, uma antiga valsa que ganhou letra e virou pop da Jovem Guarda. 
Logo que as coisas folgarem por aqui, vamos trazer um lp do Paulo Diniz. Por hora, apenas essa lembrança, que vocês encontram no GTM.
 
o telegrama
seria bom
 
 
.

Bandinha Do Irio – Quermesse (1957)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Por mais que eu diga que para alguns discos, os que trazem um texto na contracapa, eu não farei apresentações, resenhas e coisa e tal…, acabo me vendo obrigado a ‘pitacar’ algumas palavras, como no caso deste lp “Quermesse”, de 1957, um disco de 10 polegadas lançado pelo selo Copacabana. Conforme o texto, trata-se de uma seleção musical típica das bandinhas de coreto, das quermesses que ainda hoje vemos por aí, em cidades do interior do Brasil. São dobrados e valsas que já embalaram muitas manhãs de domingo em praças por aí. Sobre a Bandinha do Irio, não há nenhuma informação, ficamos sem saber se Irio é o nome do maestro. Apenas são citados os nomes de Irvando Luiz, que é o produtor e idealizador do projeto e Ubaldo de Abreu como arranjador. Por certo, não acrescentamos nada aqui além da dica, do toque musical para este curioso disquinho que de qualquer forma merece a nossa atenção. 
 
quermesse
irmãos querolo
geni silva
aluisio dos santos
capitão barduíno
coronel braulio guimarães
boêmio
marlene
visconde de guarapuava
itu berço da república
 
 

Carmen Costa Nº 2 (1957)

Boa hora, prezados amigos cultos e ocultos! Como já informado, não teremos mais nossas resenhas preguiçosas. Já nem temos mais o amigo Samuca e para piorar, o amigo Augusto aqui nem sempre está disposto e/ou disponível para essa nossa tarefa que busca ser diária. Deixemos as resenhas para discos como este, cuja contracapa não há informações além da lista de músicas.
Aqui temos a grande Carmen Costa, uma cantora que surgiu, apresentada por Francisco Alves e incentivada por Carmen Miranda. Foi vencedora no programa de calouros de Ary Barroso e logo passaria a cantar em dupla com o cantor Henricão. Passou uma boa temporada nos Estados Unidos, onde foi viver, ainda nos anos 40, quando se casou com um americano. Voltou ao Brasil nos anos 50, passando a manter um relacionamento com o compositor Mirabeu Pinheiro, com quem teve uma filha. Gravou dezenas de discos e também participou de outros, tanto aqui no Brasil como fora. Era considerada a Embaixatriz do Samba. Participou do lendário show da Bossa Nova, no Carnegie Hall, em Nova Iorque. Também participou de vários filmes no auge de sua carreira, nos anos 50 e 60.
Neste lp de dez polegadas, o segundo lançado por Carmen através do selo Copacabana, em 1957, temos um repertório extraído de discos de 78 rpm gravados por ela nesta gravadora mais ou menos na mesma época.
 
senhoras e senhores
bairro pobre
devo a vocÊ
só falo de amor
almas irmãs
não uses borracha
vaidade
estrada linda
 
 
.

Luiz Ayrão – Alegria Geral (1984)

Boa tarde, companheiros, amigos cultos e ocultos! Eis um artista que por aqui, até hoje, só postamos músicas individuais presentes em coletâneas. Só vim a dar conta disso, quando o amigo Fáres me pediu sua discografia e para variar percebi que não tinha nada deste compositor, cantor e sambista, a não ser este lp que hoje apresentamos a vocês.
Luiz Ayrão, para quem não sabe, é filho do compositor Darcy Ayrão e sobrinho do saxofonista Juca Azevedo, com quem veio a conhecer grandes nomes da da nossa música e de onde nasceria seu desejo de também se tornar um compositor. Cresceu num ambiente musical, o que lhe garantiu um bom começo. Suas primeiras composições foram gravadas por Roberto Carlos, mas também fez música para muitos artistas da Jovem Guarda. Seu primeiro sucesso veio num compacto lançado em 1973, o samba “Porta aberta”, o que lhe garantiu em seguida o primeiro lp. Daí por diante, Luiz Ayrão se consagraria como cantor e compositor, passando a gravar vários discos e também a lançar vários outros sucessos. Se tornou mais conhecido com um sambista, por conta de suas composições serem quase sempre nesse gênero. “Alegria Geral” foi seu décimo primeiro disco e nele vamos encontrar também muito samba, cabendo também espaço para baião, frevo, choro e canção romântica. Um disco bem honesto, que embora não tenha um sucesso de destaque, traz uma seleção quase toda de composições autorais que agrada em cheio. Confiram no GTM….
 
é da juventude
um sou eu
brisa errante
venho velho
aventureiro
café amigo
dez mandamentos para um povo feliz
cadê iaiá
roqueiro
ausência
gatice
eu o rei você a rainha
 
 

Um Show De Bossa Em Bossa Copa (1965)

Boa tarde a todos, amigos cultos e ocultos! Recentemente nós postamos aqui um compacto do Bossa Trio e chegamos a comentar a respeito do selo, o Bossa-Copa, criado pela gravadora Copacabana no intuito de dar vazão a uma música mais moderna que veio a surgir a partir da Bossa Nova. Para tanto, criou o selo e foi em busca de artistas que se despontavam ao ritmo da Bossa Nova. Lançou, primeiramente, em compactos e na sequência veio este lp, “Um Show de Bossa em Bossa-Copa”, que reúne sete desses artistas, uma coletânea que funcionava como um ‘menu’, onde o ouvinte tem a oportunidade de em um só disco conhecer melhor esses artistas. A ideia, talvez, seria a de posteriormente lançar cada qual em um lp, mas parece que a coisa ficou apenas neste long play e em alguns compactos. No texto de contracapa deste lp vocês irão encontrar uma informação mais detalhada. O certo é que temos aqui um disco dos mais interessantes no qual desfilam em suas faixas Cecy, Lita, Miriam Ribeiro, Jorge Nery, Jorge Eduardo, Carlos Sodré e o Banzo Trio. Este último também acompanha alguns dos artistas aqui citados. Disco bem bacana que talvez poucos conheçam, embora já tenha sido postado em outros blogs e também em outra época. Não deixem de conferir no GTM…
 
garota moderna – banzo trio
terra de ninguém – banzo trio
timbó – jorge eduardo
eu só – cecy e banzo trio
andorinha – carlos sodré
preciso aprender a ser só – jorge nery
gente – banzo trio
menino do sertão – cecy e banzo trio
disa – jorge nery
pot-pourri de sambas – lita e banzo trio
se fosse com você – carlos sodré
zé do talarico – miriam ribeiro e banzo trio
canção do seu olhar – jorge eduardo
 
 
.

Bossa Trio – Compacto (1965)

Boa hora a todos, amigos cultos e ocultos! Olha aí, mais um disquinho raro para colecionadores de Bossa Nova. Eis aqui um compacto de uma série quase obscura, lançada pela Copacabana na primeira metade dos anos 60, o Bossa Copa, um selo destinado exclusivamente a artistas e grupos voltados para a então moderna Bossa Nova. Durante o ano de 1965 foram lançados pela Copacabana vários compactos com diferentes artistas, nomes já na época pouco conhecidos e que ao longo do tempo acabaram esquecidos, assim como foram esses trabalhos, essa série de compactos. Ao que parece, a ideia da gravadora seria inicialmente lançar esses artistas em compactos para depois lançar seus lps individuais. Mas, acabou ficando somente em um disco, no qual reunia toda essa turma, o lp, “Um Show de Bossa em Bossa Copa” editado em 1966. Logo que passar a onda do compactos vou postar esse disco aqui, Por hora, nessa boa hora, vamos com o compacto duplo do Bossa Trio, um autêntico conjunto de bossa-jazz do qual faziam parte Cassiano, seu irmão Camarão e o amigo Amaro, que a partir de 1969 se transformariam em Os Diagonais, mudando do samba jazz para a ‘soul music’. Eles também, nessa época entrariam como banda de apoio de Tim Maia. Confiram o disquinho no GTM…
 
tem dó
bossa trio tema
feio não é bonito
chuva
 
 
.

 

 

Carequinha – Com A Bandinha De Altamiro Carrilho E Coro (1960)

Bom dia, caros amigos cultos e ocultos! Em uma outra mostra de compactos aqui do Toque Musical, postamos um disquinho do palhaço Carequinha, com a promessa de que postaríamos outro numa nova oportunidade. Olha ela aqui… 🙂 Desta vez trazemos um dos seus discos que mais fez sucesso, principalmente por conta da faixa “O bom menino”, música que fez muito sucesso e ainda hoje é lembrada, principalmente pela criançada que hoje está com mais de 50. Mas, neste compacto duplo temos ainda outros sucessos que marcaram época, inclusive no carnaval. As marchinhas que o Carequinha lançava acabavam virando músicas também de carnaval. Neste disquinho, nosso querido palhaço, como de costume, vinha acompanhado pelo grande Altamiro Carrilho e sua bandinha. Altamiro, inclusive é o autor de vários desses sucessos, em parceria com Miguel Gustavo e Irany Oliveira. Este compacto é ainda da fase dos disquinho em 45 rpm, ou seja, dos primeiros fabricados no país, trazendo no centro do selo o furão, típico dos compactos impostados. Certamente, foi lançado em 1960, ou 61. Fica a dúvida… 
 
o bom menino
carnaval do jk
história do gago
fanzoca de rádio
 
 
.

Durval Ribeiro E Seu Conjunto E Odysséa – Daqui E Dali (1959)

Olá, caros amigos cultos e ocultos! Hoje tenho aqui para vocês este raro lp lançado em 1959, pelo selo Copacabana. Trata-se de um disco bem interessante no qual temos o pianista Durval Ribeiro e seu conjunto. Durval trabalhou em rádio e televisão, fez parte de várias orquestra e também tocava na noite (paulista), como era comum a todo músico naqueles tempos. Foi um músico muito atuante nos anos 50 e 60. Aqui temos o que foi o seu primeiro e talvez único lp, ou seja, o disco que ele gravou com este seu conjunto formado especialmente para essas gravações. No álbum também temos como destaque a cantora Odysséa que aqui aparece interpretando quatro das faixas que são cantadas. Odysséa foi uma excelente cantora e isso se percebe em sua interpretação neste disco. Infelizmente, não há na internet mais informações sobre essa cantora, sabemos apenas que ela atuou também em outros discos como crooner para outros conjuntos e orquestra. “Daqui e dali” é um trabalho bem interessante no qual temos  no repertório temas variados, nacionais e internacionais, sendo algumas faixas, músicas de autoria do próprio grupo. Uma boa pedida, um bom toque musical, podem conferir…
 
daqui e dali
sweetly
meu tema
eu sei que vou te amar
garoto travesso
veocê
toselli no samba
hymne a l´amour
mestiça
suas mãos
halen noturno
fita amarela
 
 
.
 

Sylvio Vianna E Seu Conjunto De Dancas (1956)

Muito bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Tenho hoje para vocês um disquinho de 10 polegadas. Um lp que já pela capa nos chama a atenção, no mínimo, muito divertida. Aqui temos Sylvio Vianna e seu conjunto de danças. Sylvio Vianna era um pianista, gaitista e vibrafonista que fez muito sucesso em casas noturnas do Rio de Janeiro. Ele fez parte do conjunto de Dick Farney e posteriormente formou seu próprio conjunto no qual fazia o que todos os músicos/artistas da época faziam, música para dançar. Este foi o primeiro lp que Sylvio Vianna e seu conjunto de danças gravou. No repertório ele traz um leque misto de composições nacionais e internacionais, bem comuns naqueles anos 50 e claro, feito para dançar. O diferencial está mesmo nos arranjos e num conjunto instrumental único. Vale a pena conferir…
 
moritat
fita meus olhos
arrivederci roma
o alegre assobiado
folha morta
love is a many splendored thing
historia de un amor
balão do sino
 
 
.

Waldir Calmon E Seu Conjunto – Chá Dançante (1957)

Boa hora, caros amigos cultos e ocultos! Em outros tempos, tempos de juventude, eu tinha uma preguiça do Waldir Calmon. Aliás, não necessariamente dele, mas desse som dançante de boate dos anos 50 e de uma certa forma o Waldir Calmon representava bem isso. Lá em casa sempre teve muitos discos dele e creio que talvez tenha sido por isso. Eu achava esses discos coisa de velho e na verdade eram. Tem coisas que a gente só descobre quando está maduro. Eis que hoje em dia eu tenho quase que a sua discografia e inevitavelmente aprendi a gostar ouvindo nas minhas digitalizações. E inevitavelmente eles acabam vindo parar aqui. Eis mais um, este de dez polegadas, lançado pela Copacabana em 57, repertório essencialmente de música estrangeira, feita para dançar. Vamos conferir aqui…
 
aimer comme je t’aime
hold my hand
luna rossa
amendoim torradinho
samba do perroquet
caribbean moon
love me or leave me
blem blem blem
hermando’s hideway
 
.
 
 

Dolores Duran – Dolores Viaja (1955)

Muito bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Seguimos nossa viagem musical, desta vez trazendo a grande Dolores Duran que aqui se destaca somente como intérprete, o que nos prova que ela, além de uma excelente compositora era também perfeita como cantora. E neste disquinho, lançado pela Copacabana em 1955 ela não apenas canta muito bem, como também o faz em oito idiomas, ou seja, cada faixa deste disco de dez polegadas ela nos apresenta um tema em uma língua diferente, cabendo inclusive uma canção em esperanto, uma versão da famosa canção portuguesa “Coimbra”. Bem interessante e ao que parece foi a primeira vez que uma música nesta língua foi gravada em um disco comercial. Nos anos 60 foi lançado um disco com vários artistas cantando em esperanto, o qual também nós já postamos aqui. Confiram…
 
sinceridad
ma cabane au canada
kaiser waltzer
no other love
nigraj manteloj
vieni sul mar
ojos verdes
canção da volta
 
 
.

Elizeth Cardoso – Disco De Ouro (1974)

Olá, amigos cultos e ocultos! Uma das cantoras brasileiras que nunca podem faltar por aqui é a Elizeth Cardoso, com certeza! E hoje, ouvindo este seu lp, “Disco de Ouro”, achei oportuno trazê-los para nossa lista. Lançado em 1974, este álbum é mesmo uma joia, uma deliciosa coletânea reunindo algumas das maiores interpretações da cantora ao longo de sua carreira. Destaque para o samba choro, “Naquela mesa”, música de Sérgio Bittencourt, na qual ele interpreta juntamente com Elizeth. 
Um segundo volume foi lançado algum tempo depois, também trazendo mais alguns de seus melhores momentos em discos. Confiram no GTM…
 
nossos momentos
apelo
canção de amor
preciso aprender a ser só
canção da manhã feliz
dá-me a tuas mãos
naquela mesa
sei lá mangueira
barracão
é luxo só
mulata assanhada
na cadência do samba
foi um rio que passou em minha vida
eu bebo sim
 
 

Gary McFarland – Soft Samba Strings (1966)

Boa noite, meus caros amigos cultos e ocultos! Além da ‘dobradinha 10-12’, também continuo postando, em doses homeopáticas, alguns títulos e artistas estrangeiros que de alguma forma tem a ver com a proposta do Toque Musical. E quando isso não ficar muito claro, entendam, é puramente por conta do meu gosto pessoal (hehehe…). Mas fiquem tranquilos, pois o foco aqui ainda é a musicalidade nacional 😉
Assim, hoje trago um lp que tem um pouco disso tudo, é de um artista estrangeiro, é um disco de jazz, é um disco que traz referências da música brasileira e acima de tudo, um disco que eu adoro e sempre o quis aqui em nossas listas. 
“Soft Samba Strings” foi um dos muitos e bons discos lançados nos anos 60 pelo compositor, arranjador, cantor e vibrafonista americano Gary McFarland. Ele foi um importante músico do jazz, gravando para os prestigiosos selos Verve e Impulse! durante os anos 60, período onde esteve mais atuante, sendo considerando um dos feras do chamado ‘jazz orquestral’. Durante essa década ele gravou, produziu e fez arranjos para muitos outros artistas e não somente para o jazz. Também fez trilhas para o cinema. Segundo a crítica, a ascensão de Mcfarland coincidiu com o surgimento da Bossa Nova, a qual muito o influenciou e lhe serviu de base para diferentes projetos. Ele morreu no início dos 70, aos 38 anos, envenenado, depois de tomar uma dose letal de metadona. Essa história nunca ficou bem esclarecida, não se sabe se foi suicídio ou se foi envenenado por alguém.
“Soft Samba Strings” foi gravado em 1966, pelo selo Verve e por aqui foi lançado em 1967, pela Copacabana Discos. Pelo título do disco já dá para imaginar a influência da bossa nova. O repertório traz uma série musical baseada em temas da música clássica, somado ao batido da nossa bossa nova. Há também nesse repertório “Manhã de Carnaval”, de Luiz Bonfá. É descaradamente um disco de Bossa Nova cuja sonoridade é bem familiar para nós brasileiros. Em 1967 McFarland gravou um outro álbum cujo título é “Soft Samba”, o qual eu até gosto mais, pois não é de todo orquestrado e conta com a participação de Antônio Carlos Jobim, no violão. Infelizmente, este é um dos discos dele que eu ainda não tenho. Talvez numa próxima oportunidade eu venha a publicá-lo por aqui também. Mas por enquanto, vamos ao “Soft Samba Strings”, tenho certeza de que vocês também irão gostar. Confiram no GTM…
 
full moon and empty arms
skylark
i know the meaning
manhã de carnaval
the lamp is love
reverie
these are the things i love
theme from 13
once we loved
our love
 
 
.