Augusto Frederico Schimidt – Abgar Renault – Poesias (1956)

Boa noite, meus caríssimos amigos cultos e ocultos. Hoje vou destoar um pouco da música, dos latinos, das orquestras e coisa e tal. Mas vou manter a sequencia 10-12 polegadas. Hoje eu escolhi postar um disco de poesia. Poesia sempre me leva a reflexão e embora não sejam essas exatamente as que eu encontre um sentido, por outra, me confortam apenas por serem poesias. E no fundo, de algum verso a gente sempre tira um sentimento, uma correlação, uma mensagem, sei lá… nos conforta.
Aqui temos um disquinho de dez polegadas, do selo Festa, que muito fez pela poesia, sendo talvez o primeiro selo a se dedicar com quase total exclusividade ao registro de produções poéticas. Como todos sabem, já postamos muitos por aqui e hoje temos esses dois grandes poetas brasileiros, Augusto Frederico Schimidt e Abgar Renault.
Confesso que essa escolha foi mais, movida por uma certa melancolia, uma tristeza que agora no fim da tarde tomou conta de mim. É muito ruim ver alguém sofrendo e não poder fazer nada para ajudar, principalmente quando é um grande amigo. Chega a ser angustiante para mim. Me sinto amarrado sem poder ajudar. Daí, só me resta rezar, pedir a Deus que aplaque este sofrimento e que acenda a luz da esperança.
Desculpem, hoje eu me sinto totalmente desestimulado. O momento, em parte, não é bom. Mas mesmo não acreditando, da forma como a maioria das pessoas acreditam, peço a Deus a sua intervenção. Rezo por um grande amigo, cujo a alegria e sorte neste ano a vida lhe tem roubado. Desculpem… precisava desabafar 🙁
 
morte da índia – augusto frederico schimidt
quando – augusto frederico schimidt
núpcias nº2 – augusto frederico schimidt
noiva – augusto frederico schimidt
os príncipes – augusto frederico schimidt
história da borboleta branca – augusto frederico schimidt
o passaro – augusto frederico schimidt
soneto – augusto frederico schimidt
omnia fluunt – abgar renault
última thule – abgar renault
claro e escuro – abgar renault
o caminho espera – abgar renault
como quem pede uma esmola – abgar renault
manhã – abgar renault
 
 
.

Manuel Bandeira – In Memoriam (1968)

Muito bom dia, meus caros e prezados amigos cultos e ocultos! Aqui estamos nós de volta a poesia e em especial ao grande poeta Manuel Bandeira. Depois de termos postado há menos de um mês atrás um lp do Manuel Bandeira e Sérgio Milliet, muitas pessoas mandaram e-mail pedindo mais discos dele. Por acaso, temos este, herança do vizinho. Aqui, um lp de 12 polegadas lançado em 1968 pelo selo Festa. Um disco póstumo, lançado alguns meses depois, no ano em que faleceu o poeta. Aqui temos reunidas as gravações que ele fez para o selo Festa, incluindo os poemas do disco anterior. Então, vamos conferir?
 
a chave do poema
evocação do recife
berimbau
pneumotorax
estrela da manhã
canção do vento e da minha vida
rondo dos cavalinhos
boi morto
profundamente
noturno do morro do encanto
o último poema
vou me embora para  passargada
consuada
última canção do beco
os sinos
modinha
 
 
.

Manuel Bandeira E Sérgio Milliet – Poesia (1958)

Boa noite, meus caríssimos amigos cultos e ocultos! Coisa que há tempos eu não publico aqui são os discos de poesia, que sempre fazem muito sucesso, principalmente os discos lançados pelo memorável selo Festa. Da série produzida por essa gravadora nós já apresentamos vários e agora temos mais um, desta vez apresentando dois outros grandes escritores e poetas, Manuel Bandeira e Sérgio Milliet. Como de costume, cada lado do disco é dedicado a um poeta. Confiram, pois se tem uma coisa rara de se encontrar disponível na internet são esses discos de poesia lançados nos anos 50. 
 
Sérgio Milliet:
paisagem italiana
longetudes
que nada recorde nada
o morto
bem da gente
o mar outrora
lembrança
tristeza
vazio
sob o signo da virgem
inverno suíço
 
Manuel Bandeira:
a chave do poema
berimbau
o cacto
pneumotorax
namorados
estrela da manhã
piscina
a ninfa
 
.

Elizeth Cardoso – Canção Do Amor Demais (1958)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Mesmo ao longo de uns 15 anos envolvido com essa ‘cachaça’ que é ser blogueiro, eu confesso que não sei nada sobre a parte técnica da coisa. Não fosse o automatismo, a intuição e mais ainda ao apoio e atenção de meu provedor, o Toque Musical estaria hoje apenas na versão matriz do Blogspot e talvez tivesse tomado o mesmo destino de todos os outros blogs semelhantes, fechar. Mas, enquanto houver ‘tesão’ por aqui, vai haver emoção. E emoção é o que não me falta. Vejam vocês, aqui estou eu postando novamente o emblemático “Canção do amor demais”, da Elizeth Cardoso. Este é um disco o qual já foi apresentando aqui e por certo todo mundo que gosta e entende de música já o conhece, não é novidade. Mas finalmente, depois de tanto procurar, achei um exemplar original, de época, quase tão prefeito quanto a 62 anos atrás. Só peca pela assinatura da antiga dona que se encontra na capa. Mas, tudo bem, estou muito feliz de agora ter um exemplar original de 58, do selo Festa. Junta-se a este o cd e uma versão em lp lançada nos anos 60. 
E como alegria não é coisa para se ter sozinho, eu aqui a compartilho com vocês. Extraído agora a pouco da minha Philips 312. Confiram no GTM… 😉
 
chega de saudade
serenata do adeus
as praias desertas
caminho de pedra
luciana
janelas abertas
eu não existo sem você
outra vez
estrada branca
vida bela
modinha
canção do amor demais
 
 
.

Heitor Villa-Lobos – Missa São Sebastião Para Três Vozes A Cappella (1968)

Olá, prezados amigos cultos e ocultos! O Toque Musical oferece a vocês hoje mais um disco de música religiosa, para ser mais exato, de música sacra. Nele temos uma obra de Heitor Villa-Lobos (Rio de Janeiro, 5/3/1887-idem, 17/11/1959), o compositor sul-americano mais conhecido de todos os tempos. É a “Missa São Sebastião”, composta em 1937 e apresentada pela primeira vez ao público em 13 de novembro do mesmo ano, sob a regência do autor. Em disco, no entanto, só apareceria em 1968, por iniciativa da marca Festa, de Irineu Garcia. A interpretação, à capela (ou seja, sem acompanhamento instrumental), é da Associação de Canto Coral do Rio de Janeiro, sob a regência de sua fundadora e então diretora artística, Cleofe Person de Mattos (Rio de Janeiro, 17/12/1913-idem, 2/5/2002), também professora e musicóloga. A contracapa, escrita em português, inglês e espanhol, dá maiores detalhes sobre a peça. Portanto, este é mais um trabalho do mais alto nível que o TM nos apresenta hoje, interessante até mesmo para quem não aprecia música sacra. É ir até o GTM e conferir. 
 
kyrie
glória
credo
sanctus
benedictus
agnus dei
 
 
*Texto de Samuel Machado Filho
 
 

 

Pablo Neruda (1968)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Hoje o nosso toque é mais que musical, é poético. Afinal, não é de hoje que os poetas também nos visitam e muito temos de poesia gravada, discos memoráveis que nunca poderiam faltar por aqui. Temos assim o grande Pablo Neruda, poeta que dispensa maiores apresentações, até porque essa não é a primeira vez que o apresentamos no Toque Musical. Neruda não foi um poeta brasileiro. Nasceu e viveu no Chile, mas como todo grande poeta as fronteiras não existem, ainda mais sendo este um poeta latino-americano, amigo e irmão de tantos outros poetas brasileiros, contemporâneo de um mesmo momento conturbando nesse nosso continente. Neruda faz parte também do nosso mundo poético e entre muitos ele foi um dos poucos poetas estrangeiros a fazer parte da discoteca produzida pelo selo Festa, de Irineu Garcia. Aqui temos um pequeno aperitivo, um raro compacto, extraído de um disco maior, um lp, também lançado por esse selo, com gravações originais na voz do próprio poeta. Há, inclusive, um poema dedicado ao poeta brasileiro Castro Alves (Castro Alves del Brasil). Compacto, pode-se dizer, de luxo, frente aos seu pares. Com capa bem produzida trazendo também um texto de apresentação escrito por outro poeta e escritor, Rubem Braga. Não deixem de conferir mais essa raridade que vocês só encontram aqui, no GTM (e em prazo limitado).

una canción desesperada
castro alves del brasil
un hombre invisible

.