Elizeth Cardoso – Canção Do Amor Demais (1958)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Mesmo ao longo de uns 15 anos envolvido com essa ‘cachaça’ que é ser blogueiro, eu confesso que não sei nada sobre a parte técnica da coisa. Não fosse o automatismo, a intuição e mais ainda ao apoio e atenção de meu provedor, o Toque Musical estaria hoje apenas na versão matriz do Blogspot e talvez tivesse tomado o mesmo destino de todos os outros blogs semelhantes, fechar. Mas, enquanto houver ‘tesão’ por aqui, vai haver emoção. E emoção é o que não me falta. Vejam vocês, aqui estou eu postando novamente o emblemático “Canção do amor demais”, da Elizeth Cardoso. Este é um disco o qual já foi apresentando aqui e por certo todo mundo que gosta e entende de música já o conhece, não é novidade. Mas finalmente, depois de tanto procurar, achei um exemplar original, de época, quase tão prefeito quanto a 62 anos atrás. Só peca pela assinatura da antiga dona que se encontra na capa. Mas, tudo bem, estou muito feliz de agora ter um exemplar original de 58, do selo Festa. Junta-se a este o cd e uma versão em lp lançada nos anos 60. 
E como alegria não é coisa para se ter sozinho, eu aqui a compartilho com vocês. Extraído agora a pouco da minha Philips 312. Confiram no GTM… 😉
 
chega de saudade
serenata do adeus
as praias desertas
caminho de pedra
luciana
janelas abertas
eu não existo sem você
outra vez
estrada branca
vida bela
modinha
canção do amor demais
 
 
.

Quatro Sambas Quatro Sucessos N. 2 (1973)

Boa noite, caríssimos amigos cultos e ocultos! Aproveitando a ‘deixa’ do aniversário de 100 anos da nossa Elizeth Cardoso eu vou colocando aqui este compacto do selo Copacabana, lançado em 1973 e trazendo como o próprio nome diz, quatro sambas de sucesso nas vozes de Elizeth Cardoso, Adeilton Alves, Benito Di Paula e Noriel Vilela. Disquinho bacana que, por certo, vai agradar a todos. Confiram no GTM…

eu bebo sim – elizeth cardoso
madalena – adeilton  alves
retalhos de cetim – benito di paula
tá com medo, diz… – noriel vilela



.

Elizeth Cardoso – Falou E Disse (1970)

Boa noite, caríssimos amigos cultos e ocultos! Hoje é um dia especial, pois nesta data de 16 de julho nascia Elizeth Cardoso e hoje ela estaria fazendo 100 anos. Vejam como o tempo passa e alguns artistas serão sempre lembrados. Elizeth Cardoso então, nem precisamos comentar, é chover no molhado. Grande dama da música popular brasileira!
Com este bom pretexto trago assim mais dos excelentes discos da ‘Magnífica’. Este aqui, das melhores safras, “Falou e Disse”, de 1970. Um disco onde predominam os sambas de Baden Powell e Paulo Cesar Pinheiro, mas também cabem João Nogueira, Nelson Cavaquinho, Paulinho da Viola, Elton Medeiros e outras feras da nossa música popular brasileira. Disco nota dez! Confiram no GTM

é de lei
corrente de aço
você foi um atraso no meu caminho
lua aberta
tudo ok
refém da solidão
foi um rio que passou em minha vida
degraus da vida
aviso aos navegantes
camisa branca
carta de poeta
a flor da laranjeira



.

Elizeth Cardoso – Ary Amoroso (1989)

Muito boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje estou trazendo para vocês um disco bem bacana no qual temos em destaque duas grandes figuras: a cantora Elizeth Cardoso e o compositor Ary Barroso. Trata-se de um álbum não comercial, de tiragem limitada, feito de encomenda para uma fábrica de móveis presentear os seus clientes.(época das vacas gordas, lembram?). A produção deste lp ficou a cargo de Hermínio Bello de Carvalho, o que faz este trabalho ser ainda mais especial. Elizeth mais uma vez brilha como nunca. Discão imperdível. Confiram no GTM..

inquietação
faixa de cetim
na batucada da vida
camisa amarela
folhas mortas
trapo de gente
ocutei
tu
pra machucar meu coração
por causa desta cabôca
no rancho fundo
caco velho
as três lágrimas
inquietação
 

.

Elizete Cardoso – Quatrocentos Anos De Samba (1965)

Boa noite prezados amigos cultos e ocultos! Olha aí, mais uma artista, a qual caberia aqui no nosso Toque Musical toda a discografia, a magnífica Elizeth (ou Elizete) Cardoso. Assim, sempre que possível, vamos ter um disco dela em nossas postagens. Desta vez temos o lp de 1965, homenagem ao quarto centenário da cidade do Rio de Janeiro, “Quatrocentos Anos de Samba”, nome também da música que abre o disco, composição de Luiz Antonio, que está presente em mais três faixas desse lp. Tem também o ótimo samba de Zé Keti, “O Meu Pecado”, também gravado por Paulinho da Viola. O disco tem um repertório muito bom, porém, em pleno 1965, parece ter sido gravado dez anos antes, com arranjos e orquestrações um tanto antiquadas, penso eu. Mas Elizeth é sempre Elizete e isso é oque importa. Confira no GTM.

quatrocentos anos de samba
coisas mortas
o meu pecado
tem sido assim
retrato do morro
coisas do amor
é ontem ainda
deixa que anoiteça
caminhos do esquecer
e eu tô lá
sangue quente
vedete de fogão

.