Gilda Valença – Cantigas Da Rua (1956)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Felizmente conseguimos renovar nossa conta no Mediafire, oque facilita em muito a vida de vocês ao baixarem nossos arquivos. Mas o Depositfiles também continua, pois embora seja lento, é sempre garantido.
Seguimos a nossa mostra diária trazendo hoje e pela primeira vez a cantora nascida em Portugal, Gilda Valença que estreou em discos por aqui no início dos anos 50, sendo boa parte deles gravados pela Sinter. Atuou sempre destacando a música portuguesa, o que, claro, já se percebia até em seu vocal. Fez grande sucesso no Brasil e por aqui construiu a sua carreira. Dela temos aqui o lp “Cantigas da rua”, lp de dez polegadas lançado em 1956. Um álbum bem interessante cujo os temas ligados a tradições portuguesas contempla também autores brasileiros, os quais escreveram essas canções para a interpretação da cantora. Confiram no GTM…
 
lenda das algas
oh josé, aperta o laço
praias de nazareth
uvas pretas
alfama
penso que sei mas não sei
canção do moinho
quanta coisa boa
 
 
.

Lyra De Xopotó – Retreta Da Lyra De Xopotó (1957)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Se tem um grupo/disco que está sempre em prontidão para uma nova postagem, este será sempre um lp da Lyra do Xopotó. Incrível como aparecem por aqui discos de bandinhas (bandinhas no bom sentido, é bom lembrar!). Só não fico postando muitos para não ficar chato, mas são verdadeiros ‘discos de gaveta’, prontos para serem usados a qualquer momento. O ideal seria que fosse publicado amanhã, domingo, afinal, retreta é coisa geralmente matinal e domingueira, mas aqui estamos a seguir as postagens alternadas de discos de 10 e 12 polegadas. Assim, a bandinha vai tocar é hoje mesmo, no sábado! E aqui temos ela sob o comando do Mestre Filó, codinome do maestro Lyrio Panicali, nos apresentando uma boa série de maxixes, polcas e dobrados bem ao gosto popular e da época. Confiram no GTM…
 
cristo nasceu na bahia
13 de maio
seu procópio
arnoud no choro
nova friburgo
brejeiro
são paulo
26 de junho
 
 
.
 

Carolina Cardoso De Menezes – Reminiscências (1956)

Alô, alô… amigos cultos e ocultos! Estamos bem na véspera de nosso aniversário e apesar dos pesares, eu pensei em fazer algo especial, ter alguma coisa que marcasse esse momento… Enfim, dar a vocês algo que só mesmo aqui no Toque Musical se consegue. Vamos ver o que vem por aí… 
Por hora, seguimos da dobradinha ’10 por 12′, desta vez destacando a genial pianista Carolina Cardoso de Menezes em mais um de seus lps. Digo mais um porque Carolina é uma das artistas que mais apareceu por aqui ao longo de nosso percurso. E aqui, mais uma vez, temos dela este lp, de 56, lançado pela Sinter, cujo repertório de oito músicas deve ter embalado alegremente muitas festas dançantes. Disquinho gostoso de dançar e também de ouvir. Vale a pena conferir…
 
pombo correio
tenderly
luar de paquetá
expressinho
no crespúsculo
malandrinho
baionando
escorregando
 
.

Meia Noite – Conjunto De Boite (1953)

Muito bom dia a todos os amigos cultos e ocultos! Bom dia, ou boa madrugada? Isso não importa, porém fiz questão de postar este disco dentro ‘dos conformes’, ou seja, a meia noite, afinal este também é o nome do disquinho de hoje 🙂 Aqui temos um lp de 10 polegadas lançado pela Sinter, em 1953. Um dos primeiros 10 polegadas de 33 rpm lançado por este selo. Nele encontraremos uma seleção de músicas cuja a orquestração e arranjos são do maestro Lyrio Panicali. E ao que tudo indica, são gravações que também foram lançadas em bolachas de 78 rpm, tanto antes quanto depois deste lançamento e o que seriam discos dos seguintes artistas: Heleninha Costa, Ernani Filho, Neusa Maria, Maurici Moura, Mary Gonçalves, Carlos Augusto, Zezé Gonzaga e Roberto Paiva. Assim, temos aqui, uma coletânea da melhor qualidade em termos de música popular brasileira daqueles tempos e no caso, ritmos da noite, das ‘boites’ que ficaram na memória. Vamos conferir? 😉
 
felicidade – heleninha costa
tua ausência – ernani filho
murmúrios – neusa maria
não digas nada – mauricy moura
só eu sei – mary gonçalves
briguei com você – carlos augusto
foi você – zezé gonzaga
três apitos – roberto paiva
 
 
.

Lamartine Babo – Carnaval De Lamartine (1955)

Muito bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Ainda não chegou o carnaval, mas estamos no mês de aniversário do Toque Musical, que é quase a mesma coisa em termos de alegria, portanto faz todo sentido um disco com marchinhas carnavalescas. Mas a alegria carnavalesca não poderia ser outra senão do genial Lamartine Babo neste que foi o seu primeiro lp, conforme ele mesmo afirma no texto da contracapa. Eis aí um disco dos mais importantes, um raro momento onde podemos ouvir cantando este grande compositor brasileiro. Disquinho delicioso. Confiram no GTM…
 
carnaval brasil
aí hein!
uma andorinha não faz verão
rasguei a minha fantasia
boa bola
muleque indigesto
ride palhaço
o teu cabelo não nega
história do brasil
linda morena
machinha do grande galo
marcha do amor
grau dez
o teu cabelo não nega
 
 
.

A Lyra de Xopotó no Arraial de Santo Antônio (1958)

Alô, alô… amigos cultos e ocultos! Ontem eu levei um tombo e ao amortecer a queda com as mãos acabei quebrando um dedo. Até ontem eu ainda conseguia digitar textos numa boa, hoje já complicou, estou escrevendo com apenas a mão direita. Portanto, seremos breve…
Antes que junho acabe, vai aqui mais um disquinho dedicado as festas juninas. Só para matar saudade, já que neste ano ainda estamos na pandemia e a quadrilha da vez é a turma do Bolsonaro (argh!). Assim sendo, melhor ficar mesmo em casa, ouvindo este disquinho da querida Lyra de Xopotó. Desta vez a Lyra sai do coreto e vai para a festa de São João. Aqui temos uma seleção musical junina na interpretação singela da bandinha mais famosa do Brasil. Confiram no GTM…
 
pula a fogueira
arraial de santo antônio
são joão a moda
noites de junho
mané fogueteiro
história joanina
chegou a hora da fogueira
cae cae balão
santo antônio são pedro e são joão
isto é lá com santo antônio
pedro antonio e joão
pistolões
lá vem a rita
santo antônio sabe
santo antônio disse não
capelinha de melão
noites de junho
sonho de papel
 
 
.

Lamartine Babo – Noites De Junho (1956)

Boa noite a todos, amigos cultos e ocultos! Embora essa pandemia que muda tudo em nossas vidas, não podemos esquecer que estamos em Junho, mês das festas ao luar, com direito a fogueira, quadrilha, quentão, canjica… As tradicionais festas juninas. Por aqui, no Toque Musical, sempre tivemos essa preocupação em lembrar datas e momentos marcantes do ano, mas é certo também que de uns tempos prá cá isso não tem acontecido. Coincidentemente, achei de postar aqui um disco do Lamartine Babo, que não sei porque razão não o postei antes. E que ótimo, tudo a ver, “Noites de Junho” de Lamartine Babo é um disco perfeito para a noite de hoje. Noite de junho, fria, triste por tudo que estamos passado, mas apesar disso, ainda está acessa uma fogueirinha em nossos corações. Eis aqui um disquinho muito apropriado, talvez já visto e ouvido por muitos, mas ainda assim imprescindível em nossa lista. Aqui temos oito temas clássicos interpretados pelo próprio ‘Lalá’, com arranjos e orquestração do maestro Lyrio Panicali. E viva São João!
 
chegou a hora da fogueira
isto é lá com santo antonio
noites de junho
quero quero
pistolões
são joão a moda
babo… seiras
mineirinha
 
 
.  

Britinho – Vamos Dançar Com Britinho (1956)

Boa noite, meus caros amigos cultos e ocultos! Olha só, aqui mais um disquinho de 10 polegadas com o pianista João Leal Brito, ou Britinho, ou ainda uma série de outros pseudônimos que ele assumiu para diversos outros discos lançados nessa época, A época da dança e disco que vendia, era disco com músicas para dançar, principalmente música lenta, de boate, como temos aqui neste disquinho lançado pela Sinter em 1956. Britinho nos apresenta oito temas dançantes, entre boleros e fox-trot e também três composições próprias que se integram bem as demais. Confiram no GTM…
 
dolores
blue moon
olhando o céu
e bello
malafemmena
na voce, na chitarra e o poco e luna
em teus braços
gizella
 
.
 

 

Garotos Da Lua – No Mundo Da Lua (1956)

Boa noite, meus caros e prezados amigos cultos e ocultos! Aqui chegamos a última postagem do ano. Haveria nesta data muitos motivos para comemorarmos e teríamos até, talvez, uma maior atenção da minha parte na escolha desta nossa última postagem de fim de ano. Por certo, temos aqui um disco exemplar, merecedor de toda a nossa atenção e não é atoa que estou postando hoje. Mas, evidentemente, seria hoje um dia de festa não fosse o vírus, não fosse também a atuação desse (des) governo que nada de concreto. Vamos entrar o ano novo ainda na incerteza da vacina. É lamentável… Diante disso e de tantos outros perrengues, não estou muito animado a fazer festa por aqui. Assim, procuro neste último dia de 2020 ser como qualquer outro dia.
E aqui vamos para o “Mundo da Lua” com o lendário grupo vocal Garotos da Lua, neste lp da Sinter lançado em 1956. Este é um disco já bem divulgado em outros blogs e sites, daí não vejo a necessidade de repetir apresentações. Com certeza as informações serão fáceis de encontrar, até mesmo na contracapa, como podemos ver aqui.
Hoje, o que realmente importa são os meus, os nossos votos de um feliz ano novo! Que 2021 nos traga a vacina e que com ela possamos novamente nos reunir. Aliás, precisamos muitos nos reunir, sairmos as ruas para manifestar nosso repúdio pelo descaso desse governo canalha, genocida e bandido para com o nosso povo. Chega dessa gente!
Hoje, mais que nunca, quero desejar a todos os nossos amigos cultos ou ocultos muita felicidade em 2021! Muita saúde, muito amor, muita alegria… Fraternidade, reencontros, paz e reflexão. Que este ano que está chegando seja de mudança, de transformação e consciência. Tudo de bom para nós!
 
na baixa do sapateiro
vou tentar esquecer
não diga não
qui nem jiló
já vai
lá vem a baiana
recordação
policromia brasileira
 
 

 

 

 

Festival De Jazz – 2º Grande Concerto (1957)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Cá estamos com mais um toque musical e como já deu para vocês perceberem, entramos em dezembro com uma seleção ‘fonomusical’ das mais interessantes. Hoje temos este lp lançado pela Sinter, “Festival de Jazz – 2º Grande Concerto”. Este é um disco bem raro e que dificilmente ainda podemos encontrar um exemplar disponível no Mercado Livre ou Discogs Um disco de jazz, brasileiro e ainda dos anos 50! Conforme o texto de contra capa (aliás, diga-se de passagem, uma ficha completa), no dia 26 de novembro de 1956 aconteceu no Golden Room do Copacabana Palace o “2º Grande Concerto Brasileiro de Jazz, organizado por Jorge Guinle e um grupo de outros amantes de jazz americano. Neste registro fonográfico aparecem as orquestras e conjuntos de Hélio Marinho, Julinho BarbosaCipó, Clélio, K-Ximbinho, Kuntz Negle e também apresentando o Conjunto Farroupilha e a cantora Julie Joy. Ao que tudo indica, este lp foi gravado ao vivo, ou seja, em pleno show, apesar de ‘forçação’ com aplausos e gritinhos mal colocados no final de cada música. No entanto, não deixa de ser um disco memorável. Confiram no GTM…
 
atonal – orquestra hélio marinho
samba que eu quero ver – conjunto de clelio
tenderly – conjunto de kaximbinho e julie joy
but not for me – conjunto de júlio barbosa
is walked bud – conjunto de kuntz
i know that you snow – conjunto de cipó
tema para dois – conjunto de cipó
kachentema – conjunto de kaximbinho
how high the moon – conjunto de kuntz
jacques diraque – conjunto de cipó e conjunto farroupilha
bop-ciponato – conjunto de cipó
 
 
 

Melodias de Terreiro – Pontos e Rituais (1955)

Olá, meus amigos cultos e ocultos, boa noite! Estou trazendo hoje um disco que eu acho muito bacana e também por ser uma edição importantíssima da fonografia nacional. “Melodias de Terreiro – Pontos Rituais” foi o primeiro disco do gênero lançado no Brasil. E para tanto, seus produtores decidiram convidar cinco grandes nomes da música popular, segundo o texto de contracapa, profundos conhecedores, para interpretar as melodias de Terreiro e os Pontos Rituais: Lenita Bruno, Ataúlfo Alves, Jorge Fernandes, Leo Peracchi e Heitor dos Prazeres. Pelas imagens podemos de imediato ter todas as devidas informações. Taí, um disco que merece a nossa atenção. Não é atoa que tem maluco pedido até 900 pilas, no Mercado Livre. Mas aqui vocês conferem no GTM…

aruanda – jorge fernandes e leo peracchi
agô-iê – ataulfo alves
oxum-maré – lenita bruno, jorge fernando e leo peracchi
nêgo véio – heitor dos prazeres
congo – lenita bruno, jorge fernandes e leo peracchi
pai joaquim d’angola – ataulfo alves
ogum-yara – jorge fernandes e leo peracchi
vamos brincar no terreiro – heitor dos prazeres

.

Vanja Orico – Encontro Com Vanja Orico (1958)

Muito bom dia, amigos cultos e ocultos! Trago hoje para vocês e mais uma vez aqui no nosso Toque Musical a cantora e atriz Vanja Orico, artista brasileira, mas de reconhecimento internacional. Muito atuante nas décadas de 50, 60 e 70, tanto como atriz, onde participou de dezenas de filmes, nacionais e internacionais, como cantora, se apresentando e gravando diversos discos, no Brasil e na Europa. Uma artista que se destacou tanto na música quanto no cinema. Mulher bela e talentosa, faleceu em 2015, aos 85 anos.
Neste lp, “Encontro com Vanja Orico”, lançado pela Sinter, em 1958, temos a cantora interpretando um leque diferenciado de canções, com direção musical e acompanhamento do maestro Leal Brito, arranjos do próprio e também de Antonio Carlos Jobim, que no disco comparece com duas célebres composições, “Sucedeu assim” e “Eu não existo sem você”. Além dessas, ela também interpreta canções de Dorival Caymmi, Tito Madi, Paulo Ruschel, Gilvan Chaves, além de composição dela própria, o samba-canção “Confissão”, aqui com arranjos de Jobim. Um disco, realmente, dos mais interessantes e importante na discografia nacional. A sonoridade, inevitavelmente, está associada ao cinema, aos filmes de sua época. Não deixem de conferir no GTM 😉

sucedeu assim
o vento
marmelo é fruta gostosa
roda carreta
sou baiano
mocambo de palha
lá vai a garça voando
eu não existo sem você
capina menino
confissão
rio grande do sul
rio triste