Demônios Da Garôa – Saudosa Maloca (1957)


Olá, amigos cultos e ocultos! Rapidinho… Hoje eu tenho para vocês os Demônios da Garoa, grupo vocal paulista que, acredito, dispensa maiores apresentações. Temos aqui um lp de 1957. Na verdade o primeiro lp gravado por eles, interpretando, como nenhum outro, a música de Adoniran Barbosa. São oito sambas clássicos e gravações que até já vimos (e ouvimos) por aqui. Mas nada como apresentar o trabalho original, não é mesmo? 😉

26

Chiquinho E Seu Acordeão (1956)

Olá amiguíssimos cultos e o ocultos! Olha só como andam as nossas postagens nesta semana. Ainda vamos de dez polegadas, aproveitando a onda… E nessa levada eu trago agora uma beleza de disquinho, coisa fina e rara. Temos aqui o primeiro lp do gaúcho Romeo Seibel, ou mais conhecido como Chiquinho do Acordeon. Este disco foi lançado nos anos 50 e ao contrário de outros lps de 10 polegadas da época, não se trata de copilação de gravações em 78 rpm. Chiquinho do Acordeon vem acompanhado por um conjunto (regional). Trata-se de um disco de carreira. O que dá ao lp uma maior autenticidade. Curiosamente, não consta em discografias de muitos sites especializados. Daí, vale mesmo a pena ouvir este disco 🙂

sorriso de cristal
estrellita
canção da volta
il torrente
polquinha gaúcha
amargura
valsa de uma cidade
a noite traz você
.

Britinho – Convite Ao Samba (1956)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! A partir desta semana eu não mais estarei deixando links, como de costume, nas postagens do blog. Voltamos a velha prática de ir buscar o link no Grupo do Toque Musical, o GTM. Estou fazendo isso para garantir a permanência do Toque Musical, visto que a caça as bruxas foi retomada, em nome dos ‘Spotfy da vida’. Felizmente, eles. por enquanto só estão interessados naquilo que dá dinheiro. Como os discos que posto são obras antigas, sem interesse comercial, eles me deixam sossegados. Mas é sempre bom estar atento.
Seguindo em nossas postagens, temos aqui o maestro João Leal Brito, ou como era mais conhecido, Britinho. que no comando de sua orquestra desfila um pot pourri de sambas, sucessos, hoje clássicos em faixa única de cada lado. Seguindo o esquema do tal disco dançante, sem pausas entre as músicas. Realmente, um disco que merece se ouvido e dançado, por que não? Confiram…

vai haver barulho no chatô
não tenho lágrimas
jura
morena boca de ouro
rio de janeiro
na pavuna
se acaso você chegasse
se você jurar
até amanhã
é bom parar
implorar
leva meu samba
cai… cai…
mundo de zinco
despertar da montanha
nêga
.

Paulo Burgos – Seleções De Portugal (1957)

Olá amigos cultos e ocultos! Dando sequencia a série dos 10 polegadas, eu trago hoje um disco dedicado aqueles que são fãs da música portuguesa. Temos aqui uma seleção com algumas das mais conhecidas música portuguesas interpretadas pelo pianista pernambucano Paulo Burgos em disco lançado pelo selo Mocambo, da fábrica de discos Rozenblit, em 1957. O lp é de faixa contínua, ou seja, não há separação entre as música. Feito assim especialmente para dançar, sem pausa, pelo menos a cada lado. Não vou estender na apresentação, pois o verso da capa já nos traz toda a informação complementar. Confiram já…

ai mouraria
fado do ciúme
madragoa
perseguição
lisboa antiga
coimbra
foi deus
que deus te perdoe
.

Escola De Samba Acadêmicos Do Salgueiro – Samba (1957)

Boa noite, prezados amigos cultos e ocultos! Conforme disse, nesta sequência de postagens estarei trazendo alguns lps de 10 polegadas para alegrar aos frequentadores mais antigos, acostumados aqui com essas raridades.
Hoje temos um lp do selo Todamérica, um disquinho muito interessante que apresenta a Escola de Samba Acadêmicos do Salgueiro, na época, era uma das mais novas agremiações do carnaval carioca. Aqui, a Escola desfila oito sambas numa interpretação rítmica e vocal clássica, como deveria ser sempre nos sambas enredos e de escolas. Confiram essa joinha… 😉

brasil fonte das artes
tudo é ilusão
novo dia
exaltação a tijuca
assim não é legal
bahia
momentos
exaltação ao salgueiro
.

Ismael Silva – O Samba Na Voz Do Sambista (1955)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Foi na busca pelo “Blue Gardenia”, do Cauby, que eu acabei encontrando mais alguns saborosos disquinhos de 10 polegadas para postar aqui nesta semana. Discos, na verdade, é o que não falta para postar. Além desses temos ainda um lote ilimitado de coisas das mais diversas para apresentar. Só falta mesmo achar um tempo, um tempinho que seja como esse, suficiente para valer o dia.
E para valer esse nosso sábado, eu hoje trago essa belezinha de 10 polegadas, lançada no ano de 1955, pelo selo Sinter. Estamos falando aqui de Ismael Silva, um dos grandes nomes da música popular brasileira, compositor, patrimônio do samba. Neste pequeno lp vamos encontrar um dos raros momentos gravados do sambista, interpretando algumas de suas mais famosas composições. Um disco clássico e histórico, cujas as músicas já foram apresentadas aqui no Toque Musical através de outros discos e coletâneas, inclusive a exclusiva série, Grand Record Brazil, onde temos boa parte de suas composições. Publicar músicas de um artista como esse é sempre bom, mesmo quando nos repetimos. Ainda mais se for esse um disco original de época. Vale pelas músicas, vale pelos encartes, aqui sempre na integralidade, com direito a capa, contracapa e selos 😉 Confiram já essa belezinha

se você jurar
me diga teu nome
adeus
que será de mim
para me livrar do mal
sofrer é da vida
novo amor
nem é bom falar
.

Cauby Peixoto – Blue Gardenia (1955)

Muito bom dia, amigos cultos e ocultos! Peço a todos que me desculpe a falta de assiduidade, pelas espaçadas postagens que um dia já chegaram a ser diárias. Infelizmente, os tempos são outros, ainda mais curto, mas mesmo assim, procuro manter o carro funcionando, mesmo em marcha lenta 🙂
Há menos de uma semana perdemos um de nossos maiores cantores, o grande Cauby Peixoto. E eu aqui não poderia deixar de prestar uma homenagem a ele e a todos os seus fãs. Como no dia de seu falecimento eu não tive condições de fazer uma postagem, optei por renovar alguns links de outros discos já apresentados aqui, no Toque Musical. Nessa hora, só mesmo quem frequenta o grupo, o GTM, vai saber desses novos links. Por isso é importante está ligado tanto aqui no TM quanto no GTM, ok?  😉
Muito bem, hoje, finalmente, estou conseguindo prestar essa homenagem e apresento a vocês, “Blue Gardenia”, o primeiro lp gravado por Cauby Peixoto, em 1955. Trata-se de um lp de 10 polegadas reunindo oito músicas, incluindo a que dá nome ao disco. São gravações feitas pelo artista na Columbia, em discos de 78 rpm. A propósito disso, hoje ainda estou encaminhando para no nosso amigo Samuel Machado Filho uma farta seleção de músicas gravadas por Cauby em 78 rpm, para compormos mais uma edição da série Grand Record Brazil. Fiquem ligados aqui no Toque Musical. Os próximos dias prometem!

blue gardenia
triste melodia
um sonho e um olhar
daqui para a eternidade
a pérola e o rubi
sem porém nem porque
nossa rua
final de amor
.

Sidney – Isto É Dança Vol. II (1962)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos. Hoje eu aproveito para postar aqui um disco há tempos solicitado e agora novamente. Depois de algumas garimpadas, acabei achando este volume dois, completando assim a série lançada pela Columbia no início dos anos 60, do pianista Sidney, com acompanhamento de orquestra e côro, sob a direção do mestre Astor.

nossos momentos
sou eu
tea for two
whispering
murmúrio
o nosso amor
the apartment
romântico (tema da balada n. 1)
oba
eclipse
voltei
ave maria
.

Zimbo Trio – Interpreta Milton Nascimento (1985)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Tenho recebido mensagens de alguns de vocês perguntando sobre a coleção Grand Record Brazil, de resgate dos fonogramas de 78 rpm. Me perguntam se terá continuação. Eu informo que sim, iremos continuar. A pausa longa é devido a minha falta de tempo para selecionar, digitalizar e compor a capinha. Eu diria, mais acertadamente, que meu problema maior, no momento, é reinstalar alguns programas básicos de edição e tratamento de imagens no meu computador. Meu Photoshop e meu Corel estão desatualizados e são versões antigas, free e limitados. Acho que chegaram no limite. Já não consigo trabalhar com esses programas. Daí, todo trabalho de restauro das capas ou de criação ficam comprometidos. Esse é o motivo pelo qual eu não tenho conseguido qualidade na apresentação das capas. Elas estão sendo apresentadas conforme o aspecto real do disco fotografado.
Bom, entrando no que interessa, vamos hoje com mais uma dose do Zimbo Trio, em apresentação e produção da casa de shows e restaurante, Inverno & Verão. Infelizmente esse espaço gourmet musical já não existe mais. Em seu lugar, hoje funciona um supermercado.
Mas voltando ao Zimbo Trio, temos aqui um registro do grupo ao vivo se apresentando na casa em agosto de 1985. O Zimbo Trio apresenta neste show um repertório exclusivo, com a música de Milton Nascimento. Uma releitura instrumental e jazzística de fazer inveja a qualquer músico estrangeiro. A qualidade da gravação é prefeita. O momento é único, por ser uma apresentação ao vivo. Vale muito a pena ouvir esse disco 😉

nada será como antes
teia de renda – coração de estudante
certas canções
menestrel das alagoas
travessia – viola violar – fé cega faca amolada
canção da américa
conversando no bar
outubro
.

Sandra Sá – Demônio Colorido (1980)

Bom dia, meus amigos cultos e ocultos! De mais um lote de discos enviado pelo amigo Fares, eu hoje selecionei este disco da cantora e compositora Sandra Sá, hoje em dia , Sandra de Sá. Como até hoje eu nunca postei nada dela, acho bom começar pelo começo, ou seja, pelo seu primeiro disco, “Demônio Colorido”, lançado em 1980, pelo selo RGE. O nome do disco é também o nome da letra de música que ficou entre as finalistas do festival MPB 80. Uma boa estréia da artista que traz, além dessa, uma seleção de outras boas composições, tanto autorais quanto de outros artistas. Confiram

pé de meia
cavalo ferro
na mira dos seus olhos
receio de errar
bandeira
é
vinte e poucos anos
saudade vadia
essa figura
mucama
cantar
demônio colorido
.

Zimbo Trio – Trocando Em Miúdos A Tristeza do Jeca (1984)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Segue hoje, aqui, mais uma produção para o Inverno & Verão, um restaurante e casa de shows que fez história em São Paulo, na década de 80. Por lá passaram grandes nomes da MPB e desses, muitos dos seus shows foram registrado e posteriormente lançados em discos, em produções independentes, limitadas e não comerciais. Eram discos feitos para serem oferecidos como brindes, como é o caso deste do Zimbo Trio, oferecido como cortesia, em comemoração do terceiro aniversário do deste restaurante.
Zimbo Trio dispensa comentários. Aqui o grupo nos apresenta um repertório selecionadíssimo com dez músicas finas. Vale a pena ouvir de cabo a rabo.

lobo
serra da boa esperança
chovendo na roseira
luz
tristeza do jeca
natureza bela
aguas de março
trocando em miúdos
aquele um
atrás da porta
.

Grupo Alcano – Paraíso Perdido (1981)

Boa tarde, prezado amigos cultos e ocultos! Acredito que daqui até o fim do ano eu vou ainda estar postando no Toque Musical os discos que me foram doados pelo amigo Fáres. Temos um leque variado de opções com os mais diferentes artistas e gêneros musicais.
Hoje eu trago um disco, o qual eu vivo sempre topando pelos sebos e lojas onde ando. Porém, nunca dei muita bola. Agora, através do Fáres estou tendo a oportunidade de conhecer melhor. E já que eu acabei de digitalizá-lo, que tal postarmos aqui?
Segue assim o Grupo  Alcano, sobre o qual eu ainda não sei muita coisa. Das informações colhidas, sei apenas que se trata de um conjunto nordestino, vindo de Pernambuco, Recife. Eles eram um conjunto de bailes e fizeram muito sucesso no Nordeste e também pelas bandas de cá, em São Paulo. Gravaram além deste, outros discos. Em “Paraíso Perdido” encontraremos um repertório autoral bem trabalhado, com músicas também elaboradas. Os músicos mandam bem e não deixam cair… Vale a pena conhecer

caminhada
soul berg legal
razão
momentos
sem você
mariana
paraíso perdido
vazio
de cara no chão
motivo
realidade incontestavel
sem rumo
.

 

O Trio Elétrico Dodô & Osmar – Pombo Correio (1977)

No embalo, segue aqui para os amigos cultos e ocultos outra joinha que pouco rola por aí. Estou falando do autêntico Trio Elétrico de Dodô & Osmar, em álbum lançado pela Continental em 1977.
Neste lp temos a presença de Moraes Moreira que interpreta algumas de suas composições em parcerias. Inclusive uma das mais famosas, “Pombo Correio”, sucesso inesquecível desde então em muitos carnavais. Taí, um disquinho vibrante que vale esse toque...

diabolô
pombo correio
eleonor rigby
massa da ribeira
fiuíu
segure a onda
zé baiano, o maestro louco
cochabamba
frevo da lira
até a praça da sé
frevo dobrado n. 3
colher de chá
a nova geração do trio
.

Jair Rodrigues – Estou Lhe Devendo Um Sorriso (1980)

O Toque Musical tem a grata satisfação de oferecer a seus amigos cultos, ocultos e associados mais um álbum do inesquecível e eterno Jair Rodrigues. Trata-se de “Estou lhe devendo um sorriso”, lançado em 1980 pela Philips/Polygram (hoje Universal Music).  Sob a batuta do sempre eficiente Armando Pittigliani na direção de produção, e com arranjos de Wilson Mauro, Luiz Roberto e Aécio Flávio, este é outro impecável trabalho fonográfico do “cachorrão”, num repertório essencialmente sambístico. A faixa-título e de abertura, de autoria de Serafim Adriano, teve mais tarde regravações por Ney Viana e Elza Soares. Compositores de peso e prestígio assinam as demais faixas do disco: a dupla Evaldo Gouveia-Jair Amorim (“Mestre-sala do amor”),  Noca da Portela (“Mais feliz quem sabe perdoar”, que tem Daniel Santos como parceiro), Wando (“Cantarola”, feita por ele junto com Leônidas Paulo e Nilo Amaro, aquele dos Cantores de Ébano), Ari do Cavaco (“Conversa fora”, parceria com Otacílio, que também assina “Falso baiano”, com Gê Martins), Zuzuca (“Moro no morro”), Talismã (“Madrigais – Meu sexto sentido”, parceria com Raimundo Prates) e a dupla João Nogueira-Edil Pacheco (“Salve a Bahia”). O Chico Xavier que compôs “Lenda do rei dos vaqueiros e do boi mandingueiro”, por certo, não é o líder espírita… Walmir Lima e Jandyr Aragão vêm com “Ponto central”, e, na faixa de encerramento, Jair mostra seu lado romântico ao regravar “Mané Fogueteiro”, samba-canção do grande João de Barro, o Braguinha, antigo sucesso de Augusto Calheiros, ao qual dá excelente interpretação, elogiada até mesmo pelo próprio autor. Enfim, um intérprete versátil, eclético, que tinha como principais características o bom humor e a alegria contagiantes, além de, claro, ser um cantor extraordinário. Para ouvir e lembrar com saudades deste notável  intérprete que foi Jair Rodrigues!

estou lhe devendo um sorriso

conversa fora

cantarola

mestre sala do amor

mais feliz quem sabe perdoar

ponto central

falso baiano

moro no morro

madrigais

salve a bahia

lenda do rei dos vaqueiros e do boi mandingueiro

mané fogueteiro

,

* Texto de Samuel Machado Filho

Inverno Verão Apresenta Angela Maria (1985)

Boa noite, amigos cultos e ocutos. Devagar, devagarinho vão saíndo as postagens. Aqui mais um disco dos muitos pacotes enviados pelo amigo Fares. Acho que temos material para abastecer o Toque Musical até o fim do ano, hehehe… Vai depender, é claro, do administrador que anda mais pra lá do que pra cá. Mas no pinga não pinga, sempre que possível teremos um novo toque aqui.
Hoje temos um disco da série “Inverno & Verão”, com a grande Angela Maria. Produção meio que independente, projeto que partiu do empresário Romualdo Zanoni, proprietário do restaurante Inverno & Verão. Na década de 80 o famoso restaurante foi palco e produtor de grandes artistas que por lá passaram e tiveram registradas as suas apresentações. Aqui no Toque Musical temos algumas dessas produções, discos de artistas como Dick Farney, Raul de Souza, Tito Madi e Silvio Caldas, Agora é a vez da Angela Maria. Mas ao contrários de outros discos dessa série, este é um álbum que não foi gravado ao vivo. Conforme nos informa a contracapa, este trabalho comemora os 35 anos de carreira da cantora, isso lá por volta de 1985. Embora seja um momento especial da artista e tenha bons arranjos e regência do maestro Daniel Salinas, o conjunto da obra não convence. Aliás, eu diria, que a Angela Maria teve a infelicidade de ser orientada para um repertório romântico-brega, o que limitou muito todo o seu potencial. Mesmo assim, vale a pena ouvir esta grande cantora brasileira.

velhos tempos
brigas
primavera em lisboa
o bilhete
ora eu, ora você
infinitas estrelas
apesar de não ser
passado e futuro
mais um cabelo branco
pensando em ti
.

Mulheres De Areia – Trilha da Novela (1973)

Olá, prezados amigos cultos e ocultos! Em doses prá lá e homeopáticas, aqui vai saindo mais um toque musical, diretamente do prato do meu tocadiscos. Há tempos eu não posto uma trilha. Essa, presente do amigo Fares, veio bem a calhar.
Temos aqui a trilhada novela da Rede Tupi, de 1973, “Mulheres de Areia”, escrita por Ivani Ribeiro, direção de Carlos Zara e tendo como atriz principal, Eva Wilma. As músicas que compõem a trilha são temas nacionais e internacionais, sendo que boa parte dessas são músicas pertencem aos selos Philips e Polydor, cedidas gentilmente para compor o lp. Mas há também as produções da Sinter em parceria com a Tupi. O disco conta com a direção de estúdio de Arnaldo Saccomani que além de produzir alguns artistas e faixas, também compõe. Lp bem interessante e diversificado, como convém a uma coletânea de trilha sonora. Vale a pena ouvir...

first love – phonoband
the night i got out of jail – ten wheel drive
violão vagabundo – baden powell
maldição – maria bethania
geração do amor – phonoband
o navegante – mpb-4
last love – phonoband
beautiful – isley brothers
drops – cynthia
te amo eternamente – celso ricardi
a viola e o cantador – renato teixeira
easy come easy goes – phonoband
.

Nara Leão, Paulo Autran, Tereza Rachel e Oduvaldo Vianna Filho – Liberdade, Liberdade (1966)

Olá amigos cultos e ocultos! Não sei se dou bom dia ou meus pêsames. Afinal, a ‘idiotocracia’, tão bem exercida pelo povo brasileiro, ontem nós levou ao golpe e agora é esperar a terra e a cal, pois no fundo do poço nós já estamos. Sinceramente, não vejo luz no fim do túnel, muito pelo contrário. Pressinto que vamos logo entrar num caos, que mais uma vez nos levará a perder nossa liberdade. Diante ao que vem pela frente, achei oportuno repostar este disco, mesmo sabendo que a multidão que nos levou a esse estado não vai ouvir, não sabe do que se trata e nem tem condições para absorver tal interpretação. Mesmo assim, vale trazer a tona, pois muito do que se falava nessa época, cabe direitinho nos dias atuais. Para não perder tempo, replico aqui um texto extraído da internet com algumas outras informações que complementam o texto da contracapa:
No ano seguinte ao golpe militar, o Grupo Opinião estréia uma das obras pioneiras do teatro de resistência. A peça Liberdade, Liberdade, escrita por Millôr Fernandes e Flávio Rangel, reúne textos de diferentes épocas e estilos para falar de um direito que está prestes a ser seqüestrado.
Como lembra, na época, o crítico Décio de Almeida Prado, ninguém clama por liberdade se não se sente ameaçado de perdê-la. Esta premissa é a idéia que permanece nas entrelinhas do espetáculo e que dá sentido e contundência a cada palavra proferida em cena. O texto que Millôr Fernandes escreve no programa do espetáculo aborda com bom humor a dificuldade de falar de uma coisa que falta e que não se pode reivindicar:
“Uma pitadinha de liberdade aqui, uma lasquinha de liberdade ali (…) e a turma vai vivendo que afinal também o pessoal não é tão voraz assim. Já está mais ou menos acostumado. Por isso o texto que escrevemos e selecionamos para Liberdade, Liberdade é bem ameno. Lírico, pungente, uma gracinha leve, uma coisinha, assim, delicadinha. Não é por nada não – só medo. (…) Porque, senão, vão dizer por aí, mais uma vez, que eu sou um cara perigoso. E eu tenho que responder mais um vez, com lágrimas nos olhos: Triste país em que um cara como eu é perigoso. (…)” 1
Em outro texto, o Grupo Opinião assina coletivamente um quase manifesto em que diz:
“Muitos acharão que Liberdade, Liberdade é excessivamente circunstancial. O ato cultural muito submetido ao ato político. Para nós, essa é a sua principal qualidade. (…) Consciente de si, do seu mundo, [o artista brasileiro] marca a sua liberdade, inclusive, realizando obras que são necessárias só por um instante. E que, para serem boas, necessariamente terão que ser feitas para desaparecer; deixando na história não a obra, mas, a posição. (…) muitas vezes a circunstância é tão clara, tão imperiosa, que sobe à realidade (…). Afirmamos que nesse instante a realidade mais profunda é a própria circunstância – e nesse momento não ser circunstancial é não ser real”.2
Os princípios do teatro de resistência encontram no espetáculo do Grupo Opinião talvez a primeira das inúmeras formas que assumirá durante os anos de silêncio para denunciar o esquema opressor que domina o país. Os autores constroem o texto por meio de pesquisa, tradução e síntese de textos de outros autores. Conseguem obter uma coerente e sagaz estrutura dramatúrgica com fragmentos da literatura universal dedicados ao tema da liberdade, costurados com canções sobre o mesmo assunto e com corrosivas piadas. Criam assim uma aproximação entre as tomadas de posição de autores de outros tempos e outros países e a situação brasileira de 1965. Paulo Autran é o ator a quem cabe a condução do espetáculo e os melhores papéis. O crítico Yan Michalski, que dedica quase metade de sua coluna à apreciação do ator, afirma que “a versatilidade demonstrada por Paulo Autran é impressionante: em duas horas de espetáculo ele esboça umas dez ou quinze composições diferentes, sempre adequadas e inteligentes, sempre livres de quaisquer recursos de gosto fácil” – e considera que este virtuosismo é resultado do “domínio dos problemas técnicos” e “de todos os meios de expressão do ofício de ator”. 3 A crítica de um modo geral ressalta também o desempenho de Tereza Raquel e faz algumas observações negativas em relação ao trabalho de Oduvaldo Vianna Filho e à direção do espetáculo.

Embora bastante questionado na época, por ser mais um show do que propriamente uma peça de teatro, Liberdade, Liberdade revela-se uma iniciativa seminal, que influencia fortemente a dramaturgia da década. O espetáculo faz enorme sucesso no Rio de Janeiro e em longa turnê pelo país, tendo tido desde então muitas novas montagens no Brasil e no exterior.

.

William Senna – Canto Do Tempo (1978)

Olá amigos cultos e ocultos! Seguimos aqui, aos trancos e barrancos, mas sem deixar a peteca cair. Na oportunidade (já tô falando assim), trago para vocês, William Senna, músico mineiro da cidade de Rio Casca. Violonista e compositor que mereceu a atenção de Egberto Gismonti. Gravou em 1985 o lp ‘Homem do Madeiro’, disco que contou com a participação da cantora Dulce Bressane e do próprio Egberto Gismonti. Mas antes desse, William Senna já havia gravado ‘Canto do Tempo’, seu primeiro lp, lançado em 1978, de forma independente. Não muito diferente de ‘Homem do Madeiro’, ”Canto do Tempo’ também é um trabalho que chama atenção pela qualidade de suas músicas. São 17 faixas, todas autorais em parceiras diversas, entre essas com Thelma Guedes (hoje autora de novelas e roteirista da TV Globo), que também participa dos vocais e na percussão. Acredito que William Senna tenha gravado mais discos. Infelizmente, não consegui encontrar na rede essas informações. Mas fica aqui o toque inicial. Quem quiser complementar as informações, tem aí área de comentários. fiquem a vontade 🙂

canto do tempo
cotidiano n.3
é assim que está certo
canção para o silêncio
oferenda
desanoitece isabela
aboio
imagem
permissão pra cantar
silêncio
eternidade
descompasso
amiga
crista do boqueirão
rasuras
juca de maria
viola-ação-viola
.

Tukley (1980)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Tenho recebido vários e-mails e mensagens com solicitações de reposição de links, e para esses, a senha para descompactar o arquivo. Vou responder apenas mais uma vez e por aqui, neste post, entendendo que os amigos estejam acompanhando as postagens. Como já disse, os links são postados no grupo GTM (Grupo do Toque Musical), que é como um grupo de discussão, mas funciona de forma passiva, ou seja, o associado tem somente acesso aos links. Não há no grupo outro tipo de interação. O associado não posta nada, apenas colhe links. Esses links, por sua vez tem um prazo de vida, geralmente uns seis meses. Depois que venceu, não há uma reposição imediata. Aqueles que me pedem a senha para descompactar o arquivo, certamente são pessoas que não estão associadas ao grupo, ou são muito desatentas, pois a senha vai sempre acompanhada ao link no grupo. E quem é associado ao grupo já sabe a senha, pois ela não muda. Eventualmente eu coloco um link discreto na última letra do texto da postagem, mas o certo mesmo é irem buscar o link no GTM. Eu sinto muito por aqueles que ainda não entenderam ‘a parada’. Mas quem não lê, não procurar se informar nos textos do próprio Toque Musical, vai continuar voando,..
Segue para hoje este disco, mais uma doação do amigo Fáres, Um artista que eu nem me lembrava.  Aliás, só conhecia pela capa, Tukley. A capa, por sinal, tem um quê de anos 70, lembra bem o estilo pela fotografia e nosso artista representando um mochileiro, coisas da época… Mas o que chama mesmo a atenção é a música de Tukley. Quem escuta o disco pela primeira vez há de pensar que se trata do Raul Seixas. As músicas e o estilo de cantar é todo inspirado no ‘maluco beleza’. Se por um lado essa semelhança é simpática, por outro ela compara e nesse sentido o trabalho de Tukley perde a graça, pois ele acaba se tornando mais que influência. E isso se percebe ao longo da carreira do artista, que em outros discos viria a absorver completamente a personalidade musical de Raul Seixas, se tornando um de seus melhores ‘covers’. Neste álbum de estréia, Tukley segue inspirado dentro da semelhança, mas ainda assim com certa originalidade. O trabalho é bem produzido e os arranjos (não é por acaso) são do maestro Eduardo Souto Neto, um mestre em música incidental no Brasil. Confiram aí essa curiosidade

confusão total
3×4 de um homem
eu nào me importo
anjo dourado
contraste
mãiê
a felicidade espera por você
machucado
depois dos beatles
instantes de prazer
.

Jair Rodrigues – Com A Corda Toda (1972)

O Toque Musical tem a grata satisfação de oferecer a seus amigos cultos, ocultos e associados  o décimo-primeiro álbum-solo do inesquecível Jair Rodrigues (Igarapava, SP, 6/2/1939-Cotia, SP, 8/5/2014). O eterno “cachorrão” dispensa quaisquer apresentações. É impossível esquecer sua grande energia, sua alegria contagiante, sucessos como “Deixa isso pra lá”, “Disparada”, “Vou de samba com você”, “Majestade o sabiá”, “Festa para um rei negro”, “Na beira do Mangue”, “O importante é ser fevereiro”, “Orgulho de um sambista, “O conde”, “Bloco da solidão”, “Louvação” (em dueto com a não menos inesquecível Elis Regina,  sua companheira no “Fino da bossa”, da antiga TV Record) e tantos mais. Seu extenso currículo inclui turnês vitoriosas pelos EUA, Europa e Japão. E, quando de sua morte repentina e inesperada, aos 75 anos, ainda estava com a agenda de shows lotada! Pois este álbum faz jus a seu título: quando foi lançado, em 1972, o grande Jair estava de fato com a corda toda. Além de possuir o padrão técnico apuradíssimo que então caracterizava as produções da gravadora Philips/Phonogram, hoje Universal Music, o disco tem um repertório excelente, essencialmente sambístico, a começar pela faixa-título, de autoria da dupla Beto Scala-São Beto. O álbum já começa com um sucesso inesquecível, “Se Deus quiser”, do próprio Jair em parceria com o não menos saudoso Wando, de quem o “cachorrão” já havia registrado, um ano antes, outro hit, “O importante é ser fevereiro” (parceria com Nilo Amaro), que projetou nacionalmente o compositor-cantor mineiro. Com “Se Deus quiser”, ele e Jair repetiram a dose… Outro sucesso de Jair neste disco é o samba “A dança do cafuné”, de autoria de Zuzuca (Adil de Paula), de nítida inspiração africana, e que também seria destaque no carnaval de 1973. Bidi, que então atuava no grupo Originais do Samba, demonstrando espantosa habilidade na cuíca, assina “Tenderepá”. A dupla Evaldo Gouveia-Jair Amorim, autênticos “hitmakers” dos anos 1960/70, aqui comparece com “O amor e a rosa”. O baiano (de Maragogipe) Edil Pacheco assina “Me achei de novo”. O belenense-paraense Gildo Moreno bate ponto neste álbum do grande Jair com “Eu também vou”. Outro hit desse disco é “Baby, sou brasileiro”, de autoria de Sinhozinho (Eliodório Pereira Oliveira, Barreiras, BA, 23/4/1932-Anápolis, GO, 6/3/1979), que por sinal era muito amigo de Jair, em parceria com  Reginaldo Santos. Trabalhos das duplas Bedéo-Neno (“Toca direito, Olegário”), Luiz Carlos-Lelé (“Aniversário”), Marco César-Nílton Moreira (“Sapateia”) e Ozir Pimenta-Antônio Valentim (“Sete de setembro”) completam este primoroso trabalho discográfico que o TM oferece hoje a vocês. Ouçam e constatem: o grande Jair Rodrigues estava, de fato, “Com a corda toda”!

se deus quiser

me achei de novo

com a corda toda

eu também vou

sapateia

dança do cafuné

baby sou brasileiro

o amor e a rosa

toca direito olegário

aniversário

tenderepá

sete de setembro

* Texto de Samuel Machado Filho