Maria Creuza – Sedução (1981)

Maria Creuza Silva Lima. Este é o nome de batismo da cantora de quem o Toque Musical oferece hoje, aos seus amigos cultos, ocultos e associados, o álbum por ela gravado na RCA em 1981, “Sedução”. Maria Creuza veio ao mundo na cidade de Esplanada, na Bahia, no dia 26 de fevereiro de 1944. Aos dois anos de idade mudou-se com a família para Salvador. Quando cursava o ginásio, no Colégio Ipiranga, passou a se interessar por música, nas aulas de canto orfeônico. Ainda na adolescência, destacou-se como “crooner” do grupo Les Girls, o que lhe valeu convites para apresentações  em emissoras de rádio. Por quatro anos, apresentou na TV Itapoan (hoje Record Bahia) o programa “Encontro com Maria Creuza”, e começou em disco gravando músicas em inglês, contratada por uma gravadora local. Em 1965, conhece o compositor Antônio Carlos Pinto, da dupla Antônio Carlos e Jocafi,ainda iniciante como ela, com quem se casaria três anos mais tarde. Em 1966, participou do festival  O Brasil Canta, da TV Excelsior, defendendo uma composição de Antônio Carlos Pinto, “Se não houvesse Maria”, incluída um ano depois em seu primeiro LP, “Apolo 11”. Em 1967, no festival de MPB da Record, defendeu outra composição do futuro cônjuge, “Festa no terreiro de Alaketu”. Em fins de 1969, através do compositor Chico ‘Fim-de-Noite” Feitosa, conheceu o Poetinha Vinícius de Moraes, com quem,  um ano mais tarde, a convite dele, fez um show do qual também participou Dori Caymmi, em Punta Del Este, no Uruguai, gravado ao vivo e que marcou o início de uma feliz parceria com Vinícius. Sua discografia inclui quase 30 álbuns (em português e espanhol), entre LPs e CDs, e vários compactos, nela se destacando títulos como “Yo… Maria Creuza” (1972, considerado seu melhor trabalho em disco), “Eu disse adeus” (1973),  “Sessão nostalgia” (1974), “Maria Creuza e os grandes mestres do samba”, “Meia-noite” (1977),“Poético” (homenagem a Vinícius de Moraes, 1982), “Todo sentimento” (2003) e “É melhor ser alegre que ser triste” (outra homenagem ao Poetinha, 2007). Entre seus sucessos destacam-se “Maria vai com as outras”, “Desmazelo”, “Diacho de dor”, “Patota de Ipanema”, “Chega pra lá”, “Dom de iludir” e “Feijãozinho com torresmo”. Seu respeitável currículo inclui shows  dentro e fora do Brasil, e a cantora continua em franca atividade, alternando concertos no Vinícius Bar, do Rio de Janeiro, e apresentações pela Europa.
Este “Sedução”, de 1981, é dedicado por Maria Creuza a seus filhos e,por tabela, à família, e também à presença em seu coração do Poetinha Vinícius de Moraes, morto no ano anterior. Com produção de Dori Caymmi e Raymundo Bittencourt (que também assinam os arranjos,ao lado de Lincoln Olivetti e João Luiz Avelar),tem um repertório romântico de bom gosto, como de hábito nos trabalhos da cantora. Regravações de “Me deixa em paz” (Monsueto), “Frenesi”, “A felicidade”, “Alumbramento”, “Caminhos cruzados” e “Dejame ir”, alternam-se com outras páginas então inéditas em disco, inclusive uma composição da própria Maria Creuza, em parceria com Zé do Maranhão, “Regras de um jogo”. Curiosamente, no coro, está nada mais nada menos do que Jane Duboc! Enfim, um trabalho impecável e imperdível da notável Maria Creuza, que o TM hoje nos oferece.
me deixa em paz
tordesilhas
deixe
dejame ir
caminhos cruzados
frenesi
alumbramento
regras de um jogo
assovio
 a felicidade

Texto de SAMUEL MACHADO FILHO.

Núbia Lafaette (1977)

Verdadeiro ídolo popular, Núbia Lafayette volta a bater ponto aqui no Toque Musical, desta vez com seu álbum de 1977, selo Entré/CBS, gravado no outono daquele ano. Nossa Núbia chamava-se, na pia batismal, Idenilde Araújo Alves da Costa. Veio ao mundo na cidade de Assu (ou Açú, na grafia atual), Rio Grande do Norte, no dia 21 de janeiro de 1937. Ali morou até os três anos de idade, quando aconteceu a mudança da família para o Rio de Janeiro. Mais um talento precoce entre muitos que despontaram para a cena artística, a pequena Idenilde apresentou-se em programas infantis do rádio, entre eles o famoso “Clube do Guri”, da PRG-3, Rádio Tupi, desde os 8 anos de idade, evidentemente demonstrando talento para a música.  Quando exercia o humilde ofício de vendedoras nas famosas Casas Pernambucanas (“onde todos compram”), resolveu participar do programa de calouros “A voz de ouro”, da TV Tupi, Canal 6. Um dos jurados era o proprietário da Boate Cave, Jordão Magalhães, e, a convite deste, foi “crooner” daquela casa noturna, e estreou interpretando músicas do repertório de Dalva de Oliveira, de quem era fã e muito a influenciou. Em 1959, exatamente no dia 25 de maio, com o pseudônimo de Nilde Araújo, gravou seu primeiro disco, na Polydor, com o devido apoio de seu então diretor artístico, o cantor Joel de Almeida. O 78 rpm apresentava os sambas-canções “Vai de vez” (Ricardo Galeno e Paulo Tito) e “Sou eu” (Waldir & Rubens Machado, regravado mais tarde por Orlando Dias). Cantou também na Boate Michel de São Paulo. Em 1960, no Cave, ela conheceu o compositor Adelino Moreira, que mudou seu nome artístico para Núbia Lafayette,com o qual ficaria para a posteridade. Com o apoio de Nélson Gonçalves, principal intérprete de Adelino, o compositor a levou para a RCA. Em agosto de 60, com o selo econômico RCA Camden, era lançado o primeiro 78 da cantora como Núbia Lafayette, apresentando duas músicas de Adelino Moreira que logo obtiveram êxito,marcando sua definitiva projeção: “Devolvi” e “Nosso amargor”, logo se firmando também como expressiva intérprete das obras do autor de “A volta do boêmio”.  Em 1961, vem o primeiro LP, “Solidão”, com a faixa-título também assinada por Adelino. A partir daí, conseguiu sucessos sobre sucessos (“Seria tão diferente”, “Minha história”, “Figuras de jornal”, “Samba do adeus”, “Casa e comida” – talvez o maior deles, de autoria de Rossini Pinto, grande nome da Jovem Guarda  -, “Jamais estive tão segura de mim mesma” – este, composto por Raulzito, aliás, Raul Seixas -, “Coração condenado” etc.).  Vários cantores foram influenciados por Núbia Lafayette, e a lista inclui Alcione, Fafá de Belém, Elymar Santos, Tânia Alves e a alagoana  Rose d’Paula. A discografia de Núbia inclui dezessete discos 78 com trinta e quatro músicas, mais de 20 álbuns, entre LPs e CDs,  e alguns compactos.  Seu último trabalho em disco foi o CD “Núbia Lafayette canta Dalva de Oliveira”, lançado em 1998 pela Polydisc, dentro de sua longa série “Vinte super-sucessos”, e no qual homenageia aquela que mais a influenciou em sua trajetória musical. Na década de 1990, Núbia passou a morar em Maricá, litoral norte fluminense, de lá saindo apenas para atuar esporadicamente em shows especiais, e como convidada de programas de rádio e televisão. Faleceu em Niterói, RJ, no dia 18 de junho de 2007, aos 70 anos, de complicações causadas por um AVC que sofrera pouco antes. Aqui no TM, mais um encontro de nossos amigos cultos,ocultos e associados com Núbia Lafayette, em impecável trabalho com produção do cantor Luís Carlos Ismail e arranjos dos “experts” Waltel Blanco e Lincoln Olivetti, sob a direção artística de outro “cobra” do setor fonográfico,  Jairo Pires. Aqui, ela regrava seu primeiro grande hit, “Devolvi”, e hits que outros intérpretes consagraram: “Espinita”,  “Pra não morrer de tristeza”, “Conformada”, “Uno” e “Migalhas”.  Trabalhos até então inéditos em disco, caso de “À maneira antiga” , “Eu morrendo por você” e “Coisa à toa”, completam o cardápio deste álbum, um prato cheio para os fãs da dor-de-cotovelo e, por tabela, de Núbia Lafayette.  Ouçamos
não te esquecerei
coisa atoa
uno
a maneira antiga
e eu morrendo por você
conformada
migalhas
devolvi
espinita
sem você
prá não morrer de tristeza
noite de amor
.
* Texto de Samuel Machado Filho

Waleska – Um Novo Jeito De Amar (1988)

Hoje o Toque Musical tem a satisfação de trazer a seus amigos cultos, ocultos e associados, através de um álbum de 1988, uma autêntica rainha contemporânea da chamada”música de fossa”. Estamos falando de Waleska.
Batizada com o nome de Maria da Paz Gomes, a cantora nasceu em Afonso Cláudio, cidade do interior do Espírito Santo, no dia 29 de setembro de 1941, filha de uma numerosa família de  oito irmãos. Passou sua infância em várias cidades do interior capixaba, pois seu pai, Fiscal do Estado, era de tempos em tempos transferido para outra cidade. Sua influência musical veio justamente do pai, exímio bandolinista, que costumava tocar para a família após o jantar. Aos oito anos, quando morava em São José do Calçado, a pequena Maria da Paz era sempre convidada para cantar nas festinhas da sua escola, e o fazia também na igreja, na festa da coroação de Nossa Senhora, no mês de maio. Aos dez anos deidade, ela teve a infelicidade de perder a mãe,e a família se mudou para Vila Velha, onde continuou seus estudos. Participava sempre de programas de calouros em parques de diversões, e seu primeiro “troféu” foi… uma lata de goiabada! Também aparecia com frequência no programa “Clube do Guri”, apresentado na Rádio Espírito Santo (onde uma irmã mais velha,  Walkiria Brasil, igualmente cantava) por Bertino Borges. Profissionalmente, sua carreira se inicia em Belo Horizonte, no limiar da década de 1960, atuando na Rádio Inconfidência (“o gigante do ar”) e na TV Itacolomi, ao lado de futuros astros da MPB , como Clara Nunes e Mílton Nascimento. Transferindo-se imediatamente para o Rio de Janeiro, foi “crooner” da Boate Arpège, do tecladista Waldyr Calmon, que ficava em Copacabana, e cantou no Beco das Garrafas. Com o pseudônimo de Maria Waleska, estreou em disco no efêmero selo Vogue, em 1962, gravando um compacto simples com as músicas “És tu” e “Noite fria”. Dois anos mais tarde, lança pela CBS um compacto duplo, também como Maria Waleska. Em 1966, fundou, no bairro do Leme, a casa noturna PUB (Pontifícia Universidade dos Boêmios), recebendo de Vinícius de Moraes, que muito a admirava, o apelido de “rainha da fossa”, por seu jeito intimista de interpretar os sambas-canções de Dolores Duran, Lupicínio Rodrigues, Antônio Maria e outros. Foi também amiga do jornalista Sérgio Bittencourt, filho de Jacob do Bandolim e outro fã incondicional seu, e da cantora Maysa, sua principal influência estilística. Waleska foi também proprietária das boates Fossa (frequentada por artistas , intelectuais e políticos como Carlos Lacerda e o ex-presidente  JK), e Fossanova.  Cantando  músicas “barra pesada” em estilo “cool” (a denominação “fossa” está inclusive nos títulos de vários de seus álbuns), Waleska nunca foi grande sucesso de execução no rádio, mas, ainda assim, sempre teve público cativo e fiel no circuito das boates e casas noturnas.  Tem mais de vinte discos gravados (com músicas de Ary Barroso, Tom Jobim e Cartola, entre outros “cobras”) , e é considerada uma das mais fiéis interpretes românticas da MPB. Seu respeitável currículo inclui turnês pelo exterior, apresentando-se  em Portugal,  nos EUA, na Itália e no Uruguai.  Entre seus shows de maior sucesso está “Mito, mulher, Maysa”, ao lado do ator Gracindo Júnior, sob a direção de Bibi Ferreira.Também é autora do livro “Foi a noite”, contando histórias da boemia carioca nos anos 1960/70. Este “Novo jeito de amar”, lançado em 1988 pela 3M (gravadora de existência efêmera, subsidiária da indústria de abrasivos homônima), mantém a linha de trabalho da notável Waleska. Produzido pelo experiente Mílton Miranda, com arranjos e regências de Hélvius Vilela  (que também atua aos teclados), tem músicas da dupla Evaldo Gouveia-Jair Amorim (“Ora eu,ora você”), Luiz Vieira (“Guarânia da lua nova”), Luiz Antônio (“Pergunte a você”), entre outros. Há ainda regravações da valsa “Fascinação” e de um antigo hit de Maysa, “Bronzes e cristais”, de Alcyr Pires Vermelho e Nazareno de Brito.  Ainda em plena atividade, Waleska continua a receber os aplausos merecidos, como expressiva intérprete romântica de nossa música popular.
.
ora eu, ora você
jeito de amar
o homem que eu amo
meiga presença
canção da manhã feliz
fascinação
anseio
desejo maior
pergunte a você
conversa com a saudade
guarânia da lua nova
bronzes e cristais
.
* Texto de Samuel Machado Filho

4 Ases & 1 Coringa (parte 2) – Seleção 78 RPM Do Toque Musical Vol. 121 (2014)

O Grand Record Brazil, em sua edição de número 121, apresenta a segunda parte de sua retrospectiva dedicada aos  Quatro Ases e um Coringa,  grupo vocal e instrumental cearense que, de fato, deu as cartas durante sua carreira, tanto no rádio quanto no disco.
São mais catorze gravações históricas e indispensáveis para quem estuda , pesquisa e cultua a música popular brasileira dessa época,  feitas pelo grupo cearense na Odeon e na RCA Victor. Abrindo esta seleção, o samba “Meu bairro canta”, de Waldemar Ressurreição, gravado na RCA Victor em 14 de abril de 1950 e lançado em julho do mesmo ano com o número 80-0663-B, matriz S-092658. A faixa seguinte é o clássico baião “Paraíba”, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, lançado pouco antes por Emilinha Borba e regravado pelos Quatro Ases e um Coringa na marca do cachorrinho Nipper em 10 de agosto de 1950, com lançamento em outubro seguinte sob número 80-0698-B, matriz S-092732. Temos depois outro clássico, o samba “No Ceará é assim”, de Carlos Barroso, gravação Odeon de 14 de maio de 1942, lançada em agosto do mesmo ano, disco 12183-B, matriz 6565. O divertido samba “Coisas do carnaval”, de Ary Barroso (história de alguém que se apaixona por uma bela mulher e no fim… ) é gravação de 3 de março de 1942, que a “marca do templo” lança em abril seguinte com o número 12137-B, matriz 6909. Outro clássico que temos em seguida é a marchinha “Trem de ferro”, composta pelo cearense (e conterrâneo do grupo) Lauro Maia (1912-1950)e imortalizada na mesma Odeon em 3 de agosto de 1943 e lançado em setembro seguinte sob número 12355-A, matriz 7350. Foi regravada inclusive por João Gilberto, em seu terceiro LP, de 1961. Lauro Maia aqui comparece também com o batuque “Eu vi um leão”, sucesso inclusive na Argentina, onde os Quatro Ases e um Coringa se apresentaram durante uma excursão pelos países da região do Rio Prata. Foi por eles imortalizado na “marca do templo” em 16 de abril de 1942, e lançado em junho seguinte sob número 12160-A, matriz 6943. Voltando à RCA Victor, temos o samba “O dinheiro que ganho”, de Assis Valente,  gravação de14 de abril de 1951, lançada em julho do mesmo ano, disco 80-0791-B, matriz S-092954. Traduz muito bem as dificuldades financeiras por que passava Assis, que o levariam ao suicidio, em 1958 (ele bebeu uma mistura de guaraná com formicida), depois de várias tentativas.  “Garota dos discos”, de Wilson Batista e Afonso Teixeira, gravação de primeiro de julho de 1952 e lançado em setembro do mesmo ano, disco 80-0975-B, matriz SB-093343. A garota em questão trabalhava, logicamente, em uma loja de discos, tipo de estabelecimento comercial que praticamente perdeu força com o advento da internet e posterior surgimento de portais de aquisição de músicas, como o iTunes (hoje existem pouquíssimas lojas de discos no Brasil). A “Marcha do caracol”, de Peterpan e Afonso Teixeira, que os Quatro Ases e um Coringa também interpretaram no filme “Aviso aos navegantes”, da Atlântida, foi merecido sucesso no carnaval de 1951, mostrando que o problema da falta de moradia nas grandes cidades brasileiras vem de muito tempo.  Gravação RCA Victor de 4 de outubro de 1950, lançada ainda em dezembro sob número 80-0728-A, matriz S-092771. O samba “Maria Luiza”, de Pedro Caetano e Hélio Ribeiro, foi gravado na Odeon pelo conjunto cearense em 13 de abril de 1945, e lançado em junho do mesmo ano, disco 12585-A, matriz 7800. Em seguida temos o lado A do disco de estreia oficial dos Quatro Ases e um Coringa, o Odeon 12066, gravado em 23 de setembro de 1941 e lançado em novembro do mesmo ano, matriz 6794: é a marchinha “Os dois errados”, de Estanislau Silva, Álvaro Nunes e Nélson Trigueiro. O samba “Rendeira”, outra composição de Carlos Barroso,é gravação Odeon de 14 de maio de 1942, lançada em outubro seguinte sob número 12204-B, matriz 6967. Evenor Pontes (líder e fundador do grupo) e Luiz Assunção assinam a rancheira “Sá Mariquinha”, gravado na “marca do templo” em 18 de abril de 1947 e lançado em julho do mesmo ano, disco 12784-A, matriz 8212. Encerrando esta seleção, temos o clássico “Baião de dois”, outro grande produto da parceria Luiz Gonzaga-Humberto Teixeira lançado por Emilinha Borba, em 1950, e que os Quatro Ases e um Coringa regravariam na RCA Victor logo em seguida, no lado A de “Paraíba”, matriz S-092731. Sem dúvida, uma merecida homenagem aos Quatro Ases e um Coringa, verdadeiro tributo ao legado de um dos mais expressivos conjuntos vocais e instrumentais que a música popular brasileira já teve!
*Texto de SAMUEL MACHADO FILHO.

José Domingos – Exemplo (1981)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje eu trago para vocês um disco muito bacana e que há tempos venho ensaiando a postagem, mas sempre aparecia outra coisa, me tirando do alvo. Hoje, finalmente, ele sai…
Temos aqui o álbum “Exemplo” do cantor e compositor José Domingos, um artista que pouco se houve falar, embora tenha lá muitos anos de estrada e alguns bons discos gravados. Nascido em Guaxupé, Minas Gerais, logo cedo se mudou com a família para São Paulo. Foi por lá que iniciou sua carreira artística, no início dos anos 60 como cantor da noite, se apresentando em boates ao lado de outros grandes nomes da época. Eu sempre confundi ele com o Noite Ilustrada, talvez pela semelhança física e pelo estilo musical. E pelo que pude verificar, essa não era uma confusão só minha, muita gente pensava assim. Ao que consta, ele gravou até então seis discos. Eu mesmo só conheço este e mesmo sem saber dos demais digo sem medo de errar, este foi seu melhor trabalho. Não se trata de um álbum essencialmente autoral. Há nele suas belas composições e também a de outros como o Lupicínio Rodrigues de quem ele interpreta três clássicos, entre eles a música “Exemplo” que dá nome ao disco. Para acabar de embelezar a coisa, temos um time de músicos de primeiríssima. Não vou aqui listá-los, mas só para se ter uma ideia, Zé Domingos vem acompanhado por Amilson Godoi, que também foi responsável pelos arranjos e regência; Cláudio Henrique Bertrami; Heraldo do Monte; Isidoro Longano (o Bolão); Hector Costita e outra feras mais…
Ao que parece, discos do Zé Domingos nunca chegaram a ser divulgado em blogs musicais. Nunca vi um. Este está sendo o primeiro e o Toque Musical  se sente muito honrado em dar o primeiro toque. Álbum bacana, produção independente que as grandes gravadoras não souberam dar o devido valor. Um grande artista. Vale a pena conhecer!

universo de um copo
exemplo
santa ignorância
 é sempre amor
brasa
vou partir
deusa da minha rua
minha casa
ela disse-me assim
lágrimas
grande ciúme
canção do amor sem fim
são paulo fim do dia

.

5º Festival De Músicas De Favela (1974)

Olá amigos cultos e ocultos! Aproveitando uma encomenda de digitalização de discos, escolhi entre os tantos este curioso e obscuro lp. Digo isso porque além de ser um trabalho antigo, deve ter sido também um disco de edição limitada. Uma produção da CID (Companhia Industrial de Discos), de Harry Zuckermann, mas com o selo OBA (a Etiqueta do Sambista), criado especificamente para atender ao propósito que era a quinta edição do Festival de Músicas de Favela. Este festival, por certo foi um evento tradicional na cidade do Rio de Janeiro, como podemos ver aqui, já estava em sua quinta edição. Inclusive, fui buscar na rede mais informações, mas não há nada além do fato de que na terceira edição, de 1965, quem se saiu vencedor foi a cantora e compositora Aparecida com seu samba “Zumbi, Zumbi”, defendendo a favela da Cafúa. Numa pesquisa rápida ao Google não passamos disso. Há referencias sobre outras edições, mas principalmente no Mercado Livre, onde ainda se pode encontrar esses discos. E pelo que vi, houve outros festivais de música nessa linha como o “I Festival de Favelas”, gravado ao vivo e lançado nos anos 60 pelo selo Caravelle e o “Festival de Favela”. Em 1976 saiu pela Top Tape um lp  que eu entendo como sendo a sexta edição do Festival de Músicas de Favela. Pelos artistas participantes, acredito que seja o mesmo festival e pelo jeito deve ter sido o último que mereceu um registro fonográfico.
Nesta quinta edição que eu apresento a vocês temos doze sambas de qualidade. Aliás, qualidade e originalidade é o que não faltava nessa época. Músicas muito boas, com compositores e intérpretes muito bem selecionados. Se fosse hoje, um festival como este teria a maldição do funk, do rap e outras merdas que vem ajudando a destruir a cultura musical dos morros, das favelas do Rio de Janeiro. Aqui ainda podemos encontrar o “Morro original”, que é também o título da música vencedora desta edição, composta por Fabrício Silva e Dodô Marujo e defendida por João de Deus. Sem dúvida, um disco interessante, que merece seu destaque no universo histórico do samba.

morro original – joão de deus
apolo do samba – zé dedão
é o dendê – jeremias
amor e fantasia – as sublimes
fuga – leninha
no bico – bené silva
noite fria – trio moreno
samba do criolo falado – colorido
a batucada chegou – quinteto santos
vida x luto – rubens da mangueira
negro dez – cleto
caso sério – wilson diabo
.

 

A Bossa De Ontem É De Sempre (1975)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Finalmente é sexta feira e aqui estou eu, de novo ao ‘volante’. É muito bom poder contar com o amigo Samuel, seus textos são ótimos, bem informativos, mas isso aqui precisa também ter um lado pessoal, passional e até tendencioso, porque não? :) Daí, o Augusto aqui volta para que o Toque Musical não perca essas características (tem que ter o lado irritante, kkk…)
Para esta sexta feira ficar mais feliz eu estou trazendo outra boa doação, feita pelo nosso amigo Fáres. Vamos de bossa nova, nesse lp lançado pela CBS em 1975. Trata-se de uma coletânea reunindo alguns dos artistas do seu ‘cast’, da década de 60: Tito Madi, Conjunto Farroupilha, Thelma Soares, Maysa e a Elis Regina (do tempo que ela assinava o nome com dois L). Esta era uma boa maneira das gravadoras reapresentarem artistas, que muitas vezes já nem faziam parte do seu elenco, mas que tinha deixado ali um legado de sucesso. E a Bossa Nova, que nunca morreu, vez por outra acendendo paixões, estava naquele 75 em alta. Daí talvez um bom motivo para acionar alguns de seus artistas ‘bossanovistas’. O repertório é, sem dúvida, muito bom e bem conhecido de todos. Um deguste sempre necessário que acaba fazendo a gente revisitar velhos álbuns.

o barquinho – maysa
carinho e amor – tito madi
o pato – conjunto farroupilha
samba de uma nota só – thelma
amor e paz – tito madi
1, 2, 3, balançou… – ellis regina
menina moça – tito madi
depois do amor -maysa
a mesma rosa amarela – conjunto farroupilha
garota de ipanema – thelma
silêncio – ellis regina
manhã de carnaval – thelma
.

Dalva De Andrade – Prece (1964)

O Toque Musical hoje oferece a seus amigos cultos, ocultos e associados um álbum dedicado à obra de Marino  (do Espírito Santo) Pinto (Bom Jardim, RJ, 18/7/1916-Rio de Janeiro, 28/1/1965), sem dúvida um dos maiores compositores brasileiros. Filho de um violonista e cantor amador, Marino fez sua primeira composição aos onze anos de idade, “Ilka”, dedicada a uma namorada. Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1927, e um ano depois iniciou seus estudos. Com 13 anos, passou a frequentar aos domingos a Rádio Philips, tornado-se grande fã de Sílvio Caldas. Em 1934, foi aprovado no vestibular de Direito, mas não concluiu o curso. Dedicando-se mais tarde ao jornalismo, trabalhou em veículos diversos, abandonando o ofício em 1943 e tornando-se comerciante, mais precisamente na Casa Waldeck,onde era gerente, e onde eram vendedores nada mais nada menos que os também compositores Haroldo Lobo e Mílton de Oliveira. Deixou o emprego em 1945 para se dedicar à carreira artística e, um ano depois, foi sócio-fundador da SBACEM (Sociedade Brasileira de Autores, Compositores e Escritores de Música). Em 1957, foi presidente do conselho deliberativo dessa entidade, sendo eleito , dois anos mais tarde, seu conselheiro vitalício, e,em 1960, presidente  da SBACEM, sendo reeleito em 1962 e 1964. A primeira composição gravada de Marino Pinto foi “Fale mal, mas fale de mim”,de parceria com Ataulfo Alves,na voz de Aracy de Almeida. Em 1942, obteve estrondoso sucesso com “Aos pés da cruz”, que fez com Zé da Zilda, na voz de Orlando Silva.Outros hits de Marino Pinto como autor são “Que será?” (com Mário Rossi),  “Estrela do mar” (com Paulo Soledade), “Segredo” (com Herivelto Martins)“Prece” (com Vadico, que o próprio parceiro considerava sua obra-prima), “Aula de matemática” (com Tom Jobim), “Sucedeu assim” (idem), a marchinha carnavalesca “Pula, caminha” (com Manezinho Araújo), “Vulto” (com Wilson Batista)etc.  “Prece” ,um samba-prelúdio, vem a ser o título deste álbum-homenagem a Marino Pinto, com texto de contracapa dele próprio.Lançado pela Odeon em fins de 1964, pouco antes da morte do compositor, foi gravado por uma das mais expressivas cantoras da época, Dalva de Andrade, carioca nascida em 2 de abril de 1935. As orquestrações e regências foram entregues a um verdadeiro “expert” na matéria, Lírio Panicalli, com a direção e coordenação artística de outro “cobra”, Mílton Miranda. No repertório, várias composições de Marino com parceiros diversos, grande parte já conhecida nas vozes de outros intérpretes, a saber: a própria faixa-título, parceria com Vadico (criação de Helena de Lima), “Reverso”, “Talvez”,ambas feitas por Marino em  parceria com o cantor Gilberto Milfont, “Se o tempo entendesse”,  “Que seja eu” , ambas em parceria com Mário Rossi (e todas quatro originalmente lançadas por Lúcio Alves), “Velha praça” (Elizeth Cardoso), ‘Vulto” (com Wilson Batista, lançada por outra Batista, a Dircinha), “Segredo” (parceria com Herivelto Martins, pontapé inicial definitivo da carreira-solo de Dalva de Oliveira), “Sucedeu assim” (com Tom Jobim, criação de Vanja Orico) e “Renúncia” (sem parceiro, lançada por Orlando Silva). Completando o repertório, as então inéditas “Céu azul” (com Paulo Valdez) e “Boa noite, esperança” (com Mário Rossi).  Por ironia do destino, Marino Pinto faleceria pouco depois do lançamento deste álbum.  Já Dalva de Andrade deixaria a carreira artística alguns anos depois, em virtude de problemas de deficiência auditiva, só lançando depois disso (1979/80) dois compactos de produção independente.  São dois fatores que, por si só, recomendam e dão ainda mais valor histórico a este “Prece”. Ouçam e apreciem
prece
reverso
velha praça
se o tempo entendesse
céu azul
vulto
que seja eu
segredo
sucedeu assim
talvez
boa noite esperança
renúncia
*Texto de Samuel Machado Filho

Marion Duarte (1986)

O Toque Musical hoje apresenta a seus amigos cultos,ocultos e associados, um álbum de Marion Duarte. E, acreditem se quiser, foi o primeiro disco de longa duração gravado pela cantora-compositora, embora sua carreira artística já tenha mais de 50 anos.  Nossa focalizada, cujo nome verdadeiro é Marion Pereira de Carvalho Gonçalves,  é carioca do subúrbio de Bento Ribeiro, onde nasceu no dia 18 de março de 1938. Iniciou sua carreira em 1957, atuando no programa “Valores novos”, apresentado por Marcos Alexandre na Rádio Solimões de Nova Iguaçu, Estado do Rio de Janeiro, nessa ocasião adotando o pseudônimo de Valéria Duarte. Daí seguiu se apresentando em vários outros programas radiofônicos, entre eles os de César de Alencar e Paulo Gracindo, na lendária Nacional,e no de Raymundo Nobre de Almeida, na Mayrink Veiga, neste último recebendo a faixa de Favorita da Associação de Cabos e Soldados do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro. Também participou da Caravana da Alegria, comandada pelo comunicador Luiz de Carvalho, então na Rádio Globo. Marion ganhou da imprensa carioca o apelido de “Maysa dos pobres”, dada a semelhança entre seus olhos verdes e os da então “musa da fossa”, tendo sido até citada pelobiógrafo Lyra Neto em um livro sobre Maysa, “Só numa multidão de amores”. Contratada pelas Emissoras Associadas, de Assis Chateaubriand  (Rádio e Televisão Tupi, Rádio Tamoio etc.), foi capa de várias revistas, entre elas a “Radiolândia”, nesta junto com o lendário “velho guerreiro”, Chacrinha. Seu primeiro disco, em 78 rpm, saiu pela Copacabana em 1958, apresentando o samba-canção “Eu sou assim”, de Lina Pesce, e o bolero “Eu acuso”, de Getúlio Macedo. Um ano depois, no segundo disco, obtém seu maior sucesso, com o samba “Triste palhaço”, de Carlos Silva e Antônio Cruz. Outro sucesso seu bastante conhecido é “Quando corre uma estrela”, samba-toada de Hílton Simões, Luiz Lemos e Antônio Correia (1961). Nessa época recebeu inúmeros prêmios,como o Troféu Revelação, da “Revista do Rádio’ (1958), o Troféu Zé da Zilda, do programa “Discoteca do Chacrinha” (1962) e o Troféu Sete Dias em Destaque, da TV Marajoara de Belém do Pará (1964). Marion Duarte tem, em sua discografia, sete discos 78 rpm com treze músicas, na Copacabana e na Continental, além de alguns compactos e participações em projetos coletivos.  E foi somente em 1986, pela Top Tape, que Marion finalmente conseguiu gravar seu primeiro álbum-solo, exatamente este que o TM ora nos oferece. Produzido pelo cantor Renato Alfaya (que também participa da faixa de encerramento do disco, “O outro”), é um trabalho primoroso, com repertório bem escolhido, no qual inclusive ponteiam composições de autoria da própria Marion, com ou sem parceiros. Destaque também para a faixa “Sou pagodeira”, maior sucesso do álbum,que teve arranjos a cargo de Luiz Antônio Porreca e Darcy da Cruz. Marion Duarte ainda gravaria mais quatro ábuns-solo após este: “Pelos caminhos” (1993), “Doce amor” (1999), “Fonte de energia” (2003), e, o mais recente,sem titulo, em 2011. Foi muito ligada ao radialista Collid Filho, que apresentou durante anos os programas ”Salão grená” e “Collidisco”, e com quem compôs alguns trabalhos. Em 2006,foi homenageada pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro, recebendo do então vereador Brizola Neto a moção pelo Dia Internacional da Mulher. Marion continua em franca atividade, com seu timbre de voz praticamente inalterado, e recebendo sempre o carinho e o aplauso do público por toda a parte.  Nada mais justo!
dono de mim
sou pagodeira
final feliz
é paixão
quero mesmo lhe dizer
mulher de verdade
jovem suicida
é tarde demais
sem dinheiro nada faço
outro
*Texto de Samuel Machado Filho
.

4 Ases & 1 Coringa (parte 1) – Seleção 78 RPM Do Toque Musical Vol. 120 (2014)

Prosseguindo sua brilhante trajetória, o Grand Record Brazil, em sua edição de número 120, apresenta a primeira de duas partes de uma retrospectiva dedicada a um dos maiores conjuntos vocais e instrumentais que o Brasil já teve: os Quatro Ases e um Coringa. A história do grupo começa em 1939, quando os irmãos cearenses Evenor, Permínio e José Pontes de Medeiros, que estudavam no Rio de Janeiro, decidiram formar um quarteto vocal e instrumental juntamente com seu amigo Andre Batista Vieira, o Melé. Dois anos mais tarde, após formar-se em Química, eles viajaram para Fortaleza, apresentando-se na Ceará Rádio Clube com o nome de Bando Cearense (Evenor e José aos violões, Permínio na gaita e André ao pandeiro, além, é claro, dos vocais). Foi então que se juntou a eles o violonista e vocalista Esdras Falcão Guimarães, o Pijuca. Por sugestão do poeta e jornalista Demócrito Rocha, eles passaram a se chamar Quatro Ases e um Melé. De volta ao Rio, apresentaram-se por três meses na Rádio Mayrink Veiga, mas não houve contrato. Foram então encaminhados à Rádio Tupi por João Dunmar, diretor da Ceará Rádio Clube, que estava no Rio por acaso, e substituiu o termo “melé” por “coringa”, termo mais conhecido no sul, que, no baralho, significa a mesma coisa. O sucesso foi imediato. No primeiro disco, lançado pela Odeon em setembro de 1941, sem menção no selo, acompanharam Dircinha Batista nos sambas “Ele disse que dá” e “Costela de cera”. Estreia pra valer acontece em novembro do mesmo ano, quando a “marca do templo” lança “Os dois errados”, e, do outro lado do disco, “Dora, meu amor”.  O grupo teve inúmeros sucessos,tais como: “No Ceará é assim”, “Onde estão os tamborins?”, “Baião”, “Terra seca”, “É com esse que eu vou”, “Siridó”, “Cabelos brancos”, “Eu vi um leão”, “Trem de ferro”, “Eu vou até de manhã”, “Chega, chega, chegadinho”, “Marcha do caracol”, “O periquito da madame”,  “Apanhador de papel”.  Em 1945, fizeram uma longa temporada no Prata, principalmente na Argentina, seguida do Chile. No cinema, atuaram nos filmes  “Fogo na canjica”, “Essa é fina”, “Aviso aos navegantes” e “Tudo azul”. Em 1952, o Coringa André desligou-se do conjunto, e outros três o sucederam: Jorginho do Pandeiro, Nilo Falcão e,por último, Miltinho. Nessa ocasião,a carreira do conjunto começa a declinar,até sua dissolução, nos anos 1960. Em cerca de vinte anos de carreira, os Quatro Ases e um Coringa gravaram mais de100 discos em 78 rpm, nos selos Odeon, RCA Victor, Mocambo, Todamérica e Marajoara, além do LP “É com esse que eu vou”, também pela Odeon, com regravações, e alguns compactos. Só lançariam um segundo e último LP em 1975, “Novamente… Quatro Ases e um Coringa”, selo Alvorada/Chantecler, e depois sairiam de cena definitivamente.
Nesta primeira parte, o GRB oferece catorze preciosas gravações dos Quatro Ases e um Coringa, verdadeiras joias da música popular brasileira, a maior parte em gravações Odeon. Abrindo o programa,”Terra seca”, samba que Ary Barroso considerava sua obra-prima, inspirado na triste fase da escravidão dos negros no Brasil. O grupo cearense o imortalizou na “marca do templo”  em 20 de setembro de 1943,com lançamento em novembro do mesmo ano, disco 12375-A, matriz 7387. Da dupla Bide-Marçal, autora de sambas clássicos da MPB, é “Pra que chorar?”, também samba, este do carnaval de 1943, gravação de 27 de outubro de 42, lançada ainda em dezembro, disco 12235-A, matriz 7121. Outro clássico é o balanceio “Eu vou até de manhã”, do cearense (como eles) Lauro Maia, gravado em 8 de fevereiro de 1945 e lançado em abril do mesmo ano sob número 12568-A, matriz 7760. Temos depois a deliciosa marchinha “Pica-pau”, outra composição do mestre Ary Barroso, do carnaval de 1942, gravação de 14 de novembro de 41, lançada um mês antes da folia, em janeiro, com o número 12096-A, matriz 6849. “Barão das cabrochas” é outro samba da grande dupla Bide-Marçal aqui incluído, sucesso do carnaval de 1946. Os Quatro Ases e um Coringa o imortalizaram  em 22 de novembro de 45, e o lançamento se deu um mês antes do carnaval, em janeiro, disco 12655-A, matriz 7939. Depois tem… “Feijoada”! É uma marchinha de Rubens Soares, gravada  em 2 de fevereiro de 1943 e lançada em março seguinte com o número 12277-A, matriz 7196. Torcedor fervoroso do América Futebol Clube, Lamartine Babo compôs os hinos não só desse como também de todos os grandes clubes do futebol carioca. Caso do famoso “Sempre Flamengo” (“Uma vez Flamengo, Flamengo até morrer”), marcha-hino que os Quatro Ases e um Coringa imortalizaram na “marca do templo” em 2 de dezembro de 1944, com lançamento em janeiro de 45, disco 12541-B, matriz 7719. Do carnaval de 1947 é a marchinha “O periquito da madame”, de Nestor de Holanda, Carvalhinho e Afonso Teixeira, um sucesso que o grupo cearense gravou na Odeon em 9 de julho de 46 (vejam só a antecedência!) com lançamento ainda em novembro, disco 12735-B, matriz 8070. Do carnaval de 1943 é a marchinha “Deixai para mim as cabrochinhas”, de Alcyr Pires Vermelho e Pedro Caetano, gravada na “marca do templo” em 21de novembro de 42,lançada um mês antes da folia, me janeiro, disco 12246-A, matriz 7150. “A ribeira do Caxia” é uma “ligeira” de Lauro Maia, gravação de 29 de junho de 1945, lançada em agosto seguinte sob número 12612-A,matriz 7868. Lançado em 1945 por Manezinho Araújo, o “calango mineiro” “Dezessete e setecentos”, motivo folclórico adaptado por Luiz Gonzaga e Miguel Lima, foi regravado pelos Quatro Ases e um Coringa em 18 de abril de 1947, com lançamento em julho seguinte com o número 12784-B, matriz 8213 (conta errada, mas sucesso certeiro). As duas últimas faixas são da safra do grupo cearense na RCA Victor. “Xaxado”, de Luiz Gonzaga e Hervê Cordovil, é gravação de 14 de maio de 1952, lançada em julho do mesmo ano, disco 80-0938-B, matriz SB-093346, merecendo logo em seguida registro do próprio Gonzagão. O xaxado é definido como “primo do baião” e foi divulgado pelo Nordeste do Brasil por Lampião e seu bando de cangaceiros. O nome da dança é derivado da onomatopeia xa-xa-xa, que os dançarinos fazem ao arrastar as alpercatas no chão. Por fim,o samba “Boneca de pano”, de Assis Valente, considerado seu último grande sucesso como compositor. Os Quatro Ases e um Coringa o imortalizaram na marca do cachorrinho Nipper em 10 de julho de 1950, com lançamento em setembro do mesmo ano sob número 80-0693-B, matriz S-092712. E na próxima semana traremos mais gravações desse notável conjunto cearense. Aguardem!
*Texto de  SAMUEL MACHADO FILHO.

Roberto Fioravante – Valsas De Zequinha De Abreu (1964)

Incontestavelmente, José Gomes de Abreu, aliás, Zequinha de Abreu (1880-1935) é um monumento  entre os compositores de nossa música popular.  Sua obra-prima, o choro “Tico-tico no fubá”, é conhecida internacionalmente, e tem várias gravações. O mestre de Santa Rita do Passa Quatro (SP) deixou um total de 122 músicas conhecidas e editadas, incluindo marchas, tanguinhos, foxes, choros,sambas, dobrados etc.  E o gênero que mais cultuou foi exatamente a valsa, com  47 títulos. As valsas de Zequinha são primorosas, de cunho paulista-interiorano e brasileiro, um gênero criado por ele mesmo. Quem as ouve, mesmo pela primeira vez, reconhece sua brasilidade e paulistanidade típicas. Pois este álbum que o Toque Musical hoje oferece a seus amigos cultos, ocultos e associados, é dedicado justamente às valsas de Zequinha de Abreu, e foi lançado em 1964 pela Chantecler. Para interpretá-las, a “marca do galinho madrugador” escalou um autêntico seresteiro à moda antiga, Roberto Fioravanti, paulistano da Bela Vista, o velho e bom Bixiga, nascido em 1913 e neto de italianos.  Seu amor pela música cresceu ainda na adolescência,quando o pai o levava a serestas. Sua carreira artística começou na Rádio Educadora Paulista, onde fazia pequenas participações. Ali conheceu o compositor e versionista Fred Jorge, que o levou para a recém-inaugurada Chantecler. “Fiorindo”, como era conhecido,  foi, por sinal, um dos pioneiros da gravadora, e por ela registrou, em 1958, seu primeiro LP, “Seresteiro da saudade”, primeiro de uma série de cinco com o mesmo título.  Lançou ainda, entre 1959 e 1961, cinco discos 78 rpm com nove músicas, e, até 1970, gravou um total de dez LPs. Enquanto se dedicava à carreira, conseguiu um emprego na Rádio São Paulo (“a voz amiga”), como responsável pelo setor de cópias,mantendo as duas funções até se aposentar.  Chegou até a receber uma proposta de contrato da lendária Rádio Nacional do Rio de Janeiro, mas recusou no ato, pois era muito apegado à família. Em 1987, participou de um álbum de produção independente dedicado à obra do compositor  Mauro DaMotta, interpretando “Volta ao interior” e “Valsa de Pouso Alegre”, tendo sido esta sua derradeira aparição em disco.  Nos últimos anos de vida, o cantor residiu na Mooca, e faleceu em primeiro de junho de 1998. Hoje, há um espaço a ele dedicado no Museu Memória do Bixiga, reunindo tudo o que foi possível a respeito de sua vida e carreira, inclusive o chapéu preto com que ele costumava se apresentar. No presente LP, Fioravanti interpreta doze das valsas mais conhecidas de Zequinha de Abreu, que aliás só compunha música instrumental.  Os versos  eram  colocados depois, geralmente por encomenda dos editores. O disco abre com a valsa mais famosa de Zequinha, “Branca”,por ele composta em 1917, em homenagem a uma menina de 13 anos,Branca Barreto, filha do então chefe da estação ferroviária de sua Santa Rita natal. Zequinha adorava a menina, e, a pedido do pai, deu o nome de Branca à valsa, que estava sem título. Mais tarde, recebeu letra o poeta e escritor Décio Abramo, que adotou o pseudônimo de Duque d’Abramonte. Outros trabalhos memoráveis de Zequinha  no gênero valsa também marcam presença, tais como “Tardes em Lindóia”, “Amando sobre o mar”, “Aurora”, “Rosa desfolhada” (homenagem a Santa Terezinha do Menino Jesus), “Morrer sem ter amado” e “Só pelo amor vale a vida”, a faixa de encerramento. Enfim, um trabalho que só reafirma a brasilidade e a paulistanidade da obra de Zequinha de Abreu, cuja obra, sem sombra de dúvida, ficou e ficará para sempre na memória de tantos quantos apreciem o melhor de nossa música popular. Um autêntico “rosário de valsas”, conforme diz a contracapa.
branca
alma em delírio
morrer sem ser amado
último beijo
amando sobre o mar
tardes em lindóia
aurora
nosso ideal
rosa desfolhada
amor imortal
longe dos teus olhos
só pelo amor vale a vida

*Texto de Samuel Machado Filho

.

Luiz Eça E Radamés Gnatalli – Os 6 Mais Numa Imagem Barroca (1968)

Boa noite, meus prezados amigos cultos e ocultos! Aqui estou eu marcando o ponto, que é para não perder o costume. Ultimamente eu tenho andado muito preguiçoso até mesmo para ir mantendo as postagens do Toque Musical com textos preparados pelo nosso amigo Samuca. Enviei para ele uma dúzia de discos para serem ‘resenhados’ e mais que de pressa já recebi tudo pronto. Só falta agora eu achar um tempinho e sair dessa ‘lomba’. Infelizmente, eu não tenho conseguido manter regular e diária as nossas postagens. Tá tardando… mas não falha ;)
Hoje eu resolvi `tomar o volante` e fazer a postagem deste sábado. Estou trazendo um lp que ganhei de presente do amigo Fáres. Aliás, foram vários discos que ele me deu, mas este, em especial, está valendo o dia. Trata-se de um lp lançado pela CBS em 1968. Uma produção de Helcio Milito para dois grande artistas, Luiz Eça e Radamés Gnattali. Este é mais um daqueles lps maravilhoso da CBS, que nasciam por acaso, como foi o disco “Krishnanda”, do Pedro (Sorongo) Santos, onde os artistas tiveram total liberdade de criação, aproveitando quem sabe os momentos de folga, ou horas que sobravam em fitas do estúdio. Essa descontração sempre faz gerar bons frutos. E o resultado é um disco surpreendente, pois traz a música de seis grandes compositores: Milton Nascimento, Sidney Miller, Dori Caymmi, Chico Buarque, Johnny Alf e o próprio Luiz Eça em uma faceta musical barroca. Quer dizer, são doze composições desses artistas arranjadas e interpretadas por Radamés e Luiz Eça, num clima de música barroca, caraterizada, principalmente, pelo cravo e a flauta. É bom lembrar que arranjos com esses, naqueles anos 60, estavam muito em voga. Basta lembrarmos do Lalo Schfrin que em vários de seus discos explorou essa sonoridade. Pela própria CBS teve o Roberto Carlos em “É por isso que eu estou aqui”, que tem essa mesma atmosfera ‘barroca’. E também naquela mesma década a gravadora lançou o álbum “Música Barroca Francesa” com o cravista Roberto de Régina. Os anos 60 foi bem sortido de música clássica e a barroca foi a que mais se destacou em popularidade. Lembram do conjunto Musikantiga? Acho que foi nessa onda que Radamés e Luiz Eça resolveram surfar e se deram muito bem. Boa música popular brasileira interpretada e arranjada por dois dos maiores músicos deste nosso Brasil. Um disco que agrada em cheio! Eu tô adorando :)

carolina
eu e a brisa
morena do olhos d’agua
rialejo
travessia
oferenda
o circo
com açucar e com afeto
o cantador
imagem
lua cheia
a praça
.

Maysa (1969)

Sem sombra de dúvida, Maysa Figueira Monjardim (1936-1977) foi uma figura singular na história da música popular brasileira. E, como tal, teve uma vida atribulada, como bem frisado na resenha da edição do Grand Record Brazil que lhe dedicamos. Seu estilo singular de composição e interpretação, que a fez um dos maiores nomes da canção intimista,  influenciou ao menos meia dúzia de músicos de sua geração, e principalmente os que surgiram muito depois dela, tais como Ângela Rô Rô, Fafá de Belém, Leila Pinheiro, Simone e até mesmo Cazuza e Renato Russo. Em 1969, após residir por cinco anos na Espanha, Maysa  retornou definitivamente ao Brasil, bem mais magra,animada e alegre. Dizia ter perdido não quilos mas litros, em inúmeras clínicas de emagrecimento. É desse ano o álbum que o Toque Musical apresenta a hoje a seus amigos cultos,ocultos e associados. Mas, como ela mesma escreveu na contracapa, “eu nunca parti. Eu fui ali e já vim. Eu nunca parti. Eu só reparti. Só não reparti partidas. E nem sempre quem reparte fica com a melhor parte. Eu por exemplo fiquei com o pior. Fiquei com as saudades de vocês”. E não gostava da palavra “volta”.  Quem está na foto da capa com ela é o filho Jayme Monjardim, mais tarde talentoso diretor de programas de televisão, em especial novelas e minisséries (como a que focalizou a própria mãe, na Globo, em que Larissa Maciel a encarnou à perfeição). Gravado na extinta Copacabana, este disco, o décimo-quinto álbum de carreira, mostra uma Maysa bastante afinada com as manifestações musicais que ocorriam à sua volta.  Tanto que os acompanhamentos foram entregues a músicos de extrema competência e bastante conceituados, Antônio Adolfo e Egberto Gismonti, além dos então já veteranos Lindolfo Gaya e Severino Filho. São doze músicas de compositores que ainda iniciavam sua trajetória na MPB e eram ainda pouco conhecidos, mas que iriam se consagrar com o tempo. O próprio Antônio Adolfo assina três faixas em parceria com Tibério Gaspar: “Rosa branca”, “Tema triste” e “Você nem viu”.O irmão de Antônio Adolfo, Ruy Maurity (responsável por hits como “Serafim e seus filhos” e “Nem ouro nem prata”) assina,em parceria com José Jorge, “Estranho mundo feliz” (que parece ser obra da própria Maysa, dada sua personalíssima interpretação) e “Quebranto”. Egberto Gismonti  (que mais tarde faria bem-sucedida carreira internacional) vem com “Um dia” e “Indí”, esta em parceria com Arnoldo Medeiros, cujas letras, sensíveis e muito singelas, chegam a abordar elementos da natureza, o que iria caracterizar a obra de Gismonti futuramente. A faixa de abertura, “Pra quem não quiser ouvir meu canto”, é de César Roldão Vieira”, nome que então começava a se destacar em festivais de MPB.  O recém-falecido Nonato Buzar assina “Canto de fé”, em parceria com Willian Prado, Paulinho Tapajós vem com “Catavento”, que fez com Arthur Verocai, e Durval Ferreira comparece com “Eu e o tempo”, parceria com Flávia,que também assina “Imensamente”, junto com Hedya. O resultado disso tudo é um dos trabalhos mais delicados e modernos de toda a carreira de Maysa, verdadeiro achado em sua discografia, com sua sonoridade suave e sofisticada. Um trabalho irretocável de ponta a ponta, da primeira à última faixa, sendo impossível não se encantar. E, como ela mesma escreveu na contracapa, “agora, muito simplesmente, eu quero pedir a vocês que me ouçam”…

pra quem não quiser ouvir meu canto
estranho mundo feliz
catavento
rosa branca
tema triste
eu e o tempo
um dia
imensamente
canto de fé
indi
quebranto
você nem viu

* Texto de Samuel Machado Filho

Elizeth Cardoso – Elvira Pagã – Seleção 78 RPM Do Toque Musical Vol. 119 (2014)

E chegamos à edição de número 119 do nosso Grand Record Brazil, apresentando duas cantoras de diferentes estilos, mas ainda assim bastante representativas.
 A primeira delas é a também vedete e atriz Elvira Pagã (Elvira Olivieiri Cozzolino,  Itararé,SP, 6/9/1920-Rio de Janeiro, 8/5/2003), uma das personalidades mais ousadas de seu tempo, cuja beleza e sensualidade lhe deram fama e até resultaram em inúmeras prisões, um autêntico “sex symbol”. Já abordada pelo GRB em seu volume de número  59, Elvira volta aqui com seis gravações de sua carreira-solo que não haviam aparecido no mesmo, conseguidas bem depois de sua postagem pelo nosso companheiro, amigo e pesquisador Beto de Oliveira. Em seu segundo disco, o Continental  15251, lançado bem em cima do carnaval de 1945, em fevereiro, Elvira interpreta quatro marchinhas, duas em cada fonograma. No lado A, matriz 973, ela interpreta, de Gadé, Amado Régis e Almanyr Grego, “E o mundo se distrai”e “Meu amor és tu”. No lado B, matriz 974, ela nos traz “Cabelo azul” e “Briga de peru”, ambas de Herivelto e Roberto Martins (que não tinham qualquer parentesco, apesar do sobrenome ser o mesmo). Depois temos as faixas do Todamérica TA-5333, gravado em 14 de julho de1953 e lançado em setembro do mesmo ano, com dois sambas da própria Elvira: no lado A, matriz TA-508, “Reticências”, sem parceria, e, no verso, matriz TA-507, “Sou feliz”, parceria de um certo M. Zamorano. Elvira Pagã encerra sua participação neste volume do GRB com as músicas de seu derradeiro 78 (ela só gravou nesse formato),do extinto selo Marajoara, número MA-10012, com duas composições de sua autoria para o carnaval de 1959. No lado A, matriz M-23, o samba “Vela acesa”, que fez com Orlando Gazzaneo e Orlando Valentim.E no lado B, matriz M-24, a marchinha “Viva los toros”, esta em parceria apenas com Gazzaneo. Enfim, mais seis faixas com Elvira Pagã para enriquecer a coleção de nossos amigos cultos,ocultos e associados (ficou faltando apenas o samba-jongo “Batuca daqui, batuca de lá”, de 1950).
A outra intérprete deste volume do GRB é a eterna “Divina”, “Magnífica” e “Enluarada” Elizeth Cardoso (Rio de Janeiro, 16/7/1920-idem, 7/5/1990). Dela temos cinco faixas marcantes, a maioria de seu início de carreira. De seu primeiro disco,o Star 202, de 1950, provavelmente lançado em março desse ano (e retirado do mercado por “problemas técnicos” jamais esclarecidos), temos, na faixa 10, o lado B, “Mensageiro da saudade”, samba de Ataulfo Alves e José Batista, com acompanhamento de Acyr Alves e sua orquestra. Logo depois, Elizeth foi para a então nascente Todamérica, onde estreou no dia 27 de julho de 1950 gravando dois sambas (estruturalmente sambas-canções)  lançados em outubro seguinte no disco TA-5010. O lado A, matriz TA-19 e oitava faixa desta seleção, é “Complexo”, de Wilson Batista e Magno de Oliveira. Mas o hit maior estava no lado B, matriz TA-20 e faixa 7 de nossa sequência: “Canção de amor”, de Chocolate e Elano de Paula, que consagrou Elizeth, saudada como grande revelação de 1950, e tornou-se o carro-chefe da cantora para sempre. A penúltima faixa é a clássica toada “Prece ao vento”, de Alcyr Pires Vermelho, Gilvan Chaves e Fernando Luiz Câmara, lançada originalmente em 1954 pelo Trio Nagô. O registro de Elizeth Cardoso aqui incluído é de 1956, extraído do LP de 10 polegadas “Fim de noite”, selo Copacabana, relançado dois anos mais tarde em 12 polegadas e com quatro faixas a mais. Por fim, Elizeth nos apresenta “Venho de longe”, samba-canção de Dermeval Fonseca e Alberto Ribeiro,gravação Todamérica de 25 de janeiro de 1952, lançada em abril seguinte sob número TA-5145-B, matriz TA-238. Enfim, foi o que deu para o amigo Augusto selecionar para o GRB desta semana. Mas seu esforço, com certeza, sempre vale a pena… Divirtam-se!
Texto de Samuel Machado Filho
.

Roberto Inglez And His Orchestra – Samba Samba (1951)

Vem de muito longe o interesse dos músicos de outros países pela música popular produzida no Brasil.  E estes, logicamente, passaram a considerar a música popular brasileira a melhor do mundo. Exportamos Cármen Miranda, a bossa nova e muito mais. E, quando Walt Disney veio ao Brasil para fazer o desenho animado “Alô, amigos”, de 1942 (o que lançou o papagaio Zé Carioca), encantou-se com “Aquarela do Brasil”, de Ary Barroso. A ponto de o próprio Ary ter  ido aos EUA fazer a música “Rio de Janeiro” para o filme “Brasil”, da Republic Pictures (1944), estrelado pelo mexicano Tito Guizar.
Pois hoje o Toque Musical traz exatamente um LP de 10 polegadas com músicas brasileiras, gravado fora de nosso território: “Samba, samba”, de 1951. O álbum foi realizado em Londres, nos estúdios da EMI-Parlophone , e lançado nos EUA pela Coral Records (possivelmente não foi editado entre nós). A execução é da orquestra do maestro e pianista Roberto Inglez. Na verdade ele se chamava Robert Inglis, e era escocês de Elgin, vindo ao mundo no dia 29 de junho de 1913. Aos cinco anos de idade aprendeu piano, e aos 15 já possuía conjunto próprio. De origem simples, estudou e chegou a trabalhar como dentista durante o dia e como maestro à noite. Claro que seu talento musical falou bem mais alto. Em 1937, estudando música na Royal Academy of Music, em Londres, conheceu o maestro Edmundo Ros, então membro da Don Marino Barreto’s Cuban Orchestra, especializada em música latina. Ao formar a própria orquestra, Edmundo recrutou Robert, sugerindo o nome artístico de Roberto Inglez, uma vez que ele era o único britânico na formação.  Robert trabalharia pouco tempo com Edmundo e, logicamente, formaria orquestra própria. Seus primeiros discos, no entanto, só viriam no final de 1945, uma vez que a Segunda Guerra Mundial praticamente interrompeu a produção artística na Europa. Um ano mais tarde, Roberto Inglez é contratado pelo Hotel Savoy,um dos mais sofisticados de Londres, e “lar” de outro famoso pianista, Carroll Gibbons.
Seus discos, em 78 rpm e LPs, saíram pela Parlophon britânica, pela Coral, nos EUA (caso deste aqui) e pela Odeon no Brasil e na Espanha, vendendo assustadoramente. Em todas as suas gravações, Roberto Inglez expressa sua paixão pelos ritmos latinos,em especial os brasileiros. Paixão esta que culminaria, em 1952, na sua primeira temporada no Brasil, liderando uma orquestra com 30 integrantes, com apresentações no Hotel Casablanca do Rio de Janeiro (onde ficou quatro semanas em cartaz) e no Lord de São Paulo (por duas semanas). Diz a lenda que, nessa temporada, Inglez acompanhou as primeiras apresentações da iniciante Ângela Maria. Voltando a Londres, Dalva de Oliveira foi estrela de seu “set” por duas semanas no Hotel Savoy, daí resultando a antológica série de 17 gravações que a “rainha da voz” fez por lá junto com Inglez, 13 delas editadas no Brasil pela Odeon. Em 1954, Inglez casou-se e foi residir no Chile, ali formando a Roberto Inglez y su Orquestra Romanza. Voltaria ao Brasil em outras oportunidades, para novas temporadas artísticas e gravações na Odeon, retirando-se do cenário musical no início dos anos 1960.
Roberto Inglez faleceu em 1978, em Santiago do Chile. O presente álbum tem quatro músicas feitas no Brasil, duas de Ary Barroso (“Brasil”, aliás, “Aquarela do Brasil” e”Os quindins de Iaiá”), uma de Joel de Almeida (“Whistle samba”, título com o qual foi rebatizada “Nasci para bailar, nasci para sambar”, composta pelo “magrinho elétrico” na época em que residia e trabalhava na Argentina) e outra de Ernesto Nazareth (o “tango” “Dengoso”, cujas primeiras gravações apareceram por volta de 1910). As outras quatro faixas são de compositores ”gringos”, mas ainda assim este “Samba, samba” é um exemplo da paixão que Roberto Inglez sempre teve por nossa música popular. Você por certo irá dizer ao terminar de ouvi-lo: “Bravo, maestro!”
.
samba samba
brazil
os quindins de yayá
whistle samba
chi-baba chi-baba
zacatecas
mocking bird
dengozo
.
*SAMUEL MACHADO FILHO.

J G De Araújo – Amo (1964)

Que tal um pouco de poesia? Bem, é o que o Toque Musical oferece hoje a seus amigos cultos,ocultos e associados. Trata-se um LP da Musidisc, gravadora que encerrou definitivamente suas atividades em 2013, apresentando poemas escritos e declamados por um autor tão discutido quanto lido: J. G. de Araújo Jorge.
Batizado como José  Gulherme de Araújo Jorge, nosso focalizado nasceu na Vila de Tarauacá, Estado do Acre, no dia 20 de maio de 1914, filho de Salvador Augusto de Araújo Jorge (membro de tradicional família acreana) e Zilda Tinoco de Araújo Jorge.  Era também sobrinho-neto do embaixador Artur Guimarães de Araújo Jorge (médico, escritor e orador, presidente perpétuo da Academia Amazonense de Letras) e  do professor Afrânio de Araújo Jorge, fundador do Ginásio Alagoano, de Maceió.  J. G. passou sua infância na capital do Estado, Rio Branco, onde fez o curso primário no Grupo Escolar Sete de Setembro.Em seguida, ao mudar-se para o Rio de Janeiro, fez o curso secundário nos colégios Anglo-Americano e Pedro II.  Colaborando desde menino na imprensa estudantil, foi fundador e presidente da Academia de Letras do Internato Pedro II, que ficava num casarão de São Cristóvão, destruído por um incêndio muitos  anos depois. Ainda ginasiano, teve sua primeira publicação na imprensa adulta: o poema “Ri, palhaço, ri”, de 1931, aparecido no jornal “Correio da Manhã” e depois no “Almanaque Bertrand” para o ano seguinte,mas nunca incluído em seus livros, como outros trabalhos seus dessa época. Colaborou também no jornal “A Nação” , nas revistas ‘Vamos Ler!” e “Carioca”, etc.  Formou-se pela Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil.  Foi eleito “Príncipe dos Poetas” em 1932, numa memorável cerimônia  acontecida no Externato Pedro II. Saudado na festa pelo também escritor Coelho Neto, recebeu das mãos da poetisa Ana Amélia,então presidente da Casa do Estudante do Brasil, como prêmio e homenagem, um livro ofertado por Adalberto Oliveira, então “Príncipe da Poesia Brasileira”. Ainda estudante, J. G. de Araújo Jorge venceu concursos de oratória, tendo sido orador oficial de entidades universitárias. Recebeu em Coimbra, Portugal, o título de “estudante honorário”, e fez Curso de Extensão Cultural na Universidade de Berlim. Foi casado com Maria Souza de Araújo Jorge. Seu primeiro livro, “Meu céu interior”, foi publicado em 1934, seguido de outros 35. Entre suas obras, destacamos: “Bazar de ritmos” (1935), “Harpa submersa” (1952), “Concerto a quatro mãos” (1959), “De mãos dadas” (1961), “Poemas do amor ardente” (idem),  “Cantigas de menino grande” (1964), “Trevos de quatro versos (idem), “Quatro damas” (1965), “Os mais belos sonetos que o amor inspirou” (1966 e 1970), “Mensagem” (1966), “O poder da flor” (1969), “O poeta na praça” (1981), “Tempo será” (1986) e a coletânea de crônicas “No mundo da poesia” (1969).  Foi conhecido como “o poeta da povo e da mocidade”, por sua mensagem social e política, e por sua obra lírica, de linguagem simples, impregnada de romantismo moderno, mas às vezes dramático, o que o fez um dos poetas mais lidos e, ao mesmo tempo, o mais combatido do Brasil. Com irrefreável vocação para a política, J.G. candidatou-se a vários cargos públicos. Em 1970, foi eleito deputado federal pela antiga Guanabara, sendo reeleito duas vezes (1974 e 1978). Ocupou a vice-liderança do MDB, hoje PMDB, e a presidência da Comissão de Comunicação da Câmara dos Deputados. J. G. de Araújo Jorge faleceu no Rio, em 27 de janeiro de 1987. E até hoje seus livros continuam bastante procurados nos sebos, uma vez que há tempos não são reeditados.  Mesmo esquecido pela crítica, é um dos poetas cujos textos mais aparecem na internet, e talvez seja um dos mais lembrados, lidos e copiados pelos enamorados.
Neste álbum da Musidisc, lançado originalmente em 1964, um pouco da arte poética de J. G. de Araújo Jorge. O título do  LP é o mesmo de um livro que ele publicou em 1938, “Amo!”, e por certo sua audição irá comprovar a permanência e a força de sua poesia. Depois deste álbum, J. G. ainda lançaria um outro, sem título, pela gravadora Equipe de Oswaldo Cadaxo, provavelmente em 1970.  Ouça este “Amo!” e desperte o poeta que existe em você!
amo
balada da chuva
cena a hora do poente
noiva
trecho de carta inútil
essa
há dias
maldade
carnaval
tédio
ideal de amor
gata angorá
poema para mulher que passou
você
carta cinzenta
a lenda do poente
felicidade
a vida
fim
.

*Texto de SAMUEL MACHADO FILHO

Silvio Caldas – Serestas, Só Serestas (1973)

O carioca Sílvio Narciso de Figueiredo Caldas (1906?-1998) foi sem dúvida fiel à seresta, mais do que qualquer outro intérprete de seu tempo. O eterno “caboclinho querido” lançou,ao longo da carreira,páginas notáveis da seresta, compostas pelos melhores autores, inclusive ele mesmo.  Como esquecer, por exemplo, do s clássicos que compôs com Orestes Barbosa (“Serenata”, “Chão de estrelas”, “Arranha-céu”  etc.)?  Por isso mesmo é que Sílvio Caldas é considerado, com justiça, o mais seresteiro de todos os intérpretes de nossa música popular.
Hoje, o Toque Musical tem a grata satisfação de oferecer a seus amigos cultos, ocultos e associados  mais um álbum de Sílvio Caldas (a quem já tivemos o prazer de dedicar algumas edições do Grand Record Brazil). Trata-se de uma compilação, editada pela CBS (selo verde Entré, um dos braços “econômicos” da gravadora, ao lado do Tropicana) em 1973, reunindo gravações extraídas de dois LPs rememorativos que fez na empresa, com músicas de grandes autores, tipo Gastão Lamounier, Joubert de Carvalho,  Custódio Mesquita etc.  Se não, vejamos: do álbum “O grande seresteiro” (1968), foram extraídas “Assim acaba um grande amor” (gravação original de Carlos Galhardo, em 1937), “Não me abandones nunca” (criação do próprio Sílvio, em 1938),o fox-canção “Mulher” (também criação original de Sílvio, em 1940), o samba-canção “Prece” (de Vadico e Marino Pinto, originalmente lançado por Helena de Lima em 1956), “Se tu soubesses” (outra criação original de Sílvio, em 1941) e “Perdoa, meu amor” (original de Orlando Silva, em 1947). Um ano mais tarde, 1969, Sílvio lançou mais um LP rememorativo, “E o destino desfolhou”, do qual aqui estão as faixas “Último desejo”(eterno clássico de Noel Rosa, só lançado após sua morte por Aracy de Almeida, em 1938), “Que importa para nós dois a despedida?” (lançada por Orlando Silva em 1939), o sucesso de sempre “Eu sonhei que tu estavas tão linda” (registro original de Francisco Alves em 1941, com várias interpretações em disco, até mesmo do “tremendão” Erasmo Carlos),  “Cinco letras que choram – Adeus” (clássico do repertório de Francisco Alves, lançado em 1947), “O nome dela não digo” (da parceria de Sílvio com Orestes Barbosa, originalmente lançada por ele mesmo em 1936) e, claro,a faixa-título do LP original, “E o destino desfolhou”(criação de Carlos Galhardo, em 1937). Mesmo  na casa dos 60 anos, na época em que fez estas regravações, Sílvio Caldas está bastante motivado, nos oferecendo, como sempre, interpretações soberbas e imperdíveis. Bons autores, sucessos inesquecíveis, um intérprete seresteiro por natureza… Que mais se pode querer?  É ouvir e recordar
.
assim acaba um grande amor
não me abandones
último desejo
mulher
prece
se tu soubesses
que importa para nós dois a despedida
eu sonhei que tu estavas tão linda
cinco estrelas que choram
o nome dela eu não digo
perdoa meu amor
e o destino desfolhou
*SAMUEL MACHADO FILHO.

Agnaldo Rayol – A Mais Bela Voz Do Brasil (1966)

É com muita alegria e satisfação que o Toque  Musical oferece hoje, a seus amigos cultos, ocultos e associados, um dos melhores trabalhos fonográficos deste que,sem dúvida, é um dos mais expressivos cantores brasileiros:  Agnaldo Rayol. Figura marcante do rádio do disco, do cinema e da televisão, Agnaldo Coniglio Rayol veio ao mundo no dia 3 de maio de 1938, no bairro carioca de Bonsucesso, oriundo de uma família bem constituída musicalmente, com o incentivo dos pais, Agnelo e Rosita. Talento precoce, aos três anos, como ele já gostava de cantarolar os sucessos que ouvia no rádio, seu tio Edgard teve a ideia de levá-lo a um posto  dos correios e telégrafos,onde se gravavam disquinhos de papelão, em processo semelhante aos dos acetatos, e pedir-lhe que repetisse ali,à sua maneira, quatro sucessos da época:  “Pombo correio”, “Morro de Santa Tereza”, “Renúncia” e o fox “Adeus”. Os dois disquinhos depois foram dados de presente aos pais.  Aos oito anos, o pequeno Agnaldo apresenta-se no programa “Papel carbono”, comandado por Renato Murce na lendária Rádio Nacional, interpretando “Matinatta”, de Leoncavallo.  Depois, foi com a família para Natal, capital do Rio Grande do Norte, atuando na Emissora Natalense, passando-se para a Rádio Araripe, do Crato, Ceará, e desta para a Rádio Poti, de Natal, onde foi também rádio-ator. Estreou no cinema em 1949, atuando e cantando no filme “Também somos irmãos”, da Atlântida, dirigido por José Carlos Burle. Dois anos mais tarde, filmou “Maior que o ódio”, no mesmo estúdio e com o mesmo diretor, contracenando com outro menino, o futuro jornalista e escritor Ivan Lessa, um dos fundadores do tabloide “O Pasquim”.  Em 1956, retorna a Natal, agora em uma excursão artística, ao lado de Leny Eversong e, ao voltar para o Rio, assina contrato com a PRG-3, Rádio Tupi (“o cacique do ar”), como ator,sob o pseudônimo de Agnaldo Vasconcellos. No mesmo ano, o diretor da emissora, J. Antônio d’Ávila,o escala para cantar no programa “Festival de vozes”, da TV Tupi, que o contrata em 1957. Já radicado em São Paulo, estreia pela Tupi seu primeiro programa de TV, “Sonhos musicais”, que ficou quatro anos no ar. Em 1958, grava seu primeiro disco, na Copacabana, um 78 rpm com “Se todos fossem iguais a você” (Tom Jobim-Vinícius de Moraes) e “Prece” (Vadico-Marino Pinto), logo seguido do primeiro LP, sem título. Aparece também em filmes como “Garota enxuta”,’Uma certa Lucrécia”e “Zé do Periquito”, este último estrelado por Mazzaropi, no qual teve um número musical ao lado de Hebe Camargo.  Em 1961, participa do show “Skindô”, no golden room do Copacabana Palace Hotel, no Rio, produzido por Abrãao Medina.  Em 1964, Agnaldo faz suas primeiras novelas, ambas na TV Excelsior: “Mãe” e “O caminho das estrelas”. No ano seguinte, atinge o ápice de sua carreira, quando é contratado pela TV Record e se torna um dos maiores astros da emissora, então na linha dos grandes musicais. Apresentou o “Corte Rayol show”, ao lado do humorista Renato Corte Real, que passou a chamar-se “Agnaldo Rayol show” com a saída do humorista. Também participa de outros programas da casa, como “Jovem Guarda” e o de Hebe Camargo,  além de atuar em outros filmes no cinema, tais como “Tristeza do Jeca” (1961, também estrelado por Mazzaropi), “Agnaldo, perigo à vista” (1968) e “A moreninha” (1970). Teve inúmeros sucessos ao longo da carreira: “E a vida continua”, “Onde estará meu amor?”, “De joelhos”, “Acorrentados”, “Frente ao mar”, “Deixe pra mim a culpa”, “Quando o amor te chama”,”A praia”, “O princípio e o fim”, “O amor é tudo”, “Livre”, “Mente-me”, “Rumo certo”, “Canta-me um fado”, “Obrigado, meu Deus”, “O velho e o novo”, “Margarida” (que cantou na primeira versão da novela “As pupilas do senhor reitor”, produzida pela Record em 1970), “Quero te dizer cantando”, “Em nome do amor” (da novela global “Renascer”)  e muitos outros mais. Em 1996, regravou, ao lado da dupla Chyristian e Ralf,a canção “Mia Gioconda”, de Vicente Celestino (1946), para a novela “O rei do gado”, da Globo, fazendo a música voltar às paradas de sucesso.
O álbum que o TM oferece hoje nos traz Agnaldo Rayol em um trabalho como sempre impecável, da época em que era grande astro da TV Record (1966). O poema da contracapa, por sinal,foi escrito por um então colega de emissora, o inesquecível Blota Júnior. No repertório, bem escolhido e de muito bom gosto,desfilam composições de autores de quilate, como Luiz Vieira (“Resto de quem parte”), as  duplas Evaldo Gouveia-Jair Amorim (“Eu chorarei por ti”, “O telefone”) e Dênis Brean-Oswaldo Guilherme (“Receio”) , e Luiz Carlos Paraná (“Em vez de adeus”). Curiosamente, Tommy Standen (aliás, Thomas William Standen), que assina “Nosso cantinho no mundo” e então cantor da Jovem Guarda, ficaria mais tarde famoso cantando em inglês com o pseudônimo de Terry Winter, tendo também composto canções sertanejas sob a “identidade secreta” de Chico Valente! Enfim, um impecável trabalho de Agnaldo Rayol, que ainda hoje nos encanta e continua a receber o merecido aplauso do público, fazendo jus ao título deste álbum: A MAIS BELA VOZ DO BRASIL!
devo esperar
resto de quem parte
euchorarei por ti
sem um fim
você é amor
poema do amor divino
a tua voz
nosso cantinho no mundo
o telefone
receio
em vez de adeus
paz do teu sorriso
 *Texto de Samuel Machado Filho

Linda Batista, Elizeth Cardoso, Onilda Figueiredo & Carmen Barbosa – Seleçào 78 RPM Do Toque Musical Vol. 118 (2014)

E vai para o ar mais uma edição do Grand Record Brazil, a de número 118. É mais um volume dedicado às cantoras, apresentando quatro grandes intérpretes que fizeram história em nossa música popular.
Para começar, temos Linda Batista (Florinda Grandino de Oliveira, São Paulo, 14/6/1919-Rio de Janeiro,  17/4/1988),que marca presença no GRB desta semana com quatro faixas bastante expressivas, todas em gravações Victor. A primeira é a divertida marchinha “No boteco do José”, sucesso do carnaval de 1946, alusivo à conquista do campeonato carioca de futebol pelo Vasco da Gama (o time era então chamado “expresso da vitória”), no ano anterior, invicto, fazendo menção inclusive ao atacante Lelé (Manuel Pessanha, 1918-2003), artilheiro do certame, de chute fortíssimo.  Flamenguista convicto, Wilson Batista fez a marchinha em parceria com Augusto Garcez, e Linda a gravou em 21 de setembro de 1945, sendo lançada ainda em  novembro com o n.o 80-0348-A, matriz S-078294. Logo depois,ao lado das Três Marias, com acompanhamento da orquestra do maestro Passos,  Linda interpreta o clássico samba-canção “Bom dia”, de Herivelto Martins e Aldo Cabral, em gravação de 2 de julho de 1942, lançada pela marca do cachorrinho Nipper em setembro do mesmo ano, disco 34962-A, matriz S-052569. “Bom dia” tem inúmeras regravações, destacando-se as de Dalva de Oliveira e Maria Bethânia. Ruço do Pandeiro e Alfeu de Brito assinam o samba “Quem sabe da minha vida sou eu”, que Linda gravou em 13 de agosto de 1941, com lançamento em outubro seguinte sob n.o 34814-A, matriz S-052327. Linda Batista encerra sua participação neste volume com o divertido samba-de-breque “Eu fui à Europa”, de Chiquinho Sales. No enredo, Linda é uma cantora brasileira que vai se apresentar numa rádio europeia, mas é presa, confundida com uma espiã, e levada para a execução. Porém… tudo não passou de um sonho! Gravação de 10 de junho de 1941, lançada em agosto do mesmo ano com o n.o 34785-A, matriz S-052241. Nestas duas últimas faixas,o acompanhamento é creditado aos Diabos do Céu, mas estes não eram mais os integrantes da orquestra formada e dirigida por Pixinguinha, e sim os do regional de Benedito Lacerda, como sempre fazendo maravilhas com sua flauta inconfundível.  Como a denominação era de propriedade da Victor, outros grupos também podiam aparecer nos selos dos discos como Diabos do Céu, caso do regional de Benedito.
 A eterna “Divina”, “Enluarada” e “Magnífica” Elizeth Cardoso, nascida (16/7/1920) e falecida (7/5/1990) no Rio de Janeiro, intérprete de uma longa e vitoriosa carreira, bate ponto aqui com outras quatro faixas,todas gravadas em seu início de carreira. Primeiro, temos seu primeiro  sucesso maiúsculo, “Canção de amor”, samba do comediante Chocolate (Dorival Silva, 1923-1989) em parceria com Elano de Paula, que se tornaria para sempre carro-chefe de Elizeth. Saiu no disco de estreia da cantora na Todamérica, n.o TA-5010-B, gravado em 27 de julho de 1950 e lançado em outubro seguinte, matriz TA-20, do qual também apresentamos logo depois o lado A, “Complexo”, samba de Wilson Batista e Magno de Oliveira, matriz TA-19. Meses antes, porém, Elizeth  havia gravado seu primeiro disco na Star, futura Copacabana, número 202, do qual apresentamos o samba do lado B, “Mensageiro da saudade”, composto por Ataulfo Alves e José Batista, com acompanhamento da orquestra de Acyr Alves. Esse disco, lançado provavelmente em março de 1950, seria logo retirado das lojas pela gravadora, que alegou “problemas técnicos”, jamais esclarecidos devidamente. Por fim, Elizeth canta “Venho de longe”, samba-canção de Dermeval Fonseca e Alberto Ribeiro, gravação Todamérica de 25 de janeiro de 1952, lançada em abril do mesmo ano, disco TA-5145-B, matriz TA-238.
Natural do Recife, a capital pernambucana, Onilda Figueiredo, a cantora que apresentamos a seguir, deixou, segundo consta,  uma escassa discografia. Gravou, em 78 rpm, quatro discos com oito músicas, entre 1956 e 1958, todos pela Mocambo, gravadora que por sinal tinha sede no Recife, e pertencia aos irmãos Rozenblit.  Foi também contratada da Rádio Jornal do Commércio, e era presença constante nos programas de auditório da emissora recifense, cujo slogan era “Pernambuco falando para o mundo”.  Fez ainda uma participação na coletânea “Catorze maiorais em boleros” (Copacabana, 1964), interpretando “Duas cruzes”. Ei-la aqui com as faixas de seu 78 de estreia, o Mocambo 15094, lançado em junho de 1956, com dois boleros. Primeiro, o lado B, matriz R-695, “Desespero”, de autoria de Ângelo Iervolino. E, em seguida, o lado A, o clássico “Nunca! Jamais! (Nunca! Jamás!)”, matriz R-694, de autoria do mexicano Lalo Guerrero, em versão de Nélson Ferreira, também notável compositor e então diretor artístico da Mocambo. Enorme sucesso, “Nunca! Jamais!” seria mais tarde faixa de abertura do único LP da cantora, o 10 polegadas “A voz de Onilda Figueiredo”, sendo também gravado por outros intérpretes (Ivon Cúri, Ângela Maria, Rosa Pardini, Zezé Gonzaga etc.).
Finalmente, lembramos de uma cantora expressiva, que infelizmente partiu muito cedo: Cármen Barbosa. Carioca do bairro do Catumbi, nascida em 4 de setembro de 1912, ela faleceria em 3 de setembro de 1942, um dia antes de fazer trinta anos, vítima de grave doença. Ela aqui comparece com as quatro faixas finais de nossa seleção desta semana. De início tem “Banalidade”, samba de Gilberto Martins (nada banal,apesar do título), gravação Columbia de 19 de junho de 1939, lançada em julho seguinte sob n.o  55073-A, matriz 165. O samba-canção “Carnaval que passou” é do mestre Benedito Lacerda, que muito incentivou Cármen Barbosa em sua carreira e por sinal a acompanha com sua flauta mágica em todas as quatro faixas que ela interpreta aqui, à frente de seu regional.  Gravação Victor de 30 de abril de 1937, lançada em agosto do mesmo ano, disco 34192-A, matriz 80390 (aqui, o regional de Benedito Lacerda aparece com o nome de Boêmios da Cidade). O samba “Depois que ele partiu” é também de Benedito, agora em parceria com Gilberto Martins, e Cármen o gravou na Columbia em 8 de agosto de 1939, com lançamento em setembro sob n.o 55157-B, matriz 187. Por fim, temos outro bom samba, “Adeus, Favela”, de Nélson Trigueiro e Paulo Pinheiro, gravação Columbia de 13 de maio de 1939, lançada em junho seguinte sob n.o  55069-A, matriz 152. Enfim, uma edição em que o GRB revive quatro grandes cantoras da MPB, cujo legado é sempre desfrutável e imperdível. Até a próxima!
* Texto de Samuel Machado Filho
.

Aimé Doniat – Chante 1900 – Orchestre de Marcel Cariven (S/D)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Demorei, mas cheguei ;) Cheguei trazendo a outra curiosidade, conforme eu havia anunciando. Observem que o disco de hoje não é nacional. Aliás, nada nele lembra o Brasil. Observem mais atentamente e verão que o álbum é importado,’fabriqué en France’! O que me chamou a atenção foi o selo, a marca e logomarca Musidisc. Estranho… Fui então pesquisar e não precisei ir muito longe para descobrir que a marca e logomarca Musidisc é na verdade francesa. Um selo francês criado em 1927, atuando ainda hoje, porém controlado pelo grupo Universal Music. Vejam vocês… Eu mesmo nunca havia me dado conta disso. E olha que já deve ter passado vários discos da Musidisc francesa. Estranho que ninguém nunca tenha comentado isso, pelo menos eu nunca li nada a respeito… E o Nilo Sérgio, onde entra nessa? Gostaria de saber melhor essa história. alguém aí se habilita? Bom, quanto ao conteúdo musical, o que temos aqui, segundo a própria contracapa nos informa são ‘os grande sucessos de 1900′. Confesso que não sei nada sobre a música francesa e pelo que entendi Aimé Doniat (desculpem a minha ignorância) foi um famoso cantor. Este disco foi me dado de presente por um amigo que voltou agora da França. Ainda não degustei o disco inteiramente, mas já o achei muito interessante. Fica aqui então uma postagem diferente que eu espero, gere alguma polêmica ou coisa assim

la mattchiche
tu verras montmartre
ah! si vous voulez d’l'amour!
yá qu’l'amour!
tes yeux
au r’voir et merci
viens poupoule
cousine
si tu veux… marguerite
valse brune
amoureuse
a la martinique