Jamelão – O Sucesso (1968)

Hoje o TM tem o prazer de oferecer aos seus amigos cultos, ocultos e associados uma coletânea de Jamelão (José Bispo Clementino dos Santos), sem dúvida um dos maiores e mais expressivos cantores que a música popular brasileira já teve. Ela foi lançada em 1968 pela Continental, sob o selo Musicolor, um dos braços ditos “econômicos” da gravadora).
Nosso focalizado veio ao mundo no dia 12 de maio de 1913, no bairro carioca de São Cristóvão, mais precisamente na Rua Fonseca Teles. Ali morou até os nove anos de idade, quando se mudou para o Engenho Novo com sua mãe, Dona Benvinda, que saía numa escola de samba de nome pitoresco:  Deixa Malhar! Aos dez anos, o menino José Bispo ganhou um cavaquinho, mas se identificou mesmo com o tamborim, sendo apelidado de Moleque Saruê. Na lendária Vila Isabel, onde passou a morar, ele fundou com alguns vizinhos o Clube Cajuti, onde cantava. Começou a trabalhar numa  fábrica de artefatos de borracha,onde conheceu o cantor Onéssimo Gomes,  que muito o ajudou em sua carreira. Cantou pela primeira vez em público na gafieira Fogão, lá mesmo na Vila, interpretando “Mentira carioca”, sucesso de Cyro Monteiro.  Por volta de 1940, apresentando-se na gafieira Jardim do Méier, o gerente Euclides pegou o microfone e anunciou: “Vamos ouvir o Jamelão!”, daí surgindo o apelido que o consagraria para a posteridade. Nesse tempo, eleprocurava cantar no estilo dos sambas de Cyro Monteiro e algumas das valsas de Orlando Silva, Sílvio Caldas e Gilberto Alves.  Em 1945, quando trabalhava na Fábrica de Tecidos Confiança participou de um programa de calouros na Rádio Ipanema, sem sucesso.  Novamente nessa emissora, levado por seu amigo Onéssimo Gomes, apresentou-se por algum tempo em um programa dominical produzido por Kid Pepe.  Mais tarde, participou do “Calouros em desfile”, de Ary Barroso, onde foi o primeiro calouro a interpretar o clássico “Ai, que saudades da Amélia” (Ataulfo Alves-Mário Lago)., sendo depois incluído no programa “Escada de Jacó”, do professor Zé Bacurau. A carreira profissional de Jamelão iniciou-se no Dancing El Dorado, substituindo o amigo Onéssimo Gomes, que adoecera. Quando Onéssimo sarou, este conseguiu para Jamelão um lugar de cantor em outro dancing, o Avenida.  Continuou trabalhando durante o dia na fábrica de tecidos, mas só cantou durante oito noites no Avenida, tendo sido convidado em seguida pelo baterista Duduca para ser crooner do Conjunto Brasil Danças, do saxofonista e clarinetista Luiz Americano. Em 1947, venceu um concurso promovido pela Rádio Clube do Brasil,recebndo como prêmio um contrato de um ano com a emissora.  Com o término do mesmo, passou-se para a Rádio Tupi, também se apresentando com frequência nos dancings Brasil e Farolito. Em disco, Jamelão iniciou-se em  1949, na Odeon,  participando de um disco do lendário acordeonista Antenógenes Silva, no qual interpretava as músicas “A jiboia comeu” e “Pensando nela”. Seu primeiro grande sucesso viria em 1951: “Onde vai, Sinhazinha?”, samba-canção do maestro Ivan Paulo, o Carioca. Um ano depois,transfere-se para a Sinter ,onde lança, entre outras, “Mora no assunto”, de Padeirinho e Joaquim Santos, e, em 1954, para a Continental,onde deixou a maior parte de seus sucessos, muitos permanentes em seu repertório: “Leviana”, “Deixa de moda”, “Folha morta”, ‘Ela disse-me assim”, “Exemplo” (neste LP), “Torre de Babel” (idem), “Eu agora sou feliz”, “Fechei a porta”, “Quem samba fica”, “O samba é bom assim”, “Exaltação à Mangueira”, “Matriz ou filial”etc. Em 1952, como crooner da Orquestra Tabajara de Severino Araújo, participou de uma festa promovida por Assis Chateaubriand, proprietário dos Diários e Emissoras Associados, no castelo do estilista de moda Jacques Fath, em Corbeville, França.  Entre 1952 e 2006, foi puxador de samba-enredo da Mangueira,  sua escola de coração, tendo sido agraciado várias vezes com o prêmio Estandarte de Ouro, do jornal “O Globo”, em sua categoria. Durante seis anos, foi diretor de harmonia do programa de TV “Rio dá samba”,  apresentado pelo compositor João Roberto  Kelly na Tupi e, depois, na Bandeirantes. Lupicínio Rodrigues considerava Jamelão seu melhor intérprete, e ele até gravou dois álbuns com suas composições.  Seu último trabalho em disco foi o CD “Cada vez melhor”,lançado em 2002 pela Obi Music.  Diabético e hipertenso, Jamelão sofreu dois AVCs e teve problemas pulmonares, vindo a falecer no dia 14 de junho de 2008, em seu Rio natal, aos 95 anos,por falência múltipla de órgãos, e seu corpo foi sepultado no Cemitério São Francisco Xavier,no bairro do Caju. Mas seu trabalho musical ficaria para sempre na memória de muitos. Nesta compilação, foram reunidas doze faixas gravadas por Jamelão na primeira metade da década de 1960. Do disco “Jamelão canta para enamorados”, de1962, foram pinçadas: a regravação de “Foi assim” (Lupicínio Rodrigues,lançada dez anos antes por Linda Batista), “Fim de jornada”, “Meu Natal” (outra composição de Lupi, cujo verso inicial, “Eu fui um dos nenéns mais bem ninados deste mundo”, é considerado um achado) e “O amor é você”. Do álbum “O samba é bom assim – A boate e o morro na voz de Jamelão” (1960), são “Solidão” (conhecidíssimo samba-canção de Guaxinim e Floriano Mattos), e outro clássico de Lupicínio Rodrigues, “Exemplo”, que o poeta gaúcho fez por ocasião de seus dez anos de casamento com Dona Cerenita. Do disco “Jamelão e os sambas mais” (1961) são “Mais do que amor” e “Você é gelo”.  Do álbum “Sambas para todo gosto” (1963) é ”Torre de Babel”, mais um clássico samba-canção de Lupicínio Rodrigues, fruto de uma das inúmeras complicações amorosas em que, invariavelmente, o compositor se metia.  Desse mesmo disco é “Retrato do morro”, uma das primeiras composições gravadas de Nonato Buzar, aliás falecido em fevereiro deste 2014. Por fim, do LP “Aqui mora o ritmo” (de 1964 e não de 62, como listado por aí), são “Um minuto de silêncio” e “Flores, estrelas e mulheres”. Enfim, uma amostra bastante expressiva do trabalho de Jamelão, que foi grande em tudo que fez em matéria de samba, tanto alegre quanto romântico. Para ouvir sem falta!
solidão
fim de jornada
foi assim
torre de babel
meu natal
o amor é você
exemplo
mais do que o amor
você é gelo
um minuto de silencio
retrato do morro
flores, estrelas e mulheres
.
Texto  de SAMUEL MACHADOFILHO.

A Música De Lupicinio Rodrigues – Seleção 78 RPM Do Toque Musical Vol.117 (2014)

Esta semana o Grand Record Brazil prossegue a retrospectiva dedicada à obra de Lupicínio Rodrigues (1914-1974), por certo o maior nome que o Rio Grande do Sul deu à nossa música popular. Depois de apresentarmos o próprio Lupi interpretando suas composições, temos agora catorze preciosas gravações de suas obras nas vozes de intérpretes diversos, a maior parte sambas e sambas-canções.
Para começar, temos o próprio Lupicínio interpretando “Sombras”, faixa que é o lado B do disco Star 353, editado em maio-junho de 1952 no álbum “Roteiro de um boêmio”. Eram quatro discos 78 embalados em capa especial, expediente às vezes comum nessa época, em que o LP estava em processo de implantação, e apenas começava a ser fabricado entre nós. Na faixa seguinte é “Triste história”, parceria de Lupi com Alcides Gonçalves, por este último interpretada,  gravação Victor de 3 de agosto de 1936, lançada em setembro do mesmo ano, disco 34089-B (o primeiro com gravações de músicas de Lupicínio), matriz 80188, samba que, por sinal, venceu, um ano antes, um concurso realizado em Porto Alegre por ocasião do centenário da Revolução Farroupilha (os autores abiscoitaram dois contos de réis).  Em seguida,o samba-canção “Divórcio”, só de Lupicínio,por ele composto numa ocasião em que o assunto estava na pauta das discussões, interpretado por João Dias, cantor que Francisco Alves indicara para sucedê-lo, dada a semelhança vocal. Gravação Odeon de 29 de janeiro de 1952,lançada em agosto do mesmo ano (um mês antes da trágica morte de Chico Viola em desastre automotivo),  sob n.o 13306-A, matriz 9233. O clássico “Vingança”, também só de Lupicínio, é a faixa seguinte, na gravação original do Trio de Ouro, então em sua segunda fase,  com Noemi Cavalcanti no lugar de Dalva de Oliveira, que se separara do fundador do grupo, Herivelto Martins, e mantendo Nilo Chagas (ainda que já tivesse divergências com Herivelto).  Gravado na RCA Victor em 10 de abril de 1951 e lançado em junho seguinte sob n.o 80-0776-B,matriz S-092932, “Vingança”, porém, teve sucesso muito maior posteriormente, na voz de Linda Batista, que fez da música um clássico, deixando este registro original esquecido. Ainda assim, o trazemos aqui para reavaliação.  O “rei do samba de breque”, Moreira da Silva, também mostrava algumas vezes sua faceta sentimental e romântica,como aqui, interpretando “Meu pecado”, parceria de Lupicínio com Felisberto Martins. Gravação Odeon de 3 de outubro de 1944,lançada em novembro do mesmo ano, disco 12516-B, matriz 7572. Na faixa seguinte, o primeiro grande hit nacional de Lupicínio como autor, e outra parceria com Felisberto Martins: o samba “Se acaso você chegasse”,verdadeiro clássico do gênero, que também projetou seu intérprete, o grande Cyro Monteiro.  Ele imortalizou esta obra-prima na Victor em 19 de julho de 1938, com lançamento em setembnro seguinte, sob n.o 34360-A, matriz 80844. Tocou até em um filme americano chamado ”Dançarina loira” e, em 1959, projetaria também a cantora Elza Soares.  A eterna “personalíssima”, Isaura Garcia, aqui comparece com “Eu não sou louco”, samba que Lupicínio fez com Evaldo Ruy, visando o carnaval de 1950. Foi gravado na RCA Victor em 14 de novembro de 49, e saiu um mês antes da folia, em janeiro, com o n.o 80-0625-B, matriz S-078984. Orlando Silva,o sempre lembrado “cantor das multidões”, vem com outro sucesso: “Brasa”,que Lupi compôs ao testemunhar as brigas domésticas de seu  irmão Francisco com a esposa, na ocasião em que residiu com eles. Novamente com a parceria de Felisberto Martins, foi imortalizado por Orlando na Odeon em  9 de março de 1945, e lançado em abril do mesmo ano,disco 12571-A, matriz 7772. Onofre Pontes é o parceiro do nosso Lupicínio em “Amigo ciúme”, lançado pela Copacabana em março de 1957, na voz da grande Sapoti, Ângela Maria, disco 5739-B, matriz M-1634. Felisberto Martins volta a ser parceiro de Lupicínio em “Feiticeira”. Afinal, Lupi era gastrônomo e cozinheiro de mão cheia, e as mulheres sabiam que o caminho para o seu coração também passava por uma boa mesa. Gravação de Homero Marques, lançada em 1952 pela Elite Special (coligada da Odeon), disco N-1081-A, matriz MIB-1131. “Quem há de dizer”, parceria de Lupicínio com Alcides Gonçalves, é outro clássico do samba-canção e da dor de cotovelo.  Alcides, nessa época, era pianista em casas noturnas portoalegrenses, e,  enquanto tocava, de certa feita observava enciumado o assédio dos fregueses da Boate Marabá à sua namorada,Maria Helena, bailarina da casa, o mesmo acontecendo com Lupicínio em relação à sua escolhida. Era preciso esperá-las cumprir sua obrigação profissional, o cabaré terminar. Francisco Alves imortalizou a música (letra de Lupi, melodia de Alcides) na Odeon em 25 de maio de 1948, com lançamento em julho do mesmo ano, disco 12863-A, matriz 8369. “Ponta de lança”, de Lupi sem parceiro, foi gravado na mesma Odeon por Dircinha Batista em 7 de fevereiro de 1952, com lançamento em abril seguinte no lado B em que saiu o clássico “Nunca”, também de Lupi, disco 13244, matriz 9249, e obtendo igualmente sucesso, ainda que em menor proporção.  Caco Velho (Mateus Nunes), “o sambista infernal”, e protoalegrense como Lupicínio, assina com ele o samba “Que baixo!”, e o interpreta com toda a bossa que lhe era peculiar nesta gravação Continental de 9 de agosto de 1945, lançada em setembro do mesmo ano, disco 15416-A, matriz 1154.Para finalizar a seleção desta semana, homenageamos o time de futebol de coração do mestre Lupicínio Rodrigues, apresentando o “Hino do Grêmio”, por ele mesmo composto em 1953, em meio a uma greve no transporte público de sua Porto Alegre (daí o verso inicial, “Até a pé nós iremos para o que der e vier”).  Tal obra, porém, só seria gravada efetivamente em 1971, pela Banda do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro (então Estado da Guanabara), para o LP de selo Continental “Hinos do futebol brasileiro”. É este registro que apresentamos nesta edição do GRB, merecendo (e com louvor) figurar como exceção à regra de apresentarmos apenas gravações em 78 rpm. Afinal, o retrato de Lupicínio está  na Galeria dos Gremistas Imortais, no salão nobre do clube. Divirtam-se e até a próxima!
..
Texto de Samuel Machado Filho

Orquestra Brasileira De Espetáculos – Boleros Em Orquestra Vol. 2 (1962)

O bolero é um ritmo de origem cubana, mesclando raízes espanholas com influências locais de inúmeros países hispanos-americanos, e a primeira composição desse gênero tão popular surgiu em 1885. Chamava-se “Tristezas”, composto e interpretado por José Sanchez, um cantor cubano que , curiosamente, não teve formação musical. Mais tarde, o bolero seria adotado pelos mexicanos, e depois por toda a América Latina, sofrendo modificações, em especial no ritmo, que ficou mais lento, e na temática das letras, que ganharam feição mais romântica.  O mais famoso bolero mexicano é o clássico “Besame mucho”, de Consuelo Velásquez, curiosamente lançado por seu conterrâneo Pedro Vargas em um espetáculo no Cassino da Urca, do Rio de Janeiro, em 1941,merecendo inúmeras gravações a nível mundial. O bolero influenciou o samba-canção brasileiro, o mambo, o chá-chá-chá e a salsa. Nos anos 1960, apareceu na República Dominicana uma variante do bolero, chamada “bachata”.
Entre os países em que o bolero tem tradição, está, evidentemente, o Brasil. Aliás, meu saudoso pai adorava boleros, especialmente quando interpretados pelo espanhol Gregório Barrios, tendo também simpatia pelo chileno Lucho Gatica, outro grande intérprete internacional do gênero.  E hoje oferecemos aos amigos cultos, ocultos e associados do nosso Toque Musical um álbum de boleros, lançado pela Columbia (hoje Sony Music) em 1962, com execução a cargo da misteriosa Orquestra Brasileira de Espetáculos (que posteriormente lançaria, pela futura CBS, vários LPs com versões orquestradas de sucessos de Roberto Carlos, autêntico astro da gravadora). É o segundo volume de “Boleros em orquestra”, sendo que o primeiro foi lançado um ano antes, pela orquestra de Astor Silva, o Astor do Trombone (será que ele também regeu a orquestra aqui?). O curioso é que, na verdade, trata-se de sucessos nacionais e internacionais executados em ritmo de bolero, e não de clássicos do gênero.  E  o repertório executado é de excelente qualidade, com versões “bolerescas” de páginas do porte de “Conceição” (eterno prefixo de Cauby Peixoto),  “Nossos momentos” (“Momentos são iguais àqueles em que eu te amei”…), “Ave Maria no morro” (talvez o maior hit autoral de Herivelto Martins),  “Cabecinha no ombro” (“Encosta tua cabecinha no meu ombro e chora”…), “É fácil dizer adeus”, “Promessa”, e as internacionais “Poinciana” (cujo título refere-se a uma árvore mais conhecida como chorão), “Misrlou”, “Príncipe Igor’, “My Love for you”(então hit de Johnny Mathis) , “Love is a many splendored thing’ (do filme de mesmo nome, de 1955, rebatizado no Brasil como “Suplício de uma saudade”) e “Till”.Tudo num clima bem romântico, de “dois pra lá, dois pra cá”, tão característico dos boleros. A destacar que mais tarde surgiriam mais dois volumes de “Boleros em orquestra”: o terceiro ainda em 1962, com a orquestra de Astor do Trombone, e o quarto e último em 1965, este de procedência mexicana, com execução a cargo da Orquestra Première. E aí? Dá-me o prazer desta contradança?
misirlou
conceição
poinciana
cabecinha no ombro
love is a many splendored thing
nossos momentos
príncipe igor
é fácil dizer adeus
my love for you
promessa
till
ave maria do morro
* Texto de Samuel Machado Filho

Novos Baianos – Novos Baianos FC (1973)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Eu passei para o Samuca uma dezena de discos para que ele resenhar. Conforme eu havia dito, ele agora passou a colaborar não apenas na série Grand Record Brazil, mas também nas postagens diárias. Prontamente, ele já me retornou com todas as resenhas feitas, mas falta ainda eu publicar. Hoje, não por teimosia, mas por ser uma data especial, quem faz a postagem sou eu.. Hoje é o aniversário de um grande amigo. Uma pessoa sem a qual o Augusto aqui e seu Toque Musical nem existiria. Devo muito a ele e como forma de gratidão, hoje eu vou postar um dos seus discos prediletos, o maravilhoso “Novos Baianos FC”. Sem dúvida, uma obra prima, irmã e coletiva. Um disco hoje raro, pepita de ouro em muitas coleções. Pessoalmente, acho este o melhor disco dos Novos Baianos. Melhor até que o “Acabou Chorare”, na minha opinião, é claro! Este álbum chegou a ser relançado ainda nos anos 70 em capa simples, diferente do original que trazia uma capa dupla e com encartes. Maravilha que merece ser ouvida a qualquer dia e qualquer hora. Inclusive num dia de aniversário. Parabéns amigão. Muita força, saúde, paz, amor e dinheiro!

sorrir e cantar como na bahia
só se não for brasileiro nessa hora
cosmos e damião
o samba da minha terra
vagabundo não é fácil
com qualquer dois mil reis
os pingo da chuva
quando você chegar
alimente
dagmar
.

Nelson Gonçalves – Romântico (1963)

Nélson Gonçalves (1919-1998), gaúcho de Santana do Livramento,  é, sem dúvida,um nome obrigatório quando se fala em cantores que fizeram história em nossa música popular. Durante sua longa carreira fonográfica (e em uma só gravadora, a RCA, hoje Sony Music), iniciada em 1941, registrou mais de duas mil canções, e constituiu-se no terceiro maior vendedor de discos da história do Brasil, com mais de 75 milhões de cópias vendidas, perdendo apenas para Roberto Carlos (o vice, com mais de 120 milhões) e para a dupla sertaneja Tonico e Tinoco (a campeã absoluta, com mais de 150 milhões). Ganhou 38 discos de ouro e 20 de platina, além de receber da RCA o prêmio Nipper (réplica do símbolo da companhia, um cachorrinho ao lado do gramofone), outorgado aos artistas que mais tempo nela permaneceram (além dele, só Luiz Gonzaga e o americano Elvis Presley foram agraciados com o troféu). Nélson superou todas as dificuldades por que passou, inclusive de ordem pessoal. Em todos esses anos de carreira, seu timbre vocal permaneceu inalterado. Chegou inclusive a se apresentar em países como Argentina, Uruguai e EUA (com memorável temporada no Radio City Music Hall, de Nova York, em 1960). Bing Crosby, ao ouvir um disco de Nélson, ficou maravilhado: “É a melhor voz de cantor popular do mundo!” E continua a ser, mesmo após sua morte, acontecida em 1998. Tanto que seus trabalhos são presença constante no Toque Musical, e já chegamos a homenageá-lo  no Grand Record Brazil.
Assim sendo, o TM oferece a seus amigos cultos, ocultos e associados mais um álbum do eterno “metralha do gogó de ouro”. O título deste trabalho, “Romântico”, lançado em 1963, traduz a essência do repertório. Em sua maior parte, são sambas-canções, e há também dois sambas mais ritmados. O programa é assinado por compositores de quilate, como Adelino Moreira, eterno amigo e parceiro do cantor, a dupla Newton Teixeira-Mário Rossi, e até mesmo uma parceria de Adelino com o mestre baiano do forró, Gordurinha, na faixa de encerramento, o samba-canção “Ruas do mundo”. O próprio Nélson se revela bom compositor, em faixas com ou sem parceiros. Em suma, este é mais um primoroso trabalho de Nélson Gonçalves, que por certo será muito bem acolhido por todos aqueles que apreciam a arte de cantar no que ela tem de mais belo e marcante.
*Texto de Samuel Machado Filho
ultimato
mil ave marias
chorando o passado
precaução
arlecrim
último sonho
esmagando rosas
a lágrima mais triste
será que nunca me amaste
olheiras
desespero
ruas do mundo
.

Miltinho – 24 Toque Musicais – É Samba! (2014)

Olá, amigos cultos e ocultos!, Hoje sou eu quem faz a apresentação. Não podia deixar de prestar aqui uma homenagem ao Milton Santos de Almeida, o inigualável Miltinho. Um cantor, para mim, sem igual. Uma voz anasalada e marcante, sucesso no bolero, no samba e outras bossas. Ele faleceu neste último domingo, 7 de setembro, aos 86 anos. Já apresentei por aqui vários dos seus inúmeros discos e com certeza iremos trazer outros tantos. Desta vez vamos com uma coletânea exclusiva criada pelo Toque Musical, reunindo 24 sambas. Uma seleção que só peca pela falta. 24, realmente pode ser pouco. Mas como eu já disse, outros dos seus discos ainda virão a ser postados. Hoje, foi só para dar um adeus.
venha devagar
mulata assanhada
emília
eu quero um samba
palhaçada
o amor e a rosa
desfolhando a margarida
mulher de trinta
a rita
rosa morena
doralice
é hoje! independência ou morte
bolinha de papel
samba maroto
murmúrio
sincopado triste
ideias erradas
vou te contar
samba do criolo
perdoa coração
zé da conceição
faço um lelele
mandei uma rosa
menina moça
.

 

 

Lupicínio Rodrigues – Seleção 78 RPM Do Toque Musical Vol. 116 (2014)

Chegando à sua edição de número 116, o Grand Record Brazil apresenta a primeira parte de uma retrospectiva dedicada ao centenário do maior compositor que o Rio Grande do Sul deu à música popular brasileira: Lupicínio Rodrigues.  Lupi, como era carinhosamente chamado, nasceu em Porto Alegre, no dia 16 de setembro de 1914, na Travessa Batista, 97, na Ilhota, bairro pobre da Cidade Baixa. Dia esse de chuva torrencial, a ponto de, com a inundação, a parteira vir de barco para atender a mãe, Dona Abigail. Foi quarto, e primeiro homem, de VINTE E UM (!) filhos, de uma família extremamente musical. Seu pai, Francisco Rodrigues (o “seu” Chico), era porteiro da Escola de Comércio. Aos seis anos de idade, o pequeno Lupi seria matriculado na Escola Complementar, estudando a seguir nas escolas Ganzo e Dom Sebastião.  Era um aluno de atenção muito distraída para a música e para o futebol.  Torcia para o Grêmio, e compôs, em 1953, o hino do tricolor gaúcho, que começa com ”Até a pé nós iremos”  (na época havia uma greve no transporte coletivo de Porto Alegre). Seu retrato está na Galeria dos Gremistas Imortais, no salão nobre do clube. Após o primário, Lupicínio faz o curso de mecânica na Escola Técnica Parobé, sendo admitido como aprendiz na companhia de bondes e, depois, como menino de recados na fábrica Micheletto.  Aos 14 anos, em 1928, compõe a marchinha “Carnaval”, para o Cordão Prediletos. Na esperança de afastar Lupi de uma vida boêmia precocemente adotada , com bebida, música e mulheres, “seu” Chico o obriga a alistar-se no Exército “voluntariamente”, com 18 anos incompletos.  De fato entrou na linha, mas apenas quando marchava com seus colegas de farda.  Em 1932, conheceu Noel Rosa, que fazia uma excusão pelo Sul com Francisco Alves e Mário Reis.  Noel ouviu algumas músicas de Lupi, e previu acertadamente: “Este garoto é bom! Este garoto vai longe!” Mais ou menos nessa  ocasião, quando estava no Sétimo Batalhão de Caçadores,  chegou um catarinense de bela voz, o futuramente célebre Nuno Roland. Lupi, então “crooner” do Jazz do Batalhão e tinha em Mário Reis seu  espelho de cantor, passa o ofício a Nuno, imediatamente seu amigo nas madrugadas. Quando estoura a Revolução Constitucionalista, em São Paulo, o 7.o BC é mandado para lá, desembarcando com Lupi cínio e Nuno. Durante a longa viagem de trem, foram cantado inúmeros sambas. Ainda em 32, foi transferido para Santa Maria, no interior rio-grandense, ocasião em que conheceu sua musa inspiradora, Inah, uma paixão que lhe deixaria cicatrizes pelo resto da vida, uma dor-de-cotovelo “federal”, como ele próprio a definia. O noivado teria fim com a volta de Lupi a Porto Alegre, em 1938. Ele deixaria a caserna em 1935, ano em que compôs, com Alcides Gonçalves,o samba “Triste história”, inscrito em um concurso realizado por ocasião das comemorações do centenário da Revolução Farroupilha, e ganhador do primeiro prêmio, de 2 contos de reis.  Mesmo com várias composições prontas, Lupi não se empenhava em divulgá-las, e  as duas primeiras que teve gravadas, na voz do parceiro Alcides Gonçalves, foram dois sambas, o já citado “Triste história” e “Pergunta aos meus  tamancos”, em 1936, sem que saísse da sua Porto Alegre (de onde nunca se afastaria, a não ser por uns meses, em 1939, mais para conhecer o ambiente musical carioca),pois Alcides viajara para o Rio.  Em 1938, Lupicínio consegue estabelecer uma ponte com Felisberto Martins, compositor, pianista e funcionário de gravadora no Rio, que ainda não conhecia pessoalmente, para divulgação de suas músicas em troca de parceria, o que foi bom para ambos. No mesmo ano,  acontece o primeiro grande sucesso de Lupi, o samba “Se acaso você chegasse”, que também projeta seu intérprete, Cyro Monteiro.  Entre 1935 e 1947, por interferência do pai, trabalhou como  bedel  da Faculdade de Direito porto-alegrense.  Composições como ‘Felicidade”, “Nervos de aço”, “Minha história”, ‘Vingança”, “Ela disse-me assim”, “Exemplo”, “Paciência” e “Nunca”, só para citar algumas, foram sucesso em todo o Brasil e até no exterior. Era procurado por cantores de sucesso e fez da sua Porto Alegre a ‘Capital do Samba-Canção”.  Em contraponto à imagem boêmia,Lupicínio foi dono de diversos bares, churrascarias e restaurantes com música (era também bom cozinheiro, especializado no trivial caprichado), que seguidamente ia abrindo e fechando, como a Churrascaria Jardim da Saudade, o Clube dos Cozinheiros e o Restaurante Batelão, este o mais famoso de todos, que elevou a ponto turístico da capital gaúcha. Tudo para, antes do lucro, ter um lugar para encontro com os amigos. Lupi não fazia músicas por encomenda, era um despreocupado comercial. Suas composições nasciam de fatos verídicos, observados ou vivenciados por ele mesmo.  Cada mulher que lhe fazia alguma “sujeira” lhe inspirava a compor algo… Deixou cerca de 150 músicas editadas, e compôs outras centenas que foram perdidas, esquecidas ou estão à espera de quem as resgate. Por muitos anos, exerceria o cargo de procurador do SDDA (Serviço de Defesa do Direito Autoral) e de representante da SBACEM (Sociedade Brasileira de Autores,Compositores e Escritores de Música).  Alma boa e caridosa, manteve, em propriedade sua, e sem fazer qualquer alarde,um abrigo para desprotegidos da sorte. Sua rotina se dividia entre a boemia e o lar, onde era perfeito chefe-de-família. No seu casamento com Dona Cerenita, apesar dessa combinação inusitada, reinava o amor.Tanto que,ao comemorar dez anos de casamento com ela, compôs o samba-canção “Exemplo”, sucesso de 1960 na voz de Jamelão (que o próprio Lupi considerava o melhor intérprete de seus trabalhos). Lupicínio Rodrigues faleceu em sua Porto Alegre natal, em 27 de agosto de 1974, coincidentemente um dia  chuvoso, como havia sido o de seu nascimento, vitimado por uma trombose. Sua obra, porém, ficou como legado para os que sentem que, apesar dos riscos, vale a pena amar demais,  venham as dores-de-cotovelo que vierem. Enquanto houver paixão. Lupi viverá e será amado. Apesar de sua enorme bagagem autoral, Lupicínio Rodrigues deixou escassa discografia como intérprete. Com voz débil e interpretação intimista, impressionava  mais ao vivo, por sua figura fiel ao que cantava. Nesta primeira parte do retrospecto que o GRB lhe dedica, apresentamos doze faixas com o Lupi cantor-compositor. Sua estreia como intérprete em disco aconteceu em 1952,quando gravou na Star, futura Copacabana, um álbum de quatro discos em 78 rpm com oito músicas, “Roteiro de um boêmio” (época em que o LP estava em fase de implantação), acompanhado por Enrico Simonetti (piano), Paulo Mezzaroma (violino) e Paulo Pês  (contrabaixo). Aqui temos algumas faixas desse álbum, lançado em maio-junho de 52. Pela ordem de apresentação original, temos:  do disco 352, os sambas-canções clássicos “Vingança” (faixa 8, sucesso retumbante no ano anterior com Linda Batista, maior que o do registro original,com o Trio de Ouro) e “Não sou de reclamar” (faixa  4, também gravado na época pelo cantor Francisco Carlos); e do disco 354, outros dois clássicos de Lupi sem parceria: o samba-canção “Nunca” (faixa 9, então já sucesso com Dircinha Batista) e, em ritmo de baião, a toada  “Felicidade” (faixa 5, que conta com o suporte vocal das Três Marias). Foi lançada originalmente pelo Quarteto Quitandinha, depois Quitandinha Serenaders, em 1947, mas aqui Lupi e as Três Marias o cantam com a letra completa, com estrofes eliminadas na primeira gravação por serem consideradas demasiado gauchescas.  No restante do programa, temos faixas extraídas do LP de 10 polegadas também intitulado “Roteiro de um boêmio”, lançado em 1955 já pela Copacabana (CLP-3014), igualmente com arranjo e regência de Simonetti, todas, claro, de autoria do próprio Lupi. Na primeira faixa,  vem o samba-canção “Nossa Senhora das Graças”, que no entanto obteria maior sucesso um ano mais tarde, na voz de Nélson Gonçalves.Na faixa 2 , o samba (então também  inédito) “Amor é um só”. Na faixa 3, o fox-canção “Inah”, inspirado na mulher que, como já informado, era a “dor-de-cotovelo federal” de Lupicínio.  Na sexta faixa,o samba-canção “Namorados”, lançado um ano antes por Léo Romano. A faixa 7 é o primeiro grande hit autoral de Lupicínio, o samba “Se acaso você chegasse” (parceria com Felisberto Martins),  que projetaria seu criador, Cyro Monteiro,em 1938, e, mas tarde, em 1959, Elza Soares. Na faixa 10, “Os beijos dela”, samba-canção originalmente lançado em 1953,por Lúcio Alves. Na faixa 11, “Aves daninhas”, outro samba-canção bastante conhecido, lançado originalmente por Nora Ney, em 1954. Por último, encerrando esta seleção, a valsa “Jardim da saudade”, que deu nome ao primeiro estabelecimento gastronômico-musical montado por Lupi, uma churrascaria, e foi originalmente lançada por Luiz Gonzaga, em 1952. A destacar que Lupicínio gravaria ainda dois discos 78 com quatro músicas, também pela Copacabana, visando o carnaval de 1953, um compacto de 45 rpm em 1960, com três músicas de cada lado (na mesma marca), e,em 1973, um ano antes de sua morte, lançaria seu segundo e último LP como intérprete, “Dor de cotovelo”, pela Chantecler (selo Rosicler), além de ter registrado  uma ou outra faixa esparsa.  Na próxima semana, apresentaremos composições de Lupicínio Rodrigues nas vozes de outros intérpretes. Até lá!
*Texto de SAMUEL MACHADO FILHO.
.

Guio De Morais E Sua Orquestra – Sambas & Baiões (1956)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje achei por bem de vir eu mesmo apresentar o toque musical do dia. Nos últimos, quem brilhantemente tem feito isso é o Samuel Machado Filho, que agora passa a atuar além das resenhas do Grand Record Brazil trazendo, eventualmente, um pouco mais de contribuição, com seus textos completos e muito mais informativos. Estou a frente desta postagem como forma de assimilar e corrigir de vez na minha cabeça o nome do grande maestro Guiomarino Rubens Duarte, que eu sempre escrevo Guido, ao invés de Guio (de Morais). E essa não é a primeira vez que eu erro o seu nome. Por isso agora eu estou fazendo esta postagem, para corrigir meu erro e também aproveitar a carona (ou o gancho) da postagem anterior feita pelo Samuca.
Pois bem, temos aqui mais uma vez o maestro pernambucano Guio de Morais em um disco de 10 polegadas lançado pelo selo Todamerica, em 1956. Desta vez, o maestro nos apresenta uma seleção musical clássica do cancioneiro popular e infantil, temas regionais em ritmos de samba e baião. Um disco onde Guio de Morais não apenas rege a orquestra, mas também canta. Mesmo sendo ele um dos maiores arranjadores, no presente álbum essa tarefa ficou por conta de outros, Antônio Almeida e Felícia Godoy. Por um erro gráfico, consta na contracapa apenas sete faixas, mas há uma oitava que traz as músicas “Mulher rendeira” e “O meu boi morreu”. Confiram mais esta pérola ;)

meu limão, meu limoeiro
prenda minha
se essa rua fosse minha
no meu tempo de criança (escravos de jó – carneirinho carneirão – ó senhora viúva – ó filomena – rosa amarela)
casinha pequenina
rapsódia mineiro (ó minas gerais – peixe vivo – samba lelê tá doente)
atirei o pau no gato
mulher rendeira – o meu boi morreu
.

Guio De Morais E Sua Orquestra De Cordas – Devaneio (1958)

Devaneio, como definem os dicionários,é o estado de espírito de quem se deixa levar por lembranças, sonhos e imagens. Como as dos filmes inesquecíveis a que se assistiu no cinema, na televisão, no home video ou até mesmo aqui na web, por sistemas tipo Netflix. Evidentemente, estamos falando de películas mais antigas, de cunho romântico, sentimental, musical, que às vezes fazem até chorarmos de emoção.  E “Devaneio”  vem justamente a ser o título do álbum que o Toque Musical oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados. Lançado em 1958 pela Todamérica, espécie de coligada da Continental, mais tarde desvinculada da mesma, o disco apresenta temas de filmes norte-americanos de grande sucesso a seu tempo,com execução a cargo de orquestra de cordas, sob a direção e com arranjos do recifense Guio de Morais (Guiomarino Rubens Duarte),também pianista, compositor (“No Ceará não tem disso não”, “Pau-de-arara”, etc.) e até mesmo cantor. Não se sabe ao certo a data de seu nascimento, algumas fontes grafam 30 de junho de 1916, e outras, o dia 20 de agosto de 1920. Antes de ir para o chamado Sul do Brasil, foi diretor artístico de várias rádios nordestinas, tendo organizado em Belo Horizonte sua primeira orquestra, Guio de Morais e seus Parentes, que acompanhou em gravações inúmeros cantores de seu tempo. Já no Rio de Janeiro, nos primeiros anos da década de 1950, foi diretor artístico da Boate Beguin, ocupando esta mesma função bem mais tarde,  na TV Globo.  Foi tudo que pude apurar a seu respeito, e não encontrei nem mesmo referências quanto a seu possível falecimento (informações para o TM a esse respeito serão bem vindas). A seleção deste disco irá enlouquecer os fãs de música de cinema, apresentando temas de grandes filmes de Hollywood, com destaque para “Love is a many splendored thing” (do filme de mesmo nome, rebatizado no Brasil como “Suplício de uma saudade”), “An affair to remember” (de “Tarde demais para esquecer”, também com o mesmo título no original), “Around the world’ (de “A volta ao mundo em oitenta dias”), Love letters in the sand” (interpretado por Pat Boone em “Bernardine”, no Brasil, “O sonho que vivi”) e o sempre lembrado fox natalino “White Christmas”, criação de Bing Crosby, lançado em 1942 no filme “Holiday Inn” (no Brasil, “Duas semanas de prazer”) e revivido pelo cantor em 1954, em outra produção cinematográfica com o mesmo título (evidentemente rebatizada aqui como “Natal branco”). “Um convite ao encantamento, ao sonho e ao devaneio”, como  escreveu na contracapa o jornalista Mister Eco, mais tarde jurado de televisão. Ouça, sonhe e delicie-se
to love you
dancing in the dark
friendly persuasion
the mountain
if you can dream
written on the wind
love is a many splendored thing
around the world
the lonely man
an affair to remember
love letters in the sand
white christmas
·

* Texto de Samuel Machado Filho

Luiz Arruda Paes E Sua Orquestra – Brasil Dia E Noite (1957)

Hoje o Toque Musical oferece a seus amigos cultos, ocultos e associados um álbum com músicas brasileiras clássicas, executadas pela orquestra do maestro Luiz Arruda Paes. Trata-se do primeiro volume de uma série de três, intitulada “Brasil dia e noite”, lançado pela Odeon em 1957 com o número MOCB-3000 (a capa e a contracapa são da reedição feita em 1975, com o selo Coronado, então braço econômico da “marca do templo”). Aqui, desfilam  páginas conhecidas de compositores consagrados: Ary Barroso (“Aquarela do Brasil”, “Maria”, “Risque”, “Na Baixa do Sapateiro”),  a dupla Braguinha-Alberto Ribeiro  (“Copacabana”), Djalma Ferreira (“Samba que eu quero ver”, verdadeiro clássico das gafieiras),  Zé Kéti (“A voz do morro”),  José Maria de Abreu (“Alguém como tu”, parceria de Jair Amorim, aqui com vocal de Norma Avian), Pixinguinha (“Carinhoso”, sucesso de ontem, hoje e sempre), Zequinha de Abreu (“Tico-tico no fubá”) e, completando o programa, o baião “Caruaru” (“a princesinha do Norte és tu”), de Belmiro Barrela, e “Samba fantástico”(do filme de mesmo nome, de 1955,um documentário produzido e dirigido por Jean Manzon).
Instrumentista, arranjador, regente e compositor, Luiz Gonzaga Arruda Paes nasceu em São Paulo, Capital, no dia 8 de maio de 1926. Considerado um dos grandes arranjadores paulistanos, estudou piano com Cármen Strazzeri,  e teoria e harmonia com João Sepe, complementando sua formação com Osvaldo Lacerda e Hans Joachim Kollreuter.  Iniciou sua carreira artística em 1949, atuando como pianista da orquestra da PRG-2, Rádio Tupi (então “a mais poderosa emissora paulista”).  Em seguida, passaria-se, igualmente como “pianeiro”, para a orquestra do maestro Zezinho (aquele que depois trabalharia com Sílvio Santos), que se apresentava na  então nascente TV Tupi (PRF-3). Ainda na Tupi, em 1952, começou a atuar como maestro, passando também a fazer arranjos para orquestra.  Em gravações, acompanhou  e fez arranjos para cantores diversos, tais como Wilma Bentivegna, Léo Romano, Dorival Caymmi , Osny Silva e o espanhol Gregório Barrios.  Em 1955, gravou seu primeiro LP, o 10 polegadas “Encontro com a música”, que dividiu com Osmar Milani (outro maestro que mais tarde faria parte do “staff” de Sílvio Santos). Este “Brasil dia e noite”, que o TM oferece a vocês, foi justamente o primeiro álbum-solo  de Luiz Arruda Paes com sua orquestra, e, na época do lançamento (1956), foi expressivo sucesso artístico e comercial, tendo sido lançado também na Argentina, México, EUA e Japão.  Ainda em 56, compôs a trilha sonora do filme “O sobrado”, de Walter George Durst e Cassiano Gabus Mendes, baseado em um episódio de “O tempo e o vento”, de Érico Verissimo. Luiz Arruda Paes recebeu, em sua carreira, inúmeros prêmios, tendo sido, inclusive, agraciado sete vezes com o Troféu Roquette Pinto, outorgado pelas Emissoras Unidas (Rádio e Televisão Record).  Outros títulos expressivos de sua discografia em LPs (gravou também nove discos 78 rpm com dezesseis músicas, sem contar aqueles em que acompanhou vários intérpretes com sua orquestra) são: “Brasil Norte a Sul” (mais tarde relançado como ”Brasil romântico”),  “Piano romântico”, “Brasil em tempo de dança”, “Itália eterna”, “Brasil é samba” “Brasil dia e noite 2” (lançado nos EUA como “Dawn is approaching”), “Brasil dia e noite 3” e “Convite ao baile”. Arruda Paes permaneceria na TV Tupi como maestro e arranjador até 1980, quando a emissora fechou,  acossada por grave crise financeira. No mesmo ano, passou a residir em Praia Grande, litoral paulista, atuando como autônomo. Entre 1989 e 1992, foi arranjador e regente da orquestra Jazz Sinfônica de São Paulo.  Foi orientador de diversos outros maestros, entre os quais, Chiquinho de Moraes e José Briamonte.  Luiz Arruda Paes faleceu no dia 10 de março de 1999, na Praia Grande em que morava, aos 72 anos,de edema pulmonar agudo, e seu corpo foi sepultado no Memorial Ecumênico de Santos.  Deixa, porém, um extraordinário legado de arranjador, orquestrador e regente, do qual faz parte o álbum que o TM ora nos oferece.
* Texto de Samuel Machado Filho
aquarela do brasil
copacabana
samba que eu quero ver
maria
caruarú
samba fantástico
tido tico no fubá
alguém como tu
a voz do morro
risque
carinhoso
na baixa do sapateiro
.

A Bandinha Da Saudade (1973)

Após apresentar a seus amigos cultos, ocultos e associados dois álbuns da Lyra de Xopotó, autêntica banda no sentido literal da palavra, o Toque Musical vem trazer hoje mais uma “furiosa”. Desta feita,uma “charanga” (tipo de banda em que predominam instrumentos de sopro),  vinda da cidade de Três Passos, interior gaúcho, situada nas barrancas do Rio Uruguai, divisa com a “hermana” Argentina, e fortíssimo reduto de imigrantes alemães e seus descendentes. Trata-se da Bandinha da Saudade, formada naquele município em 1933. em meio aos “kerbs”, ou seja, festanças e fandangos com muita música típica e danças, no melhor estilo germânico, nas horas de folga. Mas, com as dificuldades de se locomover do local de trabalho para o das festas, com os precaríssimos passos e piques então existentes, depois substituídos por estradas e pontes, tal diversão nem sempre era viável, não era possível chegar a tempo. Diante de toda essa dificuldade, a bandinha acabou se dissolvendo alguns anos mais tarde.  Mas o tempo passou, como sempre curando toda e qualquer ferida e, em 1957, a Bandinha da Saudade voltava a tocar, devidamente reorganizada. Isso foi fruto do trabalho de Rod Latrich (pseudônimo de Raymundo Schmidt, também contrabaixista do grupo), que, reanimando alguns de seus membros-fundadores e reunindo outros novos,  estreou um programa especial para a bandinha, na Rádio Difusora de Três Passos, emissora que ainda hoje existe. A atração logo tornou-se sucesso de audiência, e a popularidade da bandinha, obviamente, cresceu. Nessa ocasião, era desejo dos componentes da Bandinha da Saudade chegar ao disco. E essa oportunidade viria finalmente em 1973, justamente com o álbum que o TM nos apresenta hoje,  selo Itamaraty,  da CID (gravadora carioca especializada em discos de preço econômico, ainda hoje em plena atividade).  Com produção simples, porém dedicada, este trabalho compõe-se demúsicas de ritmos variados, dobrados, valsas, sambas, mazurcas, foxes, típicos de uma autêntica “furiosa”. Quase todas as compoisções são inéditas em disco até então, de autoria dos próprios integrantes da bandinha:  o maestro e saxofonista  Antônio Avelino Heinen, os irmãos Raymundo  (saxofone) e Albino Schmidt (trompa), o trombonista Willy Benke, o pistonista Sebaldo Mergen, o violoncelista Edvino Henricksen, o flautista Albino Kempf  e o clarinetista Ricieri da Rosa. O programa se completa com dois temas folclóricos, “Sentimento” e “Famasko”, e o álbum, por certo, irá proporcionar  “momentos de alegres lembranças àqueles que realmente  gostam das músicas amenas”, como diz a contracapa. Ao que parece, este foi o único LP gravado pela Bandinha da Saudade, e não há indícios de que a mesma tenha prosseguido carreira em disco. De qualquer forma, um trabalho sob medida para os saudosos das velhas bandinhas. Boa diversão à moda germânica e gaúcha, tchê!
*Texto de Samuel Machado Filho

Carlos Galhardo – Seleção 78 RPM Do Toque Musical Vol. 115 (2014)

Chegando à sua edição de número 115, o Grand Record Brazil apresenta a terceira e última parte da retrospectiva dedicada a Carlos Galhardo (1913-1985), sem dúvida um dos mais queridos e expressivos intérpretes de nossa música popular, um cantor que, de fato, como dizia seu slogan, dispensava adjetivos. Desta feita, estamos oferecendo a nossos amigos cultos, ocultos e associados onze preciosas gravações  de Galhardo, verdadeiras joias de seu repertório.  Abrindo o programa, temos “Vela branca sobre o mar”, ótimo fox de José Maria de Abreu e Oswaldo Santiago, gravação Victor de 18 de junho de 1937, lançada em setembro do mesmo ano, disco 34200-A, matriz 80469. Fiel às raízes italianas da família, Galhardo depois nos oferece “Guaglione”, palavra que em italiano quer dizer “rapazola” ou “garoto”.  É outro fox, este composto lá mesmo na Itália, por Nicola Salerno, o Nisa, e Giuseppe Fanciulli, com letra brazuca do radialista Júlio Nagib. Foi gravado na já então RCA Victor em 3 de dezembro de 1956, indo para as lojas em março de 57 com o n.o 80-1735-B, matriz BE6VB-1396 (curioso é que, um mês antes, a Odeon pôs nas lojas a gravação de Léo Romano, feita porém três dias depois desta de Galhardo, a 6 de dezembro de 56, sendo nosso focalizado, portanto, o primeiro a gravar a versão). Em seguida, a marchinha “Mercador”, de Wilson Batista e Ari Monteiro, do carnaval de 1953. Outra gravação RCA Victor, esta de 7 de agosto de 52, e que chegou às lojas ainda em dezembro sob n.o  80-1047-A, matriz SB-093392. Da safra de Galhardo na Odeon é “Morena faceira”, samba do mestre Ataulfo Alves, gravado em primeiro de junho de 1937 e lançado em  outubro do mesmo ano, disco 11522-B, matriz 5586. “Noite sem luar”, nossa faixa seguinte,  é uma das inúmeras e bem-sucedidas valsas dos  autores de “Boa noite, amor” (prefixo pessoal de Francisco Alves) , José Maria de Abreu e Francisco Matoso.  Abreu já era o “rei da valsa” entre os autores, e Galhardo, “rei da valsa” entre os intérpretes, imortalizando “Noite sem luar” na Victor  em 18 de junho de 1937, mas com lançamento apenas em março de 38 com o n.o 34299-A,matriz 80470. “Notícia de última hora”, de Benedito Lacerda e Darcy de Oliveira, é um samba do tempo da Segunda Guerra Mundial, em que um pracinha avisa que vai lutar com os países aliados na Itália e retornar vitorioso. De fato, os aliados derrotaram as forças do Eixo (Alemanha, Itália e Japão), marcando o fim do conflito, em 1945. Destinado ao carnaval de 1943, o samba foi gravado na Victor por Galhardo em 25 de setembro de 42, com lançamento ainda em dezembro, disco 80-0026-A, matriz S-052624. “O homem da valsa”, de Custódio Mesquita e David Nasser, por certo é uma referência ao próprio Galhardo, ele que a registrou na mesmíssima Victor em  11 de fevereiro de 1943, com lançamento em maio do mesmo ano sob n.o 80-0076-B, matriz S-052719. Do início da carreira do cantor é pinçado o samba que vem em seguida, “Para onde irá o Brasil?”, de autoria de Assis Valente, então também iniciante como Galhardo, que o gravou em seu segundo disco, o Victor 33627-A,em 2 de fevereiro de 1933, com lançamento em março do mesmo ano, matriz 65663. Assis havia composto o samba durante a Revolução Constitucionalista de 1932, e  foi intimado a dar explicações às autoridades policiais. Seu conteúdo,  porém, traz uma mensagem antibélica. O mestre Ataulfo Alves novamente aparece com outro de seus inspirados sambas, ‘Receita”, parceria com João Bastos Filho, gravação Victor de Galhardo em 20 de junho de 1938, porém só lançada em abril de 39, disco 34422-A, matriz 80832. O samba seguinte também é de Ataulfo, agora em parceria com o violonista Claudionor Cruz:  o clássico “Sei que é covardia (Mas…)”.  E  é também gravação Victor do nosso Galhardo, datada de 5 de dezembro de 1938, com lançamento em janeiro de 39 para o carnaval,  triunfalmente consagrado como um dos maiores hits dessa folia, disco 34401-A, matriz 80952. Finalizando, a belíssima valsa “Viena do meu coração”, de autoria de dois expoentes do gênero, Paulo Barbosa e Oswaldo Santiago, que nosso “rei da valsa”, Carlos Galhardo, imortalizou na Odeon em 23 de março de 1937, com lançamento em julho do mesmo ano, disco 11492-A, matriz 5557. De fato, um belo fecho para o retrospecto de Carlos Galhardo feito por nosso GRB.  E nossas duas próximas edições serão dedicadas ao grande compositor Lupicínio Rodrigues, cujo centenário de nascimento comemoramos neste 2014. Até lá!

* Texto de Samuel Machado Filho

.

The Modern Tropical Quintet (1966)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Sei que poucos são aqueles que se dão ao trabalho de ler os textos e resenhas do blog, mas é através desses que eu informo o que precisa ser informado. Vocês não fazem ideia, mas ficar repetindo orientações sobre o Toque Musical todos os dias, enche o saco! Daí, passei agora a nem responder perguntas cujas as respostas estão nos textos laterais. Quem não me dá atenção, não merece atenção.
E por falar em atenção, eu hoje estou trazendo aqui um disco que muitas vezes passou pelas minhas mãos, mas eu nunca havia lhe dado ouvidos. Recentemente apareceu um por aqui e eu agora ouvindo achei ótimo. Ideal para uma postagem de domingo, para espantar aquele mal estar típico que vem nessa hora. Domingo só é bom quando a segunda feira é feriado ;)
Pois bem, temos aqui o “The Modern Tropical Quintet”, um interessantíssimo conjunto surgindo no início dos anos 60. Peculiar pela sua  origem, trajetória e qualidades musicais. Segundo nos conta o texto da contracapa e também outras fontes que eu consultei pelo Google, o grupo nasceu na Europa, mais exatamente em Copenhage. formado por quatro músicos brasileiros: os irmãos Wilson Ribeiro (guitarra) e Waldemar Ribeiro (contrabaixo); Plínio Metropoulos (piano) e Edgar Teixeira (bateria). O quinto elemento do grupo era uma cantora holandesa, Sara Chérien (esposa do baterista). The Modern Tropical Quintet fez muito sucesso na Europa, onde tudo começou. Tocaram em vários países participando de festivais e clubes de jazz. Seu repertório era eclético e de qualidade, indo do jazz a bossa nova, passando por diferentes da ‘standards’ da música internacional. Em 1965 eles vieram para o Brasil ‘de mala e cuia’ e se tornaram um dos mais queridos e requisitados conjuntos de baile de São Paulo. Ao que consta, gravaram apenas este lp e um compacto (Gamboa). Sua sonoridade e arranjos, fazem deste um conjunto diferenciado. Conforme nos conta o texto de apresentação na contracapa, o MTQ possuía seu próprio equipamento de som, não usando nunca aparelhagem dos clubes e boates onde se apresentavam. Neste disco, as gravações foram feitas com equipamento próprio do quinteto. Eles usaram apenas o espaço acústico do estúdio para sua realização. Por aí já dá para sentir o ‘naipe’ da turma. Coisa fina! Muito gostoso de ouvir. E certamente, um disco raro que merece o nosso toque musical, não é mesmo? ;)

midnight in moscow
sabor a mi
daar big die moolen
don’t dream of anybody but me
suavecito
fascinating rhythm
samba colorido
luna caprese
all my loving
bauble, bangles and beads
i love paris
hello dolly
.

Ely Arcoverde – O Orgão Que Canta Sambas (1967)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Enquanto ainda me sobra um tempo, vou mandando ver nas postagens, que de uns tempos para cá passaram a não ser tão diárias como antes. No receio de não conseguir segurar a peteca, escalei o amigo Samuca para cuidar das reservas. Logo ele também estará aqui e certamente apresentando nossos discos de uma forma mais completa e envolvente. Aguardem!
Eu hoje estou trazendo um disco que comprei recentemente. Não fosse o amarelado, a oxidação do papel da capa, eu diria que  este é um disco novo. Aliás, o vinil realmente é novo e ao tirá-lo da capa a impressão que me deu foi a de que nunca foi tocado por mãos ou agulha. Ficou guardado por 47 anos e só agora está entrando na trilha. Adoro isso. Adoro escutar discos antigos e novos assim. Melhor ainda quando o artista é de primeira linha e traz no álbum um repertório no mesmo nível. Claro, estou falando do Ely Arcoverde que neste lp, produzido pela Fermata através de seu selo Premier, dá um verdadeiro show nos teclados. Peraí… teclados não, orgão elétrico! E o que ele faz no instrumento é mesmo genial, o título do álbum já diz tudo, “o orgão que canta sambas”. E canta mesmo. O cara consegue tirar sons em seu orgão que parece mesmo canto. Muito bacana! E como vocês mesmos podem ver, o repertório é ótimo!

helena, helena
eu não tenho onde morar
marina
rosa morena
não tem solução
favela
nunca mais
o nosso amor
copacabana
ta-hi (taí)
carinhoso
fechei a porta
.

Brazil By Music – Brazil By Cruzeiro (1972)

Olá amigos cultos e ocultos! Aproveitando o intervalo do jogo dos dois centenários, Atlético X Palmeiras pela Copa do Brasil, vou logo fazendo a postagem do dia antes que esta acabe ficando para amanhã. Na verdade, bem que podia, pois ainda não ‘mapeei’ bem este álbum. Ou seja, ainda não encontrei as informações corretas sobre ele. O que posso dizer é que se trata de um álbum promocional da Linhas Aéreas Cruzeiro do Sul. Um disco cujo o ‘carro chefe’ é o seu famoso jingle, que pelo que sei foi criado pela turma do Azymuth, ainda em sua fase embrionária. Ao que consta em outras fontes, o disco é uma parceria do Azymuth como o Marcos Valle. No álbum não há se quer uma informação a esse respeito. Não há ficha técnica ou qualquer outro sinal além das músicas e arranjos, que para um bom conhecedor apontam para este que (ainda) é um dos melhores grupos instrumental brasileiro. O álbum, de capa dupla, traz um repertório bem elaborado com vários clássicos da MPB em arranjos brilhantes. Por conta de tudo isso e também do número limitado de cópias lançadas, este disco se tornou um objeto de desejo para muitos colecionadores. Se alguém tiver interesse, creio que o disco ainda está disponível para venda. Basta dar um toque, ok?

jingle cruzeiro
está fazendo um ano – aquarela do brasil
zazueira – mas que nada
tristeza
país do futebol
até pensei
zanzibar
nào tem solução – marina – rosas
samba de verão
prenda minha
asa branca
wave
.

Conjunto Sambacana Vol. 3 (1969)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Conforme eu já informei aqui, o nosso amigo Samuca estará participando mais ativamente nas postagens do Toque Musical. Ele agora também participa com suas resenhas em outras publicaçoes, cobrindo assim os espaços que tenho deixado na semana. Nesse sentido, ele será como os ‘discos de gaveta’, um reserva pronta para entrar em ação sempre que a coisa por aqui complicar.
Hoje eu trago para vocês um disco literalmente bacana, o volume 3 do Conjunto Sambacana, criado por Pacífico Mascarenhas, o pioneiro da Bossa Nova em Minas Gerais ainda na primeira metade da década de 60. Eu já havia postado aqui os outros dois primeiros volumes e também o quarto, já dos anos 70. Faltava então o terceiro volume, que é tão bom quanto os demais e da mesma forma um disco raro, peça de colecionador. Neste álbum, lançado pela Odeon em 1969 vamos encontrar um repertório delicioso, com músicas de Pacífico e também outros autores, entre os mais conhecidos, a dupla Antônio Adolfo e Tibério Gaspar, Tito Madi e, inclusive, o Bob Tostes, que só agora eu me dei conta de que é aquele que aparece na capa, em primeiro plano, cantando ao lado de duas outras cantoras. Confiram longo, porque como eu disse, este é um conjunto bacana ;)

tarde azul
moça
canto puro amor
saudade nos olhos
a bela da feira
perdido no espaço
giro
além do horizonte
tudo azul
por que
em canto antigo
.

Carlos Galhardo (parte 2) – Seleção 78 RPM Do Toque Musical Vol. 114 (2014)

E estamos de volta com o Grand Record  Brazil, em sua edição de número 114, apresentando a segunda parte da retrospectiva dedicada a Carlos Galhardo (1913-1985), “o Cantor que dispensa adjetivos”. São mais doze faixas preciosas e imprescindíveis para todos os que apreciam a arte de cantar no que ela tem de mais belo e expressivo.  Abrindo nossa seleção desta semana, Galhardo apresenta “Ai, amor”, samba de dois Robertos, Martins e Roberti, gravado na Victor em 25 de agosto de 1939 e lançado em novembro do mesmo ano sob n.o 34508-B, matriz 33153. Roberto Martins também assina, agora com Ari Monteiro, a faixa seguinte, “Vinte e três de abril”, data consagrada a São Jorge, e inspiradora deste samba que Galhardo imortalizou na já então RCA Victor em 27 de fevereiro de 1948, com lançamento em abril seguinte com o n.o 80-0579-A, matriz S-078829. Do carnaval de 1960 é a marchinha “Cachopa”, de Augusta de Oliveira e Madalena Correia, gravada em 14 de setembro de 59 e lançada ainda em dezembro sob n.o 80-2148-B, matriz 13-K2PB-0759, e no LP coletivo “Carnaval RCA Victor”, isso já numa época, sempre é bom frisar, de transição do 78 rpm para o vinil. Recuando no tempo, temos em seguida o samba “Cantar pra não chorar”, de autoria do lendário Paulo da Portela em parceria com um dos pioneiros do gênero,  Heitor dos Prazeres, que Galhardo grava na então Victor em 15 de dezembro de 1937, com lançamento bem em cima do carnaval de 38, em fevereiro, sob n.o 34278-B,matriz 80634. Mostrando que foi talvez o cantor do Sul do Brasil mais fiel ao frevo,gênero com o qual estreou em disco, Galhardo apresenta “O frevo é assim”. De autoria de Nélson Ferreira, um craque do gênero, em parceria com o também  pernambucano Nestor de Holanda, este frevo-canção do carnaval recifense de 1946 foi gravado na marca do cachorrinho Nipper em 23 de outubro de 45, sendo lançado ainda em dezembro com o número 80-0353-A,matriz S-078302, com acompanhamento da orquestra do maestro paulista Aristides Zaccarias, que também animava os bailes de carnaval pernambucanos.  A faixa seguinte, aliás, é do primeiríssimo disco de Carlos Galhardo, o Victor 33625.  É a “marcha pernambucana” (como então era chamado o frevo-canção) “Que é que há?”, de Nélson Ferreira sem parceiro., lado B desse histórico 78 do cantor, gravado em  26 de janeiro de 1933 e lançado em março seguinte, matriz 65659. Da primeira safra de Galhardo na Odeon (onde gravaria seus derradeiros discos, nos anos 1970) é a marchinha “Serpente do amor”, do carnaval de 1937. De autoria de Benedito Lacerda e Aldo Cabral, foi gravada na “marca do templo” em 31 de outubro de 36, com lançamento ainda em dezembro sob n.o 11421-A, matriz 5433. Retornando à Victor, temos a valsa “Mares da China”, da profícua parceria João de Barro (Braguinha)-Alberto Ribeiro, que Galhardo imortaliza em 20 de junho de 1938, com lançamento em outubro do mesmo não,sob número 34365-A, matriz 80831. “Deus no céu, ela na terra”, samba de Wilson Batista e Marino Pinto, é uma daquelas manifestações à chamada mulher ideal, então comuns. Galhardoo imortalizou na marca do cachorrinho Nipper em 14 de junho de 1940, devidamente acompanhado de regional, com destaque para a expressiva clarineta do mestre Luiz Americano, indo para as lojas em agosto seguinte, sob n.o 34643-B,matriz 33443. “Flor do céu”, de autoria creditada a Rômulo Paes e Henrique de Almeida, é na verdade adaptação, em ritmo de fox, de uma modinha de cunho tradicional, “É a ti, flor do céu”, regravada até mesmo pelo ex-presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira.  Esta versão foi gravada por Galhardo na já então RCA Victor em 8 de junho de 1956, sendo lançada em agosto seguinte com o número 80-1654-A, matriz BE6VB-1182. “Cármen”, valsa de Paulo Barbosa e Cristóvão de Alencar, o “amigo velho”, é o lado B do disco de “Cerejeira do Japão” (apresentada em nosso volume anterior), o Victor 34659, gravado em 16 de julho de1940 e lançado em outubro do mesmo ano, matriz 33473. Também de Paulo Barbosa, agora em parceria com Francisco Célio, é a valsa que encerra nossa seleção desta semana, “Quero a teus pés te adorar”, outra preciosidade da rica safra de Galhardo na Victor, gravada em 27 de janeiro de 1940 e lançada em março do mesmo ano, disco 34585-B, matriz 33320. Na próxima semana, encerraremos esta retrospectiva dedicada a Carlos Galhardo, um cantor que, de fato, dispensava qualquer adjetivo. Até lá!

Texto de Samuel Machado Filho

Le Bateau – Ao Vivo (1970)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Em nossa última postagem eu trouxe para vocês a discotecagem do “Baile da Pesada”, do Big Boy e Ademir. Para completar a onda, aqui vai mais um lançamento da Top Tape. Uma seleção musical pop internacional do DJ Ademir Lemos. Como já foi dito anteriormente, Ademir era o cara que botava fogo nas pistas de dança e na mais famosa da época, a boate Le Bateau. Este disco pretende criar a mesma atmosfera, numa sequência de hits feitas pelo Ademir, dando ao ouvinte uma ideia do que rolava de novidade naquela boate. O interessante é que muitos dos hits internacionais viravam sucesso por aqui através de coletâneas como esta, criadas e ‘aplicadas’ por figuras como o DJ Ademir Lemos e o Big Boy. As músicas chegavam antes mesmo dos discos. Inclusive, muitos desses artistas e conjuntos estrangeiros não foram lançados em lp no Brasil. Quem ditava o sucesso pop da época eram esses caras!
No álbum “Le Bateau” temos uma seleção programada na qual os produtores dividiram em Viagem 1 (lado A) e Viagem 2. Como a relação das músicas não consta na capa e contracapa, estou listando logo a baixo, porém, decidi manter o clima, sem separá-las, mantendo assim o clima, ou a linearidade da ‘onda’, ok?

come on my baby – joey levine
sweet magic – rock candy my
my baby loves lovin – joe jeffrey
what’s your game – ronnie milsap
grovin with mr. bloe – wind
tell the truth – paul flagg
slip around – charles hodges
wan-tu-wan-zuree – george tindley
movin – don young
no second thoughts – top shelf
be my baby – fragile rock valley
kool and the gang – kool and the gang
.

Big Boy & Ademir – Baile Da Pesada (1971)

Hello crazy people, cultos e ocultos! Pintou uma brecha, eu corri para cá só para trazer um disco que muita gente vai querer ouvir. Trago hoje para vocês um vinil diferente cujo o conteúdo musical nada tem a ver com a nossa proposta nacionalista. Como todos devem saber, o Toque Musical só publica a produção musical e fonográfica nacional, ou em raríssimas exceções algo internacional, desde que este tenha alguma relação, ou esteja inserido num contexto que o permita. No caso aqui, o que realmente importa não é a música em si, mas a produção e os personagens envolvidos nela. Me refiro às figuras de Big Boy e Ademir Lemos, dois lendários ‘disc-jockey’, que foram os pioneiros e precursores dos bailes funk no Rio de Janeiro. Big Boy era ainda mais conhecido devido ao fato de também ser um radialista, um verdadeiro ‘crazy boy’ do rádio, apresentando as novidades da música pop internacional. Foi muito, através dele que diferentes grupos e artistas estrangeiros passaram a ser conhecidos no Brasil. Ademir, por sua vez, era o papa das ‘pick-ups’ e fazia sucesso na boate Le Bateau. Este disco apresenta uma sequência variada de música pop, na época, lançamentos internacionais, selecionados pelos dois dj’s. Discos como este acabavam se tornando a programação musical de muitas rádios, prontos para o consumo. A produção da Top Tape é primorosa, um álbum de capa dupla, com desenhos do artista Albery. Sem dúvida, um disco interessante de ter nas mãos. Um fetiche que já não está ficando barato no Mercado Livre. Um disquinho deste em bom estado tá valendo mais de 100 pratas! Confiram no nosso GTM os ‘grilos’ 1 e 2, nomes das sequências dessa seleção pop internacional. Tá pela hora… ;)
Para esta postagem eu não irei listar as músicas e seus interpretes. Quem tiver interesse em saber, basta consultar as informações internas do álbum.

.

Sérgio Reis – Saudade Da Minha Terra (1975)

Olá amigos cultos e ocultos! Repetindo sempre a mesma ladainha, meu tempo para o Toque Musical anda curtíssimo. Agora então, mais ainda. Estou cheio de outros trabalhos para fazer. Porém, eu não gostaria de deixar as postagens por contas do acaso, quebrando o ritmo e afastando as pessoas. Já basta o fato de sermos obrigados a criar um grupo (o GTM) para acesso aos links, que acaba sendo mais um obstáculo. Diante a situação, estou agora contado ainda mais com a colaboração do amigo Samuel Machado Filho, o Samuca, que passa a atuar também com suas resenhas, não apenas para a coleção Grand Record Brazil. Ele estará aqui com mais frequência, enriquecendo com informações detalhadas nossas postagens.
Para a postagem de hoje eu estou trazendo o Sérgio Reis em um de seus melhores trabalhos. Disco lançado na década de 70 pela RCA Victor. “Saudade de Minha Terra” foi o seu terceiro lp. Um álbum de qualidade com um repertório fino do melhor da música (verdadeiramente) sertaneja. Sergio Reis é assistido por arranjos e regências de Daniel Salinas, Pepe Ávila, Peruzzi e Elcio Alvarez. Neste disco iremos encontrar clássicos como…

saudade de minha terra
chico mineiro
rio de lágrimas
coração de luto
pé de cedro
folia de rei
poeira
divino espirito santo
mágoa de boiadeiro
chalana
pingo d’agua
cavalo preto
.