ATENÇÃO!

Destacado

PARA SE ASSOCIAR AO NOSSO GRUPO, O GTM, E PODER ACESSAR OS ARQUIVOS DESSAS POSTAGENS O INTERESSADO DEVE FAZER A SUA SOLICITAÇÃO FORMAL, ATRAVÉS DAS ORIENTAÇÕES QUE SE ENCONTRAM NOS TEXTOS LATERAIS. OS LINKS PARA DOWNLOAD ESTÃO NO GTM E FICAM ATIVOS POR UM TEMPO LIMITADO. NÃO HÁ MAIS REPOSIÇÃO DE LINKS POR SOLICITAÇÃO. POR ISSO, É BOM ACOMPANHAR SEMPRE AS POSTAGENS, POIS O TEMPO PASSA E A FILA ANDA. MAIORES INFORMAÇÕES, ENTRE EM CONTATO: toquelinkmusical@gmail.com

Poly – Alô Alô Poly (1974)

Olá, caríssimos amigos cultos e ocultos! Temos para o dia de hoje um lp do multi-instrumentista Angelo Apolonio, mais conhecido como Poly. Este músico dominava com maestria diferentes instrumentos de corda. Já postamos outros discos dele no nosso Toque Musical e agora temos o prazer de trazer de trazê-lo de volta neste lp, que eu acredito ter sido talvez um dos últimos disco que gravou ao lado de um time de outros músicos também de primeira. Curiosamente, este lp não consta em sua discografia. E por sinal, um disco muito bom, vejam pelo repertório…
 
folhas secas
pior pra ela
retalhos de cetim
eu só quero um xodó
eu bebo sim
deus me perdoe
alô alô
teimosa
ninguém põe a mão
camisa 10
orgulho de um sambista
tico tico no fubá
 
.  


 

Teatro Folclorico Brasileiro Brasiliana De Miecio Askanasy – Ritmos Danças E Canções Do Brasil (1955)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Segue aqui um disco dos mais interessantes, colhido aqui mesmo na internet, em um dos muitos blogs de música que já fecharam suas portas, acredito que seja do saudoso Sintonia Musikal. Enfim, temos aqui este lp lançado pelo selo Columbia, apresentando o Brasiliana -Teatro Folclórico Brasileiro, grupo cênico-musical formado no Rio de Janeiro no final dos anos 40. Uma grande companhia, grupo formado por trinta artistas, entre cantores, bailarinos, músicos e atores. Fizeram muito sucesso logo em sua estreia. Logo em seguida partiram para uma turnê vitoriosa e longa, de quatro anos pela Europa. Este lp foi gravado na França e lançado no Brasil logo que o grupo regressou ao Brasil. Neste disco de 10 polegadas encontramos oito temas clássicos do nosso cancioneiro popular. Na contracapa, como se pode ver, temos mais detalhes sobre o disco. Temos como cantor principal Nelson Ferraz. O grupo aqui é acompanhado pela orquestra do francês Leo Chauliac que também cuida dos arranjos juntamente com José Prates e Ary Silva. Sem dúvida, um disquinho dos mais interessantes e raros de se ver e ouvir nos dias de hoje. Confiram no GTM…
 
peguei um ita no norte
roda moenda
vou vender meu barco
carrapato
maracatu
gingando
velha bahia
ninguém me ama
 
.
 

Módulo Quatro – Bossa Carrossel Brasileiro (1970)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Para a nossa salada musical ficar realmente sortida, eu hoje estou trazendo um pouco da herança deixada por outros blogs musicais que hoje já não existem mais. E no caso aqui, me recordo, este disco foi postado pela Bruxa do Vinil em seu blog Abracadabra, um dos melhores espaços com um acervo incrível. Pena que fechou. Daí, vez por outra, eu ressuscito um para enriquecer nossas fileiras.
Então, hoje vamos com este quarteto instrumental que é um encanto só. O Módulo Quatro foi um grupo formado por quatro experientes músicos: Carlos Nobrega nos teclados, Mário Augusto no contrabaixo, Joni Soto, nas cordas e Toni Marcílio na bateria. Lançaram a penas este lp, em 1970 pelo selo Chantecler. Disco bacana, músicas autorais e com muita bossa. A contracapa traz um texto complementar, o que já me poupa aqui o trabalho de entrar em detalhes. Melhor mesmo é ouvir, conhecer esse que foi, sem dúvida, um dos excelentes discos da chamada ‘bossa tardia’. Não deixem de conferir…
 
cantiga para meu amor
módulo 4
viagem
ao cair da tarde
alegre passeio
genipapo
salpicando
bossa norte
passeando em recife
rememorando
pingos nos is
você voltou
 
 
.

Trio Tamoyo – Interpreta Ritmos Variados (1960)

Olá, meus caros amigos cultos e ocultos! Já não é de hoje que temos tido problemas aqui no nosso Toque Musical, por conta de tentativas de invasão de hackers, pessoas interessadas em boicotar nossa missão, os famosos ‘espírito de porco’. Felizmente temos um ótimo provedor que não deixa a nossa peteca cair. Porém essas invasões tem nos tirado do ar e por consequência atrasado as postagens. Mas estamos aí, sempre presentes.
E para hoje temos aqui um disco das antigas, o primeiro e único disco do Trio Tamoyo, surgido no Ceará no final dos anos 50. Este conjunto era formado por Ary Silva, José Roberto e Ribamar. Fizeram muito sucesso, logo de início, se apresentando em rádios de Pernambuco, Bahia e finalmente Rio de Janeiro. E finalmente alcançaram seu objetivo que era gravar um disco. Eles conseguiram, gravaram este lp pelo selo Prestige, um disco onde eles interpretam os ritmos mais populares daquela época, sendo boa parte do repertório autoral. Infelizmente, por contingências do destino acabaram não vingando, ficaram apenas neste lp, que por sinal é muito bom. Podem conferir…
 
assim.. assim…
costume de praia
mercadora do mal
explicação
longe da vida
na orla do mar
recado pra yaya
tortura
dance o molengue
tormento
beijo demorado
mambo quente
 
 
.

Mestre Suassuna E Dirceu – Capoeira Cordão De Ouro (1975)

Olás, amigos cultos e ocultos! Este está sendo mesmo um mês dos mais sortidos e variados em nosso Toque Musical. Cada dia um disco diferente, sem restrições. Gosto dessa mistura de gêneros, estilos…. E para hoje aqui temos um disco de capoeira, lançado pela Continental em 1975, através de seu selo Musicolor. “Capoeira Cordão de Ouro” é um lp que assim como muitos outros ligados a Capoeira fez muito sucesso nos anos 70, chegando a lançar mais dois ou três volumes nesta série Mestre Suassuna e Dirceu e seu grupo Cordão de Ouro.  Apreciado, certamente e em especial, por pessoas que praticam capoeira. Mestre Suassuna (Reinaldo Ramos Suassuna) é considerado um dos mais importantes mestres da capoeira no Brasil. Fundou o grupo Capoeira Cordão de Ouro em São Paulo, nos anos 60. 
Confiram este que foi o primeiro disco. Em uma nova oportunidade a gente apresenta os outros, ok?
 
capoeira de são salvador
a morte do capoeira
areia do mar (samba de roda)
são bento grande
cavalaria
iuna
quando eu morrer, disse besouro
luana é
canticos de capoeira
tava lá em casa
dente de ouro
pisa caboclo
 
.

.

Célio Evangelista – Reflexos (197…)

Olá, amigos cultos e ocultos, um bom dia para vocês! Aqui vou eu trazendo mais um daqueles discos que só mesmo por aqui podem ser vistos e ouvidos com outros olhos. Como todos já devem saber, uma coisa que gostamos é de postar discos obscuros, raros e curiosos. E este aqui tem tudo a ver… Um disco instrumental, solo, de piano. “Reflexos” é o nome do lp e por aqui, o que temos pode ser muito pouco para essa apresentação. Do pouco ou quase nada o que sabemos é que este disco está ligado a comunidade espírita. Trata-se de um disco interpretado por um pianista, Célio Evangelista, com músicas de autoria da médium Neusa Timponi. Do pouco que encontramos na rede, sabemos que as músicas de Neusa Timponi são psicografadas, ou seja, músicas de espíritos por ela incorporados. Pelo pouco que sabemos, “Reflexos” teve um segundo disco, o volume 2, que segue na mesma linha e interpretado também por esse pianista. Ao que parece, este lp foi lançado na década de 70, mas não sabemos ao certo o ano. Quem gosta de músicas com piano, ao estilo floreado, deve talvez gostar deste aqui. Confiram no GTM
 
roda da vida
outono
caixinha de música
nise
leila
solange
daniela
teca
mirian
marcelo
via lactea
música de ninar
irma
laurita
no tempo da vovó
tita 
lourdinha
 
 
.

Fred – Da Cor Do Chocolate (1989)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Em uma das minhas muitas idas a São Paulo, achei num sebo este disco que de cara me chamou a atenção por conta de sua capa, ou melhor, o modelo de capa que fugia totalmente dos padrões que conhecemos, capa em uma espécie de estojo (plástico duro), criada e patenteada pelo próprio artista. Coisa pouco funcional em se tratando, no caso, de uma coleção, mas interessante enquanto conceito de um álbum. E o álbum aqui é a expressão do que passou a ser conhecido como ‘samba-rock’, um tipo de música que nos remete a Jorge Benjor, Bebeto, Franco, Hélio Matheus… Inclusive este último, Hélio Matheus, está presente na parceria da música que dá nome ao disco. “Da cor de chocolate”, acredito, foi o segundo lp de Fred. Ele antes já havia gravado “Olhos Negros”, disco também nessa linha de samba-rock. Infelizmente, pouca ou quase nada a gene encontra de informação sobre esse artista. No Youtube é possível ouvir os discos, inclusive no canal do próprio artista, porém, nem lá le fez questão de uma pequena resenha. Enfim, o disco está aí… Diversão garantida para quem curti um swing. Confiram no GTM… 
 
linda e consciente
bay rock reg bey
lago do tanque
mimosa
abolição
da cor do chocolate
talento
minha metade
mensageira
deixa o amor
 
.
 

Dhaal – Estrela Do Amanhã (1987)

Digam aí, amiguinhos cultos e ocultos, tudo bem? Hoje o tempo está curtíssimo e para não ficarmos a ver navios, vai aqui um pronto e de gaveta. Um disco que só agora eu me toquei qual foi o motivo dele ter ficado na gaveta. Simplesmente não encontrei informações sobre o nosso artista. Mas, agora, já que comecei, vamos em frente… Temos aqui o cantor e compositor Dhaal, mineiro da cidade de Leopoldina, única informação a respeito deste artista que gravou em 1987 este lp, “Estrela do Amanhã”. Trabalho bem produzido e lançado pelo selo independente Lup. O repertório e quase todo autoral, mas cabe também músicas de outros artistas e em destaque temos aqui uma versão para o clássico do Clube da Esquina, “Para Lennon e McCartney”, de Lô, Márcio Borges e Fernando Brant. Está aí, mais um disco que só se encontra aqui no nosso Toque Musical. Confiram no GTM…
 
sonhar demais
blue nada mais que blue
catavento
por isso estou aqui
para lennon e maccartney
américa do sul
guardião
cantador
tem qualquer coisa no ar
 
.

Don Pacheco E Sua Orquestra – Hoje É Dia De Rock (1960)

Olá, amiguíssimos cultos e ocultos! Mais um ‘Don’ aqui para vocês… Naquele período , final dos anos 50 e início dos 60 parece que era muito comum se usar o ‘Don’ a frente de um nome para lhe dar um caráter mais nobre, talvez de artista internacional, sei lá… Mas uma coisa é certa, geralmente eram pseudônimos. Neste lp temos Don Pacheco, que nada mais é que o maestro Pachequinho, numa nova investida, o rock, então um novo estilo que por aqui estava nascendo. “Hoje é Dia de Rock” é uma festa, com doze temas internacionais dos primórdios de um dos gêneros mais populares e de sucesso que é o tal rock’n’roll. Disco bacana, vale muito conferir…
 
tootsie
oh boy
rock around the rhine
dreamy melody
upturn
right now
el rancho rock
hope in my jalop
rockin’in
white silver sands
i never felt like this
wake up little susie
 
.

Fafá Lemos E Seu Violino Com Surdina (1958)

Olá amigos cultos e ocultos! Aqui vamos nós, hoje com o lendário violonista Fafá Lemos em um de seus muitos discos gravados pela RCA Victor. Neste, lp de 10 polegadas, lançado em 1958 traz um repertório quase  todo instrumental de sambas, choros, maxixe, baião e beguines, todos temas bem conhecidos que não tem como não agradar. Em “Time Perna de Pau”, um samba bem na linha Adoniran Barbosa, temos também o prazer de ouvir o Fafá cantando. Disquinho bacana, podem conferir…
 
feitiço da vila
delicado
time perna de pau
mil violinos
dengoso
chão de estrelas
giannina mia
fafá em hollywood

Don Junior E Seu Sax Maravilhoso – Bossa Nova Vol. 2 (1963)

Boa noite, caríssimos amigos cultos e ocultos! Tenho aqui para vocês um disco que comprei recentemente num sebo por apenas 3 reais. Sim, ainda é possível encontrar discos a esse preço, até porque, algumas coisas, mesmo tendo o Mercado Livre e Discogs como régua, só desperta interesse de um público muito específico. No caso deste disco, verdade seja dita, foi mesmo um achado de muita sorte pois se trata de um belo exemplar de disco de bossa nova instrumental. Aqui temos Don Junior e Seu Sax Maravilhoso, um pseudônimo para o flautista e saxofonista argentino e naturalizado brasileiro, Héctor Costita. Costita nasceu na Argentina, mas mudou-se para o Brasil ainda nos anos 50, quando então veio para cá tocar na orquestra do maestro italiano Enrico Simonetti e Carlos Piper, contratado da gravadora RGE. Hector Costita esteve presente no surgimento da Bossa Nova e também fez parte da cena, gravou e acompanhou grandes nomes da nossa música como João Gilberto, Elis, Simonal e muitos outros. E foi nesta gravadora, RGE, que Héctor Costita gravou seus primeiros discos no Brasil, tanto com seu nome, como no “O Fabuloso Héctor”, como também usando pseudônimo como este e com o qual gravou dois lps: Don Junior e Seu Conjunto e Seu Sax Maravilho – Sambas, volumes 1 e 2. Curiosamente, talvez até antes, esses dois discos foram lançados pelo pequeno e obscuro selo SBA, que segundo dizem era de Simonetti. E nesses, embora seja a mesma capa, o título muda, era então Bossa Nova, conforme podemos ver neste exemplar que agora apresento. O repertório é o mesmo do disco RGE, uma seleta de sambas modernos, bossanovistas e da melhor qualidade, como podemos verificar  logo a baixo. Confiram no GTM…
 
só danço samba
ah se eu pudesse
nõs e o mar
raízes
sambossa
boa noite rio
o barquinho
a mesma rosa amarela
samba de uma nota só
volta por cima
foi a saudade
samba do avião
 
 

Agnaldo Timóteo – Obrigado Querida (1967)

Olá, amigos cultos e ocultos. Para a nossa tristeza, hoje lá se foi o Agnaldo Timóteo. Mais um grande artista que estamos perdendo, mas que fica também para sempre na memória da música popular brasileira. Um cantor controverso, polêmico, mas acima de tudo de um grande caráter. 
Fica aqui a nossa homenagem a ele em um de seus discos de maior sucesso, o “Obrigado Querida”. Neste temos uma série de músicas inesquecíveis, versões de ‘hits’ estrangeiros que fizeram sucesso em sua interpretação. Um disco também com clima de Jovem Guarda, porque não? Vale a pena relembrar… Grande Agnaldo Timóteo! Agora cantando no Céu. Confiram no GTM…
 
meu grito
livre (born free)
não pensa em mim (non pensare a mi)
se tu não fosse tão linda (se tu non fossi bella come sei)
creio sim (non credo)
junto a ti eu terei paz (fais-la rire)
mamãe estou tão feliz (mamma)
não me deixe mais
os verdes campos da minha terra (green green grass of home)
l’amour toujours l’amour
obrigado querida (mercy cherie)
quando não me quizeres mais  (quando vedro)
 
 
.
 

Anamaria & Mauricio – No No No… Estamos Na Nossa (1970)

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje estou trazendo um disco que há muito já devia ter entrado em nossa lista. Porém, de um disco um tanto quanto obscuro, se tornou na última década uma badalação, muito por conta dos gringos que o descobriram e daí, vocês já sabem, recebeu a ‘chancela’ internacional, se torna logo o supra-sumo da raridade, objeto de desejo das novas gerações de colecionadores. O disco passou a constar em todos os blogs de música e o Toque Musical para não ficar repetindo o refrão acabou por não publicá-lo. Mas agora, passada toda a onda, ele vem parar aqui na nossa praia…
“No, no no… Estamos na nossa” foi um disco produzido pela gravadora Chantecler para o selo americano MCA Records, o que nos sugere uma pretensão de lançamento internacional, coisa que creio, naquela época, não aconteceu. Mas o que faz este disco ser assim tão especial, além dessa afinada dupla é sem dúvida o corpo que dá vida ao disco, ou seja, o time de músicos envolvidos no projeto e também o repertório, muito bem selecionado. Anamaria e Maurício foram descobertos por Antônio Adolfo, conforme ele mesmo conta no texto de contracapa, no final dos anos 60. “No.no, no… Estamos na nossa” é um disco surpreendente pois conta com arranjos de Francisco de Moraes, Arthur Verocai e o Jongo Trio que também é quem acompanha a dupla. Participam também do disco o guitarista Lanny Gordin e o percussionista Carlinhos (?). A seleção musical foi feita por Antonio Adolfo, que parece também participar nas gravações. Aqui temos músicas de Marcos Valle, Ivan Lins, Fernando  Lona, Ruy Maurity, seus parceiros e outros… Disco realmente muito bacana que vocês poderão conferir de novo no nosso GTM…
 
freio aerodinâmico
lê lê lê
marina eu vou
escrito na parede da varanda
no, no, no… estamos na nossa
madalena
quem vem lá
pelo teletipo
amém, américa
ele e ela
minie
fotograma click
 
 

Lafayette E Os Grandes Sucessos (1983)

Boa noite, meus amigos cultos e ocultos! Cá estamos a começar mais um mês de postagens. Deixamos de lado um pouco os compactos, mas eles, assim como os cds, a qualquer hora podem voltar, sem restrições, com certeza! Começamos este mês de abril na mesma tristeza que temos vivido desde o início dessa pandemia, graças a esse maldito que está na Presidência. Mas eu não estou aqui para falar de miliciano genocida, este ainda vai pagar muito caro por tudo que tem nos feito passar. Nossa postagem de hoje, como todos já devem saber é em homenagem ao músico Lafayette, que infelizmente veio a falecer ontem, mais um vitimado pelo Covid-19. Creio que nem precisamos detalhar quem foi Lafayette, um pioneiro do orgão na música pop brasileira, atuou ao lado dos grandes nomes da música brasileira e em especial no período da Jovem Guarda. Sua marca registrada está no arranjo de teclado para o sucesso “Quero que vai tudo pro inferno”, de Roberto Carlos, em 1965. Além de ter acompanhado inúmeros artistas, também gravou muitos discos, boa parte deles pela CBS em sua série “Lafayette Apresenta os Sucessos”, que começou nos anos 60 e se estendeu na década seguinte. Foi redescoberto nos anos 2000 e em 2004, junto com um grupo de músicos e artistas da nova geração formaram o “Lafayette e Os Tremendões”, que era um grupo que fazia releitura das músicas de Roberto Carlos. Gravaram disco e fizeram muitos shows. 
Na falta momentânea de um de seus discos, acabei optando por esse ‘arquivo de gaveta’ que já tinha pronto por aqui. Trata-se de um lp que ele gravou em 1983, desta vez pelo selo Copacabana, uma seleção de sucessos desse período. Como em outros dos seus discos, este também é totalmente instrumental. Confiram no GTM…
 
uni duni tê
too late for goodbyes
whisky a go go
chuva de prata
leva
caminhoneiro
shy moon
careless whisper
nothing’s gonna change my love for you
i just called to say i love you
missing you
coração de estudante
 
.

Cauby Peixoto (1965)

Olá, meus amigos cultos e ocultos! Ainda no ano de 1965 e nos compactos da RCA Victor, temos desta vez a presença do grande Cauby Peixoto interpretando duas canções de sucesso da época, “Voltarei de joelhos”, versão de Ronnie Cord para a canção italiana “In ginocchio da te”  “Depois de ti”, de Evaldo Gouveia e Jair Amorim. Pronto, está aí um bom disquinho para fecharmos o mês, não é mesmo? Confiram no GTM…
 
voltarei de joelhos
depois de ti
 
 
.

From Rio With Love (1965)

Olá, amigos cultos e ocultos! Ainda nos anos 60, temos aqui este compacto duplo lançado pela RCA Victor, em 1965. O disquinho se chama “From Rio with love”, ou seja, trata-se de um suvenir musical criado para turistas naquele ano em que a cidade do Rio de Janeiro completava 400 anos. Um disquinho para turista ouvir e levar para casa. Não é atoa que há na contra capa um textinho bilíngue fazendo as devidas apresentações. E o que temos nele é samba. Começa com o hino “Cidade Maravilhosa” cantada em coro, na sequencia vem Cauby Peixoto interpretando a marchinha “Rancho da Praça Onze”, de João Roberto Kelly e Chico Anísio. Do outro lado o samba corre solto nas duas faixas com o Cacique de Ramos. Disquinho interessante que vale a pena conferir no GTM.
 
cidade maravilhosa – coro misto
rancho da praça onze – cauby peixoto
sessão de ritmo – o cacique de ramos
água na boca – o cacique de ramos
 
 
.
 

Luiza – Compacto (1965)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Olha só o disquinho que temos aqui… Uma autêntica raridade que até então eu não vi compartilhada em lugar algum. Até mesmo no Youtube vocês não encontravam. Agora, com certeza, logo vai estar lá, assim como boa parte do que publicamos aqui no blog acaba indo para lá. Mas quando a ideia é, além de ouvir, ver o disco, a capa e selo, só mesmo participando do Grupo do Toque Musical, Lá se pode baixar o arquivo completo. Mas, para quem não sabe, os links são temporários e não fazemos reposição. Portanto é bom sempre ficar ligado no que publicamos por aqui para não perder nada.
Então, temos aqui a cantora Luiza, que surgiu nos anos 60 como uma revelação da Bossa Nova. Gravou em 64 seu primeiro e único lp, um disco hoje consagrado, raro e que só a alguns anos atrás recebeu uma reedição em cd. O que fez o disco dela ser especial, além de sua belíssima voz e estampa foi o fato de ter sido nele que aparece uma primeira parceria de Dori Caymmi e Edu Lobo. O disco é recheado de compositores bossanovistas e dele participam vários, entre esses, Milton Nascimento e Wagner Tiso, em início de carreira. Para dourar mais a coisa, temos também a participação, arranjos e regências do maestro Moacir Santos. Daí se vê que Luiza estava com a bola toda. Embora vivendo intensamente as transformações musicais da época, tendo seu apartamento sempre bem frequentado por outros artistas, assim como Nara Leão, em seu apartamento, Luiza acabou seguindo carreira no magistério, se tornando professora, casou e foi ser dona de casa. Porém, ainda naqueles anos de efervescência da Bossa Nova, ela foi novamente requisitada para gravar este disquinho que é mesmo, em resumo, um compacto de suas apresentações ao lado do 3D Trio, em um espetáculo que eles faziam no Rio, no Teatro Princesa Isabel. Nele encontramos as composições, “Chuva”, de Durval Ferreira e Pedro Camargo e “Lenda”, de Marcos Valle e Luiz Freire. Os arranjos são de Antonio Adolfo. Este foi assim, seu também único compacto, hoje um disquinho ainda mais raro que o lp, pois nunca chegou a ser reeditado. Só mesmo no Toque Musical… Confiram no GTM.
 
chuva
lenda
 
 

Fernando Bocca (1982)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Quando vamos chegando quase ao final de nossa mostra de discos de 7 polegadas, me surgem uma dezena de outros que no caso já não cabem nessa apresentação. Porém, nada impede de que possam a serem postados regularmente em outro momento. Aqui, nada se perde, tudo se transforma e se renova. 
Bom, aqui temos um compacto do cantor e compositor mineiro Fernando Bocca. Acredito que este disquinho tenha sido lançado como cartão de visita do artista que havia então assinado com a RCA. Porém, não há registro e eu não conheço o lp, por certo o discão não chegou a sair, uma pena… Mas aqui neste compacto simples temos dele duas canções que marcaram época, pelo menos aqui para nós, mineiros de ‘belzonte’, “Bota lenha”, composição dele em parceria com  Abner Nascimento e João Boamorte e “Um abraço eterno”, outra parceria com Abner Nascimento. Este compacto foi produzido pelo Estáquio Senna e os arranjos e regências são de Nivaldo Ornelas. Taí, um compacto que vem se tornando raro por conta de colecionadores japoneses. Hoje em dia é mais fácil achar este compacto no Japão do que aqui, nos sebos e mercados livres da vida. Confiram no GTM…
 
bota lenha
um abraço eterno
 
 

Helena De Lima – Compacto (1964)

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje nosso encontro é com a cantora Helena de Lima neste compacto do disco “Uma noite no Cangaceiro”, lp lançado em 1964. Aqui, neste resumo, um compacto simples, vamos encontrar um ‘pot-pourri’ de sambas que fazem parte da faixa de abertura do lp e também “Sinfonia do Carnaval”, composição da cantora (que também era compositora) em parceria com Concessa Lacerda. Este registro foi gravado ao vivo na lendária boate Cangaceiro. E como até hoje eu não postei o lp, vamos, pelo menos, com o seu compacto. Confiram no GTM…
 
seleção de sambas:
na cadência do samba
diz que fui por aí
o sol nascerá
a fonte secou
mora na filosofia
sinfonia do carnaval
 
 
.

Toninho E Neimar (1978)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Nosso compacto do dia segue no rastro do disquinho postado ontem, do Padre Zezinho, ou seja, um disco de música cristã. Temos neste a dupla Toninho e Neimar. Um compacto duplo no qual desfilam quatro composições desta parceria. Infelizmente, não encontrei informações sobre essa dupla, mas o disco foi gravado em 1978 no estúdio das Edições Paulinas e contou com os arranjos do maestro Eduardo Assad. Confiram este disquinho no GTM…
 
pelo amor de deus
a busca
deus negro
turista da vida
 
.

Padre Zezinho E Conjunto Sidney Singers – Canção Da Amizade (1969)

Olá, prezados amigos cultos e ocultos! Dando sequência à mostra de compactos do Toque Musical, apresentamos o Padre Zezinho, considerado um dos pioneiros da música cristã, acompanhado pelo conjunto Sidney Singers. Lançado pelas Edições Paulinas em 1969, este compacto duplo apresenta quatro músicas compostas pelo padre: “Shalom”, “A goteira”, “Você é meu irmão” e “Canção da amizade”. Aliás, esta foi a estreia do Padre Zezinho em disco, e o pontapé inicial para uma bem sucedida trajetória de evangelização através da música. Enfim, mais um título que merece o nosso Toque Musical. Confiram no GTM
 
shalom
a goteira
você é meu irmão
canção da amizade
 
 
 
*Texto de Samuel Machado Filho

Os Incríveis – Trabalho Em Paz (1976)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos. De 1964 a 1985 vivemos no Brasil o período da ditadura militar. Tempos sombrios que só não chocou mais a nação porque essa, parece, sempre viveu uma relação de amor e ódio com as Forças Armadas. Infelizmente tem muita gente que acredita que militar é salvação, que a disciplina militar é o remédio e que o Brasil deve ser mesmo um quartel. O que essa parcela de gente não consegue enxergar é que não é a farda que faz um homem, não é a farda que faz uma pessoa honesta. Militar também erra e por sinal erra muito. Se você acredita que não existe corrupção nas Forças Armadas é por ser muito ingênuo. Até mesmo nas Igrejas essa praga mora, nas Evangélicas então, nem se fala… Enfim, isso é coisa de Brasil. O brasileiro é sua essência é um canalha e isso se evidencia  mais na classe média. Não é por acaso que boa parte desse povo votou num canalha e militar. E está aí, a boa merda que ele está fazendo e ainda com apoio da pior classe de brasileiros.
É dentro desse cenário, de ditadura e ufanismo que nosso lendário grupo de rock, Os Incríveis, viveu e sobreviveu até perceber que não dava mais para ficar passando pano para milicos. Esse conjunto de musiquinhas ufanistas patrocinado pelo governo militar fez mesmo muito sucesso. Aprendemos essas músicas num processo quase de osmose, quando isso era obrigatório em todas as rádios. Tocavam essas músicas para fazer o povo acreditar que estávamos crescendo, que o Brasil era um país maravilhoso… Sim, o Brasil é maravilhoso, o que fode são as pessoas que vivem nele.
Bom, enfim, o que temos aqui são quatro odiosos hinos da ditadura, pelo menos para mim. E daí, vocês me perguntam, qual a razão de eu estar postando isso então? Oras, convenhamos, se eu publicasse aqui apenas oque eu gosto este blog não seria assim. A proposta do Toque Musical é trazer a tona a produção fonomusical brasileira e nosso lema é escutar com outros olhos. Daí, cabe tudo em nosso espaço. E até porque, não desgosto dos Incríveis, não gosto é dessa ‘fase vexaminosa’, mas reconheço o talento dos rapazes 🙂 Vamos lá, vamos conferir… ditadura também é cultura (ou não?)
 
marcas do que se foi
pindorama
este é o meu brasil
este é um país que vai pra frente
 
.

Topo Gigio 2 (1969)

Olá, amiguinhos cultos e ocultos! Mais uma vez vamos de Topo Gigio… Mama mia, como esse ratinho ainda faz sucesso! Ao longo da semana recebi uma dezena de e-mails e mensagens pedindo mais coisas do Topo Gigio. Daí, me lembrei que tinha a mão também o compacto número 2. Então, porque não postá-lo de uma vez, não é mesmo? Assim, temos ele novamente, desta vez com a participação do Agildo Ribeiro. Putz, quando eu era criança adorava esse bichinho… Vamos conferir no GTM…
 
o calhambeque
nesta rua
sole mio
diálogo de boa noite com o agildo ribeiro
 
 

Estranho Triângulo – TSO (1970)

Olá amigos cultos e ocultos! Na trilha da trilha, aqui vai mais uma, desta vez de um filme. Temos aqui um compacto raro de um filme nacional também pouco lembrado, “Estranho Triangulo”, filme dirigido por Pedro Camargo em 1969, tendo no elenco Leila Santos, Carlo Mossy, José Augusto Branco, José Wilker, Lúcia Alves e Dinorah Brilhante. O disquinho traz as duas músicas do filme, o tema principal, de José Ari e “Catedral”, tema de Ed Lincoln, extraído de seu lp de 1969. O compacto saiu pelo selo Savoya Discos, de Ed Lincoln. Curiosidades que vocês só encontram por aqui. 😉
 
tema do filme estranho triangulo – josé ari
catedral – ed lincoln e seu conjunto
 
 
.

Senhora – Trilha Sonora Da Novela (1975)

Olá, amigos cultos e ocultos! Em meio aos discos compactos temos também as trilhas de novelas. Aqui, uma de 1975, da novela “Senhora”, exibida pela Rede Globo. Temos neste, um compacto duplo trazendo Francisco Petrônio e Dilermando Reis, Paulo Tapajós, Waltel Branco e a Orquestra Romanza. Disquinho bacana e músicas que só se encontram nesta edição. Confiram, no GTM…
 
quem sabe – francisco petronio e dilermando reis
ontem ao luar – paulo tapajós
aurelia – orquestra waltel branco
reocordando – orquestra romanza
 
 
.

Gazineo (1973)

Boa tarde, meus amigos cultos e ocultos! Não sou muito fã de discos de 7 polegadas sem capa, infelizmente esses disquinhos a gente quase nunca encontra com capa e quando encontra é com uma capinha genérica, aquela com o furo no meio para se ver o selo. E quase sempre, quando estão com essa capinha, está sempre trocada. Disquinhos assim, a gente só consegue avaliar colocando para tocar. E eu tenho uma porção desses discos que ainda preciso descobrir. Só mesmo promovendo esses ‘períodos temáticos’ para me fazer mexer nos arquivos físicos e explorar aqueles discos que ainda não tive tempo de ouvir. Aqui um bom exemplo… Este é um compacto do cantor baiano Carlos Gazineo, um artista que tem estado presente na cena da MPB desde o final dos anos 60. Só mesmo quem é da área, quem é baiano, talvez, conheça ou se lembre dele. Um cantor premiado em vários festivais, cantou nos mais diversos programas de televisão e casas de shows, além dos jingles para a JS Discos. Sua primeira aparição está no no lp “I Festival do Samba da Bahia, de 1967 (disco este já apresentado aqui no Toque Musical), ao lado do Inema Trio e também no compacto duplo com músicas do sambista Batatinha, onde aparece em duas faixas. Nos primeiros anos da década de 70 ele foi contratado pela Odeon como sambista e grava então este que foi seu primeiro compacto e talvez o seu disco de maior sucesso. Nele ficou registrado “Liso, leso e louco”, composição da dupla Antonio Carlos e Jocafi, que também cuidaram da sua produção. Do outro lado, o samba “Falsa cabrocha”, de Luiz Berimbau. “Liso leso e louco” tocou muito nas rádios e chegou a ser conhecida internacionalmente. Essas duas músicas seriam, na sequencia, lançadas em uma coletânea de sambas da gravadora (Só Sucessos Vol. 12). Gazineo seguiria sua carreira de sucesso gravando outros compactos. Seu primeiro e único lp ele só veio a gravar em 1984, “Cantando sorrindo”, uma produção independente na qual ele aparece como Carlos Vicente. Depois disso viriam os cds e trabalhos com produção. Hoje, parece, está aposentado, curtindo a vida dentro de uma piscina, pelo menos é o que mostra o seu perfil no Facebook. Confesso que quase desisti desta postagem quando vi no Facebook a sua postura política. Enfim, ainda bem que estamos falando do passado. Melhor beber o vinho do que falar do vinagre.
 
falsa cabrocha
liso leso e louco
 
 

Orquestra Disneyland E Aloysio De Oliveira – Perri (1959)

Olá, prezados amigos cultos e ocultos! Prosseguindo sua mostra de compactos, o TM apresenta uma autêntica raridade. Trata-se de um 45 rpm que a Odeon lançou sob o selo Disneyland, provavelmente em 1959, reunindo quatro músicas de um filme de Walt Disney chamado “Perri”, de 1957, rebatizado no Brasil como “No coração da floresta”. Misto de documentário e ficção, e de elementos de “Bambi” com fotografia da natureza, o filme conta as aventuras de um esquilo fêmea, a Perri do título original, durante as quatro estações do ano. E a vida dela na floresta é cheia de perigos. Quando não está fugindo de seu inimigo natural, o Martes, Perri se apaixona por um esquilo macho que considera um príncipe. O filme ganhou, em 1958, o Urso de Ouro de melhor documentário no Festival Internacional de Cinema de Berlim. As orquestrações deste disco são originais americanas, com canto coral em português e narração de Aloysio de Oliveira, ex-integrante do Bando da Lua, que por certo também verteu as músicas para o nosso idioma. Em suma, um filme pouco lembrado dos estúdios Disney, do qual o TM apresenta parte de sua trilha sonora. Mais um tesouro raro que vocês poderão conferir no GTM. 
 
sonho de perri
a primavera
cai o dia
a dormir
 
 
*Texto de Samuel Machado Filho

Claudette Soares (1965)

Boa noite, meus caros amigos cultos e ocultos! Aqui um autêntico compacto, Claudette Soares em dois momentos de seu disco de 1965 pela Rosenblit/Mocambo: “A Resposta”, de Durval Ferreira e Pedro Camargo e “Chuva”, de Marcos e Paulo Sergio Valle. A capa deste compacto é diferente do lp e acho que tem mais charme, mais condizente com o conteúdo.
 
a resposta
chuva
 
 
.

Chacrinha (1981)

Olá, prezados amigos cultos e ocultos! Dando prosseguimento à sua mostra de compactos, o TM traz, mais uma vez, o inesquecível “velho guerreiro”, Abelardo Chacrinha Barbosa, de quem já apresentamos dois LPs. Trata-se de um disquinho lançado pela Odeon em 1981, época em que Chacrinha trabalhava na TV Bandeirantes, hoje Band, com dois forrós especialmente compostos por Rossini Pinto. De um lado, “O pai de santo”, e de outro, “O cozinheiro”. Tudo com a malícia e os versos de sentido dúbio característicos do gênero (as letras estão reproduzidas na contracapa). Enfim, são músicas bastante divertidas, e o disquinho vale muito a pena. É mais um legado precioso do “velho guerreiro” para a posteridade, e outro disco raro que é eternizado pelo TM. A conferir no GTM, sem falta.
 
o pai de santo
o cozinheiro
 
 
*Texto de Samuel Machado Filho 

Sérgio Ricardo – The Crazy Cats – Ritmos Esso Em Samba & Twist (1963)

Boa noite, meus prezados amigos cultos e ocultos! Olha só que disquinho interessante nós temos aqui… Este é um compacto promocional criado para a Esso, como brinde de fim de ano, no caso, o ano era  1964. Curiosamente, vamos encontrar neste 7 polegadas uma espécie de jingle interpretado de um lado por Sérgio Ricardo e do outro por um grupo de rock’n’roll, ou twist, The Crazy Cats. Ao que tudo indica, “Wadiya” é o nome original da música, um twist, conforme está no lado B. No lado A a mesma música em ritmo de bossa, samba, cantado por Sérgio Ricardo: “só Esso dá ao seu carro o máximo, veja o que Esso faz…” Imagino que essa musiquinha tenha também sido usada em alguma outra campanha publicitária da Esso. Está aí um disquinho que não poderia faltar aqui no nosso Toque Musical. Confiram essa raridade no GTM…
 
ritmos essa – sérgio ricardo
wadiya – the crazy cats
 
.