Lyra Da Alegria – Aí Vem A Lyra (1963)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Voltamos aos lps. Mas nunca esquecendo o compacto, que vez por outra continuarão a pipocar por aqui. Iniciando a semana, vamos hoje com a “Lyra da Alegria – Aí vem a Lyra”, um disco bem interessante, mas que curiosamente nos omite alguns dados básicos como o quem seria essa banda “Lyra da Alegria”. Também não consta a data de seu lançamento. Por outro lado (literalmente), o pessoal da Odeon aproveitou a contracapa para nos explicar o que é uma Lyra e ainda para se justificar, nos deu a ficha técnica da produção da capa, artista gráfico, fotógrafo, artista da obra fotografada para a capa e nome dos colecionadores da obra de arte. Informações técnicas e sobre os músicos que participam dessa Lyra ficou faltando, o que nos leva a crer que se trata de um lançamento de ocasião. Seria a Lyra de Xopotó? Ou por outra, seriam os mesmos músicos e os arranjos de Lirio Panicalli? Bem que parece. Parece porque a Lyra da Alegria é a reencarnação da Lyra de Xopotó em todos os sentidos. Talvez seja a mesma, com a alteração do nome por razões contratuais, ou coisa assim. A Lyra de Xopotó gravava pela Sinter e em 1960 estaria pendurando as chuteiras, só voltando a ativa nos anos 70 pela Copacabana. Nesse hiato, a Odeon aproveitou para lançar a sua Lyra da Alegria.
Como se pode ver pela capa, temos uma seleção musical e carnavalesca muito boa, com grandes sucessos da época e alguns até bem mais antigos. Pelo repertório e tudo mais, suponho que este álbum tenha sido lançado entre 63 ou 64.

pierrot
a lua é dos namorados
vai com jeito
pierrot 2000
a sogra vem aí
balzaqueana
pedro das flores
índio que apito
evocação
zé de conceição
sempre oluar
a cartomante
.

Marlene – Seleção 78 RPM Do Toque Musical Vol. 110 (2014)

Depois de Emilinha Borba, na semana passada, nada mais justo que o Grand Record Brazil dedique este seu centésimo-décimo volume àquela que foi durante anos apontada como sua rival, sem nunca tê-lo sido. E nossos amigos cultos, ocultos e associados por certo já perceberam que estamos falando de Marlene, aliás uma das inúmeras perdas importantes deste ano de2014, ainda em curso. Batizada como Victoria Bonaiutti de Martino, nossa focalizada veio ao mundo no dia 22 de novembro de 1922, em São Paulo, na Bela Vista (o velho e bom Bixiga), bairro central tipicamente italiano, com características tradicionais ainda conservadas em parte.  Os  pais,claro, eram italianos, e Vitória era a caçula de três filhas, as demais eram Marieta e Geni. Seu nome vem do pai, Victorio, falecido sete dias após seu nascimento. A mãe, Dona Antonieta, não se casaria outra vez, e por isso teve de arcar sozinha com a manutenção e a educação das filhotas. Alfabetizava no Instituto de Surdos e Mudos e trabalhava como costureira. Como pertencesse à Igreja Batista, D. Antonieta conseguiu que Victorinha fosse internada, pagando apenas uma taxa, no Colégio Batista Brasileiro, com mensalidades dispensadas, em troca  de a futura estrela executar  serviços gerais, como a arrumação dos dormitórios.  Nesse colégio, frequentado por meninos e moças da alta sociedade, Victorinha estudou dos 9 aos 15 anos, destacando-se nas equipes esportivas, e no coro juvenil da igreja. Sabia também declamar, e cantava se acompanhando ao violão. Mais tarde, Victoria vai cursar a Faculdade de Comércio, na Praça da Sé, a fim de se tornar contadora. Ao mesmo tempo, necessitando trabalhar, emprega-se, durante o dia, em um escritório comercial, e começa a participar de uma entidade estudantil recém-formada, a qual passa a dispor de um espaço na PRH-9. Rádio Bandeirantes (então “a mais popular emissora paulista”), “A hora do estudante”, onde seria cantora. Nessa ocasião,seus colegas estudantes escolhem o nome artístico que a imortalizou, Marlene, por certo em homenagem à atriz e cantora alemã Marlene Dietrich. Mais tarde, acompanhando a sambista Jeanette Thadeu, “a garota do chapéu-de-palha”, vai conhecer a PRG-2, Rádio Tupi (“a mais poderosa emissora paulista”), sendo admitida com salário de 200 mil-réis mensais.  Cansada da desaprovação e dos temores de sua família (que não podia admitir nenhuma incursão no setor artístico, por razões sociais e religiosas então vigentes), Marlene soube que o empresário e radialista Armando Silva Araújo (Domanar) poderia lhe proporcionar um teste para crooner no Cassino Icaraí, em Niterói. Aí, toma o trem, e vai para o Rio de Janeiro, faz o teste no Icaraí com o maestro Vicente Paiva e é aprovada. Passa depois a ser crooner da orquestra de Carlos Machado, no Cassino da Urca, o mais famoso do Brasil e o preferido dos turistas, pelo qual passavam grandes cartazes internacionais.  E Marlene (“a que canta o samba diferente”) foi logo se constituindo em uma das atrações do cassino. Mas, em abril de 1946, o então presidente Dutra proíbe o jogo no Brasil, com o consequente fechamento dos cassinos e desemprego de artistas. Para Marlene, porém, houve compensação, pois seguiu com a orquestra de Carlos Machado para a boate Casablanca. Vai depois para o sofisticadíssimo Copacabana Palace, hotel dos irmãos Guinle, promovida a estrela da casa. Em 1947, atua na Rádio Mayrink Veiga e, depois, na Rádio Globo. Pouco antes, lançou pela Odeon seu primeiro disco, interpretando “Swing no morro” e “Ginga, ginga, moreno”,obtendo mais tarde seu primerio hit maiúsculo, no carnaval daquele ano, a marchinha “Coitadinho do papai”, premiada no concurso oficial da prefeitura do Rio. Já estreara no cinema, em 1944, atuando na comédia “Corações sem piloto”, e em seguida nos filmes carnavalescos “Pif-paf” (1945), “Caídos do céu” (1946) e “Esta é fina” (1947). Em 1948, assina contrato com a lendária Rádio Nacional, para atuar no programa de César de Alencar, logo tornado-se uma das estrelas da emissora da Praça Mauá. Um ano mais tarde, vence espetacularmente o concurso de Rainha do Rádio, derrotando Emilinha Borba,franca favorita, com o apoio da Antarctica, que então lançava o guaraná Caçula, sendo esse concurso a origem da eterna rivalidade entre seus fãs e os de Emilinha. A partir daí, todos sabem o que acontece: sucessos sem conta no disco (grava também na Star, Continental, RCA Victor, Todamérica, Sinter,  RGE…), e excursões pelo Brasil e no exterior. Vai a Paris (ficou quatro meses e meio em cartaz no famoso teatro Olympia), Nova York , Chicago, Santiago do Chile, Buenos Aires (na Argentina, em 1954, atuou no filme “Adeus, problemas”), e se apresenta em Cannes, na França, a convite do duque e da duquesa de Windsor. Em 1952, casa-se com o também ator Luiz Delfino, que conhecera durante as filmagens de ”Tudo azul”, e o enlace, na Igrejinha do Outeiro da Glória, é um verdadeiro acontecimento. Ao lado dele, dedica-se ao teatro, sua maior e declarada paixão, consagrada pelo público e crítica como atriz, e ambos fazem sucesso no rádio e na TV com o programa “Marlene, meu bem”, escrito por Mário Lago,versão brazuca da sitcom americana “I love Lucy”, satirizando episódios da vida a dois. . Atuou em espetáculos como “Carnavália”, “É a maior”, “Te pego pela palavra”, “Botequim” e “Ópera do malandro”, a maior parte registrados  em disco.  Como compositora, fez o samba-canção ‘A grande verdade” (parceria com Luiz Bittencourt), gravado em 1951 por Dalva de Oliveira. Enfim, uma artista completa. Marlene faleceria em 13 de junho de 2014, no Rio, aos 91 anos, de falência múltipla de órgãos. Ela estava internada no hospital Casa de Portugal, em virtude de uma queda sofrida dias antes, em casa. Para sempre “a maior”, “a incomparável” e “aquela que não perde a majestade”,  Marlene recebe a homenagem do GRB, nesta edição em que apresentamos catorze de suas melhores gravações,  nas quais se mostra uma intérprete versátil e personalíssima. Abrindo esta seleção, que contou inclusive com a preciosa colaboração deste que vos escreve, a marchinha “Vou nas águas”, de Raul Sampaio e Benil dos Santos, para o carnaval de 1959, gravação Odeon de 6 de novembro de 58, lançada ainda em dezembro, disco  14398-B, matriz 13037. Em seguida,o baião “Estrela Miúda”, primeira composição gravada do maranhense (de Pedreiras)  João do Valle, em parceria com Luiz Vieira, gravação Todamérica de 26 de março de 1953, lançada em junho do mesmo ano sob n.o TA-5293-B, matriz TA-432. Nessa ocasião, João do Valle era servente de pedreiro, de dormir na obra e tudo o mais, e uma mulher que morava lá perto tocava esse disco sem parar,o dia todo. João não tinha coragem de dizer que a música era dele. Um dia, não dando mais para segurar a coisa, ele se chegou para seu chefe e perguntou: “Tá ouvindo essa música?” “Sim, é Estrela Miúda”, respondeu ele. “Sabe quem canta?”, perguntou João. “Sei, é a Marlene”. “E quem é o autor?” O chefe não sabia, e ao ouvir de João do Valle que o autor era ele, nem acreditou: “Que é isso, neguinho, tá delirando? Traz massa, neguinho, traz massa!” Depois vem o samba “Gabi morena”, de autoria de outro expressivo compositor nordestino, o pernambucano Luiz Bandeira (também autor de”Na cadência do samba”,o famoso “Que bonito é”), gravado na Continental pela “maior” em 2 de junho de1954, com lançamento em junho-julho desse ano, disco 16991-A, matriz C-3380. Temos em seguida a divertida marchinha-crônica “Ibrahim piu-piu (Marcha do Ibrahim)”, um dos hits do carnaval de 1956, de autoria de Miguel Gustavo, sem dúvida um cronista musical de seu tempo. Lançada pela Sinter ainda em novembro-dezembro de 55 sob n.o 00-00.440-B, matriz S-1002, faz referência ao colunista social Ibrahim Sued, muito popular na imprensa e na televisão, com bordões que marcaram época: “Depois eu conto”, “De leve…”, “Bola branca”, “Bola preta”, “Alô, panteras e panterinhas”, “E ademã que eu vou em frente” etc. O lírico e expressivo samba-canção “Luz de vela”, de Luiz Antônio, é lançado por Marlene, na Continental, em maio-junho de 1952, com o n.o 16563-B,matriz C-2822. Sucesso no carnaval de 1953, a “Marcha do sapinho”, de Humberto Teixeira e Norte Victor, é lançada pela mesma Continental na voz da “incomparável” em janeiro desse ano, com o n.o 16670-B, matriz C-2990, sendo interpretada também por Oscarito e Maria Antonieta Pons no filme “Carnaval Atlântida”.  “Canta, menina, canta”, samba de Monsueto e Arnaldo Passos,é lançado pela Sinter em maio-junho de1955 sob n.o 00-00.395-A, matriz S-893, entrando mais tarde no LP de dez polegadas “Vamos dançar com Marlene e seus sucessos”. João “Braguinha” de Barro, Nássara e Antônio Almeida assinam a marchinha “Sereia da areia”, do carnaval de 1952, que a Continental põe nas lojas um mês antes dos festejos momescos, em janeiro, disco 16509-B, matriz C-2777, e é também interpretada por Marlene no já citado filme “Tudo azul”, da Flama Filmes, último trabalho do cineasta Moacyr Fenelon.  Do mesmo suplemento Continental de “Luz de vela”, maio-junho de 1952, é o baião junino “Canção das noivas”, de Haroldo Lobo e Rômulo Paes, que é catalogado com o número 16556-B, matriz C-2843. “Quero sambar”, de autoria de Zé Kéti, é gravado na RCA Victor pela nossa Marlene em 30 de agosto de 1957, sendo lançado em novembro seguinte sob n.o 80-1862-A,matriz 13-H2PB-0207. Marlene também o interpreta no filme “O cantor e o milionário”, da Cinematográfica Guarujá”, no qual atua como atriz, interpretando a si mesma, ao lado do marido, Luiz Delfino. Norival Reis,o Vavá, que também era técnico de gravação da Continental, assina com Rutinaldo Silva “Vamos à valsa”, que Marlene lança pela gravadora dos irmãos Byington em maio-junho de 1951, sob n.o 16406-A,matriz 2610. Também na Continental, agora tendo ao lado o então nascente conjunto vocal Os Cariocas, e com acompanhamento impecável da Orquestra Tabajara de Severino Araújo, Marlene lança, entre outubro e dezembro de 1949, no disco 16125, dois baiões clássicos da parceria Luiz Gonzaga-Humberto Teixeira, que o próprio Gonzagão só irá gravar posteriormente. No lado A, matriz 2166, “Macapá”, e no verso, matriz 2167, “Qui nem jiló”, originalmente valsa,mas que Humberto Teixeira transforma no então ritmo da moda, alcançando expressivo êxito. Esta faixa encerra nosso retrospecto marleniano, mas, antes dela, iremos encontrar a divertida valsa ‘Marlene, meu bem”, de Mário Lago, em dueto com o entoa marido Luiz Delfino, e inspirada no já citado programa de rádio e TV de mesmo nome, escrito justamente por Mário Lago. Foi lançado pela Sinter em setembro-outubro de 1955, sob n.o 00-00.425-A, matriz S-975.Enfim, esta é a homenagem do GRB àquela que foi, é e será eternamente A MAIOR!
* Texto de Samuel Machado Filho

Astrud Gilberto / Eliana Pittman – Compactos (1969 e 78)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Segue aqui mais uma boa postagem para fecharmos bem o domingão. Vamos desta vez com dois compactos privilegiando as vozes das cantoras Astrud Gilberto e Eliana Pittman. Uma dobradinha que caí bem, não acham?
Astrud vem num compacto do selo americano Verve, lançado por aqui em 1969, trazendo “Without him”, do cantor Harry Nilsson e o tema do filme “Romeu e Julieta”, “A Time For Us”. Na sequência vem a Eliana Pittman em um compacto duplo pela RCA Victor, de 1978, que mais parece lp, de tão recheado. São quatro faixas, mas com sete músicas e participação de César Costa Filho. Tá tudo aí na capa, olha só…
Testando a audiência, pergunto e espero respostas: Será que os amigos ainda querem ir na onda dos compactos? Ou vamos de volta aos lps e outras gravações? Estou no aguardo;)

a time for us – astrud gilberto
without him – astrud gilberto
pra lá e pra cá – eliana pittman
i go to rio – eliana pittman
escola de samba – eliana pittman
mistura dos anos 20:
gavião cascudo,
nosso ranchinho,
cristo nasceu na bahia – eliana pittman
.

Adilson Ramos / Leno / Martinha / Roberto Carlos – Compactos Anos 60

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Vai me dando um desespero esse negócio de postar compactos. Um por dia, talvez por só ter duas ou quatro músicas, fico com a sensação de que está faltando alguma coisa. Daí eu apelo e vou logo  postando mais alguns. Hoje não vai ser diferente, ou por outra, dentro das diferenças, aqui vão quatro compactos lançados nos anos 60. Buscando manter uma certa uniformidade, escolhi quatro disquinhos que tem em comum a Jovem Guarda. Por incrível que pareça, o compacto que não tem nada de Jovem Guarda é o do Roberto Carlos, que traz na verdade dois sambas em gravações de 1967. Os demais, Adilson Ramos, Leno e Martinha, todos da geração JG, aparecem individualmente em seus respectivos compactos fazendo uma mostra do que era o tal movimento. Acredito que todos esses quatro disquinhos, ou músicas, já tenham sido apresentados em outros blogs. Mas como eu já deixei há tempos de ser um garimpeiro de músicas na Internet, ando meio por fora do que tem rolado nas outras praças. Segue assim este bloco com quatro discos diferentes, ok?

meu karmann ghia – adilson ramos
feliz por te amar – adilson ramos
a pobreza – leno
me deixe em paz – leno
barra limpa – martinha
não brinque assim – martinha
maria, carnaval e cinzas – roberto carlos
ai que saudades da amélia – roberto carlos
.

Gilberto Gil – Compactos (2014)

Olá, amigos cultos e ocultos! Para levantar a moral, hoje iremos com uma coletânea de compactos. E nada melhor se for de um super artista, bacana como o Gilberto Gil. Por certo, as músicas selecionadas aqui são de pleno conhecimento de todos e talvez não haja aqui nenhuma novidade. São quatro compactos do que considero ser sua melhor fase, os anos 60 e 70 :) Vale por ser Gil. Vale por ser jóia! ;) Fiz até capinha!

lugar comum
joão sabino
aquele abraço
dezessete légua e meia
o má iao
meio de campo
só quero um xodó
questão de ordem
.

Sirlan (1972)

Para completar, vou incluindo no toque de hoje mais um compacto pronto pra consumo. Um disquinho importante lançado pela Som Livre em 1972, apresentando o cantor e compositor mineiro Sirlan em seu disco de estreia, trazendo como atração principal a música “Viva Zapátria”, que naquele mesmo ano havia participado do VII Festival Internacional da Canção.

viva zapátria
super herói
.

Antonio Carlos & Jocafi (1972)

Bom dia, prezados amigos cultos e ocultos! Aqui vai mais um compacto para preenchermos o nossa lista musical. Trago hoje um disquinho que de melhor só mesmo o discão, que qualquer hora dessas eu posto aqui. Hoje ficaremos apenas no deguste. Dois belíssimos sambas da dupla baiana Antonio Carlos e Jocafi. O interessante dos compactos é que as vezes eles traziam versões diferentes da mesma música lançada em lp. Ainda não verifiquei, mas creio que a música “Minhas razões” aparece aqui um pouco diferente. Ou será que eu me enganei? Confiram as minhas razões. ;)

minhas razões
conclusão
.

Golden Boys (1970)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Segue aqui mais um compacto e mais uma vez com direito a homenagem. Desta vez, vai para o meu Galo Doido que disputa hoje a final da Recopa no Mineirão. Vamos no fumacê dos Golden Boys que cabe bem de acordo com o estilo atleticano. Galo Doido, uai!
Compacto duplo com quatro grandes sucesso desses quatro garotos de ouro. Vocês se lembram? ;)

fumacê
se você quiser mas sem bronquear
avenida atlântica
comunicação
.

Capitão Gay (1982)

Olá amigos cultos e ocultos! Nesta semana vou recorrer aos meus ‘discos de gaveta’ para salvar o dia, ou os dias. Tenho aqui alguns compactos e acho que já é hora de colocá-los na roda. Começo com este divertido disquinho lançado nos anos 80, época em que o humorista Jô Soares encarnava em seus programas na tv o bizarro ‘Capitão Gay’, ao lado de seu parceiro ‘Carlos Suely’, interpretado pelo ator Eliser Motta. No programa de tv, a dupla entrava em ação sempre cantando a  música tema, ‘Capitão Gay’ e de brinde ainda tinha o tal ‘Um Croquete’. Vai encarar?
Estou postando este disco em homenagem ao time do Cruzeiro, que até o momento continua como lider absoluto no Campeonato Nacional. Estou fazendo esta homenagem para rebater as críticas que as vezes recebo por conta de postar só discos do meu Galo Doido. Qual o quê? Aqui não tem disso, no Toque Musical todos recebem a sua devida atenção. Segura este croquete aí que ele ainda está quentinho ;)

capitão gay
um croquete
.

Emilinha Borba – Seleção 78 RPM Do Toque Musical Vol. 109 (2014)

E aí vai, para nossos amigos cultos, ocultos e associados, a centésima-nona edição do Grand Record Brazil. Desta vez, apresentamos uma das mais queridas cantoras do Brasil, autêntico ídolo da fase áurea do rádio brasileiro e um fenômeno de popularidade como poucos:  Emilinha Borba. O nome completo de nossa focalizada era Emília Savana da Silva Borba. Ela veio ao mundo na Estação de Mangueira, no Rio de Janeiro, no dia 31 de agosto de 1923, filha do engenheiro agrônomo Eugênio Jordão da Silva Borba, por sinal proprietário da Vila Savana, onde nasceu e morava Emilinha, e Edith da Silva Borba. A família teve ao todo sete filhos, sendo seis mulheres  (Maria de Lourdes, Xezira, Salete, Emília, Ely e Terezinha)e apenas um homem, José Maria, qual Emilinha era irmã gêmea.  A prodigalidade do pai acabou por deixar a todos, quando faleceu prematuramente,em situação bem difícil.  E Dona Edith precisou distribuir os filhos pelas casas dos parentes, e nossa Emilinha foi para a residência da avó, Dona Bela. Desde muito pequena, Emilinha demonstrou estar fadada a trilhar o caminho da arte, passando a frequentar as emissoras de rádio. Apresentando-se no programa “De graça para todos”, da PRG-3, Rádio Transmissora, produzido por Oscar Gomes Cardim, em 1937, recebia cachês de 20 mil-réis.  Passou também pelo “Programa juvenil”, da PRD-2, Rádio Cruzeiro do Sul, e até mesmo pelo programa de calouros do sempre exigente Ary Barroso, onde conquistou o primeiro prêmio, feito do qual se orgulharia para o resto da vida.  Na Cruzeiro do Sul,conheceu Bidu Reis, com quem formaria o duo As Moreninhas. Xezira Borba,irmã de Emilinha, também chegou a esboçar carreira de cantora, com o pseudônimo de Nena Robledo, gravando dois discos com três músicas, mas abandonou o canto ao se casar com o compositor Peterpan (José Fernandes de Paula). Dona Edith, mãe de Emilinha, em 1938, trabalhava como faxineira do Cassino da Urca, e despertou a atenção de Cármen Miranda, então grande atração da casa. Ao saber da reviravolta na vida dos Borbas, Cármen se ofereceu para ajudar, caso alguma das filhas da Dona Edith pudesse ser aproveitada no espetáculo. Esta então indicou Emilinha, que, com roupas fornecidas por Cármen, fez um teste perante o mineiro Joaquim Rolas,dono do cassino. Percebendo o nervosismo da menina, que teve sua idade aumentada em dois anos, Cármen desviava a atenção de Rolas com uma conversa sem fim enquanto Emilinha cantava. Além de ser uma das “crooners” da Urca, a futura “Favorita” atuava na Rádio Cajuti. Em fevereiro de 1939, apresentou-se pela primeira vez em São Paulo, através da Rádio Record, no Teatro Coliseu, ao lado de Orlando Silkva, Almirante e Sílvio Caldas. No mesmo ano, ainda como Emília Borba, estreia em disco, na Columbia, interpretando a marchinha “Pirulito”, ao lado de Nílton Paz,  e, embora só este  aparecesse como intérprete no selo, sua voz se evidenciava, e bem. Até 1940, ela faria mais quatro discos na Columbia, e um ano depois, teve curta passagem pela Odeon, aparecendo pela primeira vez no selo do disco como Emilinha Borba. Ela foi também a cantora que mais participou de filmes  em toda a história do cinema brasileiro, cerca de 40, todos eles musicais: “Vamos cantar” (1940), “Tristezas não pagam dívidas” (1944), “Não adianta chorar” (1944), “Segura esta mulher” (1946), “Estou aí?” (1948), “De pernas pro ar” (1957), etc.  Em 1944, Emilinha ingressa na lendária Rádio Nacional, onde atua por 27 anos, e volta a gravar na Columbia, já com o nome de Continental, onde fica até 1958, quando ingressa em outra Columbia, a futura CBS, hoje Sony Music. É aí que tudo acontece: sucessos sobre sucessos em disco, programas de auditório (inclusive o de César de Alencar, seu apresentador oficial, então líder de audiência nas tardes de sábado), faixas, troféus, a propalada rivalidade com Marlene…  Esta começou em 1949, quando Marlene venceu o concurso de Rainha do Rádio (Emilinha só ganharia o título em 1953). A “Favorita” teve até sua própria página na “Revista do Rádio”, o “Diário de Emilinha”, e o simples anúncio de sua presença em qualquer cidade ou lugarejo do Brasil era feriado local, com desfile em carro aberto, outorga da chave da cidade etc. Até agosto de 1995, foi a personalidade que mais apareceu em capas de revistas, aproximadamente 350! Entre 1968 e 1972, Emilinha esteve inativa por causa de um edema nas cordas vocais, voltando a cantar após três cirurgias e um longo estudo de reeducação da voz. Em toda a carreira, gravou, em 78 rpm, 117 discos com 216 músicas, e cerca de dez LPs.  Nos três últimos anos de vida, continuou se apresentando por todo o país, inclusive animando bailes carnavalescos. Em 2003,após 22 anos sem gravar, lançou o CD independente “Emilinha  pinta… e Borba”, que ela mesmo vendia de forma bem popular, em contato com o público.  No início de 2005, lançou seu último trabalho em disco, o CD “Na banca da folia”, para o carnaval desse ano. Emilinha Borba morreu na tarde do dia 3 de outubro de 2005, aos 82 anos, de infarto fulminante, enquanto almoçava em seu apartamento, no bairro carioca de Copacabana, mas continua até hoje lembrada por sua voz, popularidade e extremo carisma.  E o GRB reverencia sua memória apresentando dezoito faixas gravadas em 78 rpm, uma amostragem de alguns de seus melhores momentos, que os fãs da cantora por certo reconhecerão aos primeiros acordes. Abrindo esta seleção, a batucada “A louca chegou”, do carnaval de 1953, de autoria de Rômulo Paes, Henrique de Almeida e Adoniran Barbosa, em dueto com o também “bandleader” Ruy Rey, lançada pela Continental em janeiro desse ano com o n.o 16692-B, matriz C-3005 (nessa ocasião também gravada na Copacabana por Elza Laranjeira). A maior parte das faixas com a ‘Favorita” aqui incluídas foi por sinal gravada na Continental. Em seguida, um verdadeiro clássico: o baião “Paraíba”, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, por ela imortalizado em primeiro de março de 1950, com lançamento em abril, disco 16187-B, matriz 2256 (Gonzagão só fez seu próprio registro em 1952). No acompanhamento,o regional de Canhoto (Waldiro Frederico Tramontano) e o coro Os Boêmios. A música iria criar, por sinal, um neologismo significando mulher masculinizada, mas a expressão “Paraíba masculina, mulher macho, sim senhor” significava que a Paraíba era um estado, mas com nome feminino.  A faixa 3 apresenta o choro ‘Divagando”,  de Nélson Miranda e Luiz Bittencourt, com Emilinha acompanhada pelo conjunto Bossa Clube, e lançado pela Continental em novembro de 1945,disco 15473-B, matriz 1299. “Quando tu não estás (Cuando tu no estás)” é uma versão de Haroldo Barbosa, em ritmo de bolero, para um tango de Carlos Gardel, Alfredo Le Pera e Battistella, que Francisco Alves interpretava em seus programas de rádio. Mas foi Emilinha quem a gravou comercialmente, na Continental, menos de um ano depois da morte trágica do Rei da Voz, em 15 de abril de 1953, com lançamento em julho-agosto seguintes sob número 16796-A,matriz C-3113. A faixa seguinte traz a toada junina “Capelinha de melão”, motivo popular adaptado por João de Barro, o Braguinha, e Alberto Ribeiro, com lançamento  pela então “marca dos sininhos” em março-abril de 1949, disco 16041-A, matriz 2058. Desse mesmo suplemento bimestral da Continental  é o samba “Deixa que amanheça (Como nos versos de Bilac)”, de autoria de Oswaldo Santiago, catalogado com o número 16036-A,matriz 2041. A faixa 7 é um verdadeiro clássico de Emilinha e do carnaval: a marchinha “Chiquita Bacana”, de Braguinha e Alberto Ribeiro, lançado em janeiro de1949 com o número 15979-A,matriz 2001, época em estava em moda o chamado Existencialismo, cuja figura de proa era a atriz francesa Juliette Greco. Emilinha também a interpretou no filme “Estou aí?”, de Moacyr Fenelon. “Dançando a rumba”, de Ayrton Amorim e Mário Menezes,  é outro dos conhecidos hits da “Favorita”, e a Continental o lançou entre julho e setembro de1951, disco 16416-A, matriz 2680. Em seguida, temos o fox “Deixa eu, nêgo (Let me go, lover)”, de Jenny Lou Carson e All Hill, com letra brasileira de Giuseppe Ghiaroni, escritor, jornalista e então colega de Emilinha na Rádio Nacional, onde escreveu inúmeras novelas e programas. A gravação da ‘Favorita” foi lançada pela Continental em maio-junho de 1955, sob número 17123-A, matriz C-3609, imediatamente após a de Violeta Cavalcanti com o Trio Irakitan, pela Odeon.  Depois , do primeiro disco-solo de Emilinha, então Emília Borba, o Columbia 55048, temos o lado A, o samba-choro “Faça o mesmo”, de Nássara e Eratóstenes Frazão, gravado em 2 de março de 1939 e lançado em maio do mesmo ano, matriz 145. Voltando à Continental, ou melhor, permanecendo nela, já que era a antiga Columbia, temos o samba “Jurei”, também de Nássara, agora em parceria com Waldemar “Dunga” de Abreu, lançado em setembro-outubro de 1950 sob n.o 16295-B, matriz 2417. A seguir, outra marchinha carnavalesca conhecidíssima: a famosa “Vai com jeito”, de exclusiva autoria do grande Braguinha, que a “Favorita” imortalizou em 19 de outubro de 1956, com lançamento em janeiro de 57, sob n.o 17372-B, matriz C-3869, abrindo também o LP coletivo “Carnaval de 1957”, em 10 polegadas. “Vai com jeito”,aliás, dominou essa folia, sendo também apresentada no filme ‘Garotas e samba”, da Atlântida.  “Você e o samba”, de Peterpan (cunhado de Emilinha) e Ari Monteiro, saiu pela “marca dos sininhos” em outubro de 1945, sob número 15455-B, matriz 1215. O fox-samba “Istambul”, de Norman Simon e Jimmy Kennedy, tem letra brasileira de Lourival Faissal, gravada por Emilinha em 2 de agosto de 1955 e lançada em outubro seguinte com o n.o 17177-A, matriz C-3675. Chegaria até mesmo ao LP, na compilação  “Seleções Continental n.o 1”, por sinal o primeiro da gravadora no formato-padrão de 12 polegadas. Ainda do cunhado Peterpan, agora em parceria com José Batista, é o bolero ‘Noite de chuva”, que Emilinha imortaliza na Continental de sempre em 7 de junho de 1954, para lançamento no suplemento do bimestre junho-julho, disco 16990-B, matriz C-3361, sendo também apresentado no filme “Capricho de amor”, da Bandeirante Filmes.  Outro inesquecível hit carnavalesco de Emilinha aqui incluído é a marchinha “Tomara que chova”, de Paquito e Romeu Gentil, que dominou a folia de 1951. Inicialmente gravado na Odeon pelos Vocalistas Tropicais, ganha também registro de Emilinha pela Continental, em 25 de outubro de 50, com lançamento um mês antes do carnaval, janeiro, sob n.o 16339-B, matriz 2479. A “Favorita” igualmente a interpretou no filme “Aviso aos navegantes”, da Atlântida.  A lírica toada “Não é só o luar”, de José Batista, é lançada pela “marca dos sininhos” em  abril-maio de 1956, sob n.o 17273-A, matriz C-3408. Para encerrar, temos justamente a estreia de Emilinha em disco, em dueto com Nílton Paz: a marchinha “Pirulito”, composta por João “Braguinha” de Barro e Alberto Ribeiro, com estribilho oriundo do folclore português, para o filme “Banana da terra”, da Cinédia, em substituição ao samba ‘Boneca de piche”, de Ary Barroso, que seria interpretado por Almirante e Cármen Miranda com os rostos pintados de preto, como malandros da Lapa. Como não houve acordo financeiro com Ary, Almirante e Cármen filmaram “Pirulito” com essa mesma caracterização.  A gravação, porém, coube a dois estreantes em disco, o maranhense (de Caxias) Nílton Paz, em dupla com nossa Emilinha, na Columbia, em 3 de janeiro de 1939, com lançamento em plena folia, fevereiro, sob n.o  55013-A, matriz 120, e com estrondoso sucesso, um fecho realmente de ouro para esta seleção. Com vocês, a minha, a sua, a nossa favorita…. Emilinha Borba!
Texto de Samuel Machado Filho

Turma Da Brasa – É Uma Lenha (1966)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! De volta às curiosidades, fazendo valer a máxima de se “ouvir com outros olhos”, aqui vai mais um disco do lendário selo mineiro MGL (Minas Gravações Limitada), do Sr. Dirceu Cheib (Estúdio Bemol). Eis aqui mais um álbum que descobri deste selo que deu origem às primeiras gravações profissionais em Belo Horizonte. Como todos os discos da MGL, nenhum traz informação sobre data ou coisa assim. São verdadeiros mistérios que só mesmo o Dirceu Cheib poderia nos desvendar, mas creio que nele e nem ninguém está mais interessado nessa história. Uma pena, pois mesmo não sendo obras autorais, regravações de sucessos da época que visavam apenas uma atividade comércio musical, esse trabalho tem uma história importante, tanto no que diz respeito ao pioneirismo fonográfico em Minas, quanto no seu aspecto artístico, dos músicos e instrumentistas que por aí passaram. Eu suponho que toda essa história não traz interesse por diversos motivos, mas principalmente porque levanta a questão de direitos autorais, afinal, nessa época, nos anos 60, música no Brasil era meio que ‘terra de ninguém’. Gravava-se tudo, sem ter permissão, sem ter noção. E isso não era coisa só da MGL e Paladium, haviam outras gravadoras, até mesmo as grandes.
O certo é que este é mais um disco da pequena produção da Minas Gravações Limitada. “A Turma da Brasa” é o nome do grupo, que bem provavelmente foi formado com os músicos da cidade, que atuavam em bailes, boates de Belo Horizonte. Para não variar, o repertório é sempre aquele, alguns sucessos específicos da música internacional, bem ao estilo ‘bailinho’, conjunto de beira de piscina, ou coisa assim… Também, considerando o repertório e todo o contexto visual, acredito que este lp tenha sido lançado em 1966 ou 65, época de transição da MGL, quando então nascia o selo Paladium.

fio de esperança
sleepwalking
california dreaming
venus
tonight
tema de lara
thunderball
cachimbo da paz
girl
winchester cathedral
go go slow
these boots are made for walking
.

Internacional Super Som T. A. – Dança Que Eu Quero Ver (1991)

Olá amigos cultos e ocultos! Aqui estamos de volta, faltando mais político no Congresso, mas sempre que possível, dando aquele toque musical. E hoje, por ser sábado, dia de festas e bailes, aqui vamos nós nos ensaiando para a dança. Trago hoje para vocês a Internacional Super Som T. A., um super conjunto de bailes, tradicional, principalmente para os paulistas. Criando no final dos anos 60 pelo músico Nilo de Souza Mello, este conjunto que é quase uma orquestra, já fez muita gente dançar em bailes memoráveis pelo Brasil. Me lembro que lá em casa tínhamos um disco deste conjunto, nunca mais vi e nem ouvi. Ontem, fuçando no Youtube, descobri que tinha este outro disco deles, e nem me lembrava. “Dança Que Eu Quero Ver” é um álbum muito interessante e eu nem me toquei, nem tive antes a curiosidade de ouvir. Mas hoje, ouvido no meu Diatone o disco ainda novinho, aprovei inteiramente. Muito boa esta orquestra-banda-conjunto. Músicos de qualidade, arranjos impecáveis e um repertório bem sortido que faz a cabeça e os pés de qualquer um num baile.
Olha aí, se por acaso vocês forem a um baile e o conjunto estiver meio fraco, saquem do bolso o arquivo deste disco e salvem a noite. ;)

o conde
tristeza
na gloria
baubles, bangles and beads
mambo n. 5
mambo jambo
para vigo me voy
besame mucho
la barca
sentimiento gaucho
por una cabeza
string of pearls
s’wonderful
new york, new york
unchained melody
rock around the clock
jogo de cintura
preta
belle of the ball
.

 

A Música De Alvaiade E De Djalma Mafra – Seleção 78 RPM Do Toque Musical Vol.108 (2014)

Dois grandes compositores cariocas abrilhantam a centésima-oitava  edição do Grand Record Brazil: Alvaiade e Djalma Mafra. Alvaiade, na pia batismal Oswaldo dos Santos,  nasceu na Estrada da Portela, no subúrbio carioca de Oswaldo Cruz, a 21 de dezembro de 1913. Órfão de pai aos cinco anos, começou a trabalhar aos treze, como empregado de uma tipografia, assim sustentando a família. Desde criança interessou-se por música, e sua primeira composição data de 1926: o choro “O que vier eu traço”,em parceria com Zé Maria, só gravado em 1945 por Ademilde Fonseca.  Em 1928, a convite de Paulo da Portela, deixou o pequeno bloco carnavalesco  de que participava em Oswaldo Cruz para integrar a escola de samba dirigida por Paulo, a Vai Como Pode, que mais tarde se transformou na atual Portela. Inicialmente, Alvaiade (apelido que recebeu de companheiros de futebol, tendo jogado no time da própria Portela e na Associação Atlética Portuguesa) apresentava-se fazendo um cavaquinho (que tocava de ouvido) de centro,  acompanhando o samba, e mais tarde passou a compor para a escola. Era também percussionista. Na Portela, desempenhou funções várias, inclusive administrativas, e tendo também lançado compositores como Manaceia, Walter Rosa, Candeia e Chico Santana. Apresentou-se nas rodas de samba do Teatro Opinião, na década de 1970, fez parte da ala de compositores da Portela e foi um dos fundadores da UBC (União Brasileira de Compositores). Alvaiade faleceu em seu Rio natal em 23 de junho de 1981, já aposentado da UBC e dos serviços tipográficos, e seu corpo permaneceu dois dias no IML (Instituto Médico Legal), antes de ser reconhecido, sendo depois sepultado no cemitério do Irajá. E foi justamente o bairro carioca do Irajá o berço natal de Djalma Mafra, que veio ao mundo no dia 2 de novembro de 1916, e faleceu, também no Rio de Janeiro, em plena véspera de Natal de 1974, ou seja, a 24 de dezembro. Djalma sempre esteve muito ligado ao carnaval, especialmente de Madureira, do qual foi grande folião. Teve inúmeras composições gravadas, especialmente sambas e marchinhas,  em parceria com outros nomes de prestígio:  Geraldo Pereira, o próprio Alvaiade, que também abordamos aqui, Ataulfo Alves, Joel de Almeida, etc. Nesta edição do GRB, um pouco do expressivo legado de Alvaiade e Djalma Mafra, em catorze preciosas gravações. Abrindo-a, o samba “O coração ordena”, de Alvaiade e Paquito, do carnaval de 1939, gravação Victor de J. B. de Carvalho, em 27 de setembro de 38, lançada ainda em dezembro sob n.o 34392-A, matriz 80906. Do carnaval seguinte é outro samba de Alvaiade, agora em parceria com Alcides Lopes, “Eu chorei”, gravado na Odeon por Joel e Gaúcho em 4 de dezembro de 1939 e lançado um mês antes da folia de 40, em janeiro, disco 11820-B, matriz 6286. De ambos os nossos focalizados, Alvaiade e Djalma Mafra, em parceria, é o samba-canção “Brigas de amor”, gravado na Sinter por Flora Matos (não confundir com a “rapper” brasiliense), com lançamento em maio-junho de 1955, disco 00-00.400-A,matriz S-889. Flora, também compositora, gravou 16 discos 78 com 32 músicas, entre 1946 e 1960, e participou de LPs coletivos. De Alvaiade e Ari Monteiro é o samba “De sol a sol”, do carnaval de 1942, gravação Victor de Linda Batista em  12 de novembro de 41, lançada um mês antes dos festejos momescos, em janeiro, com o n.o 34860-B, matriz S-052419. De Djalma Mafra sem parceiro é o samba “Banco de réu”, que o mestre de Miraí, Ataulfo Alves, com suas Pastoras a tiracolo, lança pela Star em  maio de 1949, disco 132-B. Logo em seguida, acompanhado por sua Academia de Samba, Ataulfo interpreta outro samba, “Deus me ajude”, do carnaval de 1943, de autoria de Alvaiade, Estanislau Silva e Humberto de Carvalho, gravação Odeon de 11 de setembro de 42, lançada ainda em dezembro, disco 12232-A, matriz 7063. Novamente com as Pastoras, Ataulfo interpreta em seguida “Brasil”, outro samba de Alvaiade, agora com a parceria de Nílson Gonçalves, do carnaval de 1945, também gravado na “marca do templo” em 19 de outubro de 44 e lançado ainda em dezembro, disco 12525-A,matriz 7682. O paulista Risadinha (Francisco Ferraz Neto, 1921-1976), interpreta depois um samba só de Alvaiade, “Eu ainda sou eu”,  outra gravação Odeon, esta de 14 de abril de 1952, lançada em maio do mesmo ano com o n.o 13292-B, matriz 9282. Na faixa 9, volta Ataulfo Alves, com sua Academia de Samba, agora para interpretar o samba “Leonor”, dele próprio com Djalma Mafra, em registro Odeon de 9 de setembro de 1943, lançada em novembro seguinte sob n.o 12372-B, matriz 7376. Djalma Mafra assina em seguida,com Joel de Almeida, a marchinha ‘Cavalinho bom”, do carnaval de 1944, que Joel grava com Gaúcho na mesmíssima Odeon em 5 de agosto de 43 com lançamento ainda em novembro, disco 12373-B, matriz 7354. Marilu (Maria de Lourdes Lopes), carioca da Vila Isabel, aqui comparece com o samba “Réu primário”, de Djalma Mafra e Amaro Silva, também destinado ao carnaval de 1944. Gravação Victor de 12 de outubro de 43, lançada ainda em dezembro com o n.o 80-0137-A,matriz S-052854. O eterno ‘Formigão”, Cyro Monteiro,  interpreta em seguida o samba “Dentro da capela”, parceria de Djalma Mafra com Alcides Rosa, gravado na RCA Victor ao apagar das luzes de 1946, 20 de dezembro, indo para as lojas em março de 47 com o n.o 80-0502-B, matriz S-078703. O cantor José Ribamar, que deixou uma escassa discografia (apenas cinco discos 78 com dez músicas, entre 1954 e 1958), vem aqui com o lado B de seu primeiro disco, o Todamérica TA-5479: o samba “Falsidade”, de Djalma Mafra e João Pereira de Lucena, gravado em 17 de agosto de 1954 e lançado em outubro do mesmo ano, matriz TA-720. Para encerrar, o  trombonista  e maestro Astor Silva, à frente do grupo Rio Melodian’s, executa o choro “Comprando barulho”, de Djalma Mafra e Jorge Tavares, gravação da marca Rio, de existência efêmera, disco 10-0034-B, datado de 1951. Aqui fica a homenagem do GRB a estes compositores que muito contribuíram para nossa música popular, Alvaiade e Djalma Mafra, para a alegria e o deleite de todos os que apreciam o que é bom!
* Texto de Samuel Machado Filho

O Rock Do Augusto – 60 Pedras Escolhidas A Dedo (2011)

Olá amigos cultos e ocultos! Uma boa noite para todos vocês. Hoje é um dia muito especial e poderia ser ainda mais, não fosse o ‘grande fiasco da invenção da Copa’. Mas eu não quero falar disso Este é um momento que eu quero apagar da minha lembrança. Não estou suportando a maioria dos brasileiros com esse ‘complexo de mulher de malandro’. Felizmente, pra salvar o dia, pra salvar-me do domingo, hoje é o Dia do Rock. Eu vou mais é me afundar no rock’n'roll. Pensei em fazer uma seleção rock brazuca, daí me lembrei que já havia feito isso anteriormente. Eu confesso que as vezes eu simplesmente esqueço o que já postei aqui no Toque Musical. Mas também não é para menos, muito pelo contrário, é para mais. Com tantas publicações ao longo desses últimos sete anos, se eu não pesquisar ou verificar na unha, acabo as vezes repetindo a dose. Desta vez eu vou repetir em forma de um ‘repost’ :) Como já tenho aqui uma seleção, criada e publicada em 2011, acho que vou trazê-la de volta, pois acredito que irá fazer tanto sucesso quanto fez da primeira vez. Eis aqui uma seleção com 60 músicas do nosso singular rock’n'roll. Uma escolha que obedece o meu gosto pessoal, embora incompleta, pois não corresponde integralmente a tudo que eu gostaria de selecionar. Fica então assim a minha homenagem ao Dia do Rock e a seleção “60 Pedras Escolhidas A Dedo” de 2011. Uma repostagem que merece! ;)
.
chuck berry fields forever – doces bárbaros
de ponta a cabeça – a chave do sol
casa do rock – casa das máquinas
seráque eu vou virar bolor – arnaldo baptista
sinal da paranóia – som nosso de cada dia
flores astrais – secos e molhados
não pare na pista – raul seixas
super god – som imaginário
é como teria que ser – bixo da seda
1990 projeto salva a terra – erasmo carlos
os pilares da cultura – a barca do sol
se o rádio não toca – raul seixas
marta, zeca, o prefeito, o padre, o doutor e eu – bango
eu quero essa mulher assim mesmo – caetano veloso
sujeito de sorte – belchior
que loucura – tutti frutti
hey amigo – o terço
prá cabeça (jogue tudo prá cabeça) – casa das máquinas
bicho do mato – som nosso de cada dia
tecnicolor – mutantes
os pingos da chuva o os novos baianos
noite e dia – blow up
ando jururú – rita lee e tutti frutti
trem – bixo da seda
baby – erasmo carlos
jardim elétrico – mutantes
uma banda made in brazil – made in brazil
os hemadecons cantavam em côro – a bolha
eu não tô nem aí – arnaldo baptista
saravá – mutantes
lagoa das lontras – o terço
a hora e a vez do cabelo crescer – mutantes
posso contar comigo – rita lee e tutti frutti
porta das maravilhas – rick ferreira
essa menina tá ficando moça – dom e ravel
toada & rock & mambo & tango & etc – secos e molhados
luz de vela – o terço
cabeça feita – guilherme lamounier
água limpa p som nosso de cada dia
sociedade alternativa – raul seixas
sou louco por você – peso
minha fama de mau – cilibrinas do éden
delírio – secos e molhados
coração paulista – guilherme arantes
ainda vou transar com você – mutantes
a paulicéia pirou – made in brazil
ilusão e brisa – tutti frutti
beijo exagerado – mutantes
como vovó já dizia – raul seixas
essa éa vida – casa das máquinas
e você ainda duvida – cilibrinas do éden
mudança de tempo – o terço
send it for tomorrow – torbuk
análise descontraída – erasmo carlos
make believe waltz – som imaginário
departamento de criação – rita lee e tutti frutti
stress – casa das máquinas
é como teria que ser – bixo da seda (repetido, vacilão!)
caroço de manga – raul seixas
sempre brilhará – celso blues boy
.

Paulinho E Sua Orquestra – Metais E Surdina (1963)

Olá amigos cultos e ocultos, muito bom dia! Aproveito a folguinha matinal para ir logo dando o toque musical desta sexta feira. Trago para vocês, mais uma vez (creio até que completando a discografia), o músico Paulinho Magalhães e sua orquestra, também conhecido como Paulinho Baterista. E com já deve ser do conhecimento de todos por aqui, ele foi um baterista de carreira internacional, migrou para os ‘States’ junto com aquela leva de artistas brasileiros que foram para lá na onda da Bossa Nova.
O lp “Metais e Surdina foi lançado pelo selo Euterpe, que na verdade era uma espécie de subsidiária do selo Prestige, no qual o Paulinho já havia gravado os seus outros discos. Ao que tudo indica, pelas características, este lp é de 1963, ou 62. Traz um repertório praticamente internacional, sendo o primeiro lado dedicado a ‘standard’ da música americana e do outro lado a música latina, brasileira e francesa. Um disco de conjunto e orquestra, com grandes instrumentistas e arranjos do maestro Carioca. Confiram!

zing when the strings of my heart
poor buterfly
september song
it’s de-lovely
you do something to me
hey there
cha cha cha de la secretaria
oui oui oui
brigitte bardot
ay cosita linda
la pachanga
el marinito
.

Elizeth Cardoso – Naturalmente (1959)

Olá amigos cultos e ocultos! Uma boa noite para todos! Hoje eu estou atendendo a um pedido especial do ‘frère’, Chris Rousseau, que lá de Marselha aguarda ansioso por este toque. Esta é na verdade uma recomposição de uma velha postagem feita aqui algum tempo atrás. Creio que irá agradar a todos, num geral.
Temos aqui a grande Elizeth Cardoso, ou Elizete, como aparece escrito as vezes em seus discos. Temos mais uma vez o álbum “Naturalmente”, apresentado agora em seu formato original, lançado em 1959, conforme consta no selo do relançamento. O álbum traz um texto de apresentação assinado pela escritora Eneida de Moraes, um nome, por sinal, pouco lembrado nos dias de hoje. Eneida foi uma jornalista e escritora e aparece aqui na foto de contracapa, ao lado da Elizeth Cardoso. “Naturalmente” é um lp fino, com doze músicas escolhidas a dedo. E a dedo também deve ter sido a escalação dos músicos que compõe o trabalho. Não é por acaso ele que desperta o interesse de tanta gente, não apenas por conta da cantora, mas também pela orquestra e músicos que a acompanham. Vou aqui apenas reproduzir o texto da escalação:Severino Filho é o responsável pelos arranjos, neste elepê. Também foi o irmão moço de Ismael Netto,o regente da orquestra, que contou com a colaboração preciosa dos pistões Laerte Rezende, José Moura, Alberico Moura, Hercule Calastri, dos trombones Edmundo Maciel, Armando Palla, Waldemar Moura e Francisco, dos violinos Nirenberg, Homero, Pascoli, Adolfo, Colaccico, Pinchito, Jorge e Pinheiro, dos violóes Cezar e Flinkas, dos celos Guerra e Oliani. Ao piano este Chaim, o bateria foi Paulinho, o contrabaixo Sebastião Marinho, a harpa foi Fumagália, a guitarra Temistocles de Araújo, Chuca-Chuca no vibrafone, Nicolino Cópia na flauta, o oboé e corningles foi Hans, o violão foi JOÃOZINHO GILBERTO. Os ritmistas foram Alberto de Souza, Bide, Geraldo Barbosa. No côro de Sereverino Filho as vozes são de Hortência, Odaléa e  Ivone, de Altair, badeco Cosme, Quartéra e Waldir.”

é luxo só
suas mãos
olha-me, diga-me
praça 7
onde estará meu amor
sozinha
na cadência do samba
jogada pelo mundo
você voltou
pedestal
fui procurar distração
e nada mais
.

Nuno Roland – Seleção 78 RPM Do Toque Musical Vol. 107 (2014)

A centésima-sétima edição do Grand Record Brazil é dedicada a um dos maiores cantores da era de ouro do rádio brasileiro. Estamos falando de Nuno Roland. Nosso focalizado veio ao mundo na cidade de Joinville, Estado de Santa Catarina, no dia primeiro de março de 1913, batizado com o nome de Reinold Correia de Oliveira. Ainda menino, ele tocava tarol e caixa na banda da cidade de Teixeira Soares, no Paraná. Aos 13 anos, mudou-se com a família para outra cidade catarinense, Porto União, tendo trabalhado como balconista, telegrafista e bancário. Após servir o exército, em 1931, transferiu-se para a cidade gaúcha de Passo Fundo, onde começou sua carreira, conseguindo emprego de cantor e baterista em um cassino, e apresentando-se com seu nome verdadeiro, Reinold de Oliveira. Em 1932, alistou-se como voluntário no Sétimo Batalhão de Caçadores de Porto Alegre, para entrar em combate na Revolução Constitucionalista daquele ano. Veio com sua tropa para São Paulo, e na ocasião fez amizade com outro soldado, então crooner da jazz band do batalhão: nada mais nada menos que Lupicínio Rodrigues, posteriormente célebre compositor. Encerrada a Revolução, o cantor voltou a Porto Alegre, e, com apenas 19 anos, assinou seu primeiro contrato profissional, com a Rádio Gaúcha, posto ter se destacado como cantor em uma apresentação radiofônica da jazz band do batalhão em que estava lotado. Em 1934, muda-se para São Paulo, onde fez sucesso apresentando-se inicialmente na Rádio Record (então “a maior”), recebendo pequenos cachês. Mais tarde,com o apoio do violonista Garoto, consegue um contrato com a Rádio Educadora Paulista.  E é nessa ocasião que passa a adotar o nome artístico pelo qual ficou conhecido em todo o Brasil: Nuno Roland.  Ainda em 1934, grava seu primeiro disco, na Odeon, com duas composições de Sivan Castelo Neto (pseudônimo de Ulysses Lelot Filho):  a valsa “Pensemos num lindo futuro” e a canção “Cantigas de quem te vê”.  Dois anos mais tarde, Nuno muda-se para o Rio de Janeiro e torna-se um dos pioneiros da PRE-8, Rádio Nacional, onde estreia no dia de sua inauguração, 12 de setembro de 1936. Durante onze anos foi também crooner da orquestra do Copacabana Palace Hotel.  Em cerca de quarenta anos de carreiro, Nuno Roland gravou ainda nos selos  Columbia, Victor, Belacap, Carroussel, Caravelle, Todamérica  e Continental. Nesta última marca, ele viveu a melhor fase de sua carreira, registrando inúmeros sucessos, no carnaval e no meio-de-ano. Seu currículo também inclui duetos com Cármen Miranda, Linda Batista e Emilinha Borba. Integrou ainda, juntamente com Albertinho Fortuna e Paulo Tapajós,o Trio Melodia, formado na Nacional para apoio do superprograma “Um milhão de melodias”, e as carreiras individuais de seus integrantes prosseguiriam sem quaisquer problemas. As participações de Nuno nos programas musicais da emissora da Praça Mauá eram consideradas de alta qualidade artística. Sua atividade artística declinou na década de 1960, gravando esporadicamente nesse período. Em 1968, participou, ao lado de Marlene e Blecaute, do espetáculo “Carnavália”, que ficou em cartaz no Rio por quase um ano.  Nuno Roland faleceu em 20 de dezembro de 1975, também no Rio, aos 62 anos. De sua gloriosa trajetória fonográfica, o GRB foi buscar dezoito faixas, notáveis exemplos de sua arte, assinadas por alguns de nossos maiores compositores populares.  Pedro Caetano, por exemplo, assina a faixa de abertura, “Guarapari”, célebre canção que homenageia a cidade do litoral do Espírito Santo famosa pelas suas praias com areias monazíticas. Nuno Roland a imortalizou na Todamérica em 8 de março de 1951, com lançamento em abril seguinte sob n.o TA-5053-B, matriz TA-102.  A faixa seguinte é um clássico imortal do carnaval brasileiro: a marchinha “Pirata da perna de pau”, uma das mais expressivas contribuições do grande João de Barro, o Braguinha, para o repertório momesco , aliás Nuno Roland  foi um dos melhores intérpretes do compositor. Imortalizada por ele na Continental em 3 de setembro de 1946, com lançamento em novembro seguinte sob n.o 15727-A,matriz 1591, “Pirata da perna de pau” foi merecido sucesso no carnaval de 47, sendo lembrada até hoje com muita, muita justiça. “Cai, sereno”, a faixa 3,é um batuque assinado por outro mestre, Assis Valente: “Cai, sereno”, que Nuno registrou na Odeon em 18 de maio de 1939, com lançamento em julho do mesmo ano, disco 11734-A, matriz 6094. O samba “Covardia”, que encontraremos logo em seguida, é de uma dupla “braba”, Ataulfo Alves e Mário Lago. Foi, aliás,o primeiro trabalho conjunto deles, de uma série de oito, entre eles os clássicos “Ai, que saudade da Amélia” e “Atire a primeira pedra”. Nuno gravou “Covardia”,também na Odeon, em 16 de agosto de 1938, com lançamento em outubro seguinte sob n.o 11646-B, matriz 5903. E quem nunca entoou aquela famosa música do “Lobo mau” (“Eu sou o lobo mau, lobo mau,lobo mau”…), da história de Chapeuzinho Vermelho, tão bem adaptada e musicada por Braguinha? Pois ele a reaproveita, junto com Antônio Almeida, na faixa 5, como marchinha para o carnaval de 1951, que Nuno Roland, à frente do já citado Trio Melodia, lançará na Continental em janeiro desse ano, disco 16344-A, matriz 2475. Outro presente de Ataulfo Alves para Nuno, agora tendo Jorge Faraj na parceria, é essa joia de valsa, “Mil corações”, que o cantor grava na Odeon em  28 de março de 1938,com lançamento em julho do mesmo ano, disco 11603-A,matriz 5747. O beguine “Ballerina”, de Carl Sigman e Bob Russell, foi publicado nos EUA em 1947, tendo merecido gravações por Nat King Cole e Bing Crosby, entre outros.  Dois anos mais tarde, Oswaldo Santiago escreve a letra brasileira, com o título de “Bailarina” mesmo, para Nuno Roland gravar na Continental, com lançamento entre julho e setembro de 1949,sob n.o 16087-A, matriz 2102. Raridade absoluta é também o samba  “Dia dos meninos”,  da parceria Wilson Batista-Jorge de Castro, provavelmente gravado por Nuno Roland em 1960, numa etiqueta de curta duração, a Popular, tendo o disco recebido o número 0011-A,matriz DPM-21. “Peixe vivo”, motivo do folclore mineiro, e por sinal a música favorita de Juscelino Kubitschek de Oliveira, político nascido em Diamantina que chegou à presidência da República (governou de 1956 a 1961), é aqui apresentada por Nuno Roland em tempo de baião, ritmo então na moda, num arranjo de Antônio Almeida. Gravação Todamérica de 26 de junho de 1951, lançada em agosto seguinte com o número TA-5084-A, matriz TA-169. A dupla Alcebíades “Bide” Barcellos-Armando Marçal , responsável por clássicos como “Agora é cinza”, “Ando sofrendo” e “Barão das cabrochas”, aqui comparece com o samba “Perdão, meu bem”, que Nuno Roland grava na Odeon em 3 de novembro de 1939 para o carnaval de 40, sendo lançado um mês antes da folia, em janeiro, com o número 11807-B, matriz 6245. O famoso tango “Por ti eu me rasgo todo (Por vos yo me rompo todo)”, do uruguaio Francisco Canaro  (que, a exemplo do francês Carlos Gardel, fez carreira na Argentina), ganha aqui uma versão em ritmo de samba, com letra brazuca de César Siqueira, que Nuno Roland irá registrar também na Odeon em 5 de setembro de 1939, indo para as lojas em novembro com o n.o 11781-A,matriz 6191. Em seguida, por intermédio de Luiz Bittencourt e Murilo Caldas (irmão de Sílvio), Nuno Roland pergunta em ritmo de samba: “Quem  é que está com a razão?” Gravado na Continental em 3 de setembro de 1946, permaneceu, no entanto, quase um ano na gaveta, e só saiu em julho de 47 sob n.o 15787-A, matriz 1590. O samba do lado B, que vem logo em seguida, foi gravado em 2 de maio de 1947, matriz 1655, é mais um clássico imortal de Braguinha, aqui com seu inseparável parceiro Alberto Ribeiro: o belíssimo “Fim de semana em Paquetá”, sob medida para a notável interpretação de Nuno Roland, devidamente acompanhado pela orquestra de cordas de Eduardo Patané (a mesma do registro original de “Copacabana”, com Dick Farney). Até hoje é bastante conhecido e tem inúmeras regravações. Também de Braguinha e Alberto Ribeiro é outra antológica marchinha carnavalesca: “Tem gato na tuba”, da folia de 1948, que Nuno Roland imortaliza na mesma Continental em 23 de setembro de 47, com lançamento ainda em dezembro sob n.o 15843-B, matriz 1727. Vencedora do concurso oficial da prefeitura do Rio de Janeiro, “Tem gato na tuba” foi também interpretada por Nuno Roland no filme “Esta é fina”, e jamais seria esquecida, tendo regravação até mesmo pela Turma do Balão Mágico!  Outra raridade é “Volta”, samba-canção de Radamés Gnattali e Luiz Bittencourt, que Nuno Roland lança em 1953 no LP coletivo de dez polegadas “Show”, da Musidisc  de Nilo Sérgio, por sinal uma das gravadoras pioneiras do vinil, e que encerrou definitivamente suas atividades em 2013. Braguinha, agora sem parceiro, é o responsável por outra imortal página carnavalesca:  a marchinha “Serenata chinesa”, um dos hits da folia de 1949, que Nuno imortaliza na Continental em 13 de outubro de 48 e vai para as lojas um mês antes do carnaval, em janeiro, com o número 15971-A, matriz 1983. Da santíssima trindade Wilson Batista-Claudionor Cruz-Pedro Caetano é o samba “Senhor do Bonfim te enganou”, dueto de Nuno Roland com Dircinha Batista, em gravação Odeon de 5 de outubro de 1939, só lançada em maio de 40, disco 11834-B, matriz 6240. Para encerrar com chave de ouro, outro grande hit carnavalesco de João “Braguinha” de Barro: “Tem marujo no samba”, em que Nuno Roland tem a notável companhia da eterna “Favorita”, Emilinha Borba.  Um dos hits do carnaval de 1949, por sinal um dos mais ricos musicalmente, foi gravado na Continental em 13 de outubro de 48, com lançamento um mês antes da folia, em janeiro, sob n.o 15980-B, matriz 1994, tendo sido também apresentada no filme “Estou aí?”, de Moacyr Fenelon. Não poderia haver melhor fecho para esta brilhante retrospectiva que o GRB dedica a Nuno Roland. Divirtam-se e até a próxima!
Texto de Samuel Machado Filho

Emilinha Borba – Força Positiva (1981)

Olá, meus caros amigos cultos e ocultos! Depois de sete anos nessa batalha ‘blogmusical’, eu vou dizer uma coisa: ando num desânimo que vocês não fazem ideia. Sei que uma das razões dessa minha ‘broxada’ tem a ver com a interatividade que por aqui já não existe. Mas no fundo, a culpa é minha mesmo. Sou eu quem deveria estar instigando vocês através de mais postagens, mais envolvimento e conteúdo… porém, está me faltando ânimo (e tempo que anda cada vez mais curto). Mesmo assim, vamos lá, no pingado…
Tenho hoje para vocês este álbum da Emilinha Borba. Um disco lançado por ela própria, de forma independente, no início dos anos 80. Naquela época vários artistas, sem encontrar espaço nas grandes e tradicionais gravadoras, partiram para os lançamentos independentes. Nessa empreitada muitos deles acabavam se enveredando também para o trabalho de produção a ponto de criarem suas próprias empresas. Emilinha foi uma dessas. Investiu na produção criando a Discos EPA (Emilinha Produções Artísticas). Lançou assim, “Força Positiva”, um lp feito na cara e na coragem, somente com músicas então inéditas. Um repertório variado contemplando velhas e novas paixões, ou por outra, antigos e novos compositores. Embora muito bem assistida em todos os aspectos dessa produção, achei meio pobre alguns arranjos. A economia de uma orquestra faz uma falta danada para uma cantora do quilate de Emilinha.

meu cheiro
poema da alma
dona do ar (brinco de ouro)
meu amor não envelhece
voltaste
o herói da noite
amante amigo
eu vou até amanhã
sinuca de bico
o milagre da luz
meu dinheiro não é borracha
ninguém fica pra semente
.

Sanguinho Novo… Arnaldo Baptista Revisado (1989)

Olá amigos cultos e ocultos! O tempo realmente passa depressa e a gente nem percebe. Parece até que foi ontem o lançamento deste disco.  Ele ainda me soa como algo novo, um verdadeiro sanguinho novo. E olha que já se passaram 25 anos! Caracas! Este lp foi lançado em 1989 reunindo alguns dos mais expressivos nomes do hard, punk e pop rock nacional da época. Grupos e artistas de uma linha mais ‘cult’, ou melhor dizendo, alternativos do rock nacional. Bandas paulistas, cariocas e mineiras prestando um tributo a um dos mais importantes nomes do rock tupiniquim, o genial Arnaldo Baptista. Não sei bem o que motivou a produção desta coletânea, na época eu até pensei, será que o Mutante se foi de vez? Afinal, tributos em música a gente só costuma ver quando o artista morre. Felizmente aqui não foi bem assim. O que rolou mesmo foi uma demonstração de afinidades, um encontro de várias bandas ligadas numa pessoa só. Um sangue novo para um grande ícone do rock brasileiro, que andava meio esquecido (até para ele próprio). São doze bandas em releituras desconcertantes de algumas das muitas composições de Arnaldo ao longo de toda a sua carreira, seja com os Mutantes ou sozinho.

o sol – sexo explícito
dia 36 – 3 hombres
bomba h sobre são paulo – vzyadoq moe
a hora e a vez do cabelo nascer – sepultura
i fell in love one day – último número
superficie do planeta – paulo miklos
sanguinho novo – akira s e as garotas que erraram
jardim elétrico – ratos de porão
cê tá pensando que eu sou loki – fellini
sitting on the road side – atahualpa i us panquis
é fácil – skowa
te amo podes crer – maria angélica
.

Gilberto Alves – É Só… Samba (1966)

Olá amigos cultos e ocultos! Aqui estamos novamente em toques musicais descompassados, pausando mais que samba de breque. Mas estamos aí… sempre!
E por falar em samba, eu hoje vou brindar vocês um disco muito bom do cantor Gilberto Alves. Este álbum, ao que consta, foi lançado em 1966 pela selo Copacabana. “É só… Samba” já diz tudo, um disco cujo o repertório é todo de samba. O cantor nos traz aqui uma seleção muito boa com vinte sambas, alguns, verdadeiros clássicos. Com vocês poderão perceber, em algumas faixas temos até quatro músicas, formando uma espécie de pot pourri. Este é. sem dúvida, um álbum raro de Gilberto Alves, pois nem mesmo uma menção a ele a gente encontra nos canais de informação. E eu diria, sem pensar duas vezes, para mim, este é um de seus melhores discos :)

é só
meu consolo é você
eu não posso ver mulher
diálogo
abre a janela
o trem atrasou
é bom parar
enredo do meu samba
izaura
sei que é corvadia
o homem sem mulher não vale nada
solteiro é melhor (vida de casado)
poleiro de pato é no chão
diz a ela pra voltar
quando eu passo
casadinho com você
quem é o dono do baile
sou o fiscal do salão
direito de sambar
melancolia
.