Acordel (1980)

Boa noite, prezados amigos cultos e ocultos! Seguimos aqui em nossas postagens trazendo hoje o grupo Acordel, que tinha como idealizador o músico e compositor Hilton Acioli, figura cuja carreira começa ainda nos anos 50, quando fazia parte do Trio Marayá. Hilton foi parceiro de Geraldo Vandré em várias canções, sendo as mais conhecidas, “Ventania”, “O plantador”, “João e Maria” e “Guerrilhia”. Fez arranjos para disco de Diana Pequeno e teve suas músicas gravadas por diversos artistas nacionais. Uma curiosidade, Alcioli foi o autor do famoso jingles “Lula lá”. O grupo Acordel foi mais um de seus projetos, um conjunto vocal e instrumental, que infelizmente só gravou este disco.Um belo trabalho, por sinal, sendo a faixa de abertura “Chama” uma música que fez parte de trilhas e chegou a ser executada nas rádios. Confiram mais essa joinha no GTM, ok?

chama
brasileira
estrada de ferro madeira-marmoré
ladrão de terra
amanhecerá
em nome do pai e do filho
trabalhadores do metrô
cria corvos
gado bom quem tem sou eu
clarão
era uma vez


.

Gran Orquesta De Estudio – Latin American Folk Songs (1966)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Seguindo em nossa jornada fonomusical, temos para hoje um disco muito interessante, que nunca foi postado em outros blogs. Temos aqui o maestro Peruzzi, a frente de mais um projeto, a Gran Orquesta de Estúdio. Certamente e até pelo título, “Latin American Folk Songs”, este disco foi gravado com pretensões internacionais. Acredito que tenha sido lançado também fora do Brasil, em 1966 pela Odeon, através do selo internacional London. Como podemos ver pela capa, trata-se de um disco que reúne canções tradicionais de diferentes regiões da América Latina. Um repertório clássico para quem conhece a música latino-americana. Não deixem de conferir no GTM 😉

alma llanera
asa branca
la paloma
de mim esperanza
lamento borincano
pajaro amarillo
de papo pro á
la flor de la canela
el copihue rojo
galopera
peguei um ita no norte
la colondrina
 

.

Canto Livre (1982)

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje o TM traz a vocês mais uma raridade: o primeiro LP do grupo gaúcho Canto Livre, gravado nos estúdios da ISAEC e lançado em outubro de 1982, de forma independente (aliás houve muitos lançamentos independentes nessa época), com produção e mixagem de Ricardo Garay e Calique Ludwig, também responsável pelo arranjo de vozes na faixa “Eta negro”. O grupo era formado pelos irmãos Jair e Jairo Kobe, Fernando Cardoso, Míriam Kelm, Elaine Marques e as irmãs Selma e Vânia Martins. Um excelente septeto, como poderemos confirmar ouvindo as nove faixas deste trabalho, considerado síntese da melhor música nativista gaúcha da nova geração de então. E todas elas com a parceria de Sérgio Napp  (1939-2015), também compositor e escritor. Foi com uma das faixas deste trabalho, “Desgarrados”, feita junto com Mário Barbará, que ele venceu a décima-primeira edição da Califórnia da Canção Nativa, evento que acontece desde 1971 e considerado patrimônio cultural do Rio Grande do Sul. A faixa de encerramento, “Juventude”, é também muito apreciada até hoje. O grupo ainda faria mais um LP em 1984, “Comunicação”, e voltaria à cena em 2014, com novos integrantes em sua formação. Ainda hoje continuam na ativa, fazendo shows nos quais apresentam músicas típicas gaúchas, faixas marcantes da MPB e destaques internacionais. Enfim, este primeiro álbum do Canto Livre é um documento histórico, mais um trabalho raro e de qualidade que o TM oferece a vocês, com o orgulho e a satisfação de sempre. 

recuerdos
e quando isso acontece
eta negro
dia de graça
desgarrados
entre na roda
janeiro
gente boa
juventude



*Texto de Samuel Machado Filho

Dominguinhos – Após Tá Certo (1979)

Olá, amiguinhos cultos e ocultos! Mais uma vez, marcando presença em nosso Toque Musical, temos o grande Dominguinhos, sanfoneiro arretado que infelizmente nos deixou em 2013. Gravou dezenas de discos e participou de outros tantos ao longo de sua carreira. Sem dúvida, um artista genial que estará sempre em nossa memória e na história da música popular brasileira.
” Após, tá certo” é um disco lançado no final dos anos 70. Um trabalho totalmente autoral, sendo algumas faixas em parcerias. Um disco de forró, de cabo a rabo. Imperdível!

de altamira a campina grande
chega morena
chorinho pro mudinho
no forró da dona zefa
após tá certo
penitente
pode morrer nessa janela
forrozinho aperreado
lamento sertanejo
homenagem a jackson do pandeiro
beijo de brejo
a costureira
.
.

Maria Bethania – As Canções Que Você Fez Pra Mim (1993)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Até agora há pouco estava eu ouvindo este disco da Maria Bethânia. Um álbum o qual eu nunca tinha parado para ouvir por inteiro e com atenção. Fiquei de queixo caído com a interpretação dela, cantando canções de Roberto e Erasmo Carlos. Aliás, num todo, o disco é excelente. São apenas 11 canções, mas que chegam na medida certa. Repertório perfeito e interpretações impecáveis. Merece o toque, merece a nossa atenção. Confiram no GTM.

as canções que você fez pra mim
olha
fera ferida
você não sabe
palavras
costumes
detalhes
eu preciso de você
seu corpo
você
emoções



.

Beto Mi (1983)

Compositor, cantor, arranjador, regente, produtor e diretor musical. Este é o perfil de Beto Mi, nome artístico de Humberto Miranda Neto, paulista de Guaratinguetá, nascido em 4 de julho de 1958. Filho de funcionários públicos, que também tocavam acordeom e piano, é primo dos músicos Sérgio, Geraldo e Marcelo, e das cantoras Tetê e Alzira Espíndola. Ainda menino, o nosso Beto dedilhava intuitivamente o acordeom de seus pais, repetindo sons ouvidos na casa de um vizinho que tocava sanfona. Na adolescência, participou de corais, bandas marciais e grupos musicais que, entre outras coisas, tocavam em missas jovens na região. Nos anos 1970, mudou-se para a capital paulista, e cursou alguns períodos da Faculdade de Música e Educação Artística do Instituto Musical de São Paulo. Frequentou bares de estudantes e a noite paulista, e atuou como diretor musical do Teatro Experimental Universitário (TEU). Em seguida, começou a participar de festivais de música, tendo sido premiado em vários deles como compositor e intérprete. Em 1982, venceu o festival de Ubá (MG) com a música “Ói u trem”, e a convite de diretores da RCA presentes ao evento, gravou um compacto simples distribuído somente no estado de Minas. Um ano depois, novo single, agora com distribuição nacional, e em seguida vem o primeiro LP, justamente o disco que o TM oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos, produzido por Durval Ferreira e dedicado ao irmão de Beto Mi, Lucas. O disco tem as participações especiais do saxofonista Hector Costita, de Ubirajara (bandoneon) e do percussionista Mílton Banana, recebeu elogios da crítica e vendeu mais de cem mil cópias. Ainda em 1983, participou do III Festival do Disco Visão, em Canela (RS). Residiu durante algum tempo no Nordeste, época em que lançou os discos “Espelhos” e “Um tempo pra sonhar”. Ao todo, tem sete álbuns gravados, entre LPs e CDs, e um DVD, em seus mais de 35 anos de carreira artística, nos quais armazenou diversas vitórias e conquistou vários amigos e parceiros (Sá & Guarabyra, Vanusa, Ronnie Von, Ivan Lins, Flávio Venturini etc.), com seu trabalho e sua simplicidade. Além de cantar e compor, Beto Mi criou e desenvolveu o projeto educativo, cultural, musical e ambientalista “Planeta caipira”, em parceria com a Fundação Abrinq e a ONG SOS Mata Atlântica, o que resultou em um CD lançado em 2003. Desde 1997, atua ainda como professor, arranjador, maestro e regente dos corais do Instituto Salesiano Nossa Senhora do Carmo e Albert Einstein/Objetivo, em sua Guaratinguetá natal.  Enfim, este primeiro álbum de Beto Mi, que o TM oferece a vocês hoje, documenta o promissor início de carreira deste notável músico da MPB. É ouvir e conferir. 

anjo da guada
oi u tem
o ano que virá
companheiro
o poeta (vandré)
apocalipse
prá não dizer que não falei de verso
o canto do curupira
luzes do extermínio
coração do mundo

* Texto de Samuel Machado Filho

Coisas Nossa (1980)


O Toque Musical oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos o primeiro LP do conjunto carioca Coisas Nossas, lançado em 1980 de forma independente. Formado por Aluísio “Luíta” Didier e seu irmão Carlos, o Caola (ambos violonistas), mais Dazinho (flauta e sax), Henrique Cazes (cavaquinho), Zé Pité (piano) e Oscar Bolão (pandeiro), todos também vocalistas, o grupo apresentou-se pela primeira vez em 1975, com o espetáculo “Noel Rosa”, dedicado à obra do imortal compositor, no auditório da PUC-Rio e em algumas escolas públicas (o nome do conjunto, aliás, foi tirado de um samba de Noel). No ano seguinte, montaram o espetáculo “Novos músicos tocam velhos mestres”, com músicas de Pixinguinha, Noel Rosa e Ary Barroso, inaugurando o Museu de Arte de Campo Grande, zona norte do Rio. A partir de 1977, o grupo incorporou esquetes teatrais aos seus espetáculos, mesclando músicas cariocas dos anos 1920/30 com composições próprias e brincadeiras cênicas. Finalmente, em 1980, veio este primeiro álbum, que o TM nos apresenta hoje (depois vieram mais três). A maior parte das músicas é dos integrantes do grupo, e temos ainda duas composições de Noel Rosa: a já citada “Coisas nossas” e “Disse-me-disse”, até então inédita em disco e aqui em sua primeira gravação. Em suma, um trabalho interessante e digno da postagem de nosso Toque Musical.

deixa de ser burro
texas, etc, documentos s/a
santa luzia
barremoto
lundu
bandeira
o que é isso companheiro?
coisas nossas
disse me disse
índios
berços do samba
praia de angra III

*Texto de Samuel Machado Filho

Chico Anísio – Roberval Taylor (1976)

Olá, amiguíssimos cultos e ocultos. Nosso encontro hoje é com o humor, com o grande radialista Roberval Tayyyylor!, personagem inesquecível do genial Chico Anísio. Roberval Taylor é uma divertida caricatura do radialista ‘das antigas’. Fazia parte do quadro no programa de grande sucesso da televisão, Chico City, que foi ao ar de 73 a 80. Neste lp temos um autêntico programa de rádio e por ser assim, a gravação é apresentada de forma linear e única. Muito divertido, vale a pena ouvir de novo. 🙂

tango
ya no quiero
tristeza mora comigo
all by myself
saudade jovem
ah! ah! ah!
cobra criada

..

Bocato E Banda Bloco – Lixo Atômico (1985)

Um dos maiores trombonistas brasileiros, reconhecido internacionalmente,  Itacyr Bocato Júnior, ou simplesmente Bocato, bate ponto hoje no Toque Musical. Paulista de São Bernardo do Campo, nascido em 30 de novembro de 1960, começou a tocar em bandas escolares e estudou composição e regência na Universidade Estadual de São Paulo (UNESP). Destacou-se à frente da Banda Metalurgia, e atuou ao lado de alguns dos maiores nomes de nossa música popular, tais como Elis Regina, Seu Jorge, Rita Lee, Ney Matogrosso, Carlinhos Brown, Leny Andrade, João Donato e Itamar Assumpção, além de ter participado da Banda Domingão, do programa “Domingão do Faustão”, da Rede Globo. Ao longo de sua produção discográfica, Bocato já compôs e interpretou músicas que vão do funk-jazz ao samba tradicional, o que comprova sua versatilidade. O TM oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos “Lixo atômico”, álbum que gravou com a Banda Bloco, lançado em 1985 pelo selo independente Baratos Afins. São seis faixas, sendo a que dá título ao disco apresentada em versões vocal e instrumental. Em suma, um banho de competência musical, é o que este álbum oferece. Imperdível!

lixo atômico
estados bonitos do brasil
epaminondas
big ben
130 milhas
lixo atômico (instrumental)



*Texto de Samuel Machado Filho 

Butuca – Lance Livre (1981)

De vez em quando aparecem algumas incógnitas. Por exemplo, este álbum que o Toque Musical oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos. Ao que parece, este foi o primeiro e único álbum de Butuca, gravado ao vivo em Salvador, no final de 1979, mas só lançado em 1981, de forma independente, somando-se, por sinal, aos muitos discos lançados fora do circuito das gravadoras nesse período. Olha, não encontrei absolutamente nada a respeito de Butuca, nem mesmo no Dicionário Cravo Albin, uma das fontes que geralmente se consulta em termos de MPB. É como se ele jamais tivesse existido. Pelo jeito, este trabalho deve ter passado despercebido quando de seu lançamento, daí a falta de informações a respeito de Butuca. Mas, ouvindo este disco, poderemos constatar que merecia sorte bem melhor. O repertório é todo autoral, e de ótima qualidade, demonstrando que a praia de Butuca era a MPB de nível. A ponto de se lamentar que ele não tenha passado desse disco. Se alguém tiver informações a respeito de Butuca (afinal não tem biografia dele em lugar nenhum) e também souber por onde ele anda, escreva aqui para o TM. Eu e o Augusto agradecemos de coração.

(PS. Augusto: Ao que tudo indica, Butuca é um artista falecido e este lp é uma obra póstuma)

mistérios do céu de abril

madrugada camponesa

desafio

madalena

paisagem tropical

segredos do mundo

morenou

chuva

esperança

lance livre



*Texto de Samuel Machado Filho

Caçulinha – Na Onda Do Sucesso (1972)

Multi-instrumentista e compositor, Rubens Antônio da Silva, o Caçulinha, tem uma extensa folha de serviços prestados à MPB. Nascido em Piracicaba, interior de São Paulo, em 15 de março de 1940, tem em seu currículo parcerias com grandes nomes de nossa música popular, entre eles João Gilberto, Teixeirinha, Nélson Gonçalves e Luiz Gonzaga. O seu pai Mariano e seu tio Caçula eram violeiros de ótima qualidade. Talento precoce, Caçulinha começou a tocar sanfona com oito anos de idade, sempre com o incentivo do pai, Mariano, e nessa época apresentou-se no programa “Clube do Papai Noel”, da Rádio Difusora de São Paulo. Aos quinze anos, passou a fazer dupla com o pai, ambos apresentando-se em bailes, boates e circos com os quais chegaram a viajar. Como acordeonista, tocou e gravou com inúmeras duplas, entre elas Tonico e Tinoco, Pedro Bento e Zé da Estrada e Moreno e Moreninho, além de atuar como pianista e tecladista em boates. Gravou seu primeiro disco como solista de sanfona em 1959, na Todamérica, executando a polca “Corochere”, dele mesmo em parceria com Francisco dos Santos, e a guarânia “Triste juriti”, de Mário Vieira e Armando Castro. Daí em diante, Caçulinha não parou mais. Nos anos 1960, acompanhou com seu regional, em gravações, inúmeros cantores, tais como Cyro Monteiro, Roberto Silva, Miltinho, Dóris Monteiro, Elizeth Cardoso e Roberto Carlos. Por essa época, foi também contratado da TV Record, atuando nos programas “O fino da bossa”, “Bossaudade” e “Esta noite se improvisa”. Tornou-se nacionalmente conhecido do grande público a partir de 1989, participando do “Domingão do Faustão”, apresentando na TV Globo por Fausto Silva, cuja trilha sonora produzia ao vivo. Fez ainda músicas incidentais para o humorístico “Sai de baixo”, outro sucesso global. Após 19 anos de colaboração com Fausto Silva, em 2008, fez críticas ao apresentador e ao “Domingão”, o que motivou seu afastamento. Em 2014, desliga-se definitivamente da Globo, e um ano depois passa a atuar no programa “Todo seu”, apresentado por Ronnie Von na TV Gazeta de São Paulo desde 2004. Ao longo de sua vasta carreira, Caçulinha já gravou 31 discos, sendo cerca de 25 LPs, numa trajetória única na MPB, que passa do sertanejo à bossa nova. Dessa vasta discografia, o TM oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos um álbum que ele fez na Copacabana, em 1972, como organista, seguindo a linha dançante então vigente. É “Caçulinha na onda… do sucesso”, cujo repertório inclui sucessos nacionais e internacionais da época, tipo “Amada amante”, “De tanto amor”, “Desacato” e “Oh me oh my”. Destaque também para a inclusão de “Yesterday”, dos então já separados Beatles, e “Linda flor”, o famoso “Ai ioiô”, considerado o primeiro samba-canção brasileiro. E tudo em verdadeiro clima de bailinho, irresistível para aqueles que gostam de dançar “coladinho”. Ouçam e comprovem.
 
amada amante
impossível acreditar que perdi você
desacato
yesterday
coisas
linda flor
eu nunca mais vou te esquecer
butterfly
de tanto amor
em cada verso em cada samba
if
oh me oh my
 
 
*Texto de Samuel Machado Filho 

Marcelino Buru – Sessão Cabidela (1978)

Fala aê… meus amigos cultos e ocultos! Entre os muitos discos que venho recebendo do amigo Fáres, hoje eu trago um bem a cara do Toque Musical, ou seja, uma produção curiosa, interessante e geralmente obscura. Tenho aqui um disco de um artista brasileiro gravado na França. Trata-se de Marcelino Burú, um nome mais conhecido no mundo das artes cênicas. Ator, diretor, compositor e produtor cultural. Iniciou sua carreira nos anos 60, sendo o fundador do Teatro Casarão, em São Paulo. Atuou em diversas peças, trabalhando com alguns dos mais importantes nomes do teatro nacional. Trabalhou em novelas da Record, Tupi e da Globo. Foi também professor de teatro, tendo êxito como ator e diretor no Festival Mundial de Teatro, na Polônia com a peça O Rei Momo. Acabou ficando pela Europa indo morar em Paris por seis anos. Por lá, além do teatro, desenvolveu a carreira musical, tendo levado a sua arte por vários países da Europa, além de Africa e Estados Unidos. Trabalhou também no cinema. Creio que atualmente ele mora no Brasil.
Este disco foi sua estréia musical. Gravado em maio de 1978, “Sessão Cabidela” é um trabalho onde estão presentes outros ilustres artistas brasileiros, entre esses o genial Naná Vasconcelos que cuida também da direção musical. No disco há ainda a participação da dupla Les Etoiles (Luiz Antonio e Rolando), já apresentada aqui no Toque Musical. Não deixem de conferir no GTM. ok? 😉

mineiro
gosto
kinguelê
ovo há 
saco d’ alho
compadre 
sou feliz
alodó
cosi-cosa
cabidela

.

Eduardo Gudim – Fogo Calmo Das Velas (1981)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Postagens aqui, agora acontecem quando todas as luas estão estão emparelhadas, ou seja quando tudo está favorável. O momento é propício e então vamos nós…
Tenho para vocês este lp do compositor paulista, Eduardo Gudim. Taí um disquinho que estarei descobrindo juntamente com vocês. Agradeço ao amigo Fáres por mais esse presentinho 🙂 Ouvi apenas uma vez, mas já deu pra sentir e recomendar. Eduardo Gudim nos apresenta um disco, produção independente, lançado em 1981 com dez faixas, todas de sua autoria e muitas com parceiros como Paulo Cesar Pinheiro, Cacaso, Sergio Natureza e outros. Conta com a participação também da turma do MPB-4, Vera Coutinho, Maria Martha e Márcia. Como se vê, um trabalho que não tem como ser ruim. Vamos conferir? 😉

anúncio classificado
teatro de revista
lamentos no morro
é reatando que a gente se estrepa
o que tem que ser
alma
mais de um
pensamento
olhos frios
por eu ser como eu sou
 

.

Coronel Delmiro Gouveia – TSO (1978)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Hoje o nosso encontro é com uma trilha de cinema, coisa que há tempos não postamos aqui. “Coronel Delmiro Gouveia” é um filme brasileiro realizado em 1978 e dirigido pelo cineasta Geraldo Sarno. Em seu elenco tinha artistas consagrados e conhecidos do grande público como Rubens De Falco, Jofre Soares, Sura Berdichevski, José Dumont e muitos outros. Este filme recebeu vários prêmios, inclusive o de melhor trilha sonora, no Festival de Brasília em 78. Essa, por sinal, é assinada J. Lins. Aqui, apresentamos a trilha de forma linear e sem separação das faixas.
Em fins do século passado, Delmiro Gouveia, rico comerciante e exportador do Recife, capital do Estado de Pernambuco, Brasil, sofre perseguições políticas. Seu estilo arrojado e aventureiro lança contra ele muitos inimigos, inclusive o Governador do Estado que manda incendiar o grande mercado Derby, recém – construído por Delmiro Gouveia. Falido e perseguido pela polícia do Governador, Delmiro refugia-se no sertão, sob a proteção do Coronel Ulisses, levando consigo uma enteada do Governador. No sertão, ele recomeça sua atividade de exportador de couros e monta uma fábrica de linhas de costura, aproveitando a energia elétrica de uma usina que constrói na cachoeira de Paulo Afonso e o algodão herbáceo nativo da região. A Grande Guerra de 1914, impedindo a chegada dos produtos ingleses à América do Sul, garante a Delmiro a conquista desse mercado, sobretudo brasileiro. Os ingleses da Machine Cottons, ex-senhores absolutos do mercado, enviam emissários para negociar a situação assim criada. Delmiro nega-se a vender ou associar-se. É assassinado em 10 de outubro de 1917. Alguns anos mais tarde, 1929, a fábrica é adquirida pelos ingleses, destruída e lançada nas águas da Cahoeira Paulo Afonso. (Press-release)

velho operário – depoimento
abertura delmiro gouveia
incêndio do derby
anunciada
eulina, amor
eulina, separação
sertão
coronel ulisses
invasão da cidade
sagração – festa dos vaqueiros
a usina
a fábrica de pedra
na vila operária
morte de delmiro gouveia – velório
zé pó – depoimento
abertura delmiro gouveia

Raul Ellwanger – Teimoso E Vivo (1979)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Fazendo sua estréia em nosso Toque Musical, temos hoje o gaúcho Raul Ellwanger, um dos mais importantes e expressivos nomes da música popular vindas do sul. Ele iniciou carreira nos anos 60 e projeção a partir de sua música ‘ O Gaúcho’, finalista o Festival da Excelsior Rio, de 1968. Devido a sua postura crítica contraria o sistema militar, ficou exilado por quase toda a década de 70, morando no Chile e na Argentina. Somente em 1979 ele volta ao Brasil e já de cara lança este, ‘Teimoso e vivo’, que viria a ser seu primeiro disco. Um trabalho bem elaborado que contou com a participação de artistas como Wagner Tiso, Jerônimo Jardim, Beto Guedes e outros… O repertório é totalmente autoral, algumas e nobres parcerias. Um disco que reflete bem as suas experiências, seu momento fora do país. Confiram no GTM.

samba do lero

canção catarina

teimoso e vivo

farewell

tango dos músicos

cortejo

pela vida afora

ate procuro lá

jacobina

irmãozinho de batalha

pialo de sangue

cachaça e mel

.
.


Os Velhinhos Transviados – Em Órbita (1965)

Olá amiguíssimos cultos e ocultos! Entre trancos e barrancos, vamos seguindo com nossas postagens cada dia mais espaçadas, infelizmente. São diversos os problemas, mas deixo isso para um outro dia. Vamos aqui novamente trazendo esse fabuloso grupo, criado pelo multi-instrumentista José Menezes, Os Velhinhos Transviados. Aqui temos mais um disco da série, lançado em 1965. Uma seleção musical muito boa, como sempre mesclando sucessos nacionais e internacionais. Aqui um repertório para agradar gregos e troianos. Não deixem de conferir no GTM.

o sol nascerá
oitavo botequim
a fonte secou
red rose for a blue lady
garota moderna
let kiss jenka
arrastão
regalame esta noche
brigas de nós dois
sabor a mi
minha namorada
só tinha de ser com você
menino das laranjas
viva la pappa col comodoro
o neguinho a a senhorita
let’s kis, kiss, kiss
carcará
the house of the rising sun
io che non vivo (senza te)
se piagi se ridi
.

Agnaldo Timoteo – The Golden Voice Of Brazil (1967)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Fazendo jus ao nosso sempre variado cardápio musical, eu hoje apresento a vocês uma curiosidade, um disco do cantor Agnaldo Timóteo lançado na Inglaterra. Aliás, este está sendo o disco de estréia de Timóteo por aqui, pois infelizmente nunca postei nada dele em nosso Toque Musical. Este lp foi lançado pelo selo Parlophone, da EMI, que por sua vez era a Odeon aqui no Brasil. Assim como na Inglaterra, foram lançados discos, LPs e compactos, em outros países do continente europeu, como Portugal, Espanha e Itália. Esses discos eram na verdade copilação de seus dois primeiros álbuns pela Odeon, em 66 e 67. Um momento de glória para o artista que se confirmava como sendo uma das maiores vozes do canto popular brasileiro. Mais um presentinho do amigo Fáres para enriquecer esse nosso mosaico fonomusical 🙂 Não deixem de conferir em nosso GTM.

meu grito

livre

não pensa em mim

se tu não fosses tão linda

creio sim

junto a ti eu terei paz

mamãe estou tão feliz

não me deixe mais

os verdes campos da minha terra

l’amour toujours l’amour

obrigado querida

quando não me quiseres mais

Chico Anísio – Inaugura O Humor Dançante (1969)


Bom dia, amigos cultos e ocultos! Mais uma vez marcando presença em nosso espaço, o grande mestre do humor, Chico Anísio, em um disco de 1969, lançado pelo selo Philips. Um espetáculo gravado ao vivo e dessa vez musical, no qual o humorista vem acompanhado pelo Conjunto Tempo 5. Agradeço ao amigo Fáres, que generosamente tem nos enviado vários discos para postagens. Confiram…

tereza da praia
liguili quem quem
patrícia
caluda tamborim
paquera
nem vem que não tem
samba de uma nota só 
forró no caruarú
de como um garoto (lá vem ela)
só o ôme
fotografia
gata de amarelo
o bom rapaz
umpa dumpa 

Conjunto Tempo Novo – Juventude Em Embalo Vol. 2 (1973)


Olá amiguíssimos cultos e ocultos! Tenho hoje aqui para vocês uma boa curiosidade musical, uma coletânea de sucessos do início dos anos 70, lançado pelo selo AMC, da Beverly. Trata-se do volume 2 da coleção “Juventude em embalo”, produzida até a metade dessa década, apresentando sucessos do momento, através de regravações popularmente conhecidas como ‘covers’. Entre os discos dessa coleção, este talvez seja o que me chamou mais atenção, devido ao repertório e a qualidade dos artistas e arranjos. Realmente, muito competentes. Logo de cara jurei que fosse a turma dOs Carbonos, grupo musical que gravou diversos discos, sempre na linha do cover. Na verdade, pode até ser, embora a contracapa nos apresente uma pequena ficha técnica, onde ‘as bases’ são do obscuro Conjunto Tempo Novo. Seria um pseudônimo dos Carbonos? Talvez… Mas o que importa é realmente o repertório, no qual, chamo a atenção para a faixa “Só tem amor quem tem amor prá dar”, um velho jingles de sucesso da Pepsi Cola, criado por Sá & Guarabyra e aqui apresentado numa versão roqueira de chamar a atenção dos apreciadores do gênero tupiniquim. Muito legal, uma prova de que faltou verdadeiramente no rock nacional foi divulgação e incentivo pra moçada da época brilhar, retardo e censura nas informações que vinham de fora, infelizmente. Não deixem de conferir essa pérola no GTM 😉

sangue latino

só tem amor quem tem amor pra dar

eu só quero um xodó

felicidade

eu sei que vai chegar a hora

verônica

o homem de nazareth

o vira

minha namorada

te amo eternamente

lágrimas nos olhos

bye bye rose marie


.

Seleção 73 (1973)

Após a “Seleção 70”, já oferecida pelo TM a seus amigos cultos e ocultos, a Fermata e o grupo Microlite uniram-se novamente em outras oportunidades para novas “seleções”, uma por ano. Sendo assim, nós apresentamos hoje a “Seleção 73”. A exemplo dos discos anteriores, este também não foi comercializado nas lojas, e foi usado como brinde aos clientes das empresas patrocinadoras.  Aqui, há espaço exclusivamente para músicas instrumentais. Um dos destaques fica por conta da “Danza siciliana”, do filme “O poderoso chefão”, regida pelo próprio autor, Carmine Coppola (pai do diretor do filme, Francis Ford Coppola), comsua orquestra. “Cabaret”, sucesso de Liza Minelli no filme homônimo, aqui vem executado pela pianista Jo Ann Castle, acompanhada de orquestra e coro. A orquestra do norte-americano Hugo Winterhalter executa “The impossibledream”, do musical teatral (depois filme) “O homem de la mancha”. “Uno”, clássico do tango argentino, vem aqui na execução de AndreLevatz e seus Musicats. O italiano Gianfranco Plenizio executa com sua orquestra “A cavallolungoilfiume”, da trilha sonora do primeiro filme da série “Trinity”. A valsa “Espanha”, do francês ÉmileWaldteufel, vem aqui na execução da National Opera Orchestra, de Viena, Áustria. O organista André Penazzi apresenta aqui dois sambas, “Tem pena de mim” e o clássico “Mas que nada”, de Jorge (então) Ben. Tudo isso e mais fazendo deste “Seleção 73” um bom disco para se ouvir e até mesmo relaxar. Confiram.

tem pena de mim – andré penazzi
a cavallo lungo il filme – g plenzio
cabaré – jo ann castle
the impossible dream – hugo winterhalter e sua orquestra
espanha – the national opera orchetra vienna
mia nichta stin athina – a minos producton
uno – andré levraz
danza siciliana – carmen coppola
raspaschoell – the peace birds orchestra
melaine – soundsational birds ‘n brass
mas que nada – andré penazzi
el toro y la luna – juan perez and charles parker

*Texto de Samuel Machado Filho

Carolina Cardoso De Menezes – Tapete Mágico (1960)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Temos hoje e mais uma vez abrilhantando nossas páginas a genial pianista Carolina Cardoso de Menezes. Neste lp lançado pela Odeon ela nos apresenta uma absurda lista de 60 músicas de sucesso, nacionais e internacionais. Na base do ‘pot pourri’ nossa artista toca sem pausas, direto e reto numa performance incansável que merece toda a nossa atenção. Este disco já foi postado em outros blog, mas nenhum deles resistiu. Cabe agora então ao TM eternizá-lo enquanto eterno for esse blog. 🙂

just one of those things
dancing in the dark
honeysuckle rose
oh lady be good
louise
broadway melody
you were meant for me
you do somenthing to me
mister sandman
three little words
dream
embraceable you
manhattan
i’m confessing that i love you
smoke gets in your eyes
once in a while
tea for two
because of you
sweet georgia brown
i’ll see you in my dreams
on the sunny side of the street
blue skies
poor buterfly
my melancholy baby
some of these days
margie
you are my lucky star
my blue heaven
liza
i can’t give you anything but love baby
mamãe eu quero
na baixa do sapateiro
delicado
baião
tico tico no fubá
não tenho lágrimas
cai cai
aurora
aquarela do brasil
maracangalha
vereda tropical
quizas, quizas, quizas
oh sole mio
nosotros tres palabras
solamente una vez
jalouise
amapola
anema e cuire
 olhos negros
la cucaracha
begin the beguine
frenesi
aquellos ojos verdes
la ultima noche
carioca
negra consentida
para vigo me vou
bim bam bum
el manisero

.

Adilson Adriano – Nasce Um Novo Ídolo (1968)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Hoje eu pensava em estar trazendo aqui um disco inédito e bem aos moldes do nosso blog. Acontece que depois de apresentar aqui mais de 3 mil títulos, as vezes, a gente se esquece e se engana, acaba postando de novo. Isso já aconteceu outras vezes, daí, desisto e parto para outro disco. Mas no caso aqui a coisa é diferente. Essa é quase uma re-postagem, na verdade estou postando o lançamento original. Temos aqui o obscuro cantor revelação, Adilson Adriano, promessa da Bemol/Paladium para aqueles tempos de Jovem Guarda. Aliás, na fase final do movimento, que já tendia para o brega romântico. Em seu repertório temos uma seleção que vai de versões internacionais a composições decadentes da dupla Evaldo Gouveia e Jair Amorim, Luiz Ayrão e também composições próprias do artista, o que dá ao disco um ar mais personalizado. A direção artística é de Evaldo Gouveia e as regências e arranjos de Aécio Flávio e João Guimarães. Ao que se sabe, o disco foi lançado em 1968, porém, eu acredito que a versão pelo selo Paladium, que era vendida a domicílio, saiu como parte de um álbum com outros vários discos da gravadora. Adilson Adriano parece ter ficado apenas neste lp de dupla identidade e em compacto lançado também na mesma época. Mais uma curiosidade que só se encontra por aqui 🙂

canzone per te
quem será
canta menina
pavana para um amor enfermo
a meu filho
quem vai chorar sou eu
quando o sol aparecer
não me deixe mais
eu gosto tanto de você aleluia
balada para qualquer natal
.

Saturnia SA (1966)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Aqui temos uma outra coletânea feita por encomenda à CBD (Companhia Brasileira de Discos) para a Saturnia, fabricante de baterias para automóveis. Nos anos 60 era muito comum empresas oferecerem discos como brindes, geralmente em épocas de fim de ano. E esse deve ter sido o caso aqui, uma seleção de orquestras do cast da gravadora, entre essas uma nacional, a Orquestra Som-Bateau, que foi base para muita coisa gravada nessa época. Uma curiosidade que você só encontra aqui no Toque Musical. Confira…

a pescaria – orquestra som-bateau
luar de nápoles – bert kaempfert e sua orquestra
nem as paredes confesso – bert kaempfert e sua orquestra
inch’allah – conjunto cassino royale
modesty blaise – orquestra som-bateau
monsieue cannibale – orquestra som-bateau
the more i see you – orquestra som-bateau
sayonara – helmut zacharias e sua orquestra
music to watch girls by – orquestra som-bateau
gitana – helmut zacharias e sua orquestra
canção dos barqueiros do volga – helmut zacharias e sua orquestra
strangers in the night – bert kaempfert e sua orquestra

.

Seleção 70 (1970)

Hoje, o TM oferece a seus amigos cultos e ocultos mais uma raríssima coletânea. Trata-se de “Seleção 70”, produzida pela Fermata sob encomenda do grupo Microlite, então fabricante das pilhas Rayovac (“as amarelinhas, tá?”), de várias marcas de baterias para automóveis, como Heliar e Saturno, e das linhas de costura Lipasa. É um disco que não foi lançado comercialmente nas lojas, e só foi distribuído aos clientes das empresas patrocinadoras. A seleção, obviamente, é composta de fonogramas que então faziam parte do arquivo da Fermata ou eram representados no Brasil pela gravadora. E aqui, já aparece uma curiosidade: Steve MacLean, um daqueles brasileiros que cantavam em inglês, pseudônimo de Hélio Costa Manso, interpretando “Ária para um grande amor (Air for a greatlove)”, adaptação feita por Cayon Gadia e Anthony, de uma peça de Bach (em inglês, “ofcourse”). Abrindo o disco, o organista André Penazzi nos brinda com “Carolina”, clássico de Chico Buarque. “Ponteio”, de Edu Lobo e Capinam, é aqui executada pela orquestra do maestro e saxofonista norte-americano Woody Herman. A “chansonfrançaise” é aqui representada por Romuald (“Catherine”) e Nicole Croiselle (“Danslenuit, um piano”). O maestro Juarez Santana, que inclusive foi pianista de Cauby Peixoto, rege sua orquestra na execução do clássico espanhol “La virgen de la Macarena”. A banda britânica Neighbourhood (nada a ver com outra surgida recentemente) aqui comparece com “United we stand”. Manuel Marques executa à guitarra portuguesa duas faixas: “Valsa das pupilas” e “Tema de João Semana”, ambas da trilha sonora da novela “As pupilas do senhor reitor”, da antiga TV Record, baseada em romance do escritor Júlio Diniz, também português (houve um remake no SBT, nos anos 90). O italiano Sergio Endrigo nos brinda com dois de seus hits de então, “Lontanodagliocchi” e “L’ArcadiNoe”. E, para encerrar, o grupo The Clevers (nada a ver com o antigo, que mudou de nome para Os Incríveis) executa o clássico russo “Casatschock”. Tudo isso compondo este “Seleção 70”, mais uma joia rara que o TM oferece a vocês.

carolina – andré penazzi
ponteio – woody herman
catherine – romuald
dans la nuit, un piano – nicole croiselle
la virgen de la macarena – juarez sant’ana
ária para um grande amor – steve mclean
united we stand – neighbourhood
valsa da pupilas – manuel marques
lontano dagli occhi – sergio endrigo
l’arca di noé – sergio endrigo
casatschok – the clevers

*Texto de Samuel Machado Filho

O Show Dos Shows (1975)

O Toque Musicall oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos uma coletânea cheia de bons momentos. É “O show dos shows”, lançada em 1975 pela Odeon. Produzido pelo mestre Hermínio Bello de Carvalho, com montagem de Nivaldo Duarte, o álbum reúne trechos de vários shows antológicos, tais como “Brasileiro, profissão esperança”, “Mudando de conversa”, “Te pego pela palavra”, “Sarau” e “Gemini V”. E tudo na interpretação de grandes nomes de música popular, como Simone, Mílton Nascimento, Marlene, Maria Bethânia, Paulinho da Viola, Pixinguinha e Cyro Monteiro. O Formigão aqui apresenta um delicioso pot-pourri de sambas de Geraldo Pereira, “Escurinho”, “Falsa baiana” e “Que samba bom”, ele que foi um dos melhores intérpretes desse autor. Clementina de Jesus vem com “A morte de Chico Preto”, música com a qual ganhou prêmio de melhor intérprete no festival Abertura, da TV Globo, e ainda canta, em dupla com Paulinho da Viola, “Mulato calado”. O próprio Paulinho ainda comparece com “Pra que mentir?”e “Doce veneno”. Maria Bethânia recorda “Carinhoso” e “Se todos fossem iguais a você”, em trecho do recital que fez na Boate Barroco. Abrindo o disco, Mílton Nascimento revive “Chove lá fora”, maior hit do recém-falecido Tito Madi. E ainda participa, com Simone, da faixa “Gota d’água”. Marlene, devidamente acompanhada por Sivuca, nos traz “Cabaré”, de João Bosco e Aldir Blanc. Pixinguinha vem com “Um a zero”, acompanhando outros músicos ao saxofone. A eterna guerreira Clara Nunes revive “Suas mãos”, de Antônio Maria e Pernambuco. Para encerrar, Leny Andrade, Pery Ribeiro e o Bossa Três em um pot-pourri em homenagem ao Rio de Janeiro, incluindo até mesmo “Garota de Ipanema”. Tudo isso reunido em um conjunto que vale a pena ser ouvido, de fato um verdadeiro “Show dos shows”!  É só baixar e conferir…

chove lá fora – milton nascimento
gota d’agua – simone
pra que mentir – suas mãos – paulinho da viola e clara nunes
neste mesmo lugar – nora ney
bar da noite – nora ney
cabaré – marlene
a morte do chico preto – clementina de jesus
doce veneno – paulinho da viola
mulato calado – clementina de jesus
escurinho – falsa baiana – samba bom – cyro monteiro
carinhoso – maria bethania
1×0 – pixinguinha
pot pourri – gemini 5

*Texto de Samuel Machado Filho

Mario Albanese – Coisas Do Amor (1962)

O TM tem o prazer de oferecer hoje a seus amigos cultos e ocultos, mais um álbum do pianista e compositor Mário Albanese, de quem já apresentamos anteriormente “Jequibáu na Broadway”. Trata-se de “Coisas de amor”,lançado pela Chantecler em 1962. Mário Albanese nasceu em São Paulo, no dia 31 de outubro de 1931 (a contracapa indica erroneamente 1935). Filho de pai alfaiate e músico, e mãe professora de música, não tardou a entrar nesse mundo.  Aos 18 anos, formou-se no Conservatório Dramático e Musical de São Paulo, e logo começou a dar aulas de piano. Após estudar no tradicional Colégio Dante Alighieri, prosseguiu estudos na não menos tradicional Faculdade de Direito do Largo de São Francisco. Em 1959, gravou seu primeiro LP, “Insônia”, para a Odeon. Foi um dos criadores, ao lado do maestro Ciro Pereira, do jequibáu, um ritmo 5/4 tipicamente brasileiro. Ambos compuseram várias músicas do gênero, tais como “No balanço do jequibáu”, “Jequi-Bach” e “Maré alta”, gravadas por inúmeros artistas no Brasil e no exterior. Como advogado,Mário Albaneseatuou em defesa dos direitos autorais dos músicos. Também reconhecido mundialmente na luta anti-tabagismo, casou-se duas vezes e teve cinco filhos no primeiro casamento. Membro da Academia Internacional de Música, foi ainda radialista, jornalista, produtor e apresentador de televisão. Neste “Coisas de amor”, seu segundo álbum e primeiro para a Chantecler, Mário Albanese apresenta ao piano um repertório essencialmente romântico, acompanhado pela orquestra do maestro Élcio Álvarez, com direito até mesmo a um chá-chá-chá, ritmo caribenho em moda na época, e quatro faixas em estilo bossa nova. A maior parte das músicas é de autoria do próprio Mário com parceiros, inclusive a faixa-título e de abertura do disco. Aqui também estão três sucessos da época, “Suave é a noite (Tender isthenight)”,”Ausência” e “Prelúdio para ninar gente grande” (aquela do “menino passarinho”, obra-prima de Luiz Vieira, muito apropriadamente escolhida para encerrar o disco). Tudo isso em um trabalho imperdível que atesta o talento e a versatilidade de Mário Albanese como músico e compositor. É só conferir.

coisas de amor
sol
cha cha cha para dois
insonia
sede de amor
suave é a noite
um punhadinho de estrelas
canção de amor feliz
rimas de ninguém
sonia
prelúdio para ninar gente grande

*Texto de Samuel Machado Filho

Gaudêncio Thiago De Mello – The Music Of Thiago (1974)

Boa noite, prezados amigos cultos e ocultos! Seguindo aqui aos trancos e barrancos, vamos nós com mais uma postagem de interesse, com certeza. Temos aqui um disco de Gaudêncio Thiago de Mello, coisa rara de se ver e ouvir fácil por aí. Para aqueles que não o conhecem, trata-se do irmão do poeta amazonense, Thiago de Mello, também tio do compositor Samuka. Gaudêncio é um nome talvez pouco conhecido, pois fez sua carreira como músico nos Estados Unidos, sendo um artista consagrado. Multi-instrumentista, compositor, produtor, arranjador, professor e muito mais. Nome respeitadíssimo por lá no mundo do jazz e world music. Não bastasse ser um músico de mil talentos, Gaudêncio foi também técnico campeão do futebol, representando times de peso como o Botafogo, em sua fase áurea com o grande Garrincha no plantel. Sem dúvida um homem de muitos talentos que se consagrou na música. Infelizmente, faleceu em 2013, em Nova York. Uma grande perda para a música do Brasil, dos sons da Amazônia. Acredito que nenhum de seus discos chegaram a serem lançados no Brasil. Aqui, por sorte, temos um, The Music of Thiago, de 1974. Disco bacana, mas apresenta vários riscos, estalos e chiados que eu não tive como limpar. Mesmo assim, vale pena ouvir e conhecer.

andei só por andar
boat song
blue sky
freedon
tanta ternura
don’t turn away
amadeste
amanhecer
rede de caboclo
vou me embora
.

O Grupo (1969)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Hoje temos aqui O Grupo, um quarteto vocal que já foi apresentado aqui através de seu primeiro disco, lançado em 68. Disco este, por sinal e por engano, publicado aqui por duas vezes, com textos bem diferentes e até com algumas falhas. Vamos tentar corrigir isso agora, nesta nova postagem e com este disco que foi o segundo trabalho, lançado em 1969. Formado por Roberval, Raimundo Bittencourt, Jaime Rocha e Maurício Duboc. Ao que tudo indica, Roberval e Raimundo saíram do grupo a partir deste segundo trabalho. E certamente, em comparação com o primeiro disco este deixa a desejar. Mas longe de ser um disco ruim, muito pelo contrário, trata-se de um trabalho de qualidade, gravação de primeiríssima e uma prensagem de dar inveja a discos japoneses. O repertório também é muito bom, dez faixas muito bem selecionadas. Um disco que vale a pena ouvir e mais ainda, entender porque tem gente pagando uma nota por um exemplar. Vai entender colecionadores, hehehe… Confiram!

eu disse adeus
mutante
sinhana
misty
beiras
quem mandou
três horas da manhã
over the rainbow
rosa de fogo
alvorada
.

Nalva Aguiar – Vale Prateado (1977)

O TM põe hoje em foco uma cantora surgida nos tempos da Jovem Guarda, que, a exemplo de Sérgio Reis, abrigou-se entre os intérpretes de música sertaneja. Trata-se de Nalva de Fátima Aguiar, mineira de Tupaciguara, nascida em 9 de outubro de 1945, e carinhosamente conhecida como rainha das festas de peão de boiadeiro, título que ganhou por cinco vezes. Filha de um alfaiate que tornou-se dono de hotel, Nalva sonhava em ser cantora desde muito pequena, e com sete anos já estudava acordeão, instrumento do qual tornou-se mais tarde professora. Um pouco mais tarde, passou a cantar em festas e rádios do Triângulo Mineiro, e na TV Triângulo de Uberlândia . Na primeira metade dos anos 1960, participou de um disco da dupla Nízio e Nestor. Em 1966, atraída pela Jovem Guarda, mudou-se para São Paulo e gravou seu primeiro disco, um compacto simples com as músicas “Garota diferente” e “É o amor”. Um ano depois, representou Minas Gerais em um concurso da lendária Rádio Nacional do Rio, interpretando, em inglês, o clássico country “Jambalaya”. Atuou ainda no cinema, em filmes como “Adorável trapalhão”, “Dois mil anos de confusão” e “O conto do vigário”. Em 1971, gravou seu primeiro LP, “Nalva”, fazendo sucesso com “José (Joseph)”, do francês Georges Moustaki em versão de Nara Leão, já gravada antes por Rita Lee. Em meados da década de 1970, passou a dedicar-se à música sertaneja, lançando, em 1975, um compacto simples com “Beijinho doce”, de Nhô Pai, regravação de um antigo sucesso das Irmãs Castro, que interpretara no filme “O conto do vigário”, e vendendo mais de 500 mil cópias. Tornou-se uma das mais importantes figuras femininas da música sertaneja, e é pioneira do gênero. Nos anos 90, afastou-se das gravações, tendo morado durante longo período na América do Note, entre o Canadá e os EUA, onde recebeu o título de “Rainha da Música Country no Brasil”. Voltou ao disco em 1999, lançando um CD com participações especiais de Chitãozinho e Xororó, Ivan Lins, Sérgio Reis e do locutor de rodeios Barra Mansa. Em 2010, foi uma das convidadas de Roberto Carlos para o especial de TV “Emoções sertanejas”, lançado depois em CD duplo. Da extensa discografia-solo de Nalva Aguiar (catorze álbuns, entre LPs e CDs, e muitos compactos), o TM foi buscar, para seus amigos cultos e ocultos, o quarto LP. É “Vale prateado”, lançado pela CBS em 1977, com direção de produção de Tony Bizarro, e arranjos de outro “cobra”, Eduardo Assad, sob a direção artística de Jairo Pires. Aqui, Nalva mostra sua disposição de entrar de sola na música sertaneja, regravando “Tá de mal comigo” (que aliás voltou a ser sucesso em sua voz), “Cabecinha no ombro”,  “Coração da pátria” e “Judiaria” (esta, uma guarânia de Lupicínio Rodrigues). E, para aproveitar a onda da “discomusic”, ela revive, nesse ritmo, o clássico “Lili”, versão de Haroldo Barbosa para a música-tema do filme de mesmo nome, produção MGM de 1953. O lado compositora de Nalva é expresso na faixa “Maria da Galileia”, parceria dela com Itamar e Alberto Luiz. Há ainda trabalhos de Marcelo Costa (“Belém do Pará”), Guilherme Lamounier(“Força de ser feliz”), e da dupla Mílton Carlos-Isolda (“Vou aprender a criar galinhas e filhos”), sendo que Isolda também assina a versão que dá título ao disco, “Vale prateado”.  Três composições de Edvaldo Santana e Fernando Teles, “Pura ilusão”, “Pé de poeira” e “Lampião pintou por lá”, completam este trabalho de Nalva Aguiar, sucesso quando de seu lançamento e merecedor desta postagem de hoje do TM.

lili
maria da alileia
vou aprender a criar galinhas e filhos
pura ilusão
tá de mal comigo
judiaria
vale prateado
pé de poeira
força de ser feliz
lampião pintou por lá
belém do pará
coração da pátria
cabecinha no ombro

*Texto de Samuel Machado Filho

Os Velhinhos Transviados – Bárbaros (1966)


Bom dia a todos os amigos cultos e ocultos! Aqui vamos nós, trazendo a turma do Zé Menezes, os incomparáveis, Velhinhos Transviados, em mais um trabalho genial lançado em 65, o “Bárbaros”. Assim como em outros trabalhos, eles trazem um repertório mesclando sempre sucessos nacionais e internacionais. Um disco realmente gostoso de ouvir, principalmente para os que presam o trabalho instrumental. Vale uma conferida… 😉

mas que nada

hully gully baby

louco

abbronzatissima

rio

ti guardero nel cuore

maria elena

sukiaki

sa-sa-rué

the hully gully

zé da conceição

vola colomba

tome polca

naked city
.