Mickael – O Meu Pé De Laranja Lima (1970)

Boa noite a todos os amigos cultos e ocultos! A quem possa interessar, aqui vai um disco muito interessante. A trilha sonora da primeira versão na teledramaturgia de “Meu pé de laranja lima”, uma adaptação de Yvani Ribeiro para a obra de José Mauro de Vasconcelos. Novela que foi ao ar em 1970, pela memorável TV Tupi. A trilha é composta exclusivamente por músicas de Mickael, um nome sobre o qual eu não não tenho nenhuma informação. Até mesmo no Google é difícil achar. Certamente algum dos amigos cultos deve saber alguma coisa, afinal duas músicas deste disco, “Feriado nacional” e “Liberação da alma”, fizeram um relativo sucesso na época, Quem puder nos esclarecer onde, quando e quem foi Mickael, vou ficar muito grato.

liberação da alma
minha jandira
em qualquer esquina do mundo
lá nas montanhas
meigo sol
vida
feriado nacional
pelo ar, pelo chão
meiga mulher
tema de amor n.1
tema de amor n.2
kenia
.

Orquestra Namorados Do Caribe – E Sua Música Maravilhosa (1966)

Olá amigos cultos e ocultos! Depois de uma pausa de quase duas semanas, aqui estamos de volta. Logo após a última postagem, a coletânea das Mães, a bruxa andou solta, fazendo seus estragos. Voltei a receber ameças por conta de algumas postagens. Nada muito sério quando percebo que do lado de lá a forçação de barra é insana, de algum maluco tentando me chamar a atenção. Porém, acho que esse mal estar chegou a afetar até o meu computador. Queimou a placa mãe e o negócio foi mesmo trocar de máquina. Demorei para retomar as postagens pois só hoje consegui voltar à normalidade. Recomeço trazendo este lp da excelente Orquestra Namorados do Caribe, só para cutucar. Tem gente que é apaixonada com esta orquestra, mas odeia o Toque Musical. Assim, vamos dar uma adoçada nessa limonada e matar a sede.
Segue então a Orquestra Namorados do Caribe e sua música maravilhosa, em disco lançado em 1966 pela RCA Victor. Neste lp, como se pode ver, temos um repertório bem antenado com sua contemporaneidade. Trazendo uma seleção de sucessos da época, mesclando o pop romântico internacional com trilhas de filmes e Beatles, pra ficar ainda mais moderninho. Tudo isso temperado a um ritmo embolerado e marcado por bongôs. Ficaram bem interessantes os arranjos. Vale a pena conferir ;)

girl
thunderball
lara’s theme
nessuno mi puo giudicare
una casa in cima al mondo
michelle
day tripper
moment to moment
j’aime
aline
dio come ti amo
yesterday
.

Mãe – Uma Coletânea De Mães Do Toque Musical (2015)

Aos filhos que possam interessar… Segue aqui uma seleção de mães tão variadas quanto o próprio Toque Musical. Mais que uma homenagem, pois para mim, mãe é todo dia. E a gente só percebe isso depois que ele já se foi. Sinto saudade das minhas. Eu tive duas! Se foi sorte por um lado, por outro a tristeza e saudade são dobrados. Mas quando olho para trás, vejo que tive lá muito sorte.
Vai assim esta seleção poética e musical que faz parte de muitos dos discos postados aqui. Parabéns as mamães!

minha mãe – dalva de oliveira e anisio silva
minha mãe, minha estrela – dalva de oliveira
minha mãe é mais bonita – angela maria
amor de mãe – maria creuza
poema para a minha mãe – babi de oliveira
amor de mãe – jamelão
minha mãe – álvaro moreyra
doce mãezinha – nora ney
canção da minha mãe – aniso silva
caquinho de mãe – siluca
mãe – sergio ricardo
cadê minha mãe – ary lobo
minha mãezinha – angela ro ro
coração de mãe – jorge goulart
mãe maria – josé dias
mãe é sempre mãe – bezerra da silva
mãeiê – osvaldo nunes e the pops
saudades da minha mãezinha – de moraes e doquinha
dia das mães – elza laranjeira
amor de mãe – vadico e vidoco
mulher valente é minha mãe – joão nogueira
mãe sempre mãe – tonico e tinoco
amor de mãe – mark morawski
minha mãe, minha vida – maris de oliveira
adeus mãezinha – durval e davi
obrigado mãe – angela maria e agnaldo timóteo
é mãe – vital farias
dia das mães – paulo gracindo
mãe solteira – jackson do pandeiro
canção das mães pretas – lia salgado
ser mãe – josé leão
mães – fernanda montenegro
.

Simonetti – É Disco Que Eu Gosto N. 2 (1959)

A quem possa interessar… Segue aqui o prometido, o volume 2 do “É disco que eu gosto”, do maestro Enrico Simonetti com a Orquestra da RGE. Sem dúvida, um disco tão bom quanto o primeiro volume. Aliás, quando a coisa dá certo, o negócio é repetir a dose. Fizeram para este segundo volume uma seleção de repertório no mesmo nível, mesclando temas nacionais e internacionais, com ênfase no bolero. Muito bom! Se você ainda não viu esse em outras fontes, aproveita pois o tempo é limitado!

na baixa do sapateiro
piove
all the way
smoke gets in your eyes
swedish rhapsody
cai cai
madureira chorou
i’ve got you under my skin
danse avec moi
carioca
at the end
en el mar
.

Trio Cristal – Canta O Trio Cristal (1961)

O Trio Cristal surgiu em São Paulo, por volta de 1955, e seus integrantes eram paraguaios radicados em território brazuca: o maestro, arranjador e compositor Alberto Máximo Casanova, seu fundador, mais Tito Salinas e Ángel Quintana. Seu primeiro disco saiu em setembro de 1960 pela RGE de José Scatena, um 78 rpm com o bolero “Nuestro juramento” (Benito de Jesus) e a guarânia “Curuzu verá” (Américo Cabrera e Rubem de Oliveira), logo alcançando êxito, e a eles garantindo o Troféu Chico Viola, das Emissoras Unidas (Rádio e Televisão Record). As duas músicas também estão neste primeiro LP do trio. Graças à sua qualidade vocal e interpretativa, o Trio Cristal logo conquistou a simpatia,o carinho e a admiração dos brasileiros, sendo até comparado ao Trio Los Panchos (de origem mexicana). Com este álbum, que inclui até um merengue (“La pachanga”, que exigiu o reforço de um naipe de metais), um chá-chá-chá (“Botecito de vela”) e, claro, outros grandes boleros (“Encadenados”, do mexicano Agustín Lara, e “Amargo retorno”, de Julio Jaramillo,por exemplo), o grupo ficou um bom tempo nas paradas de sucesso, firmando-se como autênticos embaixadores da música paraguaia no Brasil. Depois deste primeiro álbum, claro, viria muito mais, e, ao longo dos anos, no anseio de perdurar no tempo, o Trio Cristal se caracterizou pela constante inovação de sua capacidade musical e vocal, contratando de tempos em tempos os melhores músicos e intérpretes do gênero romântico para adaptação ao tempo e renovação de repertório, tendo portanto inúmeras outras formações. Os derradeiros registros do grupo aconteceram por volta de 1980, incluindo algumas composições inéditas de seu fundador, Alberto Máximo Casanova, que registrou em seu nome a marca Trio Cristal. Mas, para o próprio Alberto, esse fato não tem lá muita importância, pois seu nome está mais do que registrado no estilo, introduções e arranjos vocais presentes em todas as gravações históricas do grupo. Portanto, eis aqui o primeiro LP do Trio Cristal, para alegria de todos os adeptos da boa música latino-americana. Ouçam e se emocionem

la pachanga
amargo retorno
interrogacion
malvada
mi loucura
nuestro juramento
en un bote de vela
encadenados
buenas noches
en mi delirio
ensueño de claro lunar
curuzu vera
*Texto de Samuel Machado Filho

 

José Meneses – A Voz Do Violão (1957)

A quem possa interessar… Hoje temos para os amigos cultos e ocultos um belíssimo trabalho. Disco de dez polegadas, lançado pelo selo Sinter, em 1957, apresentando o multinstrumentista das cordas, o grande cearense, José Menezes, também conhecido como Zé Menezes, ‘um velhinho transviado’. Neste lp, como se pode ver pelo título, trata-se de um momento íntimo, solo… temos aqui o talento deste incrível músico ao violão, trazendo oito temas variados, nacionais e internacionais. Muito bom!
Infelizmente, o disco que tenho está com algumas faixas em estado deplorável. Porém, encontrei na rede o mesmo disco e aqui completo o que faltava.

malaguena
un peu d’amour
mafua
a voz do vioão
ponciana
motivos brasileiros
mi oracion
brejeiro
.

Simonetti – É Disco Que Eu Gosto (1958)

A quem possa interessar… Aos amigos cultos e ocultos. Segue aqui este lp, lançado originalmente em 1958 pelo recém criado selo RGE. “É disco que eu gosto”, um título bem sugestivo, principalmente aqui no Toque Musical. Este era o nome de um programa de rádio na década de 50 e serviu de inspiração para a RGE que o adotou em seu lançamento com o maestro Enrico Simonetti. Não vou nem entrar em detalhes quanto a este maestro italiano que viveu no Brasil por quase 20 anos, pois todos aqui já sabem e se quiserem mais informações, basta ler essa contracapa. Só tenho a dizer que é um disco ótimo, não apenas pela regência e arranjos, mas também pelo repertório, bem variado, contemplando diferentes gêneros, nacionais e internacionais. Eu, em algum tempo atrás, postei aqui um outro disco do Simonetti com este mesmo título. Trata-se, por certo, de uma coletânea, reunindo músicas deste e do segundo volume, o qual eu postarei nos próximos dias. Aguardem

nel blu depinto di blu
cachito
lampião de gas
babalú
divino espírito santo
se alguém telefonar
torrero
peanuts
baião da serra grande
you are my destiny
till
é disco que eu gosto
.

Marion Duarte – Minha Canção Pra Você (2014)

Aos amigos cultos e ocultos e a quem mais interessar… Hoje eu venho trazer para vocês um toque musical novo, mais exatamente um cd. Tenho o prazer de postar aqui o último trabalho da cantora Marion Duarte, que gentilmente e atenciosamente me deu esta honra de apresentá-lo aqui no nosso blog. Fiquei muito feliz por ela ter entrado em contato comigo, me agradecendo pela postagem de um outro disco dela. Conversamos demoradamente ao telefone. Ela me contou um pouco da sua trajetória e das dificuldades de se manter como artista num tempo onde, grandes e antigos nomes quase não são lembrados. De um tempo em que a música se tornou uma caricatura de si mesma e a indústria musical uma fábrica de descartáveis. Difícil se manter artista sem tentar acompanhar os modismos. Mas no caso de Marion podemos dizer que ela conseguiu se manter e até a se superar. Retornou a carreira com o mesmo vigor e até mais refinada. Neste trabalho, produção independente, lançado no ano passado, ela conseguiu reunir talento e bom gosto. “Minha canção prá você” é um cd muito bem feito, com um repertório variado, trazendo suas composições em parcerias e canções de sucesso de Adelino Moreira, Noel Rosa, Pixinguinha, Luiz Vieira e outros. Ela vem acompanhada por músicos de primeira e conta também com a participação do Conjunto Época de Ouro. Um belo disco que vocês precisam conhecer!

facho de luz
carinhoso
minha canção pra você
sou como as estrelas
guarânia da saudade
conversa de botequim
são jorge guerreiro
vai
a lei do retorno
ainda ontem chorei de saudade
grandes mitos
moreno
último desejo
negue
valsa de uma cidade
sonho de natal
.

Som Imaginário – Equipe Mercado – Módulo 1000 – Tribo (1971)

A quem possa interessar… Aos amigos cultos e ocultos… Eu hoje estou postando este disco em forma de homenagem póstuma ao grande guitarrista, Daniel Cardone, que faleceu há alguns dias atrás. Fiquei chocado com a morte dele, pois sempre acompanhava a suas postagens no Facebook. Fiquei alguns dias sem entrar e logo ao abrir dei de cara com essa péssima notícia. Muito chato. Cardone era integrante do Módulo 1000, banda conceituadíssima no início dos anos 70.
Segue aqui este lp reunindo quatro bandas com influências do rock progressivo: Tribo, Equipe Mercado, Módulo 1000 e Som Imaginário. Este álbum foi lançado originalmente em 1971, com outra capa e sob o título de “Posições”. Algum tempo depois voltou a ser relançado com esta capa, fazendo parte da Série Vanguarda, que até onde eu sei, ficou somente no volume 1. Confiram esta coletânea, vale a pena! ;)

kyrie – tribo
marina belair – equipe mercado
curtíssima – módulo 1000
a nova estrela – som imaginário
ferrugem e fuligem – módulo 1000
peba & pobó – tribo

Wanderlea – Mais Que A Paixão (1978)

A quem possa interessar… mas, em especial para o amigo Fáres, eterno fã da Jovem Guarda. Trago aqui um dos discos que eu mais gosto da Wanderléa. Por certo é também um dos seus melhores trabalhos. Disco bem produzido, repertório impecável, time de músicos de primeira e participações especiais de Egberto Gismonti, Djavan e Moraes Moreira. Confiram!

canção de adeus
antes que o mundo acabe
lindo
o canto da lira
segredo
fruto maduro
pingo de leite
guerreiro s. joão
pitanga
bicho medo
mais que paixão
.

Walter Wanderley – Rain Forest (1966)

A quem possa interessar…(e sempre interessa) Vou mandando hoje um álbum muito comum e já bem rodado em várias praças, porém um disco excepcional, tanto pelo artista e repertório como também pela qualidade técnica da gravação. Um lp que vale a pena ouvir de novo. Mesmo sendo um disco importado e certamente ainda e sempre em catálogo e já bem ‘manjado’ por vocês, faço questão de tê-lo em nossa fileira. Afinal, este foi o primeiro disco americano/internacional lançando o organista brasileiro Walter Wanderley. Produção de Creed Taylor, pelo respeitadíssimo selo Verve, que sempre focou no melhor da música, o melhor jazz. Um disco para gostos refinados. Aqui temos um novo Walter Wanderley, o começo de grande sucesso internacional. Confiram

summer samba (samba de verão)
it’s easy to say good bye (é fácil dizer adeus)
cried, cried (chorou chorou)
rain (chuva)
girl from ipanema (garota de ipanema)
beloved melancholy (saudade querida)
taste of sadness (cheiro de saudade)
beach samba (bossa na praia)
call me
cry out your sadness (chora tua tristeza)
great love (o grande amor)
song of de jet (samba do avião)
.

Cinema Em 78 RPM – Seleção 78 RPM Do Toque Musical Vol. 137 (2015)

Estamos de volta com o Grand Record Brazil, agora em sua edição de número 137. E a seleção musical desta quinzena foi preparada por uma pessoa muito especial: eu próprio!  Tudo começou quando o Augusto me mandou  diversos áudios extraídos de clipes produzidos para o YouTube, pela Rádio Educativa Mensagem de Santos, aproveitando cenas de filmes diversos, todos em preto e branco. No entanto, apenas quatro músicas, devidamente conservadas aqui , fizeram realmente parte de filmes. Então sugeri que fosse feita uma edição com músicas que foram realmente apresentadas em películas de sucesso, a maior parte nacionais. Com o devido acolhimento da ideia, e com carta branca para sua elaboração,  consegui garimpar dezesseis fonogramas, alguns até raríssimos, extraídos das bolachas de cera velhas de guerra. Uma seleção que resultou inclusive de pesquisas em fontes diversas, particularmente o “Dicionário de filmes brasileiros – longa-metragem”, de Antônio Leão da Silva Neto (Editora Futuro Mundo, 2002). Isto posto,vamos às músicas.Para começar, temos o clássico “O ébrio”, canção de e com Vicente Celestino, “a voz orgulho do Brasil”, por ele gravada na Victor em 7 de agosto de 1936 e lançada em setembro do mesmo ano, disco 34091-A, matriz 80195. O filme viria dez anos depois, produzido pela Cinédia e dirigido pela esposa do cantor, Gilda de Abreu, com grande bilheteria (teria superado até mesmo “Tropa de elite2”, o recordista oficial de bilheteria do cinema brazuca).  Esta gravação é uma montagem que apresenta, primeiramente, o monólogo inicial, extraído da regravação que Celestino fez da música em 1957, e, em seguida, o registro original de 1936, junção esta feita para a coletânea “Sessenta anos de canção”, lançada após a morte do cantor, em 1968. Inezita Barroso, recentemente falecida, aqui comparece com “Maria do mar”, canção do maestro Guerra Peixe em parceria com o escritor José Mauro de Vasconcelos, autor de romances de sucesso como  “Vazante”, “Coração de vidro”, “Banana brava” e “O meu pé de laranja-lima”. Fez parte do filme “O canto do mar”, produção da Kino Filmes dirigida por Alberto Cavalcanti, e Inezita a gravou na RCA Victor em 4 de agosto de 1953,com lançamento em  outubro do mesmo ano, disco 80-1209-B, matriz BE3VB-0222. Temos, em seguida, a única composição de origem estrangeira inclusa nesta seleção. Trata-se de “Natal branco (White Christmas)”, fox de autoria de Irving Berlin, um dos maiores compositores dos EUA, e sucesso em todo o mundo. Seu intérprete mais constante foi o ator e cantor Bing Crosby, que a lançou em um show que fez para os pracinhas norte-americanos que serviam nas Filipinas, durante a Segunda Guerra Munidal. Bing também interpretou este clássico em dois filmes: “Duas semanas de prazer (Holiday inn)”, de 1942, e “Natal branco(White Christmas)”, de 1954. Com letra brasileira de Marino Pinto, foi levado a disco na RCA Victor por Nélson Gonçalves, ao lado do Trio de Ouro, então em sua terceira fase (Lourdinha Bittencourt, então esposa deNélson, Herivelto Martins e Raul Sampaio), no dia 25 de novembro de 1955, mas estranhamente só saiu em janeiro de 56, disco 80-1551-B, matriz BE5VB-0926. Houve uma versão anterior, assinada por Haroldo Barbosa, que Francisco Alves interpretava em programas de rádio, porém não gravada comercialmente. Na quarta faixa, o maior sucesso autoral do compositor pernambucano Nélson Ferreira:  o frevo-de-bloco “Evocação”, primeiro de uma série de sete com o mesmo título, homenageando grandes nomes do carnaval recifense do passado. A interpretação é do Bloco Batutas de São José,lançada pela recifense Mocambo em janeiro de 1957, no 78 rpm n.o 15142-B, matriz R-791, e no LP coletivo de 10 polegadas “Viva o frevo!”.  “Evocação” foi também sucesso no eixo Rio-São Paulo, em ritmo de marchinha, entrando na trilha sonora do filme “Uma certa Lucrécia”, de Fernando de Barros, estrelado por Dercy Gonçalves. Logo depois, outra gravação da Mocambo: é a balada-rock “Sereno”, lançada em 1958 no 78 rpm n.o 15233-A, matriz R-985, e incluída mais tarde no LP “Surpresa”. A música fez parte do filme “Minha sogra é da polícia”, uma comédia dirigida pelo mesmo autor da composição, Aloízio T. de Carvalho, e por sinal bastante cultuada pelos fãs de dois futuros astros da Jovem Guarda, Roberto & Erasmo Carlos, pois marcou a primeiríssima aparição de ambos no cinema.  “Sereno” também foi revivida, em 1976, na novela “Estúpido Cupido”, da TV Globo, cuja trilha sonora foi a de maior vendagem da história da gravadora Som Livre: mais de dois milhões e meio de cópias! Na sexta faixa, uma raridade absoluta: trata-se da toada “Céu sem luar”, do maestro Enrico Simonetti em parceria com o apresentador de rádio e televisão Randal Juliano. Quem a interpreta, com suporte orquestral do mestre Tom Jobim, é Dóris Monteiro, em gravação Continental de 6 de maio de 1955, lançada em outubro do mesmo ano, disco 17171-A, matriz C-3628. Dóris também a interpretou no filme “A carrocinha”, produção de Jaime Prades estrelada por Mazzaropi  sob a direção de Agostinho Martins Pereira, e na qual Dóris também contracenou com outro mestre, Adoniran Barbosa (seu pai, na trama).  Desse mesmo filme, agora com o próprio Mazzaropi, um dos mais queridos comediantes do cinema brazuca, até hoje lembrado com saudade, é nossa sétima faixa, o baião “Cai, sereno (Na rama da mandioquinha)”, baião de Elpídio “Conde” dos Santos (autor do clássico “Você vai gostar”).O eterno jeca registrou “Cai, sereno” na RCA Victor em 2 de agosto de 1955, e o lançamento se deu em outubro do mesmo ano, disco 80-1497-A, matriz BE5VB-0821. Temos também o lado B desse disco,matriz BE5VB-0822, também de Elpídio: a rancheira “Dona do salão”, interpretada por Mazza no filme “Fuzileiro do amor”, dirigido por Eurides Ramos, primeira das três películas que o comediante fez no Rio de Janeiro para a Cinedistri, de Oswaldo Massaini.  Ângela Maria, a querida Sapoti, nos apresenta o expressivo samba-canção “Vida de bailarina”, de Américo Seixas em parceria com o humorista Chocolate (Dorival Silva). Fez parte do filme “Rua sem sol”, da Brasil Vita Filmes, dirigido por Alex Viany, e a gravação em disco saiu pela Copacabana em  dezembro de 1953, sob n.o 5170-B,matriz M-642. Voltando bem mais longe no tempo, apresentamos “Estrela cadente”, valsa-canção de José Carlos Burle, que fez parte do filme “Sob a luz do meu bairro”, da Atlântida, dirigido por Moacyr Fenelon. Carlos Galhardo,seu intérprete na película, cujos negativos infelizmente se perderam em um incêndio, gravou a música na Victor em 12 de abril de 1946, com lançamento em julho do mesmo ano sob n.o 80-0421-B, matriz S-078474. O eterno Rei do Baião, Luiz Gonzaga, apresenta a animadíssima polca “Tô sobrando”, que fez em parceria com Hervê Cordovil, e gravou na RCA Victor em 26 de julho de 1951, com lançamento em outubro do mesmo ano, disco 80-0816-A,matriz S-092995. Gonzagão também a interpretou no filme “O comprador de fazendas”, da Cinematográfica  Maristela, estúdio paulistano que ficava no bairro do Jaçanã, baseado em conto de Monteiro Lobato e dirigido por Alberto Pieralisi, tendo no elenco Procópio Ferreira, Hélio Souto e Henriette Morineau, entre outros (o próprio Pieralisi dirigiu uma refilmagem inferior, em 1974).  O número musical de Luiz Gonzaga, por sinal, foi rodado após o término das filmagens, uma vez que ele sofrera grave acidente automobilístico e quebrara o braço. Outra raridade vem logo em seguida: o samba-exaltação “Parabéns, São Paulo”, de Rutinaldo Silva,em gravação lançada pela Continental em março de 1954 (ano em que a capital bandeirante comemorou seus quatrocentos anos de existência), disco 16912-B, matriz C-3287. Esse foi o número musical de encerramento do filme “O petróleo é nosso”, da Brasil Vita Filmes, dirigido por um especialista em chanchadas, Watson Macedo. O belo samba-canção “Onde estará meu amor?”, de autoria da compositora e instrumentista Lina Pesce (Magdalena Pesce Vitale), é outra absoluta raridade nesta seleção “cine-musical”. Interpretado por Agnaldo Rayol no filme “Chofer de praça”, o primeiro que Mazzaropi fez como produtor independente, sob a direção de Mílton Amaral, foi lançado em disco pela Copacabana em maio de 1958, no 78 rpm n.o  5891-A, matriz M-2181, entrando mais tarde no primeiro LP de Agnaldo, sem título (CLP-11061). Gravações  posteriores de Dolores Duran e Elizeth Cardoso, também pela Copacabana, reforçariam o êxito de “Onde estará meu amor?”.  Silvinha Chiozzo, irmã da acordeonista e também cantora e atriz Adelaide Chiozzo,  aqui comparece com duas músicas que interpretou no filme “Rico ri à toa”, primeiro trabalho do cineasta Roberto Farias, que mais tarde fez ”Assalto ao trem pagador” e a trilogia cinematográfica estrelada por Roberto Carlos (“Em ritmo de aventura”, “O diamante cor-de-rosa” e “A trezentos quilômetros por hora”), sendo depois diretor de especiais da TV Globo.  Saíram pela Copacabana em 1957, sob número 5795. Primeiro,o lado B, “Zé da Onça”, baião clássico de João do Valle, o acordeonista Abdias Filho (o famoso Abdias dos Oito Baixos) e Adrian Caldeira, matriz M-1990, que Silvinha canta em dueto com Zé Gonzaga, irmão de Luiz Gonzaga. Vem depois o lado A, matriz M-1965, “É samba”, que Silvinha canta solo, concebido por Vicente Paiva, Luiz Iglésias e Walter Pinto, os três ligados ao teatro de revista. Para terminar, um verdadeiro clássico interpretado pelo grande Cauby Peixoto: o samba-canção “Nono mandamento”, de Renê Bittencourt e Raul Sampaio, e que fez parte do filme “De pernas pro ar”, co-produção Herbert Richers-Cinedistri,  dirigida por Victor Lima. Cauby imortalizou este sucesso inesquecível na RCA Victor em 20 de dezembro de 1957,com lançamento em abril de 58 no 78 rpm n.o 80-1928-A, matriz 13-H2PB-0311. Um fecho realmente de ouro para a seleção desta quinzena do GRB, que por certo irá proporcionar grandes momentos de recordação e entretenimento a vocês  que tanto prestigiam o TM. Quero expressar inclusive meus mais sinceros agradecimentos aos colecionadores Gilberto Inácio Gonçalves e Miguel Ângelo de Azevedo (Nirez)  pela colaboração, enviando-me alguns dos preciosos fonogramas que compõem esta edição. E agora, luz, câmera, ação… e música!

*Texto e seleção musical de Samuel Machado Filho

Charlie Byrd – Latin Byrd (1973)

A quem possa interessar… (e vai interessar) Trago para hoje um álbum refinado, disco importado lançado pelo selo americando Milestone em 1973. Trata-se do grande violonista/guitarrista, também americano, Charlie Byrd, numa seleção de gravações que podemos considerar histórias, pois aqui estão as primeiras investidas do instrumentista na música brasileira, em gravações feitas no inicio dos anos 60. Byrd foi um dos primeiros músicos americanos a flertar com  a Bossa Nova, contribuindo para a adoção e simpatia ianque pelo então novo gênero musical da época, Neste lp duplo iremos encontrar alguns dos maiores clássicos da BN e também temas de autoria de Byrd e de outros, inspirados no ‘brazilian style’. Uma curiosidade que me chamou a atenção é esta capa, muito bizarra, não acham? Parece que todos estão empalhados, inclusive o Charlie Byrd. Muito estranha… Outro fato curioso é o nome das músicas todas em português (com alguns errinhos), inclusive as que não são de autoria de brasileiros. Isso sim é que é querer se aproximar ao máximo da brasilidade.
Eu, geralmente evito de ficar postando discos estrangeiros, principalmente os americanos, pois sei que o que eles produzem lá nunca é de graça e este álbum, certamente, nunca ficou fora de catálogo. Mesmo assim, o negócio rola é por lá. Por aqui a gente tem que esperar, pagar mais caro e para conhecer e até comprar, precisamos desse deguste compartilhado. Corre, pois é por tempo limitado!

meditação
samba de uma nota só
yvone
você e eu
coisa mais linda
o barquinho
desafinado
samba triste
carnaval
ô ba la la
ela me deixou (she has gone)
o pássaro (the byrd)
outra vez
presente de natal (birthday present)
insensatez
three note samba
samba da minha terra
limehouse blues
saudade da bahia
anna
sossegadamente (softly)
chega de saudade
canção de ninar para carol (lullaby for carol)
.

Leo Belico – Canta Brasil En La Voz De Leo Belico (1958)

A quem possa interessar… Aos amigos cultos e ocultos, tenho aqui um álbum dos mais interessantes. Disco importado, da Argentina, apresentando um artista brasileiro que foi sucesso por lá nos anos 50, Léo Belico, um nome que por aqui poucos se lembrarão, mas ainda hoje pela Argentina a fora é um artista cultuado. Curiosa a história e trajetória deste cantor que era mineiro, da cidade de Piedade de Ponte Nova. Veio para Belo Horizonte onde foi cantor na Rádio Guarani e também ‘crooner’ em orquestras da cidade. Num passeio a Bueno Aires no início dos anos 50, de uma semana, acabou ficando vários anos. Se transformou em um astro da música naquele país cantando exclusivamente musica brasileira. Era muito prestigiado, inclusive pela Primeira Dama Eva Peron… Mas, numa saudade repentina acabou voltando ao Brasil. Atuou em rádios ao lado de outros grandes cantores da época, Gravou algumas coisas para a Odeon, mas não chegou a lançar nada por aqui. Na Argentina foi que ele gravou vários discos, em 78, 45 e 33 rotações, bolachas essas que nunca chegaram ao Brasil. Leo Belico gravou na Argentina cantando exclusivamente em português e seu repertório foi sempre músicas de qualidade do nosso cancioneiro popular. Talvez, por isso mesmo, sendo autêntico em suas escolhas musicais, que ele conseguiu conquistar o carinho dos nossos ‘hermanos’.
Leo Belico faleceu este ano, em Belo Horizonte e como tantos outros artistas de seu tempo, morreu esquecido. Em seu velório haviam pouco mais de 20 pessoas, apenas parentes e amigos próximos. Leo Belico era tio da atriz mineira, Dayse Belico.
Desde a morte do cantor eu pensava em prestar uma homenagem, reunindo algumas poucas gravações que eu consegui. Por sorte a amiga e colecionadora argentina, Cristina Baez, tinha uma série de gravações de Leo Belico e me enviou. Eu já estava para montar a coletânea, daí apareceu este lp que achei na Feira do Vinil. Comprei no ato e agora compartilho ele aqui com vocês. álbum de 33 rpm que reúne músicas lançadas anteriormente em 78 e 45 rpm. Para quem não conhece este artista argentino de Belo Horizonte, eis aqui uma boa oportunidade. Confiram

faustina
esta noite serenô
sassaricando
dona do mundo
eu vou até de manhã
passarinho na gaiola
vingança
ana maria
me deixe em paz
peixe vivo
adeus america
canção do vaqueiro
o delegado quis prender o antonio
baião de copacabana

Ely Camargo – Gralha Azul (1965-88)

A quem possa interessar… (e com certeza vai), tenho para o dia de hoje este belíssimo trabalho, lançado originalmente em 1965 pela gravadora Chantecler. Trata-se de um raro lp com a cantora e folclorista goiana Ely Camargo e participação do grupo vocal Os Titulares do Ritmo, apresentado temas folclóricos do Estado do Paraná. A gralha azul é um pássaro, símbolo deste Estado.
Em 1988 este álbum foi reeditado através da Secretaria de Estado da Cultura do Paraná, recebendo um novo tratamento de áudio e desta vez apresentado em alto estilo num álbum de capa dupla e oito páginas com todas as informações sobre o trabalho. Foi produzido em edição limitada e não comercial. O lp original nunca voltou a ser relançado, infelizmente. Mas a versão digital está aqui, no Toque Musical. Confiram no GTM, ok?

gralha azul
lajeana
tiraninha
sabiá
cana verde
jogos infantis – cirandas
barreado
pau de fita
balainha
cena do boi
cena do cavalinho
cena do barão
cena da bernunça
cuá fubá
.

Bibi Ferreira – Gota D’Água (1977)

A quem possa interessar… Tenho para hoje este disco dos mais interessante, trechos da peça “Gota D’Água”, de Chico Buarque e Paulo Pontes, baseado em “Medéia”, de Oduvaldo Vianna Filho, na magistral interpretação da grande dama do teatro, Bibi Ferreira. Um trabalho dirigido por Aloysio de Oliveira, com arranjos musicais de Dori Caymmi. A peça estreou em 1975 sob os olhos da censura que só permitiu a apresentação do trabalho com alguns cortes. Mesmo assim foi um sucesso. O drama adaptado fala de questões sociais e o pano de fundo é a favela, o morro carioca.

flor da idade
entrada de joana
monologo do povo
bemquere
desabafo de joana
joana e as vizinhas
gota d’agua
joana promete
basta um dia
ritual
veneno
morte
.

Os Velhinhos Transviados – Tropicalíssimos (1968)

A quem possa interessar, amigos cultos e ocultos… Temos aqui um dos grandes grupos instrumentais dos anos 60, Os Velhinhos Transviados, criado no início dessa década pelo multi-instrumentista José Menezes, figura das mais importantes no cenário fono musical brasileiro. Zé Menezes, como era mais conhecido, durante os anos 60 foi maestro e arranjador da RCA Victor, o que, de uma certa forma lhe garantiu lançar diversos discos sobre o título de “Os Velhinhos Transviados”. Segundo o próprio artista, o grupo foi formado de forma despretensiosa, quase parodiando o que era lançado naquela época, nacional e internacionalmente. Passaram a gravar músicas antigas em estilo moderno e musicas modernas em estilo antigo. Uma brincadeira que deu certo, levando os Velhinhos Transviados a lançarem ao longo desse tempo mais de uma dezena de discos.
Neste álbum, de 68 o tema foi o tropicalismo. Palavra na época muito em voga por conta do movimento musical Tropicalista, que tinha em suas fileiras figuras como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Rogério Duprat, Tom Zé e outros… Mas no caso dos Velhinhos, o tropicalismo vai mais além deste sentido. Embora, logo de entrada, tenhamos a música “Soy loüco por ti América”, de Gil e Capinan, as demais faixas, nacionais e internacionais, que fazem parte do disco, nada tem a ver com isso. De tropical só ficou o embalo. Mesmo assim, este é um disco que vale cada faixa, Confiram!

soy louco por ti america
el maniser
de babado
boogie woogie na favela
nega do cabelo duro
anjo azul
quando
the ballad of bonnie and clyde
triste madrugada
cai cai
um coração
malaysha
suck em up
pata pata
esta tarde vi llover
l’amour est bleu
amor de carnaval
voltei
bonnie and clyde
san francisco
está chegando a hora
.

Odair José – Odair (1975)

A quem possa interessar… Tenho aqui um disco do ‘ultrautênticoromantico’, Odair José em disco lançado pelo selo Polydor em 1975. Se eu disser que até então eu nunca tinha ouvido este disco, muitos não irão acreditar. O certo é que já passou muitas vezes na minha mão, mas por algum motivo, nunca caiu no meu prato. Contudo, é um álbum que chama a atenção. Uma capa diferente. Diferente demais, que faz a gente pensar o que será que esse cabra andou gravando. Isso nos dias de hoje, para mim, fica ainda mais evidente e me levou agora a explorá-lo com mais atenção.Sinceramente, eu esperava algo novo, que quebrasse o pragmatismo musical do cantor. Até porque, sei que em outros discos ele tentou fazer isso. Inclusive, parece que o Odair José está com um disco novo na praça. E pelo pouco que li, o cara tá fazendo um som diferente. Preciso ouvir!
Já este disco, cujo o título é apenas “Odair” (inclusive no selo), a música  que posso destacar é “Na minha opinião”, que me lembro, tocava muito nas rádios. Acho que preciso descobrir melhor o Odair José. Quem sabe a gente posta outros discos dele aqui? Eu, realmente, não tenho quase nada de sua discografia

dê um chega na tristeza
foi bom você aparecer
viagem
maluco e teimoso
amigo
eu pago tudo
volte pra mim
ela voltou diferente
cotidiano 1975
de tanta vergonha
medo
na minha opinião
.

Albertinho Fortuna – Seleção 78 RPM do Toque Musical Vol. 136 (2015)

Nesta quinzena, o Grand Record Brazil, em sua edição de número 136, focaliza um grande nome da música popular e do rádio no Brasil: Albertinho Fortuna.
Batizado com o nome de Alberto Fortuna Vieira de Azevedo,  o cantor nasceu em Portugal, mais precisamente em Vila Nova de Gaia, no dia 28 de outubro de 1922. Ele e sua família mudaram-se  para Niterói, litoral do Rio de Janeiro, quando Albertinho estava  com apenas seis meses de nascido. Residiam no bairro de Santa Rosa, e o futuro astro estudava no Colégio  Salesiano, destacando-se no coro da instituição de ensino. Aos oito anos, convidado por um amigo da família, foi cantar na Rádio Mayrink Veiga.  Agradou tanto ao público que retornaria várias vezes à emissora, já pedindo um cachê de dez mil-réis. Albertinho prosseguiu seus estudos no Instituto de Humanidades, cujo diretor era o jornalista e compositor Gomes Filho. Ele também dirigia a Rádio Sociedade de Niterói, que estava inaugurando, e Albertinho acabaria sendo,  em 1936, um dos pioneiros dessa estação. Ainda nesse ano, Zezé Fonseca providenciou seu retorno à Mayrink Veiga, solicitando ao seu então diretor artístico, César Ladeira, que o testasse. Albertinho foi devidamente aprovado e contratado pela Mayrink, por um salário mensal de quatrocentos mil-réis, além de receber, também de Ladeira, o slogan de “O garoto que vale ouro”. Estava então na plenitude de seus treze anos de idade, e apresentou-se várias vezes ao lado da maior estrela da Mayrink nesse tempo:  nada mais nada menos que Cármen Miranda!
Albertinho parou de cantar em virtude da mudança de voz, inevitável com o avanço da idade, e após dois anos inativo,  em 1938, retornaria à cena, agora na PRG-2, Rádio Tupi, “o cacique do ar”. Depois de uma temporada na mesma, transferiu-se para a Rádio Educadora do Brasil, a convite de Saint-Clair Lopes e Luiz Vassalo. Em 1940, ingressa na lendária PRE-8, Rádio Nacional, e três anos mais tarde passa a integrar, ao lado de Nuno Roland e Paulo Tapajós, o Trio Melodia, criado para apoio do superprograma “Um milhão de melodias”. Dada sua impressionante qualidade, o trio fez inúmeras gravações em disco, inclusive acompanhando inúmeros cantores famosos de sua época. As carreiras individuais de seus integrantes, paralelamente, prosseguiam sem qualquer problema.  Albertinho fez sua primeira gravação como solista em 1944, na Victor, ao lado das Três Marias, interpretando o samba clássico “Ai, que saudades da Amélia”, de Ataulfo Alves e Mário Lago. No ano seguinte, faz nova gravação, agora pela Continental, interpretando a valsa “Meu coração te fala” de Pedro Raimundo,que também o acompanhou ao acordeom e numa declamação. Foi um sucesso! De volta à Victor, obtém êxito no carnaval de 1947 com “Marcha dos gafanhotos”, incluída nesta edição. Entre 1948 e 1951 gravou na Star, futura Copacabana, fixando-se de vez na Continental em 1952.
Albertinho Fortuna tem sua trajetória na MPB marcada pelo repertório de cunho romântico, em especial versões de tangos, que cantava como ninguém. Tanto é assim que, por vários anos, os tangos gravados por Albertinho seriam bastante executados nos programas de rádio das madrugadas,por todo o Brasil.
Albertinho Fortuna morreu em sua cidade adotiva, Niterói, no dia primeiro de julho de 1995, aos 72 anos. Nesta edição do GRB, uma pequena-grande amostra de sua arte e de seu trabalho musical, em doze gravações. Abrindo a seleção desta quinzena, temos “Abraça-me”, bolero de Almeida Rego e Antônio Correia, originalmentre lançado por Anísio Silva,em 1962, e que Albertinho incluiu no LP “Prelúdio…”, de 1963, pela Continental. Em seguida,o tango clássico “Cristal”, de Marianito Mores e José Maria Contursi, em versão de Haroldo Barbosa. A música surgiu em 1944, e suas primeiras gravações argentinas foram feitas pelas orquestras típicas de Anibal Troilo, Oswaldo Fresedo e Francisco Canaro. Vencedora do concurso de tangos “Mejoral”, da Rádio Belgrano de Buenos Aires, “Cristal” teve sua primeira gravação em português por Francisco Alves, em 1945. O registro de Albertinho Fortuna é do LP de 10 polegadas “Tangos inesquecíveis”, lançado pela Continental em 1957. Desse mesmo LP é a faixa seguinte, “Garoa”, versão de Lourival Marques para “Garua”, de Anibal Troilo e Enrique Cadícamo, que a Continental lançaria também em 78 rpm, em janeiro-fevereiro de 1958, sob número 17523-B, matriz C-4078. “Lua do rio” é a versão brasileira do clássico romântico”Moon river”,  balada composta por Henry Mancini para o filme “Bonequinha de luxo  (Breakfast at Tiffany’s)”, produzido pela Paramount em 1961 e nele interpretada por sua atriz principal, Audrey Hepburn.  Abrasileirada pelo grande João “Braguinha” de Barro, foi gravada por Albertinho Fortuna em 1963, na Continental, disco 78-227-A, sendo também faixa do LP “Prelúdio…”.  “Mano a mano”, tango clássico de Carlos Gardel, José Razzano e Celedonio Flores, ganhou letra brasileira de Giuseppe Ghiaroni, que Albertinho interpreta ao lado do Trio Madrigal e de seus companheiros no Trio Melodia, com suporte orquestral de Radamés “Vero” Gnattali. A gravação saiu pela Continental  em maio-junho de 1952, sob número 16582-B, matriz C-2866. Da parceria Carlos Gardel-Alfredo Le Pera é  “Morro abaixo (Cuesta abajo)”, que Gardel interpretou num filme também chamado “Cuesta abajo”, subintitulado no Brasil “O amor obriga”. É outra versão de Ghiaroni, gravada na Continental por Albertinho Fortuna em 18 de junho de 1954, com lançamento em julho seguinte sob n.o 16996-B,matriz C-3405. Mostrando que tangos eram mesmo o seu forte, Albertinho também brilha em “Percal”, de Homero Expósito e Domingo Federico, em versão de Haroldo Barbosa. Sua primeira gravação argentina deu-se em 1943, pela típica de Anibal Troilo, com vocal de Francisco Fiorentino. A versão brasileira foi gravada pela primeira vez por Francisco Alves,em 1944, e o registro de Albertinho saiu pela Continental em maio-junho de 1958 no 78 rpm n.o 17557-A, matriz C-4091, sendo também faixa de abertura do LP de 10 polegadas “Tangos inesquecíveis”. Desse LP também consta “Uno”, outra versão de Haroldo Barbosa, subintitulada “Rosa vermelha”, para mais um clássico da parceria Marianito Mores-Enrique Santos Discépolo. Anibal Troilo, com sua típica, e estribilho de Alberto Marino, lançou “Uno” em 1943, e um ano dpeois, Francisco Alves fez a primeira gravação desta versão. O registro de Albertinho, claro, também saiu em 78 rpm pela Continental, em janeiro-fevereiro de 1958, sob n.o 17523-A, matriz C-4077. Em seguida mais um clássico da parceria Carlos Gardel-Alfredo Le Pera, com letra brasileira de Ghiaroni, “Voltar (Volver)”, gravada por Albertinho para o LP de 10 polegadas “Meus velhos tangos” (Continental, 1955).  “Caminito”,de Juan de Diós Filiberto e Gabino Coría Peñaloza,  abre esse mesmo LP, também em versão de Ghiaroni. A Continental, claro, também disponibilizaria a gravação em 78 rpm, sob número 17356-A, em novembro-dezembro de 1956, matriz C-3893. “Gira, gira (Yira, yira)”, de Discépolo sem parceiro, em outra versão de Ghiaroni, também está no LP de 10 polegadas “Meus velhos tangos”, e, em 78 rpm, é o lado B de “Caminito”, matriz C-3894. Para finalizar, um dos primeiros hits de Albertinho  Fortuna:  a “Marcha dos gafanhotos”, de Eratóstenes Frazão e Roberto Martins, uma das campeãs do carnaval de 1947. Foi imortalizada por Albertinho na Victor em 22 de outubro de 46, com lançamento um mês antes da folia, em janeiro,disco 80-0489-A,matriz S-078631. Um fecho realmente de ouro para esta retrospectiva do GRB, prestando justa homenagem ao eterno Albertinho Fortuna!
Texto de Samuel Machado Filho

 

Fogo Cruzado & Manoel Messias – Show De Repentistas (1978)

A quem interessar… Segue, de repente, um disco de repente. Um show de repentistas com a dupla Fogo Cruzado & Manoel Messias. Na capa trocaram o Fogo Cruzado por Fogo Cerrado. Coisas que acontecem e só se percebe o erro depois de feito. Procurando rapidamente informações sobre a dupla, através do Google, não encontrei nada além de anúncios de venda do disco no Mercado Livre, por sinal, com um preço muito convidativo. Quem gosta da música nordestina, com certeza vai gostar também deste trabalho. Confiram..

sextilhas
quadrão em oito e dez
martelo agalopado
galope a beira mar
sertão de boi e vaqueiro – dez pés lá vai
.