Charlie Byrd – Latin Byrd (1973)

A quem possa interessar… (e vai interessar) Trago para hoje um álbum refinado, disco importado lançado pelo selo americando Milestone em 1973. Trata-se do grande violonista/guitarrista, também americano, Charlie Byrd, numa seleção de gravações que podemos considerar histórias, pois aqui estão as primeiras investidas do instrumentista na música brasileira, em gravações feitas no inicio dos anos 60. Byrd foi um dos primeiros músicos americanos a flertar com  a Bossa Nova, contribuindo para a adoção e simpatia ianque pelo então novo gênero musical da época, Neste lp duplo iremos encontrar alguns dos maiores clássicos da BN e também temas de autoria de Byrd e de outros, inspirados no ‘brazilian style’. Uma curiosidade que me chamou a atenção é esta capa, muito bizarra, não acham? Parece que todos estão empalhados, inclusive o Charlie Byrd. Muito estranha… Outro fato curioso é o nome das músicas todas em português (com alguns errinhos), inclusive as que não são de autoria de brasileiros. Isso sim é que é querer se aproximar ao máximo da brasilidade.
Eu, geralmente evito de ficar postando discos estrangeiros, principalmente os americanos, pois sei que o que eles produzem lá nunca é de graça e este álbum, certamente, nunca ficou fora de catálogo. Mesmo assim, o negócio rola é por lá. Por aqui a gente tem que esperar, pagar mais caro e para conhecer e até comprar, precisamos desse deguste compartilhado. Corre, pois é por tempo limitado!

meditação
samba de uma nota só
yvone
você e eu
coisa mais linda
o barquinho
desafinado
samba triste
carnaval
ô ba la la
ela me deixou (she has gone)
o pássaro (the byrd)
outra vez
presente de natal (birthday present)
insensatez
three note samba
samba da minha terra
limehouse blues
saudade da bahia
anna
sossegadamente (softly)
chega de saudade
canção de ninar para carol (lullaby for carol)
.

Leo Belico – Canta Brasil En La Voz De Leo Belico (1958)

A quem possa interessar… Aos amigos cultos e ocultos, tenho aqui um álbum dos mais interessantes. Disco importado, da Argentina, apresentando um artista brasileiro que foi sucesso por lá nos anos 50, Léo Belico, um nome que por aqui poucos se lembrarão, mas ainda hoje pela Argentina a fora é um artista cultuado. Curiosa a história e trajetória deste cantor que era mineiro, da cidade de Piedade de Ponte Nova. Veio para Belo Horizonte onde foi cantor na Rádio Guarani e também ‘crooner’ em orquestras da cidade. Num passeio a Bueno Aires no início dos anos 50, de uma semana, acabou ficando vários anos. Se transformou em um astro da música naquele país cantando exclusivamente musica brasileira. Era muito prestigiado, inclusive pela Primeira Dama Eva Peron… Mas, numa saudade repentina acabou voltando ao Brasil. Atuou em rádios ao lado de outros grandes cantores da época, Gravou algumas coisas para a Odeon, mas não chegou a lançar nada por aqui. Na Argentina foi que ele gravou vários discos, em 78, 45 e 33 rotações, bolachas essas que nunca chegaram ao Brasil. Leo Belico gravou na Argentina cantando exclusivamente em português e seu repertório foi sempre músicas de qualidade do nosso cancioneiro popular. Talvez, por isso mesmo, sendo autêntico em suas escolhas musicais, que ele conseguiu conquistar o carinho dos nossos ‘hermanos’.
Leo Belico faleceu este ano, em Belo Horizonte e como tantos outros artistas de seu tempo, morreu esquecido. Em seu velório haviam pouco mais de 20 pessoas, apenas parentes e amigos próximos. Leo Belico era tio da atriz mineira, Dayse Belico.
Desde a morte do cantor eu pensava em prestar uma homenagem, reunindo algumas poucas gravações que eu consegui. Por sorte a amiga e colecionadora argentina, Cristina Baez, tinha uma série de gravações de Leo Belico e me enviou. Eu já estava para montar a coletânea, daí apareceu este lp que achei na Feira do Vinil. Comprei no ato e agora compartilho ele aqui com vocês. álbum de 33 rpm que reúne músicas lançadas anteriormente em 78 e 45 rpm. Para quem não conhece este artista argentino de Belo Horizonte, eis aqui uma boa oportunidade. Confiram

faustina
esta noite serenô
sassaricando
dona do mundo
eu vou até de manhã
passarinho na gaiola
vingança
ana maria
me deixe em paz
peixe vivo
adeus america
canção do vaqueiro
o delegado quis prender o antonio
baião de copacabana

Ely Camargo – Gralha Azul (1965-88)

A quem possa interessar… (e com certeza vai), tenho para o dia de hoje este belíssimo trabalho, lançado originalmente em 1965 pela gravadora Chantecler. Trata-se de um raro lp com a cantora e folclorista goiana Ely Camargo e participação do grupo vocal Os Titulares do Ritmo, apresentado temas folclóricos do Estado do Paraná. A gralha azul é um pássaro, símbolo deste Estado.
Em 1988 este álbum foi reeditado através da Secretaria de Estado da Cultura do Paraná, recebendo um novo tratamento de áudio e desta vez apresentado em alto estilo num álbum de capa dupla e oito páginas com todas as informações sobre o trabalho. Foi produzido em edição limitada e não comercial. O lp original nunca voltou a ser relançado, infelizmente. Mas a versão digital está aqui, no Toque Musical. Confiram no GTM, ok?

gralha azul
lajeana
tiraninha
sabiá
cana verde
jogos infantis – cirandas
barreado
pau de fita
balainha
cena do boi
cena do cavalinho
cena do barão
cena da bernunça
cuá fubá
.

Bibi Ferreira – Gota D’Água (1977)

A quem possa interessar… Tenho para hoje este disco dos mais interessante, trechos da peça “Gota D’Água”, de Chico Buarque e Paulo Pontes, baseado em “Medéia”, de Oduvaldo Vianna Filho, na magistral interpretação da grande dama do teatro, Bibi Ferreira. Um trabalho dirigido por Aloysio de Oliveira, com arranjos musicais de Dori Caymmi. A peça estreou em 1975 sob os olhos da censura que só permitiu a apresentação do trabalho com alguns cortes. Mesmo assim foi um sucesso. O drama adaptado fala de questões sociais e o pano de fundo é a favela, o morro carioca.

flor da idade
entrada de joana
monologo do povo
bemquere
desabafo de joana
joana e as vizinhas
gota d’agua
joana promete
basta um dia
ritual
veneno
morte
.

Os Velhinhos Transviados – Tropicalíssimos (1968)

A quem possa interessar, amigos cultos e ocultos… Temos aqui um dos grandes grupos instrumentais dos anos 60, Os Velhinhos Transviados, criado no início dessa década pelo multi-instrumentista José Menezes, figura das mais importantes no cenário fono musical brasileiro. Zé Menezes, como era mais conhecido, durante os anos 60 foi maestro e arranjador da RCA Victor, o que, de uma certa forma lhe garantiu lançar diversos discos sobre o título de “Os Velhinhos Transviados”. Segundo o próprio artista, o grupo foi formado de forma despretensiosa, quase parodiando o que era lançado naquela época, nacional e internacionalmente. Passaram a gravar músicas antigas em estilo moderno e musicas modernas em estilo antigo. Uma brincadeira que deu certo, levando os Velhinhos Transviados a lançarem ao longo desse tempo mais de uma dezena de discos.
Neste álbum, de 68 o tema foi o tropicalismo. Palavra na época muito em voga por conta do movimento musical Tropicalista, que tinha em suas fileiras figuras como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Rogério Duprat, Tom Zé e outros… Mas no caso dos Velhinhos, o tropicalismo vai mais além deste sentido. Embora, logo de entrada, tenhamos a música “Soy loüco por ti América”, de Gil e Capinan, as demais faixas, nacionais e internacionais, que fazem parte do disco, nada tem a ver com isso. De tropical só ficou o embalo. Mesmo assim, este é um disco que vale cada faixa, Confiram!

soy louco por ti america
el maniser
de babado
boogie woogie na favela
nega do cabelo duro
anjo azul
quando
the ballad of bonnie and clyde
triste madrugada
cai cai
um coração
malaysha
suck em up
pata pata
esta tarde vi llover
l’amour est bleu
amor de carnaval
voltei
bonnie and clyde
san francisco
está chegando a hora
.

Odair José – Odair (1975)

A quem possa interessar… Tenho aqui um disco do ‘ultrautênticoromantico’, Odair José em disco lançado pelo selo Polydor em 1975. Se eu disser que até então eu nunca tinha ouvido este disco, muitos não irão acreditar. O certo é que já passou muitas vezes na minha mão, mas por algum motivo, nunca caiu no meu prato. Contudo, é um álbum que chama a atenção. Uma capa diferente. Diferente demais, que faz a gente pensar o que será que esse cabra andou gravando. Isso nos dias de hoje, para mim, fica ainda mais evidente e me levou agora a explorá-lo com mais atenção.Sinceramente, eu esperava algo novo, que quebrasse o pragmatismo musical do cantor. Até porque, sei que em outros discos ele tentou fazer isso. Inclusive, parece que o Odair José está com um disco novo na praça. E pelo pouco que li, o cara tá fazendo um som diferente. Preciso ouvir!
Já este disco, cujo o título é apenas “Odair” (inclusive no selo), a música  que posso destacar é “Na minha opinião”, que me lembro, tocava muito nas rádios. Acho que preciso descobrir melhor o Odair José. Quem sabe a gente posta outros discos dele aqui? Eu, realmente, não tenho quase nada de sua discografia

dê um chega na tristeza
foi bom você aparecer
viagem
maluco e teimoso
amigo
eu pago tudo
volte pra mim
ela voltou diferente
cotidiano 1975
de tanta vergonha
medo
na minha opinião
.

Albertinho Fortuna – Seleção 78 RPM do Toque Musical Vol. 136 (2015)

Nesta quinzena, o Grand Record Brazil, em sua edição de número 136, focaliza um grande nome da música popular e do rádio no Brasil: Albertinho Fortuna.
Batizado com o nome de Alberto Fortuna Vieira de Azevedo,  o cantor nasceu em Portugal, mais precisamente em Vila Nova de Gaia, no dia 28 de outubro de 1922. Ele e sua família mudaram-se  para Niterói, litoral do Rio de Janeiro, quando Albertinho estava  com apenas seis meses de nascido. Residiam no bairro de Santa Rosa, e o futuro astro estudava no Colégio  Salesiano, destacando-se no coro da instituição de ensino. Aos oito anos, convidado por um amigo da família, foi cantar na Rádio Mayrink Veiga.  Agradou tanto ao público que retornaria várias vezes à emissora, já pedindo um cachê de dez mil-réis. Albertinho prosseguiu seus estudos no Instituto de Humanidades, cujo diretor era o jornalista e compositor Gomes Filho. Ele também dirigia a Rádio Sociedade de Niterói, que estava inaugurando, e Albertinho acabaria sendo,  em 1936, um dos pioneiros dessa estação. Ainda nesse ano, Zezé Fonseca providenciou seu retorno à Mayrink Veiga, solicitando ao seu então diretor artístico, César Ladeira, que o testasse. Albertinho foi devidamente aprovado e contratado pela Mayrink, por um salário mensal de quatrocentos mil-réis, além de receber, também de Ladeira, o slogan de “O garoto que vale ouro”. Estava então na plenitude de seus treze anos de idade, e apresentou-se várias vezes ao lado da maior estrela da Mayrink nesse tempo:  nada mais nada menos que Cármen Miranda!
Albertinho parou de cantar em virtude da mudança de voz, inevitável com o avanço da idade, e após dois anos inativo,  em 1938, retornaria à cena, agora na PRG-2, Rádio Tupi, “o cacique do ar”. Depois de uma temporada na mesma, transferiu-se para a Rádio Educadora do Brasil, a convite de Saint-Clair Lopes e Luiz Vassalo. Em 1940, ingressa na lendária PRE-8, Rádio Nacional, e três anos mais tarde passa a integrar, ao lado de Nuno Roland e Paulo Tapajós, o Trio Melodia, criado para apoio do superprograma “Um milhão de melodias”. Dada sua impressionante qualidade, o trio fez inúmeras gravações em disco, inclusive acompanhando inúmeros cantores famosos de sua época. As carreiras individuais de seus integrantes, paralelamente, prosseguiam sem qualquer problema.  Albertinho fez sua primeira gravação como solista em 1944, na Victor, ao lado das Três Marias, interpretando o samba clássico “Ai, que saudades da Amélia”, de Ataulfo Alves e Mário Lago. No ano seguinte, faz nova gravação, agora pela Continental, interpretando a valsa “Meu coração te fala” de Pedro Raimundo,que também o acompanhou ao acordeom e numa declamação. Foi um sucesso! De volta à Victor, obtém êxito no carnaval de 1947 com “Marcha dos gafanhotos”, incluída nesta edição. Entre 1948 e 1951 gravou na Star, futura Copacabana, fixando-se de vez na Continental em 1952.
Albertinho Fortuna tem sua trajetória na MPB marcada pelo repertório de cunho romântico, em especial versões de tangos, que cantava como ninguém. Tanto é assim que, por vários anos, os tangos gravados por Albertinho seriam bastante executados nos programas de rádio das madrugadas,por todo o Brasil.
Albertinho Fortuna morreu em sua cidade adotiva, Niterói, no dia primeiro de julho de 1995, aos 72 anos. Nesta edição do GRB, uma pequena-grande amostra de sua arte e de seu trabalho musical, em doze gravações. Abrindo a seleção desta quinzena, temos “Abraça-me”, bolero de Almeida Rego e Antônio Correia, originalmentre lançado por Anísio Silva,em 1962, e que Albertinho incluiu no LP “Prelúdio…”, de 1963, pela Continental. Em seguida,o tango clássico “Cristal”, de Marianito Mores e José Maria Contursi, em versão de Haroldo Barbosa. A música surgiu em 1944, e suas primeiras gravações argentinas foram feitas pelas orquestras típicas de Anibal Troilo, Oswaldo Fresedo e Francisco Canaro. Vencedora do concurso de tangos “Mejoral”, da Rádio Belgrano de Buenos Aires, “Cristal” teve sua primeira gravação em português por Francisco Alves, em 1945. O registro de Albertinho Fortuna é do LP de 10 polegadas “Tangos inesquecíveis”, lançado pela Continental em 1957. Desse mesmo LP é a faixa seguinte, “Garoa”, versão de Lourival Marques para “Garua”, de Anibal Troilo e Enrique Cadícamo, que a Continental lançaria também em 78 rpm, em janeiro-fevereiro de 1958, sob número 17523-B, matriz C-4078. “Lua do rio” é a versão brasileira do clássico romântico”Moon river”,  balada composta por Henry Mancini para o filme “Bonequinha de luxo  (Breakfast at Tiffany’s)”, produzido pela Paramount em 1961 e nele interpretada por sua atriz principal, Audrey Hepburn.  Abrasileirada pelo grande João “Braguinha” de Barro, foi gravada por Albertinho Fortuna em 1963, na Continental, disco 78-227-A, sendo também faixa do LP “Prelúdio…”.  “Mano a mano”, tango clássico de Carlos Gardel, José Razzano e Celedonio Flores, ganhou letra brasileira de Giuseppe Ghiaroni, que Albertinho interpreta ao lado do Trio Madrigal e de seus companheiros no Trio Melodia, com suporte orquestral de Radamés “Vero” Gnattali. A gravação saiu pela Continental  em maio-junho de 1952, sob número 16582-B, matriz C-2866. Da parceria Carlos Gardel-Alfredo Le Pera é  “Morro abaixo (Cuesta abajo)”, que Gardel interpretou num filme também chamado “Cuesta abajo”, subintitulado no Brasil “O amor obriga”. É outra versão de Ghiaroni, gravada na Continental por Albertinho Fortuna em 18 de junho de 1954, com lançamento em julho seguinte sob n.o 16996-B,matriz C-3405. Mostrando que tangos eram mesmo o seu forte, Albertinho também brilha em “Percal”, de Homero Expósito e Domingo Federico, em versão de Haroldo Barbosa. Sua primeira gravação argentina deu-se em 1943, pela típica de Anibal Troilo, com vocal de Francisco Fiorentino. A versão brasileira foi gravada pela primeira vez por Francisco Alves,em 1944, e o registro de Albertinho saiu pela Continental em maio-junho de 1958 no 78 rpm n.o 17557-A, matriz C-4091, sendo também faixa de abertura do LP de 10 polegadas “Tangos inesquecíveis”. Desse LP também consta “Uno”, outra versão de Haroldo Barbosa, subintitulada “Rosa vermelha”, para mais um clássico da parceria Marianito Mores-Enrique Santos Discépolo. Anibal Troilo, com sua típica, e estribilho de Alberto Marino, lançou “Uno” em 1943, e um ano dpeois, Francisco Alves fez a primeira gravação desta versão. O registro de Albertinho, claro, também saiu em 78 rpm pela Continental, em janeiro-fevereiro de 1958, sob n.o 17523-A, matriz C-4077. Em seguida mais um clássico da parceria Carlos Gardel-Alfredo Le Pera, com letra brasileira de Ghiaroni, “Voltar (Volver)”, gravada por Albertinho para o LP de 10 polegadas “Meus velhos tangos” (Continental, 1955).  “Caminito”,de Juan de Diós Filiberto e Gabino Coría Peñaloza,  abre esse mesmo LP, também em versão de Ghiaroni. A Continental, claro, também disponibilizaria a gravação em 78 rpm, sob número 17356-A, em novembro-dezembro de 1956, matriz C-3893. “Gira, gira (Yira, yira)”, de Discépolo sem parceiro, em outra versão de Ghiaroni, também está no LP de 10 polegadas “Meus velhos tangos”, e, em 78 rpm, é o lado B de “Caminito”, matriz C-3894. Para finalizar, um dos primeiros hits de Albertinho  Fortuna:  a “Marcha dos gafanhotos”, de Eratóstenes Frazão e Roberto Martins, uma das campeãs do carnaval de 1947. Foi imortalizada por Albertinho na Victor em 22 de outubro de 46, com lançamento um mês antes da folia, em janeiro,disco 80-0489-A,matriz S-078631. Um fecho realmente de ouro para esta retrospectiva do GRB, prestando justa homenagem ao eterno Albertinho Fortuna!
Texto de Samuel Machado Filho

 

Fogo Cruzado & Manoel Messias – Show De Repentistas (1978)

A quem interessar… Segue, de repente, um disco de repente. Um show de repentistas com a dupla Fogo Cruzado & Manoel Messias. Na capa trocaram o Fogo Cruzado por Fogo Cerrado. Coisas que acontecem e só se percebe o erro depois de feito. Procurando rapidamente informações sobre a dupla, através do Google, não encontrei nada além de anúncios de venda do disco no Mercado Livre, por sinal, com um preço muito convidativo. Quem gosta da música nordestina, com certeza vai gostar também deste trabalho. Confiram..

sextilhas
quadrão em oito e dez
martelo agalopado
galope a beira mar
sertão de boi e vaqueiro – dez pés lá vai
.

Trio Bach (1965)

A quem possa interessar… (e vai interessar…)Tenho aqui uma joinha, do refinado selo Nilser. Discos que foram sinônimos de qualidade, principalmente no quesito material, enquanto álbuns. Coisas que por aqui a gente só viu em discos importados. Um álbum de capa dupla, dura e trabalhada.
Nilo Sérgio, artista e empresário, dono da Musidisc, idealizou este selo no início dos anos 60 e chegou a produzir uma dezena de álbuns com diferentes estilos, sempre prezando pela qualidade, bom gosto e ao seu estilo. Um selo especial. Nilser é a junção das três primeiras letras de seu nome.
Entre os diversos lps da Nilser, este é para mim um dos mais interessantes, tanto pelo repertório quanto pela sonoridade. Temos aqui o Trio Bach, um conjunto composto por cravo, bateria e contrabaixo. Quem são os músicos, ficha técnica e informações complementares são coisas que infelizmente ficaram de fora. Parece que nessa época esse tipo de informação era o que menos importava. Eis aí a única falha da Nilser. Mas eu entendo isso como uma forma de não levantar a lebre. Ou seja, evitar conflitos legais, visto que muitas vezes artistas e obras eram usadas sem uma permissão legal. Aqui, neste lp, por exemplo, o nome dos membros do trio são poupados, certamente, porque eram artistas de outras gravadoras ou coisa assim. Uma maneira de driblar os contratos de exclusividade. Já falaram pela rede a respeito de quem eram os músicos, eu até procurei essa informação, mas não encontrei. O fato é que o grupo se chama Trio Bach por conta de um instrumento, o cravo, um tipo de piano característico do período Barroco, ou do Barroco do compositor Johann Sebatian Bach. Nos anos 60 houve uma febre na utilização do cravo, que aparece em todo tipo de música daquela época, inclusive aqui, interpretando clássicos da Bossa Nova. Um disco imperdível, confiram!

amor e paz
inútil paisagem
tristeza de nós dois
samba de verão
sonho de maria
corcovado
amanhecendo
consolação
ela é carioca
garota de ipanema
vamos amar
eu preciso de você
.

D. Helder Câmara – O Deserto É Fértil (1977)

À quem possa interessar… Hoje, sendo um dia santo, Sexta Feira da Paixão, procurei algo condizente para postar. Me lembrei de uma boa doação feita pelo amigo Fáres, que creio, vem bem a calhar, principalmente nos dias de hoje e sempre, do nosso amado Brasil, onde as lutas sociais se tornam a cada dia mais constantes e um pouco de reflexão nessas horas fazem muito bem.
Temos aqui um disco lançado em 1977, produção independente, mas distribuído pela Warner. Trata-se do carismático bispo de Olinda, Dom Hélder Câmara em leitura de trechos escolhidos de seu livro, “O deserto é fértil”. Eu acredito que algum encarte acompanhava este álbum, pois as informações sobre o trabalho são muito escassas na contracapa. Há por exemplo a informação da participação do baterista Chico Batera fazendo percussão, mas eu não percebi em nenhum momento qualquer coisa parecida. Ao contrário, temos um fundo musical, mas com violão e também piano. Seria o Chico Batera? Penso que não… Das duas, uma: ou falta um encarte para nos explicar isso melhor, ou foi mesmo um erro da produção da capa. Mas independente disso, o que conta é o conteúdo, a mensagem na voz de Dom Hélder. Um disco muito bonito que despertou em mim o desejo de ler o livro. Espero que isso aconteça com vocês também. “Se discordas de mim, me enriqueces

.

Zizi Possi – Pra Sempre E Mais Um Pouco (1983)

A quem possa interessar… tenho para hoje este lp da cantora Zizi Possi, “Pra sempre e mais um pouco”, album lançado em 1983 pela Polygram/Philips. Um trabalho produzido pela própria cantora, o que quer dizer que ela teve total liberdade na escolha do repertório e talvez até do time de músicos que a acompanha. A música de maior destaque neste álbum é o sucesso “O amor vem pra cada um”, versão de Beto Fae para a canção de George Harrison, “Love comes to everyone”. Mas há tantas outras boas que fizeram sucesso, Zizi também gravou “Como uma onda no mar”, de Lulu Santos e Nelson Motta. Sua seleção tem músicas de excelentes autores, inclusive dela própria na faixa “Toda uma história”. Sem dúvida, um bom disco da safra anos 80. Confiram!

ninguém vai tomar posse de mim
o amor vem pra cada um
deixa eu te regar
a lua e o sol
como uma onda
maratona
toda uma história
ar puro
o circo místico
pra sempre e mais um dia
pra vida inteira
.

Os Cantores De Ébano – E os Anjos Voltam A Cantar (1991)

A quem possa interessar… Os Cantores de Ébano, grupo vocal criado por Nilo Amaro, o ‘Azulão’ no inicio dos anos 60. Gravaram dois lp pela Odeon. O grupo tinha como característica o fato de todos os cantores serem negros. Tinha como destaque o cantor Noriel Vilela que fazia o tom mais grave, o chamado ‘baixo profundo’. Nilo Amaro e seus cantores alcançaram muito sucesso, o que lhes valeram apresentações na Europa, na Argentina e em diversas cidades brasileiras. Seus dois maiores sucessos são “Leva eu sodade” e “O uirapurú”. Na década de 70 falece Noriel e o grupo de desfaz. Várias foram as tentativas de voltar, mas achar um cantor como Noriel Vilela não foi fácil. Parece que Nilo Amaro tentou refazer o coletivo, mas descaracterizado, sem o gogó do Noriel e com vários elementos que não eram negros. Curiosamente, neste lp de 1991, em nenhum momento o nome de Nilo Amaro é citado. Imagino que tenha rolado um ‘racha’ e nessa ele ficou de fora.
Nesta nova versão dos Cantores de Ébano temos uma seleção de repertório que procura resgatar sua própria origem, regravando  entre outras seu dois maiores sucessos. Produção quase independente.

green fields
vaqueiro prevenido
não saberão
negrinho do pastoreiro
o uirapuru
deixa rolar
down by the river side
saudade repartida
vai lá moisés
leva eu sodade
.

Premeditando O Breque (1981)

A quem possa interessar… Aqui vamos hoje de Premeditando o Breque, um divertido e competente grupo paulista surgido no final dos anos 70. Eles se destacaram através de festivais e da cena musical paulista no início dos anos 80.Este foi o seu álbum de estréia, lançado pela Continental em 1981. Um trabalho bem humorado, que fala do cotidiano paulista. mas acima de tudo é um grupo que preza pela qualidade instrumental. Dá para perceber isso claramente até pela foto da contracapa.

essa é a verdade
conflito de gerações
brigando na lua
marana
marcha da kombi
feijoada total
samba do absuredo
a esperança é a última que morre?
nunca
choro
gosto também se discute
luisa
fim de semana
.

Nelson Ned – Tudo Passará (1969)

A quem possa interessar… Eis aqui um lp do cantor e compositor romântico Nelson Ned. Lançado em 1969 pelo selo Copacabana. Este foi o seu segundo lp e um dos mais importantes, o qual traz a sua composição de maior sucesso, “Tudo passará”, música que teve inúmeras gravações com diversos artistas. As demais faixas do lp são quase todas autorais, com destaque ainda para sua parceria com Agnaldo Timoteo, “Um recado para meu amor”. Há também uma versão para o hit “To sir, with love”, aqui chamada de “Ao meu amor”. Este disco é hoje uma raridade, disputado por muitos colecionadores, principalmente estrangeiros.

será será
hoje não volto mais pra casa
você não nasceu pra mim
tamanho nào é documento
o riso que eu perdi
camarim
alô, aqui sou eu
vou buscar meu amor
domingo a tarde
um recado para meu amor
ao meu amor
tudo passará
.

Aquarius Band (1970)

A quem possa interessar… Informo, inicialmente, que o Toque Musical agora está também no Facebook, através deste link (https://www.facebook.com/blogtoquemusical?ref=hl). Esta foi a maneira que eu encontrei para manter a comunicação aqui com vocês, amigos cultos e ocultos. Infelizmente o link de comentários do blog está desativado, não permitindo aos amigos interagir com as postagens. Eu, inicialmente pensei que fosse só o baixo nivel de acesso ao Toque Musical. Percebo que essas fontes musicais, os blogs de música, já não encantam mais como de início. Existem hoje mil outros recursos para se ouvir e baixar músicas. Além do mais, tudo que é publicado aqui, em poucos minutos é replicado em outros sítios, principalmente no Facebook, que hoje em dia é a pracinha onde todos se encontram, a vitrine onde todos se mostram. E como o artista, o TM tem que ir onde o povo está. Dessa forma, quando quiserem se expressar a respeito de alguma publicação do blog, sugiro que recorram ao nosso perfil noFacebook. Por lá só estarão as capas como referencias das postagens e link para cá. Para baixarem os arquivos dos discos, o caminho continua sendo o GTM (Grupo do Toque Musical).
Dando sequencia as nossas postagens, temos para hoje o conjunto Aquarius Band. Este grupo, segundo informações colidas na própria web, veio do Paraná. Um típico conjunto de baile cujo o repertório buscava agradar a todo típo de público. Reinou por uma década, certamente fazendo muitas festas e bailes pelo interior de São Paulo e Paraná. O grupo gravou uns três ou quatro lps. Este que apresento foi o primeiro, lançado em 1970 pela Continental. Um trabalho todo calçado na atmosfera Jovem Guarda com sabor de conjunto de beira de piscina fazendo cover de sucessos pop da época.

para nós dois (yester me, yester you, yesterday)
cambiamos el color del cielo
take a letter maria
a chi
hello mona lisa
juan boliche
tirintando
mi viejo
looky, looky
cissy strut
qui tal mi amor
venus
don’t forget to remember
.

Cantoras – Seleção 78 RPM Do Toque Musical Vol. 135

Para alegria dos amigos cultos, ocultos e associados do TM, o Grand Record Brazil está de novo na área, agora em sua edição de número 135. Desta vez, apresentamos mais um punhado de registros históricos, exclusivamente com vozes femininas, sempre presentes em nosso GRB. São dezoito joias preciosas, de fazer qualquer colecionador vibrar, gravadas entre os anos 1910 e 1930.

Iniciamos nosso retrospecto com Abigail Maia (Porto Alegre, RS, 17/10/1887-Rio de Janeiro,  20/12/1981). Cantora e também atriz, fundou companhia teatral junto com Oduvaldo Vianna, além de se destacar, tempos depois, como radio-atriz na lendária Rádio JESZNacional do Rio de Janeiro. Abigail, cuja discografia como intérprete seria escassa, aqui comparece em três faixas. A primeira é “Chico, Mané, Nicolau”, batuque paulista de autor desconhecido, em gravação mecânica Odeon/Casa Edison de 1916, disco 121173. Já dá fase elétrica de registros fonográficos é a canção “Flor de maracujá”, de Marcelo Tupinambá e Amadeu Amaral. Foi gravada por Abigail na Victor em 24 de fevereiro de 1931, e o disco foi lançado com o número 33425-B, matriz 65112. Por fim, outro registro mecânico, o do “coco baiano” “O cumbuco e o balaio”, mais uma peça de autor ignorado,  em gravação Odeon/Casa Edison de 1916, disco 121172.
Maior nome feminino da música erudita brasileira, aplaudida e consagrada no Brasil e no exterior, tendo sido até mesmo enredo de escola de samba,  Bidu Sayão (Balduína de Oliveira Sayão, Itaguaí, RJ, 11/5/1902-Rockport, Maine, EUA, 13/3/1999), aqui comparece com uma modinha de Barrozo Neto e Nosor Sanches, a “Canção da felciidade”, originalmente lançada em 1928 por uma certa Maria Emma. A gravação de Bidu foi feita na Victor (selo Victrola) em 14 de setembro de 1933, e o disco recebeu o número 4229-B, matriz 65853.
Filha de um diplomata brasileiro e de uma cantora lírica, Gilda de Abreu (Paris, França, 23/9/1904-Rio de Janeiro, 4/6/1979) foi cineasta, atriz, escritora, radialista e cantora. Casou-se,  em 1933, com o também cantor Vicente Celestino, em duradoura união que perduraria até a morte deste, em 1968. Inclusive dirigiu, entre outros, os dois filmes estrelados pelo marido, “O ébrio” (1946) e “Coração materno” (1951). Aqui, Gilda interpreta “Bonequinha de seda”, valsa de sua autoria e Narbal Fontes,  incluída no filme de mesmo nome, da Cinédia, dirigido pelo já citado Oduvaldo Vianna, e do qual foi a atriz principal. Gravação Victor de 10 de novembro de 1936, lançada em dezembro do mesmo ano, disco 34112-A, matriz 80239.
A soprano luso-brasileira Cristina Maristany (Porto, Portugal, 11/8/1906-Rio Claro, SP, 27/9/1966) foi membro-intérprete da Academia Brasileira de Música e, um ano antes de seu falecimento (1965), recebeu a Medalha Carlos Gomes. Consagrada nacional e internacionalmente, assim como Bidu Sayão, Cristina interpreta aqui uma serenata de autoria do compositor mexicano Manuel Ponce, no original em espanhol, “Estrelita”. Gravação Columbia de 1935, em disco número 8144-A, matriz 1087.
Odete Amaral (Niterói, RJ, 28/4/1917-Rio de Janeiro, 11/10/1984), “a voz tropical do Brasil”, aqui interpreta este que é considerado seu primeiro grande sucesso, a marchinha “Colibri”, de Ary Barroso, do carnaval de 1937. Acompanhada pelos Diabos do Céu, de Pixinguinha,Odete gravou a música na Victor em 13 de novembro de 36, com lançamento ainda em dezembro, disco 34120-B, matriz 80255.
Sylvinha Mello (Vitória, ES, 23/2/1914-Paris, França, c. 1978) foi uma das primeiras cantoras brasileiras a fazer sucesso no exterior, particularmente nos EUA, atuando em rádios e casas noturnas . De sua escassa discografia brasileira como intérprete, aqui vai o fox “Canção das águas”, de Joubert de Carvalho,  gravação Victor de  26 de maio de 1936, lançada em julho do mesmo ano, disco 34070-B, matriz 80166.
Laura Suarez (Rio de Janeiro, 23/11/1909-idem, c. 1990) foi uma verdadeira  “garota de Ipanema”, uma vez que foi eleita Miss Ipanema em 1930, sendo considerada uma das mulheres mais bonitas de seu tempo. Além de cantora e compositora, foi também atriz  de teatro (no qual atuou por mais de cinquenta anos), televisão e cinema. Fez toda a sua carreira discográfica na extinta Brunswick, e dela  apresentamos aqui uma canção sua de parceria com Henrique Vogeler (co-autor do clássico “Ai Ioiô”), intitulada “Romance”. O disco saiu em 1931, ano em que a gravadora encerrou suas atividades no Brasil, provavelmente em março, sob número 10159-B, matriz 618.
Membro da alta sociedade carioca, Maria de Lourdes de Assis, aliás Madelou Assis (Rio de Janeiro, 1915-idem, 1956) começou sua carreira em 1932, aos 16 anos,  atuando em um cinema como apresentadora de um espetáculo do qual participaram alguns cantores de sucesso na época. Atuou nas rádios Mayrink Veiga (Rio) , Record, Kosmos e Cruzeiro do Sul (São Paulo),  tendo também feito temporada na Rádio Belgrano de Buenos Aires, e casou-se, em 1934, com o radialista e compositor Valdo Abreu. De sua escassa discografia (apenas cinco discos 78  com oito músicas), apresentamos duas gravações Victor, ambas do disco 33689, e de autoria do futuro esposo, Valdo Abreu, gravado em 31 de maio de 1933 e lançado em agosto do mesmo ano: o samba-canção “Ciúme”, matriz 65758, e, no verso,  a canção “Praia dos beijos”, matriz 65759.
Uma das principais divulgadoras de músicas folclóricas no decorrer dos anos 1930, Sônia Barreto  (pseudônimo de Sônia Luiz Mosciaro), carioca de Santa Tereza, foi também  poetisa  e radialista, atuando como radioatriz, produtora e apresentadora de programas da lendária Rádio Nacional. Soprano lírico-dramática, recebeu medalha de ouro do Instituto Nacional de Música. Ela aqui comparece com três faixas. Para começar, a valsa “História de uma flor”, de Joubert de Carvalho, gravação Victor de 31 de agosto de 1931, lançada em outubro do mesmo ano, disco 33474-B, matriz 65228. Depois, na faixa 14, temos o fox-canção “Descansa, coração!”, versão de Alberto Ribeiro para o standard americano “All of me”, de Gerald Marks e Seymour Simons. Saiu pela Columbia em dezembro de 1932,sob número de disco 22163-B, matriz 381359. Houve outra versão bastante conhecida, em ritmo de iê-iê-iê, assinada por Neusa de Souza e gravada em fins de 1964 pelos Golden Boys, o famoso “Ai de mim”. Por fim, a toada-canção “Beijo azul”, de José Francisco de Freitas, o Freitinhas, e Oswaldo Santiago. Gravada na Victor em 27 de agosto de 1931, é o lado A de “História de uma flor”, matriz 65223. Na faixa 13, uma rara oportunidade de se ouvir a voz da carioca Odaléa Sodré (1924-?), filha do compositor e instrumentista Heitor Catumby. E a faixa escalada é justamente de seu primeiro disco, o Columbia 8112-B, de 1936, gravado na plenitude de seus 12 anos de idade:  o samba “Romance da morena”, de Bucy Moreira e Kid Pepe, matriz 1112.
Elisa (de Carvalho) Coelho (Uruguaiana, RS, 1/3/1909-Volta Redonda, RJ, 2001) deixou gravados 15 discos 78 com 30 músicas, entre 1930 e 1934. Criadora dos clássicos “No rancho fundo” e “Caco velho”, era mãe do jornalista e apresentador de televisão Goulart de Andrade, aquele do bordão “Vem comigo”. Elisinha, como era carinhosamente chamada, aqui comparece com duas gravações Victor, ambas feitas em 11 de junho de 1930, porém lançadas em discos distintos. A primeira é o samba “Escrita errada”, de Joubert de Carvalho, matriz 50397, editada em fevereiro de 1931 sob número 33338-B. E a segunda é a toada “Ciume de caboca”, de Josué de Barros, o descobridor de Cármen Miranda, em parceria com Domingos Magarinos, matriz 50308, lançada em agosto de 1931 sob número 33444-B. para encerrar, temos Jesy (de Oliveira) Barbosa (Campos, RJ, 15/11/1902-Rio de Janeiro, 30/12/1987).Ela foi um talento múltiplo: cantora, compositora, jornalista, poetisa, contista, radialista… Jesy Barbosa marca aqui sua presença com “May”, tango de Renato Leão de Aquino, gravação Victor de primeiro de julho de 1931,lançada em setembro do mesmo ano, disco 33464-B, matriz 65180. E encerrando com brilho mais esta edição do GRB, dedicada a cantoras que, se depender de iniciativas como a nossa, jamais serão esquecidas!
Texto de SAMUEL MACHADO FILHO.

 

Araken Peixoto – Um Piston Dentro Da Noite (1986)

A quem possa interessar… tenho aqui o pistonista Araken Peixoto, irmão de Cauby, em um belíssimo trabalho lançado em 1986 pelo selo Estúdio Eldorado. “Um piston dentro da noite” é um álbum onde Araken toca 11 temas clássicos da música popular americana, incluindo “Bonita”, música de Tom Jobim. Neste álbum, outro irmão de Araken, o pianista Moacyr Peixoto, também participa do disco.
Araken Peixoto, após este disco gravou mais dois com o mesmo título, volumes 2 e 3. O segundo nós já postamos aqui a algum tempo atrás. Numa próxima ocasião nós publicaremos também o terceiro volume.

as time goes by
who needs forever
nature boy
estate
you’re my thrill
it ain’t necessarily so
someone to watch over me
bewitched
flamingo
you must believe in spring
bonita
.

 

Pedrotti E Seu Trombone – Gafieira Meu Xodó (1975)

A quem possa interessar… “Pedrotti e seu Trombone – Gafieira, Meu Xodó”. Disco lançado em 1975 pelo selo carioca Discofam, trazendo o trombonista, maestro, compositor, arranjador e professor Lineu Fernandes Pedrotti, em seu segundo lp. Pedrotti é um músico respeitado, um dos maiores trombonistas brasileiros com uma afinação para o samba que tem feito escola. Neste lp podemos bem constatar o seu talento. Vale a pena ouvi-lo, mesmo apesar da tremenda sacanagem que fizeram ao mixar a gravação com um suposto (e chato) zum zum zum de gafieira. Uma falação (a voz até parece com a do João Nogueira) que não se limita a vinhetas e finais, vai direto… É como se entre o microfone da gravação e o Pedrotti houvesse uma mesa de gafieira bem agitada, a turma toda se comportando conforme o habitual. Este é o tipo de disco, perfeito, para quem faz uma festa e não aparece ninguém. Poe para tocar alto, quem escuta de fora vai logo pensar, putz, que festão!

tamanco malandrinho
batendo a porta – foi um rio que passou em minha vida
retalho de cetim – naquela mesa
vem chegando a madrugada – fechei a porta
tem capoeira – maior é deus
helena, helena – assassinato do camarão
na glória
o pequeno burguez – 1800 colinas
eu quero apenas – ninguém tasca (o gavião)
arrependimento – apelo
eu agora sou feliz – tristeza
paraquedista
cheiro de saudade – o importante é ser fevereiro
general da banda – guardei minha viola – maracangalha
.

Fabiano Pimenta – As Ruas E As Serestas (1970)

A quem possa interessar… Temos aqui um disco de seresta. Um autêntico mineirinho, que nos remente a imagens das noites de uma Diamantina, que hoje quase já não existem mais. As noites de serestas que ecoavam muito além das montanhas de Minas, tendo como um de seus maiores entusiastas a figura de Jucelino Kubichek, filho entre os mais ilustres da cidade.
Neste lp temos o seresteiro Fabiano Pimenta acompanhado por Waldir Silva e seu regional interpretando os clássicos das noites de serestas em Diamantina. Gravado no Estúdio Bemol, em Belo Horizonte no inicio dos anos 70.

diamantina em seresta
meiga virgem
varrer-te da memória
as ruas e as serestas
elvira escuta
é a ti flor do céu
acorda minha beleza
sonhei-a
gondoleiro do amor
noite cheia de estrelas
.

Bubuska Valença – Um Deus Vagabundo (1980)

Achei uma brecha aqui e vamos nós… direto com um ‘disco de gaveta’, aquele que está sempre de prontidão para cobrir um espaço. Se bem que atualmente os ‘discos de gaveta’ já não preenchem espaços vazios, eles apenas os habitam solitários até que outros venham. Mas é assim mesmo, reflexo do desinteresse, da falta de incentivo e participação. Vou mudar minha vinheta, cumprimentar apenas os amigos ocultos. Ou por outra, de hoje em diante inicio, ‘A Quem Possa Interessar’. E assim sendo, boa noite, a quem possa interessar! E se interessar também, tenho para hoje este lp do cantor, compositor, ator e produtor de inúmeros projetos, o pernambucano, Ivo Rangel Neto, mais conhecido como Bubuska Valença. “Um Deus Vagabundo”, lançado em 1980 pelo selo Polydor, foi seu primeiro disco. Um álbum totalmente autoral. Bubuska está na estrada desde os anos 70. Suas composições já foram gravadas por grandes artistas, entre eles o primo, Alceu Valença. Trabalhou como ator no cinema e no teatro. De lá pra cá gravou muitos discos e se envolveu em variados projetos musicais. Inventou instrumento musical (o tamburetom), Criou trios elétricos aquáticos, com uma embarcação que copia uma caravela, toda feita em madeira (coisa curiosa). Tem também uma plataforma que funciona como um palco flutuante. O cara é mesmo bem criativo. Sua música também reflete isso, mas e principalmente um grande espírito pernambucano. Precisamos dar mais atenção e ouvidos a esse artista. Falo isso até para mim mesmo, pois, confesso, conheço pouco da sua obra. Vamos conferir?

um deus vagabundo
tudo é solidão
mera coincidência
cabesro
seca cantoria
canto derradeiro
tô querendo tá
cão vadio
balaio véio
sem falsa modéstia
três tragos de cachaça
recife prostituta dos poetas
.