ATENÇÃO!

Destacado

PARA SE ASSOCIAR AO NOSSO GRUPO, O GTM, E PODER ACESSAR OS ARQUIVOS DESSAS POSTAGENS O INTERESSADO DEVE FAZER A SUA SOLICITAÇÃO FORMAL, ATRAVÉS DAS ORIENTAÇÕES QUE SE ENCONTRAM NOS TEXTOS LATERAIS. OS LINKS PARA DOWNLOAD ESTÃO NO GTM E FICAM ATIVOS POR UM TEMPO LIMITADO. NÃO HÁ MAIS REPOSIÇÃO DE LINKS POR SOLICITAÇÃO. POR ISSO, É BOM ACOMPANHAR SEMPRE AS POSTAGENS, POIS O TEMPO PASSA E A FILA ANDA. MAIORES INFORMAÇÕES, ENTRE EM CONTATO: toquelinkmusical@gmail.com

Dick Farney (1978)

Boa hora, meus queridos amigos cultos e ocultos! Correndo, correndo… aqui vamos nesta quarta feira com mais um toque musical… Para não perdermos tempo e enriquecer nossas fileiras, temos hoje o grande Dick Farney, em lp lançado pela EMI em 1978. Uma boa safra onde ele desfila um repertório sóbrio, com temas bem conhecidos do público, em geral, como podemos confirmar na contracapa, ou logo a baixo na lista das músicas. Desculpem, mas hoje eu tô corrido…. 🙂
 
meu sonho é você
secretária
tarde para mudar
marina
a fonte é o teu nome
all the way
história de uma criança
brumas
amor sem deus
canção do encontro
sábado em copacabana
 
 
.

Aracy de Almeida – Canções De Noel Rosa (1955)

Amigos cultos e ocultos, boa tarde! Aqui e mais uma vez temos o inesquecível Noel Rosa na interpretação de Aracy de Almeida. Depois de passada uma década após sua morte, o nome de Noel Rosa voltava ao cenário fonomusical dos anos 50. Muitos artistas o gravaram desde então nesse renascimento do samba. Assim como também, antigas gravações, lançadas, inicialmente em 78 rpm, voltaram nos também 10 polegadas de 33 rpm. É o caso deste disco, lançado pela Continental, em 1955. Nele vamos encontrar…
 
meu barracão
voltasse
são coisas nossas
fita amarela
cor de cinza
eu sei sofrer
a melhor do planeta
cansei de pedir
 
.
 

Nelson Cavaquinho (1973)

Boa hora, amigos cultos cultos e ocultos! Boa hora é uma boa, pois serve para qualquer momento e não apenas para o momento do blogueiro aqui 😉 A qualquer dia, a qualquer hora, está valendo a saudação. Vou adotar, a partir de agora, ok?
Muito bem, nosso artista/disco de hoje é mais um daqueles que estavam faltando por aqui, tanto a pedidos quanto pela própria necessidade. Já tivemos no Toque Musical praticamente tudo do Nelson Cavaquinho, inclusive estas mesmas gravações lançadas com outra capa em disco do mesmo ano para o selo Fenix, da Odeon. O lp que apresentamos parece ser a edição original, com selo Odeon. Esta então é uma nova oportunidade de conferir no GTM um dos melhores discos de samba feitos até hoje.
 
juízo final
folhas secas
caminhando
minha festa
mulher sem alma
vou partir
rei vadio
a flor e o espinho
se eu sorrir
quando eu me chamar saudade
pranto de poeta
é tão triste cair
pode sorrir
rugas
o bem e o mal
visita triste
 
 

Nelson Gonçalves – Noel Rosa Na Voz Romântica De Nelson Gonçalves (1955)

Alô, alô… amigos cultos e ocultos! Olha aí o toque musical do dia, Noel Rosa na voz romântica de Nelson Gonçalves. Eis aqui o primeiro lp do grande ‘Metralha’, Nelson Gonçalves, disco lançado em 1955, pela RCA Victor, gravadora na qual nosso cantor fez toda a sua carreira. E nesta oportunidade trazemos este que foi o primeiro 33 rpm, ainda em dez polegadas. Nele encontramos Nelson interpretando oito composições do ‘Poeta da Vila” Este disco só viria a ser reeditado nos anos 70, em uma nova versão incluindo mais quatro outras canções. E de uma certa forma é também um dos discos menos conhecidos de Nelson Gonçalves, embora já tenha sido divulgado aos montes em outros blogs musicais nos últimos 10 anos. Pois bem, chegou a nossa vez. Ao final, todos acabam convergindo para o Toque Musical, não é mesmo? Confiram no GTM…
 
último desejo
feitiço da vila
com que roupa
coração
quando o samba acabou
palpite infeliz
silêncio de um minuto
só pode ser você
 
 
.

Adoniran Barbosa (1974)

Ilustríssimos amigos cultos e ocultos, meu cordial boa noite! Finalmente, conseguimos reativar nossa conta no Mediafire. Vocês irão observar isso no GTM.
Para hoje temos um disco que sempre quis postar aqui, mas por razões diversas acabou ficando… E hoje é então o seu dia 🙂 Dia de Adoniran Barbosa (não é aniversário não, viu, gente?) Estava aqui dando sopa, achei por bem publicar de uma vez. Não há nada de novidade neste lp, disco de carreira, lançado em 1974, um clássico, com certeza e que não pode faltar em nossa discoteca. Aqui temos Adoniran regravando, de maneira definitiva um pouco de sua obra. Imperdível… 😉
 
abrigo de vagabundo
bom dia tristeza
as mariposas
saudosa maloca
iracema
já fui uma brasa
trem das onze
prova de carinho
acende o candieiro
apaga o fogo mané
véspera de natal
deus te abençoe
 
 

Gilda Valença – Cantigas Da Rua (1956)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Felizmente conseguimos renovar nossa conta no Mediafire, oque facilita em muito a vida de vocês ao baixarem nossos arquivos. Mas o Depositfiles também continua, pois embora seja lento, é sempre garantido.
Seguimos a nossa mostra diária trazendo hoje e pela primeira vez a cantora nascida em Portugal, Gilda Valença que estreou em discos por aqui no início dos anos 50, sendo boa parte deles gravados pela Sinter. Atuou sempre destacando a música portuguesa, o que, claro, já se percebia até em seu vocal. Fez grande sucesso no Brasil e por aqui construiu a sua carreira. Dela temos aqui o lp “Cantigas da rua”, lp de dez polegadas lançado em 1956. Um álbum bem interessante cujo os temas ligados a tradições portuguesas contempla também autores brasileiros, os quais escreveram essas canções para a interpretação da cantora. Confiram no GTM…
 
lenda das algas
oh josé, aperta o laço
praias de nazareth
uvas pretas
alfama
penso que sei mas não sei
canção do moinho
quanta coisa boa
 
 
.

Miriam Batucada – Amanhã Ninguém Sabe (1974)

Olá, amigos cultos e ocultos! Para não ficarmos apenas em orquestras e coisas dos anos 50, vamos mudando um pouco o nosso foco, afinal o nosso espaço é musicalmente democrático (e com tendências esquerdistas, com certeza!). Mas fora a nossa ideologia, somos abertos a todo tipo de manifestação construtiva, por isso ouvimos música com outros olhos 😉
Então, aqui temos hoje e pela primeira vez em nosso toque a cantora e compositora paulista Miriam Ângela Lavecchia, mais conhecida como Miriam Batucada, apelido que recebeu quando ainda era apresentadora de programa de televisão, nos anos 60, por conta de sua técnica de batucar com as mãos. Embora não tenha gravado muita coisa, se destacou  por conta de sua presença sempre constante na tv. Em 1971, juntamente com Raul Seixas, Sergio Sampaio e Edy Star ela gravou o “Sociedade da Grã-Ordem Kavernista – Apresenta Sessão das 10”, disco que seria redescoberto nos anos 2000, se tornando obra ‘cult’. Por consequência deste disco ela voltaria a cena musical, mas infelizmente de maneira póstuma, pois Miriam faleceu em 94. Seus outros dois discos, “Amanhã ninguém sabe” e “Alma da festa” voltaram a ser procurados e por terem sido pequenas tiragens, hoje se tornou também tão ‘cult’ quanto o “Sociedade da Grã-Ordem Kavernista”, assim como são os discos do Sérgio Sampaio e do Edy Star. E como esses discos não andam rodando em qualquer prato, cabe a nós divulgá-los, trazendo de volta aos olhos e ouvidos… Vamos conferir no GTM?
 
o que vier eu traço
teco teco
chuá chuá
apanhei um resfriado
felicidade
meu romance
você é meu melhor amigo
eu quero é botar meu bloco na rua
amanhã ninguém sabe
acertei no milhar
você vai se quiser
tudo em p
conversa de samba
o show já terminou
 
.

José Luciano Vol. 2 (1956)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Há três meses atrás eu postei aqui o primeiro lp do pianista cearense José Luciano. Como já estava mesmo a mão, ou na ‘gaveta’, esperando um novo momento, porque não postá-lo de uma vez? Aqui então segue este segundo lançamento pelo selo Mocambo, o volume 2 trazendo “oito de suas melodias favoritas”, conforme salienta o texto de contracapa. Um repertório eclético e muito gostoso de ouvir. O que pega são os chiados e fritação, coisa que infelizmente eu não consegui amenizar. Enfim, fica valendo este até segunda ordem…
 
mambo em espanha
rio antigo
helli, bluebird
sob os céus de paris
tenderly
passarinhando
canta brasil
perdão
 
 
.
 

Joel Nascimento, Radamés Gnattali & Camerata Carioca – Tributo A Jacob Do Bandolim (1980)

Olá, meus caros amigos cultos e ocultos! Temos hoje aqui um disco de músicos para músicos. Digo isso porque geralmente quem gosta de chorinho também gosta de tocar e oque mais aparece por aqui quando o assunto é choro, é músico pedindo discos. E aqui está um álbum que há muito vem me sendo solicitado: Joel Nascimento, mestre do bandolim juntamente com outros mestres, Radamés Gnattali e o conjunto Camerata Carioca. Só pelos nomes citados já dá para se ter uma ideia do que temos por aqui. Mais ainda, quando o conteúdo é um tributo ao grande Jacob do Bandolim. Não vou dizer mais nada e nem me estender, pois o tempo é curto e para nossa sorte as informações detalhadas estão no próprio disco. Assim, deixo apenas a recomendação, confiram no GTM. E deixa eu correr para o trabalho, pois já estou atrasado 🙂
 
retratos (suíte em 4 movimentos:
pixinguinha
ernesto nazareth
anacleto de medeiros
chiquinha gonzaga
gostosinho
conversa mole / jacobeana
doce de côco
vôo da mosca
noites cariocas
vibrações
 
 
.
 

Dolores Duran – Dolores Viaja (1955)

Muito bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Seguimos nossa viagem musical, desta vez trazendo a grande Dolores Duran que aqui se destaca somente como intérprete, o que nos prova que ela, além de uma excelente compositora era também perfeita como cantora. E neste disquinho, lançado pela Copacabana em 1955 ela não apenas canta muito bem, como também o faz em oito idiomas, ou seja, cada faixa deste disco de dez polegadas ela nos apresenta um tema em uma língua diferente, cabendo inclusive uma canção em esperanto, uma versão da famosa canção portuguesa “Coimbra”. Bem interessante e ao que parece foi a primeira vez que uma música nesta língua foi gravada em um disco comercial. Nos anos 60 foi lançado um disco com vários artistas cantando em esperanto, o qual também nós já postamos aqui. Confiram…
 
sinceridad
ma cabane au canada
kaiser waltzer
no other love
nigraj manteloj
vieni sul mar
ojos verdes
canção da volta
 
 
.

Djalma Ferreira E Seus Milionários Do Ritmo – Drink (1958)

Muito bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Seguimos aqui com mais um disco de Djalma Ferreira e Seus Milionários do Ritmo. Como já sabem, lançados pelo selo Drink, criado pelo próprio músico e empresário. Já tivemos a oportunidade de postar aqui um desses discos e também outros lps de Djalma, que de certa forma são relançamentos e coletâneas extraídas desta série, de sua produção. A Drink era uma famosa boate dos anos 50, também de Djalma Ferreira, onde ele e seu conjunto se apresentavam. Foi também o nome do selo/editora, que ele também produziu e ao que parece, somente para o lançamento de seus próprios discos. Essas produções sempre foram sofisticadas e luxuosas, tanto no registro, gravações, como na apresentação, onde os álbuns traziam um diferencial, com capas triplas, ou num modelo original em que se abre como um autêntico álbum. Coisa bem parecida com as produções de Nilo Sérgio e seu selo Nilser. É luxo só! 
Muito bem, para ganhar tempo, repeti a mesma introdução que fiz para o disco anterior. Aliás, eu devia ter postado este disco antes do outro, pois, na verdade, este é o primeiro. Lançado em 1958, foi o álbum que deu origem a série de, pelo menos, quatro luxuosos lps de capa dupla. Neste disco vamos encontrar um repertório bem conhecido deste público, em especial, os frequentadores da lendária boate Drink. São temas quase todos nacionais e autorais, onde por certo se destacam os sambas. Vamos conferir no GTM…
 
lady be good
tea for two
samba do drink
bicharada
solovox blues
se todos fossem iguais a você
lamento
concerto de outono
organizando
carnaval
mulata assanhada
você não quer nem eu
 
 
.
 

Carlinhos – Tangos Inolvidables (1958)

Buenas noches, meus amigos cultos e ocultos! Que tal fecharmos o domingo ouvindo tango? Com certeza vai haver alguém aqui que irá aprovar e independente de qualquer coisa, o importante é o nosso toque musical, trazendo a cada dia um disco diferente. E eis aqui um belo exemplar. Taí, um disco que atrai, logo pela belíssima capa e nos remete mesmo ao tango… Para tanto, temos como intérprete, Carlinhos. Mas quem é este Carlinhos, ou somente Carlinhos como nos apresenta o lp de 10 polegadas, da Columbia? Vamos logo descobrir que se trata do acordeonista Carlinhos Mafasoli, um dos músicos mais requisitados em estúdio. Um mestre do acordeom e dos teclados, presente em dezenas de discos de diversos artistas, em especial da música sertaneja. Mas aqui temos dele o que foi seu primeiro lp de 33 rpm, um disquinho de dez polegadas totalmente dedicado ao tango. Embora nem todas as músicas sejam originalmente tango, ‘Carlinhos transformou tudo isso em agradável desfile de ritmo portenho.’
Confiram no GTM…
 
ribalta
el pañuelito
nostalgias
mentira
para que recordar
a vingança do cupido
ta-hi p’ra vocÊ gostar de mim
plegaria
 
 
 
.

Avena De Castro – Uma Cítara E Duas Rosas (1959)

Boa noite, meus camaradas, amigos cultos e ocultos! Vamos seguindo com nosso toque musical, diário (e com alguns atrasos, evidentemente). Desta vez trazendo um disco do compositor e citarista, Heitor Avena de Castro, talvez o único instrumentista a usar a cítara na música popular brasileira. Embora fosse de formação erudita, Avena de Castro se tornou conhecido graças a sua atuação em orquestras das Rádios Nacional, Jornal do Brasil e Roquette Pinto. Nos anos 50 ganha destaque gravando vários discos, principalmente valsas e choros, sendo este último o gênero que melhor o define.
Aqui temos dele este lp, lançado em 1959, onde encontramos um pouco de valsa, choro, samba, tango, polca, fado e canção. Boa parte, músicas bem conhecidas do grande público. Acredito até que boa parte desses fonogramas foram lançados antes, em 78 rpm. Vamos conferir?
 
linguagem das flores
estrellita
canção vienense
despertar da montanha
luar de paquetá
maringá
miau miau
coimbra
a bela do tirol
torna e sorrento
quem sabe
cochilando
 
 
.

Salinas – Sangue Guarani (1957)

Muito bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Começando outubro seguindo no esquema do 10-12 polegadas, ou seja, cada dia alternando entre um disco de 10 e outro de 12 polegadas. Assim, começamos o mês com este lp do pianista Daniel Salinas, lançado em 1957 pelo selo Columbia. Já tivemos aqui a oportunidade de conhecer o trabalho de Salinas em outro disco, em uma outra fase, nos anos 70. Há tempos não se fala mais dele além de referencias por conta desses seus poucos discos. Ele foi também um maestro, arranjador, músico de estúdio, tendo atuado muito nos anos 60 e 70. Trabalhou com diversos artistas, principalmente da fase da Jovem Guarda. Agora temos aqui este disquinho que ele gravou, creio eu, o seu primeiro 33 rpm, com temas essencialmente paraguaios, que na época faziam por aqui muito sucesso. Vamos conferir?
 
meu primeiro amor
recuerdos de ipacarai
mi delirio
india
anahi
que será de ti
sangue guarany
noches del paraguay
 
 
.

Pedrinho Mattar, Os Farroupilhas, Vera Brasil E Edgard – 12 x Bossa Nova (1965)

Boa tarde, meus prezados, amigos cultos e ocultos! Enfim chegamos ao final de mais um mês. Lá se vai setembro… mas para fechar, tenho aqui um disco de bossa, “12 x Bossa Nova”, um lançamento do selo gaúcho Farroupilha trazendo quatro dos seus mais expressivos artistas/grupo em pleno 1965. Disquinho bacana que traz Pedrinho Mattar Trio, Vera Brasil, Os Farroupilhas e Edgard e Seu Conjunto. Este álbum é na verdade uma coletânea de divulgação desses artistas e as músicas aqui contidas fazem parte de seus lps. Todos, por sinal, muito bons e curiosamente não temos nenhum deles postados aqui no Toque Musical. Faz então todo sentido esta publicação, não é mesmo? 🙂 Confiram no GTM…
 
nanã – os farroupilhas
quem é home não chora – pedrinho mattar trio
amanhã – edgard e seu conjunto
era uma vez – vera brasil
balanço zona sul – os farroupilhas
samba de verão – pedrinho mattar trio
ela é carioca – edgard e seu conjunto
samba bom – vera brasil
isso é bossa nova – os farroupilhas
inútil paisagem – pedrinho mattar trio
deus brasileiro – edgard e seu conjunto
rimas de ninguém – vera brasil
 
.

Luiza Felix – Viaja Pelo América Latina (1957)

Salve, salve… amigos cultos e ocultos! Seguimos em nossa mostra 10-12 polegadas, alternando entre um e outro. E hoje, na vez de apreciarmos um disco de polegadas, estou trazendo um disco bem raro e praticamente desconhecido, até mesmo em pesquisas pelo Google. Eu mesmo, confesso, nunca tinha visto este disco antes e muito menos conhecia a artista. Saí então em busca de informações, qual nada… Pouco foi o que eu encontrei sobre ela. Luzia Felix foi uma pianista, possivelmente, gaúcha. Atuou na noite, nos anos 50, em sua lendária boate flutuante, que funcionava numa balsa atracada no rio Guaíba. Consta que ela também viajava por outros países fazendo apresentações. Este parece ter sido seu único disco, lançado em 1957 pelo selo Polydor. Conforme o titulo, podemos entender o repertório, uma seleção musical onde ela passeia por temas consagrados, músicas e gêneros latinos, tango, rumba, afrocubanos e também incluindo toada, choro e temas folclóricos brasileiros. Luzia Felix é aqui uma pianista talentosa que eu convido vocês para também conhecerem…
 
menino de braçanã
meu limão, meu limoeiro
fiz a cama na varanda
prenda minha
babalu
la canción de buenos ayres
ave maria
ave maria no morro
cubanakan
south border
pedacinhos do céu
el huracan
 
 

A Voz Da RCA Victor\A Voz Da RCA Victor – Suplemento Nº 9 Dezembro (1958)

Boa noite, caros amigos cultos e ocultos! Conforme informei numa primeira postagem, estarei apresentando alguns exemplares dos suplementos mensais dA Voz da RCA Victor, discos promocionais que a gravadora enviava para as rádios e lojas de discos, nos anos 50. Aqui encontraremos, em boa parte do lp, artistas nacionais, mas cabe também espaço para a divulgação de seus artistas estrangeiros. Confiram neste suplemento de dezembro de 1958 os seguintes artistas…
 
abertura
vicente celestino
luiz gonzaga
mario zan
ari lobo
severino januario 
tião carreiro e carreirinho
oscar e julião
expedito baracho
elvis presley
miguel aceves mejia
raphael bastos
frederico moreno torroba
 
.

Inezita Barroso – Coisas Do Meu Brasil (1956)

Boa noite, caríssimos amigos cultos e ocultos! Mantendo ainda nossa sequencia de postagens, ora de 10, ora de 12 polegadas, vamos hoje com a primeira versão dos 33 rpm, ou seja, os charmosos dez polegadas dos anos 50. Esses disquinhos são mesmo encantadores, tanto pela capa quanto pelo conteúdo fonográfico. E observo o crescente número de colecionadores que vem aparecendo nos últimos tempos em busca exatamente desses (cada vez mais raros) discos e em especial os nacionais e de ritmos latinos. Foi só eu começar a postar aqui alguns desses discos para receber várias propostas de compra por e-mail. Desculpem, mas por enquanto não estou interessado em vender nada, hehehe…
Mas, olhem só, que beleza… Nosso encontro hoje é com a maravilhosa Inezita Barroso, uma artista que por aqui dispensa maiores apresentações. “Coisas do meu Brasil” foi o primeiro disco de 33 rpm que ela veio a gravar, pela RCA Victor. Neste mesmo ano de 56 ela ainda iria lançar mais dois lps , os quais ainda iremos postar por aqui. No repertório temos uma seleção das melhores. Acredito que sejam registros originalmente feitos para as bolachas de 78 rpm., lançados logo que ingressou na Victor. Vamos conferir aqui…
 
estatutos da gafieira
na fazenda do ingá
meu casório
isto é papel, joão?
marvada pinga
mestiça
yemanjá
pregão da ostra
 
 
.

Jogral 70 – Ao Vivo (1970)

Olá, amigos cultos e ocultos! Como já informei, os links para download no GTM agora são apenas pelo Depositfiles. Infelizmente, pelo Mediafire já não temos mais espaço. Pensei em renovar nossa conta, mas o que temos recebido de doaçõe$ não paga a manutenção. Além do mais, poucos são aqueles amigos que se comprometem verdadeiramente a nos ajudar. A maioria nos dá o cano na hora da contrapartida, essa é a verdade. Mas, faz parte…
Hoje eu tenho para vocês este lp que é dos mais interessantes, “Jogral 70, Gravado ao Vivo”. Um disco que procura registrar um pouco a atmosfera musical deste lendário bar paulista, criado pelo compositor Luiz Carlos Paraná em 1965. Ficou muito famoso por conta de seus shows e de ilustres figuras da mpb que por lá passavam. Pode-se dizer que foi lá que nasceu a ideia da  gravadora Marcus Pereira e inclusive, o primeiro disco produzido teve o selo Jogral. Já postamos ele aqui, se não me engano… Mas, enfim, Jogral 70 é um registro feito ao vivo no qual temos as apresentações de artistas da casa, como Adauto Santos, Ana Maria Brandão, Geraldo Cunha, Osinette Marinho, Fritz e Pedro Miguel. Vale a pena conferir essa festa 😉
 
pede passagem
josé
tanto faz tanto fez
o mandachuva
labareda
laço de fogo
coqueiro alto
irene
só pra dois
sei lá, mangueira
nosso amor é bem melhor
perfil de são paulo
domingas
pressentimento
não me diga adeus
vida da minha vida
falta de mim
quem samba fica
 
 
.
 
 

Lyra De Xopotó – Retreta Da Lyra De Xopotó (1957)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Se tem um grupo/disco que está sempre em prontidão para uma nova postagem, este será sempre um lp da Lyra do Xopotó. Incrível como aparecem por aqui discos de bandinhas (bandinhas no bom sentido, é bom lembrar!). Só não fico postando muitos para não ficar chato, mas são verdadeiros ‘discos de gaveta’, prontos para serem usados a qualquer momento. O ideal seria que fosse publicado amanhã, domingo, afinal, retreta é coisa geralmente matinal e domingueira, mas aqui estamos a seguir as postagens alternadas de discos de 10 e 12 polegadas. Assim, a bandinha vai tocar é hoje mesmo, no sábado! E aqui temos ela sob o comando do Mestre Filó, codinome do maestro Lyrio Panicali, nos apresentando uma boa série de maxixes, polcas e dobrados bem ao gosto popular e da época. Confiram no GTM…
 
cristo nasceu na bahia
13 de maio
seu procópio
arnoud no choro
nova friburgo
brejeiro
são paulo
26 de junho
 
 
.
 

Neide Fraga – Mais Balanço (1965)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Neste desfile de raridades, eu hoje trago para vocês o balanço de Neide Fraga, cantora que por aqui e até então só apareceu em coletâneas. Neide Hor-Meyll Fraga foi uma cantora que iniciou sua carreira ainda nos anos 40 em programas de rádio. Seus discos começaram a aparecer a partir dos anos 50. Boa parte deles em bolachas de 78 rpm. Trabalhou também na televisão.
Aqui temos dela este álbum, de 1965 e que provavelmente terá sido seu último disco, pois a partir dessa época ela foi se afastando da mídia, fazendo apenas apresentações esporádicas. “Mais Balanço” parece ser uma sequencia a qual ela começou na Philips, no disco “Balançando”, ao lado de Walter Wanderley, lançado no ano anterior (1964). Uma boa safra, com uma boa escolha de repertório e a assistência indispensável de dois mestres, Francisco Moraes e Erlon Chaves, responsáveis pelos arranjos e orquestração. Está aí… mais um disco raro que faz a alegria de colecionadores. Confiram no GTM…
 
samba jazz
gente
dor de separar
miss biquini
só deus e eu
mar amar
balançafro
posto seis
arrastão
onda quebrando
barquinho diferente
vá ser feliz
 
.

A. Francisco Alves – Cancioneiro De Erich Araguari (1960)

Olá, amigos cultos e ocultos! Parece fácil, mas não é… Não é fácil manter nosso Toque Musical e por certo, o mais complicado é a apresentação, a postagem em si. Nisso, me refiro em especial ao texto. não é todo dia que a gente está inspirado para escrever, principalmente quando já estamos atrasados. Mas eu já nem me desculpo mais, nem tempo eu tenho para isso…
E olha aí, hoje temos um daqueles discos que é a cara do Toque Musical, o tipo de disco que vocês só encontrariam aqui. Mais uma produção obscura que vale a gente conhecer. E é obscuro mesmo, informações nada além do que o próprio disquinho tem a oferecer. Pelo Google, também, não há muito o que encontrar. Temos assim este lp de 10 polegadas “Cancioneiro de Erich Araguari”, músicas interpretadas por A. Francisco Alves. O lp é algo bem singular e ao que parece foi também o primeiro lançado pelo selo Canta Brasil. Há também um outro disco deste selo, mas em 78 rpm, o que nos leva a crer, também por isso, que este lp de 33 rpm seja uma produção do final dos anos 50 ou início dos 60. Aqui eu coloco como sendo de 1960. Na capa temos a informação de que se trata de uma produção da Kropsch & Cia Ltda, uma empresa com sede no Rio de Janeiro, mas hoje não há nada sobre ela. Também na capa temos um texto de apresentação no qual eles justificam ou informam, que seus artistas são quase desconhecidos e o interesse era mesmo o lançamento deste disco. Então, temos este rapaz na capa, seria A Francisco Alves, o cantor, ou seria Erich Araguari, o compositor?. Descobri que A. Francisco Alves era Alcino Francisco Alves e também era conhecido pelo nome de Aldo Zarin. Este, por sua vez aparece como citação em alguns sites e até no Youtube, mas sem maiores informações. Quanto a interpretação, repertório e seus arranjos, o disco surpreende, tem lá as suas qualidades entre suas toada, canções, bolero e valsa. Disquinho bem interessante, vale a pena conhecer…
 
toada do cantador
a cantiga do sertanejo
minha sereia
porque não falas de amor
no teu jardim
canção do caboclo
capricho
cidade das hortênsias
 
 

Claudette Soares (1967)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Aqui temos mais um disco da excelente Claudette Soares. Uma cantora que dispensa maiores apresentações. Mas desta vez temos dela um álbum lançado em 1967, primeiro disco dela pelo selo Philips. E é, sem dúvida, um lp da melhor qualidade, com um repertório romântico, mas cheio de bossa. Para tanto, os arranjos são de Oscar Castro Neves e Roberto Menescal, o que garante ainda mais a certeza de um bom disco de música popular brasileira. Confiram no GTM…
 
e agora
ciúme vim
a noite da ilusão
balada do tempo e da vida
nós
rosa dos ventos
lá eu não vou
a um amor dormindo
deixa pra lá
para você somente
tão doce que é sal
 
.
 

Yma Sumac – Voice Of The Xtabay (1951)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! E segue o barco… Aqui vamos com um disquinho estrangeiro e por certo, dos mais interessantes. Temos desta vez o primeiro disco de Yma Sumac, a lendária cantora peruana que nos anos 50 foi sucesso internacional por conta de seu surpreendente alcance vocal, que ia de baixo-barítono a soprano ultra ligeiro, ou seja, ia do grava ao agudo como poucos cantores de opera. Aliás, segundo contam, ela os superava. Cantou também diversas árias de óperas quando esteve na Itália. Aqui no Brasil ela já era conhecida desde a década de 40. No texto de contracapa deste lp de 10 polegadas há uma citação extraída do jornal O Globo, em 1944:“Yma Sumac sensibilidade artística domina todo o Brasil com sua voz mágica e divina os problemas do nosso mundo moderno são esquecidos através do magnetismo deste dom fabuloso, que nos vem descendente direto de Atahualpa, o último rei Inca”. Este disco fez mesmo um grande sucesso. Foi produzido por Les Baxter, assim como as composições, em parceria com Moisés Vivanco, compositor peruano e marido de Sumac, O álbum entrou em várias paradas da Billboard logo que foi lançado. Algumas das canções também vieram a ser usadas em um filme, “Segredo dos Incas”.”Voice Of The Xtabay” mereceu vários relançamentos e podemos dizer que surpreende até hoje. Confiram no GTM…
 
virgin of the sun god
high andes
chant of the chosen maidens
earthquake
dance of the moon festival
dance of the winds
monkeys
lure of the unknown love
 
 
.
 
 
 

IV Festival Da Musica Popular Brasileira – Volume 3 (1968)

Muito bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Seguimos aqui com alguns atrasos, problemas técnicos, pessoais e musicais… Mas continuamos ativos e procurando sempre manter a sequencia diária.
E para o dia de hoje nós temos aqui um disco de festival. Verifico que este nós ainda não postamos, apenas e há um bom tempo atrás o volume 1. Assim, aqui vai o volume 3 do IV Festival da Música Popular Brasileira. Numa próxima oportunidade traremos o 2. 
Como todos já devem saber, este foi um dos grandes festivais realizado pela antiga TV Record de São Paulo, edição de 1968. Este foi o último festival antes de ser decretado, pelos militares, o AI-5. E houve tanta música boa que mereceu várias premiações e também rendeu três discos. Neste volume vamos encontrar…
 
rosa da gente – nara leão e edu lobo
descampado verde – mpb-4
o general e o muro – claudette soares
festa é festa – os kantikos
a grande ausente – silvia maria
madrasta – renato teixeira
dois mil e um – os mutantes
bonita – trio maraya
eu tenho que andar mais lento – márcia
domingo de manhã – lúcio alves
cajueiro velho – eduardo conde
 
.
 

Duo Guarujá (1957)

Boa noite, caros amigos cultos e ocultos! Seguimos intercalando nossas postagens com discos de 10 e 12 polegadas. E na postagem de hoje temos para vocês mais um raro disquinho de 10, lançado pela Continental, em 1957. Trata-se do Duo Guarujá, uma dupla que fez muito sucesso no rádio, nas décadas de 50 e 60. Gravaram dezenas de discos, entre 78 rpm, compactos e lps. Formada por Armando Argentoni e Manilce Lalli (também conhecidos como Nilsen Ribeiro e Armando Castro). Armando foi também um dos componentes do grupo Vagalumes do Luar. Com um repertório popular, romântico e bem variado a dupla gravou este que foi o seu primeiro lp de 33 rpm. Aqui encontramos guarânias e boleros, sucessos que deram a dupla destaque nacional. Confiram o disco no GTM…
 
história de um amor
a que se foi
ciúmes
falam de mim
que murmurem… que murmurem
eu
não quero que ela saiba
punhalada
 
.

Elizeth Cardoso – Disco De Ouro (1974)

Olá, amigos cultos e ocultos! Uma das cantoras brasileiras que nunca podem faltar por aqui é a Elizeth Cardoso, com certeza! E hoje, ouvindo este seu lp, “Disco de Ouro”, achei oportuno trazê-los para nossa lista. Lançado em 1974, este álbum é mesmo uma joia, uma deliciosa coletânea reunindo algumas das maiores interpretações da cantora ao longo de sua carreira. Destaque para o samba choro, “Naquela mesa”, música de Sérgio Bittencourt, na qual ele interpreta juntamente com Elizeth. 
Um segundo volume foi lançado algum tempo depois, também trazendo mais alguns de seus melhores momentos em discos. Confiram no GTM…
 
nossos momentos
apelo
canção de amor
preciso aprender a ser só
canção da manhã feliz
dá-me a tuas mãos
naquela mesa
sei lá mangueira
barracão
é luxo só
mulata assanhada
na cadência do samba
foi um rio que passou em minha vida
eu bebo sim
 
 

Conjunto Melódico De Norberto Baldauf – Ritmos Da Madrugada (1955)

Boa noite, meus prezados amigos cultos e ocultos! Aqui estamos com mais um disquinho de 10 polegadas. Desta vez temos os gaúchos, Norberto Baldauf e seu Conjunto Melódico em seu primeiro lp, lançado pela Odeon, em 1955. Este grupo viria a trilhar os mesmos caminhos do já conhecido nacionalmente, Grupo Farroupilhas. Eles foram para o Rio de Janeiro gravar uma bolacha de 78 rpm, acabaram fazendo sucesso, o que lhes rendeu outros retornos a Cidade Maravilhosa e mais discos gravados. Desses, para um lp com várias músicas, não tardou a chegar. Muito bem recebidos pelo público, acabaram conseguindo a chance de gravar este que foi o lp de estreia. “Ritmos da Madrugada” fez grande sucesso, o que garantiu ao grupo outros lançamentos. Em seu repertório temos uma seleção de sambas clássicos, baião e tango. Duas dessas composições (Baião na Espanha e Duas Rotações) são de autoria de Victor Canella, o grande acordeonista do grupo. Tudo feito de maneira dançante, transformando o lado A, num verdadeiro pot pourri. Muito bom esses gaúchos, vale a pena conhecer…
 
feitiço da vila
no rancho fundo
sinceridad
peguei um ita no norte
felicidade
canção da volta
fita amarela
baião na espanha
copacabana
mano a mano
duas rotações
 
 

A Voz Da RCA Victor – Suplemento Nº 8 Novembro (1958)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Há pouco tempo atrás eu ganhei mais alguns disquinhos raros, desses que a gente não costuma ver por aí. Entre esses, há alguns lps da série “A Voz da RCA Victor”, discos esses, promocionais, criado pela gravadora no sentido de divulgar seus lançamentos. Discos esses direcionados, como está escrito no verso de alguns desses álbuns, a vendedores, distribuidores e radialistas (no caso, como se chamavam antigamente, ‘disc-jockeys’). Essa série surgiu nos anos 50, em produção limitada e curiosamente, eram lps em 33 rpm e de 12 polegadas, onde eram apresentados os lançamentos das bolachas de 78 rpm. São discos, realmente, muito interessantes e que hoje são bem cobiçados por colecionadores. Infelizmente é muito difícil encontrar a série completa, que começa (me parece) em 1957. Outro detalhe infeliz é o fato de que as músicas não são apresentadas integralmente, apenas um pequeno trecho. Uma pena, pois considerando a qualidade em 33 rpm, muitos desses discos só ficaram mesmo em 78 e geralmente discos bem surrados. Aqui seria uma oportunidade de ouvi-los com mais pureza. Por certo, a RCA Victor, ou a Sony que hoje controla tudo, deve ter em algum lugar esses registros (ou não?). Está aí, um coisa que eu gostaria de saber.. Será que existem ainda as fitas originais, ou cópias restauradas? E onde será que estão guardadas? Enfim, seja como for, se você, meu amigo, quer conhecer coisas assim, só mesmo em lugares como este aqui, o Toque Musical, um espaço independente, que embora criticado por cronistas e especialistas (os amigos ocultos que só entram para baixar as raridades), é onde todos vem beber.
Como disse, tenho alguns desses discos da Voz da RCA Victor e eventualmente poderei ir postando aqui. Segue então o Suplemento Nº 8, de novembro de 1958. Acredito que vocês irão gostar. Confiram no nosso Grupo do Toque Musical, ok? 
 
alaide costa – canção de ir embora / gosto de você
ivon curi – patricia / hello brazil
linda baptista – calúnia / o morro está doente
jorge goulart – palahço / a flor do lodo
nora ney – solidão / pra falar com meus botões
fred williams – barril de vinho / baião da minha terra
neusa maria – piccolissima serenata / descrença
ester de abreu – sou fadista / sinal da cruz
torrinha e canhotinho – missão sagrada – reisado
bié e juquinha – sou eu / não posso perdoar
nenete e dorinho – meu predão / teu castigo
elvis presley – hard headed woman / don’t ask me why
julius la rosa – torero / milano
pedro vargas – en mala hora / cuando los años pasan
 
 
.
 

Carnaval de 57 (1957)

Olá, meus amigos cultos e ocultos! Ao que tudo indica, nos próximos dias, só teremos no GTM links pelo Depositfiles, pois, pelo Mediafire nossa conta já esgotou. Sei que muitos preferem o Mediafire, mas infelizmente teremos que nos contentar com o outro, temporariamente, ok?
Hoje eu vou trazer mais um disco de carnaval, bem parecido o do “Ritmos da Panair”, pois aqui também é só sucessos, nas vozes de Emilinha Borba, Jorge Goulart, Vera Lúcia, Ruy Rey,  Vagalumes do Luar, Duo Guarujá, Bill Farr, Nora Ney, Jamelão, Gilberto Milfont e Risadinha. Uma seleção, hoje clássica, da Continental para o Carnaval de 1957. Neste lp de 10 polegadas as músicas fazem parte deu um imenso pot pourri carnavalesco, sem pausa. Não deixem de conferir no GTM…
 
vai com jeito – emilinha borba
inflação de mulheres – jorge goulart
olha o jacaré – vera lúcia
seu romeu – ruy rey
os olhos da morena – vagalumes do luar
marcha do garrafão – duo guarujá
vamos beber – bill farr
não vou chorar – nora ney
não quero mais amar ninguém – jamelão
vou pensar – gilberto milfont
teu falso amor – risadinha
 
.