ATENÇÃO!

Em destaque

PARA SE ASSOCIAR AO NOSSO GRUPO, O GTM, E PODER ACESSAR OS ARQUIVOS DESSAS POSTAGENS O INTERESSADO DEVE FAZER A SUA SOLICITAÇÃO FORMAL, ATRAVÉS DAS ORIENTAÇÕES QUE SE ENCONTRAM NOS TEXTOS LATERAIS. OS LINKS PARA DOWNLOAD ESTÃO NO GTM E FICAM ATIVOS POR UM TEMPO LIMITADO. NÃO HÁ MAIS REPOSIÇÃO DE LINKS POR SOLICITAÇÃO. POR ISSO, É BOM ACOMPANHAR SEMPRE AS POSTAGENS, POIS O TEMPO PASSA E A FILA ANDA. MAIORES INFORMAÇÕES, ENTRE EM CONTATO: toquelinkmusical@gmail.com

Salve 100 Anos Gonzagão (2012)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Trago hoje para vocês um trabalho, já na era das edições digitais, um cd lançado em 2012 pelo músico, compositor, produtor e tantas coisas mais, o incansável Téo Azevedo. Há pouco mais de uma semana estive com ele num festival de música, aqui em Belo Horizonte e para manter a moral, comprei este disquinho dele já pensando em postá-lo aqui no nosso Toque Musical. Trata-se de um disco produzido por ele e também em parceria com o ator Jackson Antunes, em 2012, em homenagem ao grande Luiz Gonzaga. Uma seleção que reúne artistas variados do universo da música de forró, nordestina e rural como se pode ver na capa. Boa parte das 17 músicas são de autoria de Teo Azevedo, com destaque para o tema de abertura, “Padroeira da Visão – Santa Luzia”, cuja a letra é de sua autoria e musicada por Luiz Gonzaga, aqui interpretada por Dominguinhos, pouco antes de vir a falecer. Taí um trabalho bem bacana que chegou a concorrer ao Grammy Latino de 2013. Confiram no GTM…

padroeira da visão – santa luzia – dominguinhos
requim a gonzagão – teo azevedo
oxente, cabra da peste – genival lacerda e joão lacerda
causos gozagueanos – mano véio manda véia
o sonho de teo azevedo com gonzagão no parque asa branca – caju e castanha
o buraco – tisiu do araripe
o brasil nunca mais terá um trio como senna, pelé e gonzagão – cantores
maria cangaceira (maria bonita) – jackson antunes
saudade do corneteiro – fatel e luiz wilson
forrozeiro – josé fábio
abecedario catrumano – teo azevedo
voando na branca asa – josé carlos
casa do brás – caju e castanha
puxe o fole sanfoneiro, dominguinhos tocador – teo azevedo
um baiãozinho para o rei do baião – assis angelo
quanto mais mexe mió – teo azevedo
romaria eterna – teo azevedo

 

Gallo E Seu Conjunto – Em 4 Tempos (1959)

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje estamos apresentando o pianista Fernando Gallo e seu conjunto, em LP editado pela Mocambo, do Recife, em 1959. Este trabalho segue a linha dançante em voga na época, apresentando uma seleção de sucessos da ocasião, tais como “O apito no samba”, “Mocinho bonito”, “Charmaine”, “Tudo ou nada” e “Camponês alegre”.  Enfim, um repertório que transmite bem a época, feito sob medida para ouvir e dançar. Não encontrei nenhuma informação biográfica sobre Fernando Gallo, mas este “Em quatro tempos” vale muito a pena, e é digno merecedor de nossa postagem de hoje.

samba do teleco-teco
mocinho bonito
apito no samba
mi nuovo ritmo
puente de pedra
camponê alegre
noites cruéis]melodia d’amore
tudo ou nada
charmaine
so in love
on the street where you live


*Texto de Samuel Machado Filho

Tema 3 – Madrugada 1 30 (1969)

Compositor, pianista, arranjador e maestro, Gilson Peranzetta (Rio de Janeiro, 21/4/1946) é conhecido por imprimir criatividade e delicadeza às suas performances. Ele iniciou sua carreira musical em 1964, acompanhando diversos artistas, como Elizeth Cardoso, Maria Creuza, Antônio Carlos e Jocafi, Gonzaguinha, Simone, Edu Lobo e Ivan Lins. Com este último, aliás, trabalhou por dez anos. Durante sua carreira, recebeu inúmeros prêmios e contabiliza 33 álbuns solo, além de centenas de discos gravados para diversos artistas como pianista, produtor e arranjador. Compõe também trilhas sonoras para filmes e séries de televisão, e seu currículo também inclui apresentações nos EUA, Japão, Espanha (onde morou por três anos) e Alemanha, entre outros países. Na década de 1960, Gilson Peranzetta, formou o grupo Tema 3, integrado por ele ao piano, Luiz Roberto no baixo e Atayde na bateria. E foi com esta formação, em 1969, que o trio gravou este “Madrugada 1:30”, que o TM oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos. Os arranjos e o violão ficaram por conta de Alberto Arantes, e no repertório constam sucessos de época (“Andança”, “Walk on by”, “Fool on the hill”, “Sá Marina”) e composições até então inéditas (“Trem da manhã branca”, “Afro”, “Ela vem de volta”, ZonD 5”). Há também músicos convidados, como o flautista Nicolino Cópia, o Copinha, o pistonista Carlos Cruz  e o Quinteto Carlos Gomes. A produção foi de Norival Reis, o Vavá, que também escreveu o texto da contracapa. Enfim, mais um disco de qualidade que o TM possui a grata satisfação de oferecer. Confiram. 

andança
grão de café
walk on by
ela vem de volta
sabiá
zond 5
the fool on the hill
sá marina
trem da manhã branca
afro
amazonas
watch what happens



* Texto de Samuel Machado Filho 

Ana De Hollanda (1980)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje trazemos para vocês o primeiro disco da cantora, compositora e muito mais, além de fazer parte do clã dos Hollandas. Irmã de Chico, Miúcha e Cristina. Enfim, uma artista que vem de uma família renomada, sempre presente na nossa cultura. Não foi por acaso que Ana chegou a ser Ministra da Cultura, no tempo em que ainda tínhamos Cultura e Educação nesse nosso Brasil. Aqui temos então a cantora em seu primeiro disco solo. Um trabalho muito bem produzido, trazendo um repertório bem selecionado pela própria artista. Os arranjos e regências são dos maestros Edson José Alves e Marcus Vinicius. Ana vem acompanhada por um time de músicos de primeiríssima, que dão a este disco toda a sobriedade e beleza. Vale a pena conferir…

waikiri
tres marias
resto de lembrança
um grito parado no ar
angélica
santa vida
alvorada
tipo zero
boca de cereja
quando os pedaços da gente
ciranda


.

Show Days Saloon (1986)

Olá, amigos cultos e ocultos! Uma coisa que sempre gostei e me desperta curiosidade, são discos cujos artistas, para mim, são ilustres desconhecidos. Me chama mais a atenção quando a produção vem com a chancela de um grande selo. É o caso aqui deste lp, lançado pela gravadora RCA, nos anos 80. Temos aqui Show Days Saloon, um nome que só mesmo quem viveu em São Paulo nos anos 80 pode saber. Trata-se de uma casa de show que existiu na cidade nos anos 80. Um espaço temático, country, ao estilo de um ‘saloon’, do velho oeste americano. Uma casa movimenta, com muitos shows. Inicialmente voltada para a música country e jazz, mas ao longo de sua rica existência, acabou abraçando outros estilos como o rock, mpb e samba. Uma perfeita casa de show que ficava no shopping Eldorado, onde antes funcionou outra também famosa casa de espetáculos, a Resumo da Ópera. Na Show Days Saloon passaram muitos artistas e como disse, com diferentes estilos. Este lp é algo assim, um resumo do muito que passou por lá. Temos aqui um grupo de artistas de rock, pop e samba, numa seleção que ilustra bem o que poderíamos chamar de ‘cast’ da boate. Infelizmente, este lp ficou mesmo, apenas como um registro, uma vitrine que não atraiu e nem fez despontar ninguém. Mesmo assim é um registro que merece nosso toque musical, afinal, só aqui vocês poderiam encontrar coisas semelhantes. Não deixem de conferir…

voa canção – passaporte
usa e abusa – styloo
um mistério – a máquina
adeus frieza – tina e freeway
sol de verão – espaço livre
não vou mais falar de amor – perola negra
show man – tina e freeway
uma tarde no shopping – passaporte
meu papai – styloo
o jeito é viver – a máquina
margareth chiclete – espaço livre
mestre sala do amor – lita teles e grupo show days

.

Waldemar Spilman E Sua Orquestra – Baile De Reveillon (1960)

Hoje o Toque Musical apresenta mais um álbum de música dançante. É “Baile de Reveillon”, lançado em 1960 pelo extinto selo Internacional, reunindo uma seleção de sucessos a cargo da orquestra de Waldemar Szpilman, nascido em Owtroviec, Polônia, em 1905, e falecido em 2003, no Rio de Janeiro, aos 98 anos. De sólida carreira musical como violonista, saxofonista, clarinetista, líder de orquestra e compositor, era primo do pianista Wladyslaw Szpilman, retratado no filme “O pianista”, de Roman Polanski, e pai do músico Marcos Szpilman, criador da Rio Jazz Orchestra. Veio para o Brasil com seus irmãos Moisés e Samuel, em 1925 e, algum tempo depois, naturalizou-se brasileiro. Szpilman integrou a Orquestra Sinfônica Brasileira e foi programador da Rádio MEC. Em 1945, criou sua própria orquestra, com a qual animou os bailes cariocas por mais de vinte anos.  Em novembro-dezembro de 1956, a Continental lançava seu disco de estreia, um 78 rpm com “Penthouse mambo”, de Bebo Valdez, e “Samba em fantasia”, do próprio Szpilman em parceria com Astor Silva. Mais tarde, era lançado o primeiro LP da orquestra, o ‘dez polegadas’ “Dançando com Waldemar Szpilman e sua Orquestra”. Em 1959, veio o segundo LP, “O primeiro baile”, pela mesma Internacional que, no ano seguinte, lançou o terceiro, “Baile de Reveillon”, exatamente o álbum que o TM oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos. No repertório, a curiosidade fica por conta da inclusão de “Unchained melody”, que voltaria a fazer sucesso em 1990, incluída no filme “Ghost – Do outro lado da vida”. Também se destaca a participação de Paulo Moura no sax-alto, na faixa “Have lips, will kiss in the tunnel of love” (o famoso “Túnel do amor”). Tudo isso e muito mais, fazendo deste “Baile de Reveillon” uma autêntica preciosidade para ouvir e dançar o ano inteiro. Que comece a festa!

pra fazer nosso samba
samba
derniere reverie
expression
unchained melody
the tender trap
have lips will kiss in the tunnel of love
baby face
voando para new york
na cadência do samba
who
my heart belongs to daddy



*Texto de Samuel Machado Filho

Cido Bianchi – Show De Orgão (1965)

Pianista e arranjador dos mais competentes, Aparecido Bianchi, aliás Cido Bianchi, formou, juntamente com o contrabaixista Sabá e o baterista Toninho, o Jongo Trio, que tocou com Baden Powell e acabou sendo convidado para acompanhar Elis Regina e Jair Rodrigues no show “Dois na bossa”, que virou LP de muito sucesso. Cido Bianchi faleceu no dia primeiro de março de 2015, em São Paulo, aos  79 anos. E, além de pianista, foi também organista. É o que mostra este disco que o TM oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos, muito apropriadamente intitulado “Show de órgão”. Lançado em 1965 pela extinta marca Farroupilha, que pertencia ao conjunto de mesmo nome, este trabalho apresenta Bianchi executando ao órgão temas de filmes de cinema e séries de televisão que fizeram muito sucesso. Das telonas, foram pinçados os temas dos filmes “Vício maldito”, “Orfeu negro” (originalmente exibido no Brasil como “Orfeu do carnaval”), “Deu a louca no mundo”, “Moscou contra 007”, “My fair lady”, “A noviça rebelde”, “Amor, sublime amor” e “Quando o coração floresce”. E, das telinhas, os temas das séries “Mr. Lucky”, “Aventuras no paraíso”, “Cidade nua” e “Dr. Kildare”. Tudo isso formando um conjunto primoroso, merecendo, pois, nossa postagem de hoje. Não deixem de conferir no GTM.

mister lucky
days of wine and roses
manhã de carnaval
from russia with love
adventures in paradise
it’s mad mad mad mad mad world
on the street where you
naked city
the sound of music
tonight
summertime in venice
theme from dr. kildare



*Texto de Samuel Machado Filho

O Raro Villa-Lobos (2004)

Olá, amigos cultos e ocultos! O Toque Musical apresenta hoje uma raridade já da era do CD. Trata-se de um disco lançado em 2004, reunindo obras inéditas de Heitor Villa-Lobos (Rio de Janeiro, 5/3/1887-idem, 17/11/1959), indiscutivelmente o maior expoente da música erudita no Brasil e na América do Sul. O CD foi gravado ao vivo pela Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, sob a regência do maestro e também compositor Silvio Barbato. Mineiro de Candeias, nascido em 11 de maio de 1959, Barbato desapareceu tragicamente no dia primeiro de junho de 2009, durante o voo 447 da Air France. O avião caiu no mar quando ia do Rio de Janeiro para Kiev, na Ucrânia (com conexão em Paris), onde o maestro iria fazer uma palestra sobre música russa e música brasileira, e apresentar sua ópera “Carlos Chagas” em versão integral. O encarte do disco traz informações sobre as peças incluídas e sua execução. Em suma, é um documento de inestimável valor histórico que o TM traz até nós, fazendo uma dupla homenagem, a Villa-Lobos e a Silvio Barbato. Vale conferir.

élégie
naufrágio de kleônicos
sinfoneta n.2 
odisseia de uma raça
suite for chamber orchestra


*Texto de Samuel Machado Filho

Sérgio Endrigo – Exclusivamente Brasil (1979)

Sem sombra de dúvida, Sérgio Endrigo (Pula, Croácia, 15/6/1933-Roma, Itália, 7/9/2005) foi um dos maiores nomes da música popular italiana. Sucessos como “Io che amo solo te”, “Lontano dagli occhi” e “Canzone per te” (música com a qual venceu o Festival de San Remo de 1968, defendida por Roberto Carlos) são muito apreciados e lembrados até hoje. Endrigo também era um apaixonado por música brasileira, fruto do convívio e da amizade com artistas do porte de Chico Buarque e da dupla Toquinho e Vinícius de Moraes. Foi daí que surgiu a ideia de se gravar um álbum exclusivamente de música brasileira, e em português, posto que Endrigo dominava muito bem nosso idioma. E aqui está “Exclusivamente Brasil”, lançado em 1979 e que o TM oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos. O repertório foi selecionado pelo próprio Sérgio Endrigo, e inclui duas músicas inéditas: “Samba para Endrigo” (Toquinho e Vinícius de Moraes) e “A rosa” (Chico Buarque), com a participação vocal de seus respectivos autores.  Outra faixa de destaque é “Samba em prelúdio”, um ótimo dueto de Endrigo com Fafá de Belém. No mais, uma produção muito bem cuidada, com arranjos competentes e digna de nossa postagem de hoje. Não deixem de conferir!

samba para endrigo
café da manhã
trocando em miúdos
a noite do meu bem
onde anda você
carinhoso
a rosa
samba em prelúdio
 ana luiza
morena do mar
joão e maria
morena flor




*Texto de Samuel Machado Filho

 

Pixinguinha – Vida E Obra (1978)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Estou novamente respostando este disco, pois só agora me dei conta de que havia postando ele parcialmente. Prometi o segundo disco, mas acho que acabei me esquecendo. Não fosse o amigo Denys, este disco teria ficado mesmo pela metade. Por outro lado, por duas vezes eu repus aqui o link para o álbum e completo, só não havia me atinado para isso. Inclusive, os arquivos que circulam pelos ‘torrents’, vieram desta lavra aqui. Então, mais uma vez, temos o álbum Pixinguinha – Vida e Obra, lançado pelo selo Som Livre, em 1978. Este álbum, como foi dito, foi lançado pela gravadora como brinde de fim de ano da Rede Globo de Televisão. Trata-se, portanto de uma edição exclusiva e limitada, que até onde eu sei nunca chegou a ser lançada comercialmente. Uma seleção com vários artistas e também com fonogramas pouco conhecidos. Daí o preciosismo e raridade deste disco que hoje poucos o tem. O álbum duplo ainda traz um encarte/livreto com muitas informações importantes sobre Pixinguinha (vida e obra) em texto do jornalista Sérgio Cabral, este por sinal, também responsável pela produção e seleção musical.
Desta vez, segue completo para a alegria de todos. Confiram no GTM!

carinhoso – pixinguinha
urubu – os oito batutas
os cinco companheiros – paulinho da viola
rosa – orlando silva
patrão prenda seu gado – almirante
1×0 – pixinguinha e benedito lacerda
vou vivendo – dilermando reis
os oito batutas – conjunto época de ouro
benguelê – conjunto época de ouro
ingênuo – jacob do bandolim
lamento – jacob do bandolim
o gato e o canário – pixinguinha e benedito lacerda
já te digo – pixinguinha
yaô – joão da baiana, clementina e pixinguinha
sofre porque queres – conjunto época de ouro
carinhoso – orlando silva
estou voltando – conjunto galo preto
que perigo – pixinguinha e velha guarda
naquele tempo – dilermando reis
a vida é um buraco – pixinguinha
marreco quer agua – pixinguinha


.

Toque Musical 12 Anos

Hoje é aniversário do Toque Musical. Juro, eu havia me esquecido… Isso é uma prova do quanto estou desligado, ou melhor ainda, desmotivado com essa coisa de blog musical. A começar pela minha própria falta de tempo, ou pelo tempo que isso aqui ocupa da gente. É certo de que quando gostamos do que fazemos temos para isso todo tempo do mundo. Mas o mundo dá voltas e se transforma e aquilo que antes dava prazer torna-se uma obrigação. Acredito que os últimos anos a coisa aqui tem sido assim. Confesso que venho perdendo o interesse e a graça por tudo isso, mesmo assim, ao olhar para trás, ver tudo o que foi feito, penso que não posso abandoar o projeto de vez. Daí, ele segue, agora sem compromisso. Penso que se antes o Toque Musical era feito para todos, agora eu o faço para mim.
Preguiçosamente (falta de tempo), deixei muitos dias se passarem sem postagem, mas para não ficar muito espaçado entre os dias, estive voltando no tempo, num retardo, preenchendo os dias vazios. Estou agora só há um mês atrasado e hoje é dia de aniversário. Fui obrigado a voltar ao presente para registrar mais uma passagem. Inacreditavelmente, completamos 12 anos!
Quero agradecer a participação de todos os amigos cultos e ocultos que sempre estiveram por aqui, aos mais de 3 mil associados no GTM (Grupo do Toque Musical), aos colaboradores e em especial ao amigo Samuel Machado Filho, grande parceiro, responsável por dividir comigo tantas postagens através de seus textos sempre esclarecedores.
Não prometo, mas pretendo manter o Toque Musical sempre na ativa. Conto com a presença e mais ainda, a colaboração de todos. Grande abraço!

Augusto TM

.

Samba Nostalgia Vol. 2 (1977)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Fechando a nossa mostra de coletâneas, eu trago hoje uma que merece respeito, “Samba Nostalgia – Vol. 2”. Taí um álbum duplo que vale cada faixa em suas 36 músicas. Uma seleção de sambas da gravadora RCA Victor extraídos de discos e artistas do se ‘cast’ ao longo das décadas de 40, 50 e 60. Aqui temos o volume 2, mas logo que possível postarei também o primeiro (será que temos um terceiro?). Vamos ver isso. Até então, divirtam-se com essa seleção preciosa.

madame fulana de tal – nelson gonçalves
meus tempos de criança – ataulfo alves
rosa morena – miltinho
lamento – jacob do bandolim
yaya do cais dourado – martinho da vila
café soçaite – jorge veiga
falsa baiana – cor monteiro
nega maluca – linda batista
três apitos – maria bethania
cadê tereza – os originais do samba
volta por cima – adalto santos
luz negra – o sol nascerá – maria creusa
filoso fia do samba – candeia
adeus batucada – synval silva
nem é bom falar – adeus – ismael silva
boogie woogie na favela – ciro monteiro
o pequeno burgues – martinho da vila
caminhemos – nelson gonçalves
acertei no milhar – jorge veiga
pot pourri de samba – mané do cavaco
mora na filosofia – maria bethania
atire a primeira pedra – orlando silva
deixe essa mulher pra lá – ataulfo alves
os quindins de yaya – emilinha borba e cesar alencar
marina – dick farney
samba de uma nota só – leny andrade
amigo urso – moreira da silva
esses moços – lupicínio rodrigues
chora cavaquinho – orlando silva
notícia – nelson cavaquinho
vai, mas vai mesmo – nora ney
o orvalho vem caindo – almirante



.

A Grande Parada Vol. 4 (1974)

Olá, amigos cultos e ocultos! Ainda nas coletâneas, achei mais um “A Grande Parada”, do selo Beverly. Aqui o volume 4, lançado em 1974. Segue na mesma linha do primeiro, uma seleção de artistas do romântico popular. Como podemos ver pela capa, temos nomes consagrados e outros um tanto desconhecidos, ou ainda, pouco lembrados. Eis aqui a oportunidade da volta, eternizada pelo Toque Musical. Não deixem de conferir no GTM.

minhas qualidades, meus defeitos – paulo sérgio
vamos passear – sueli
animais irracionais (somos todos meio) – dom e ravel
venha sorrindo – os carbonos
zeca poeta de guerra – wando
ela não tá com nada – nerino silva
só penso em morrer – angelo máximo
agora é tarde – mauro sergio
eu vou voltar pra bahia – edu maia
o presentinho – dino rossi
aquello ojos verdes – gilberto reis
se meu amor não chega – carlos andré


.

RGE Em Marcha (1957)

Olá, amiguíssimos cultos e ocultos! Quando eu era criança estudei num grupo escolar municipal, uma escola, na qual havia um sistema de som com tocadiscos, que era usado diariamente como trilha para a marcha dos alunos enfileirados na saída das aulas. Me lembro que eram poucos discos na salinha reservada do som, entre esses havia o “RGE em Marcha”, este velho lp que eu hoje apresento a vocês. Como esse mundo dá voltas. Eu nem me lembrava, não fosse por conta da capa. Bati o olho e lembrei e daí pensei, seria uma ótima opção de postagem e aqui agora está… Temos neste lp de 1957, da RGE, uma seleção de melodias, dobrados, maxixes, músicas antigas em ritmo de marchas. A Orquestra RGE vem sob a regência do maestro italiano Henrique Simonetti. Taí, mais um inesquecível momento de um passado que certamente haverão outros compartilhando. Confiram, no Grupo do Toque Musical 😉

dois corações
dionisio gilberto
pé de anjo
formosa
princesa d’oeste
americanense
piraporinha
marcha dos futebolistas
maxambombas e maracatús
são paulo quatrocentão
marcha das bandeiras
domingo em ibirapuera


.

A Grande Parada (1971)

Olá amigos cultos e ocultos! Mais uma coletânea que por certo irá agradar. Desta vez temos aqui uma seleção de artistas românticos e populares, do selo Beverly, bem no inicio dos anos 70. Aqui iremos encontrar artistas como Angelo Máximo, Gilbert, Nalva Aguiar, Os Carbonos e outros. Esse tipo de coletânea é legal por que sempre traz um ou outro artista obscuro, ou que só chegou a gravar em compacto. Vale uma conferida no GTM…

o fim – mauro sergio
o nosso amor não está morrendo – angelo máximo
pela primeira vez – gilbert
davy – nalva aguiar
jardim de rosas – ornella
você também é responsável – os carbonos
funny funny – os carbonos
scaba badi bidu – jackie
ah se eu soubesse – cleo galanth
josé – nalva aguiar
eu sinto uma saudade de você
arrebita – dino meira


.

Entre Amigos (1985)

Olá, amigos cultos e ocultos! Aqui vai mais uma seleção que é bem mais que uma simples coletânea. Na verdade é uma seleção de clássicos da nossa MPB, reunindo grande nomes, num projeto que recebeu o título de “Entre Amigos”. Sim, é um encontro de amigos cantando, tocando, regendo e produzindo. Um trabalho sobe a direção musical, arranjos e regências do maestro Francisco de Moraes, o Chiquinho de Moraes. Aqui estão reunidos figuras como Gal Costa, Alcione, Joyce, Angela Roro, Lucinha Lins, Emílio Santiago, Leny Andrade, Zéluiz, Rosa Maria, Ruy Maurity e Filó. Não bastasse isso, ou por conta disso, temos também um timão de outros músicos instrumentistas e a participação internacional do francês Michel Legrand. Eis aqui um lp interessante no qual temos interpretações únicas, gravadas com exclusividade para esse projeto, lançado em 1985 pelo selo Pointer. Não deixem de conferir…

canção da américa – gal costa
casa no campo – leny andrade
pai e mãe – emilio santiago
recado – alcione
chuva de verão – joyce
aos nossos filhos – angela roro
o surdo – lucinha lins
meu silêncio – zéluiz
meu amigo meu herói – rosa maria
meu caro amigo – ruy maurity
universo no seu corpo – filó



.

As 13 De Sorte Vol. 2 (1969)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Na sequência das coletâneas, hoje temos “As 13 de Sorte 2”, lançada pelo selo Caravelle, em 1969. Temos aqui uma seleção popular romântica, com nomes de destaque: Paulo Sérgio, Marcos Moran, Tony Damito, Fredson, Parada 5 e outros do cast da gravadora. Acredito que boa parte do que temos aqui se limitou a essa edição. Portanto, trata-se de um lp de coisas raras que por certo irá agradar ao fiel público do TM, que também curti escutar música com outros ouvidos. Confiram lá no GTM 😉

um amor nascendo e outro morrendo – paulo sergio
vou casar – marcos moran
pra ver se ela para na minha – tony damito
você não vai encontrar um amor igual ao meu – fredson
quando eu disser adeus – arturzinho
strasera – josé ricardo
pra não dar na pinta – fredson
reverb beat (queremos pernas de fora) – bossa e música
flamengo e portela – as certinhas
sonnando – parada 5
prefiro então morrer – josé ricardo
sou gamado nela – artuzinho
eu bem sabia – paulo sergio



.

As 14 Favoritas – Som Maior (1968)

Olá amigos cultos cultos e ocultos! Ainda tentando fechar os 12 anos, aqui vai mais uma coletânea, também com 14 sucessos. Dessa vez temos as 14 favoritas do selo Som Maior, apresentando apenas artistas nacionais que na época estavam nessa gravadora. Como podemos ver já pela capa, temos um ‘cast’ de alto nível e um repertório a altura. Esta é a primeira vez que o link chega primeiro que a sua postagem. Já havia publicando o link no GTM, mas me esqueci da postagem. Pronto, está na mão…

margarida – os 3 morais
minha roda gigante – tito madi
maria carnaval e cinzas – pop 5
with a girl like you – the ghosts
meus amigos – embalo r
domingo no parque – titulares do ritmo
puppet on a string – conjunto mafasoli
alegria alegrua – titulares do ritmo
there’s a kind of hush -conjunto mafasoli
roda viva – pop 5
a whiter shade of pale – the ghosts
travessia – os 3 morais
chove outra vez – tito madi
the shadow of your smile – embalo r


.

14 Sucessos RCA Victor Vol. 2 (1966)

Olha aí, amigos cultos e ocultos! Hoje sem delongas, segue aqui outra boa seleção, desta vez da RCA Victor, que é sinônimo de qualidade e variedade. 14 Sucessos, Volume 2 nos traz uma coletânea de sucessos e em sua maioria artistas nacionais e de um período marcante da gravadora. Não deixem de conferir, pois aqui vocês encontram…

tristeza – maysa
a taste of honey – living brass
ternura – demetrius
michelle – expósito e sua orquestra
dio come ti amo – laredo brass
dá-me – dorothy
aline – orquestra namorados do caribe
ontem – sergio murilo
si fa sera – gianni morandi
maria elena – carlos gonzaga
thunderball – ray martin e sua orquestra
o homem que não sabia amar – josé ricardo
o canto de ossanha – wilson miranda
família buscape – meire pavão



.

14 Sucessos De Ouro Vol. 4 (1965)

Olá, amigos cultos e ocultos! Seguimos neste mês com algumas coletâneas, alguns daqueles discos que se não fosse aqui, vocês nunca teriam escutado. Nesta, eu confesso, até mesmo eu. E taí um bom motivo para apreciarmos, por exemplo, essa seleção da RGE, reunindo 14 músicas extraídas de discos de seus artistas. Temos assim um variado leque para promover seus lançamentos e artistas e atender ao seu mais diverso público. Um misto de sucessos nacionais e internacionais. Não deixem de conferir no GTM, pois temos aqui…

distância – miltinho
sukiyaki – the andrews sisters
garota de ipanema – paulinho nogueira
sabe deus – oslain galvão
blame it on the bossa nova – lawrence welk 
tudo de mim – rosana toledo
eu hei de seguir – george freedman
doce amargura – alda perdigão
soñar contigo – bienvenido granda
bonaza – billy vaughn
prova de amor – miguel angelo
apache – the bells
o tempo te dirá – raul sampaio
el relicario – ubirajara



.

Sergio Ricardo – Depois Do Amor (1961)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Hoje estou trazendo para vocês um disco que há muito eu queria ter postado aqui, mas como vocês sabem, eu gosto de um serviço completo, ou melhor dizendo, gosto de apresentar arquivos completos. Tenho preguiça até de ouvir quando o arquivo não traz capa, contracapa, selo e encartes. Por essa razão o “Depois do Amor”, de Sérgio Ricardo ficou na gaveta, esperando por uma capa, contracapa e selo. Mas, finalmente apareceu, o meu amigo Fares me presenteou com essa pérola e agora então posso compartilhar a alegria com vocês.
Temos aqui um Sergio Ricardo intérprete, bem ao estilo do artista que se apresentava na noite com seu piano. “Depois do Amor” é um disco onde ele seleciona 12 canções de outros autores, algumas, ou quase todas, verdadeiros clássicos da nossa canção popular. Sem dúvida, um disco bem bacana, hoje também um clássico, indispensável em qualquer discoteca de Bossa Nova. E aqui também 😉

depois do amor
errinho atoa
maria dos olhos grandes
foi a noite
serenata branca
duas contas
poema dos olhos da amada
passarinho
dorme dorme menininha
eu sonhei que tu estavas tão linda
ilusão atoa
quem quiser encontrar o amor


.

O Ciclo Vargas – Um Visão Através Da Musica Popular (1983)

Olá, amigos cultos e ocultos! Esta postagem de hoje do Toque Musical é um LP duplo da série “Uma visão através da música popular”, produzida pelo Sesc em conjunto com a Fundação Roberto Marinho, a mesma da qual apresentamos anteriormente o disco dedicado à Revolução de 1932. Desta vez, é abordado o longo período em que Getúlio Vargas governou o Brasil, tanto que várias de suas faixas já foram apresentadas nos dois volumes da coleção Grand Record Brazil sobre a Era Vargas, cujas resenhas foram de minha responsabilidade, e nas quais vocês poderão encontrar maiores informações sobre esse importantíssimo período da história do Brasil. O disco ainda apresenta duas paródias fazendo referência a Getúlio, das músicas “Taí” e “Gosto que me enrosco”, com o coral da gravadora Eldorado, e o samba-enredo “61 anos de República”, apresentado pela escola Império Serrano em 1951, mas só gravado em 1976. Enfim, um documento histórico que o TM põe à disposição.

harmonia harmonia
comendo bola
g-e-gê (seu getúlio)
gosto que me enrosco
taí
a menina presidência
glórias do brasil
onde o céu é mais azul
é negócio casar
o sorriso do presidente
brasil brasileiro
diplomata
salve 19 de abril
palacete do catete
salada política
ai! gegê
juramento de getúlio vargas na posse de presidente 1951
setenta e um anos de república
ministério da economia
coisa modesta (gegê)
trabalhadores do brasil
se eu fosse o getúlio
ele disse
hino a getúlio vargas



*Texto de Samuel Machado Filho

Grupo Nós – Rasante (1980)

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje o Toque Musical oferece a vocês o primeiro LP do grupo Nós, formado em Ribeirão Preto, em 1978, com o nome de Nós 4 e descendente direto de outra banda, o Grupo 17, muito conhecido na região nos anos 1960/70. O disco foi lançado em 1980, de forma independente, e tem sonoridade influenciada pelo rock progressivo, folk e MPB. E este foi apenas o início de uma carreira bastante promissora, que dura até hoje, mesmo com o falecimento de dois de seus fundadores, Henrique Bartsch e Johnny Oliveira. Portanto, é mais um produto de qualidade que o TM orgulha-se em oferecer. No arquivo do disco temos incluído mais informações sobre o grupo. Não deixem de conferir!

1968

circulo vicioso

rasante

retrato em 3×4

vozes

montes de minas

trombadinha

ao meu redor

andando nos andes

falo calado

razão blue


*Texto de Samuel Machado Filho

O Santo Sudário – TSO (1980)

O santo sudário é uma relíquia que, segundo alguns acreditam, foi o pano que envolveu Jesus Cristo quando ele morreu. Guardado em Turim, na Itália, o sudário tem a imagem de um corpo ensanguentado, com feridas parecidas com as de Jesus. Foi revelado no século XV e se tornou uma atração entre os fiéis cristãos. Algumas referências mais antigas sugerem que o sudário é mais antigo que isso ou que outros panos com imagens de Jesus já existiam. No entanto, não existe evidência sólida que foi o pano que envolveu o corpo de Jesus. O santo sudário foi tema de diversos documentários. Um deles foi feito em 1980, sob a direção de Paulino Brancato Jr., até então o único jornalista que teve permissão para entrar na Igreja de São João Batista, em Turim, e filmar o santo sudário. E é justamente a trilha sonora desse filme, com arranjos e regência de Eduardo Assad, que o Toque Musical oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos. O lado A tem as músicas do filme acrescidas de narração, com atores interpretando Jesus Cristo, Maria, João Evangelista, Pôncio Pilatos e um jornalista e, no lado B, apenas a execução instrumental. Um trabalho interessante e curioso, que merece uma conferida. 

funk in turin
sarqabandi – 2 mov
judas macabeu – 1 mov
sarabandi – 1 mov
ave maria
judas macabeu  – 2 mov
sarabandi 2 mov
sarabandi – 1 mov
judas macabeu – 2 mov
ave maria
judas macabeu – 1 mov
sarabandi – 2 mov
funk in turin

*Texto de Samuel Machado Filho

Leny Andrade – No Inverno & Verão (1985)

Leny de Andrade Lima, ou simplesmente Leny Andrade, está presente mais uma vez no Toque Musical. Nasceu no Rio de Janeiro em 26 de janeiro de 1943, e aos seis anos de idade começou a estudar piano. Aos nove anos, participou do programa “Clube do Guri”, da PRG-3, Rádio Tupi (“o cacique do ar”), apresentando-se depois nos programas de Silveira Lima e César de Alencar. Ingressou, em seguida, no Conservatório Brasileiro de Música. Estreou profissionalmente em 1958, atuando como “crooner” da orquestra de Permínio Gonçalves, passando mais tarde a cantar nas boates Bacará (com o trio de Sérgio Mendes) e Bottle’s Bar, no Beco das Garrafas, reduto de boêmios e músicos da bossa nova. Gravou seu primeiro LP em 1961, “A sensação”, e daí por diante não parou mais. De 1966 a 1970, morou no México, apresentando-se várias vezes com Pery Ribeiro. Com ele, inclusive, fez um memorável show na boate carioca Porão 73, “Gemini V”, aliás o disco ao vivo está disponível aqui no TM, junto com outros trabalhos de Leny, todos excelentes. Este aqui, gravado em estúdio, foi lançado pelo selo Pointer,  teve sua capa alterada para ser vendido no restaurante Inverno & Verão, de São Paulo, onde Leny se apresentou na época (1985), e como sempre, tem um repertório de ótima qualidade, assinado por compositores diversos. Como cantora, ela dispensa qualquer comentário, e este disco é mais um produto de qualidade que o TM orgulha-se em oferecer. Confiram. 

clichet
samba de ré
bêbado
contigo aprendi – esta tarde vi llover
chico hipocondria
não dá
uau
dindi
sessão passa tempo
enredo do meu samba
vai passar
 


*Texto de Samuel Machado Filho

Jair Rodrigues – Menino Rei Da Alegria (1968)

Olá, amigos cultos e ocultos! O Toque Musical apresenta hoje mais um disco desse notável cantor que foi Jair Rodrigues, por sinal dos mais raros. É “Menino rei da alegria”, lançado em 1968. O repertório mantém a qualidade habitual de Jair nessa época, apresentando músicas de Nonato Buzar, Roberto Menescal, Sílvio César, Rildo Hora, Luiz Vieira, Monsueto, Carlos Imperial, da dupla Edu Lobo-Ruy Guerra e dos irmãos Valle. A surpresa, aqui, fica por conta da inclusão de “Pra não dizer que não falei das flores (Caminhando)”, a então polêmica composição de Geraldo Vandré que tanto mal-estar causou nos militares que então governavam o Brasil, e acabou proibida pela censura, sendo liberada apenas onze anos depois, em 1979 (provavelmente este álbum de Jair também foi recolhido). Encerrando o álbum, um popurri de sambas antigos, no qual a música de encerramento é “Se é pecado sambar”, e não “É com esse que eu vou”, como erroneamente consta da contracapa. Enfim, mais um primoroso trabalho de Jair Rodrigues, para enriquecer os acervos de tantos quantos apreciem nossa música popular no que ela tem de melhor.

pra todo mundo riar

felicidade

festa

repente

dia da vitoria

samba da rosa

regra trÊs

maré morta

escrete do samba

pra não dizer que não falei de flores

nascimento vida e morte de um samba

timidez

partido alto

pot pourri


*Texto de Samuel Machado Filho

Vicente Barreto – Nação Brasileira (1985)


Vicente Barreto, cantor e compositor que o Toque Musical põe em foco no dia de hoje, é o legítimo “tabaréu”, caipira do Nordeste. Nasceu em Salgadália, distrito de Conceição do Coité, no interior da Bahia, em 5 de abril de 1950, mas foi criado no município de Serrinha. Autodidata na arte de tocar violão, é parceiro de diversos artistas da MPB, tais como Alceu Valença (“Morena tropicana”, “Cabelo no pente”, “Pelas ruas que andei”), Tom Zé (“Hein!”, “Esteticar”, “Vaia de bêbado não vale”), Vinícius de Moraes (“Eterno retorno”), Celso Viáfora (“A cara do Brasil”, “A notícia”, “Por um fio”) e Paulo César Pinheiro (“Na volta que o mundo dá”), e tem dez álbuns lançados, o mais recente, “Cambaco”, de 2015. Suas músicas também foram gravadas por intérpretes do porte de Elba Ramalho, Ney Matogrosso, Alaíde Costa e Mônica Salmaso, entre outros. “Nação brasileira”, que o TM oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos, é o quarto disco de Vicente Barreto, e foi lançado em 1985. Aqui, o destaque fica por conta de “Amor de papel”, uma parceria com Raul Ellwanger, que foi tema da primeira versão da novela global “Sinhá Moça”. Ambos também assinam “Moça do Leblon” e “Cangaíba”. Há ainda parcerias com Jaguar (“Beijo de lua” e “Teias do coração”), Hermínio Bello de Carvalho (“Gaiola”), Alceu Valença (“Pirapora”) e Zé Rocha (“Mudança do tempo” e “Maracatu, nação brasileira”).  Tudo resultando em mais um disco que vale a pena conferir. 

moça do leblon
gaiola
beijo de lua
o sanfoneiro
teias do coração
pirapora
amor de papel
mudança de tempo
cangaíba
maracatu nação brasileira


*Texto de Samuel Machado Filho

 

Bendengó – La Nave Va (1986)

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje apresentamos para vocês o quinto e último álbum do grupo Bendegó, lançado em 1986 pela extinta 3M. O Bendegó, que fazia uma mistura de rock com ritmos regionais,  foi criado na Bahia pelo cantor, compositor e violonista Winston Geraldo Guimarães Barreto, o Gereba, e gravou seu primeiro LP em 1973. Além de Gereba, faziam parte do grupo o baixista Kapenga, o tecladista Vermelho, o baterista Hely Rodrigues e, curiosamente, João Santana, o Patinhas, mais tarde marqueteiro do PT e condenado pela Operação Lava Jato a oito anos e quatro meses de prisão, acusado de lavagem de dinheiro. Ele foi o principal letrista do Bendegó e teve músicas gravadas por Pepeu Gomes (“Voz do coração”) e Diana Pequeno (“Sinal de amor e de perigo”), além de ter sido parceiro de Moraes Moreira em “Forró do ABC”. Neste disco, João é parceiro de Kapenga em duas faixas: “A fonte é viver você” e “A hora H do agora”. Gereba, que também colaborou nos arranjos, assina outras dez faixas, algumas com letra de Capinam. Em suma, um disco agradável de ouvir, e que merece ser conferido.

santa menina sensual do metrô
cores do rio
arrasou, minha coisinha
a fonte é viver você
xô xô patacho
la nave va
cuba nagô
brilho do amor
dia de mar azul
a hora h do agora
big valley
pimentinha no forró



*Texto de Samuel Machado Filho